TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO ENSINO SUPERIOR

USO DE METODOLOGIAS ATIVAS NA GRADUAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2019.9871

Palavras-chave:

Sala de aula invertida, Aprendizagem baseada em projeto, Midialogia

Resumo

As tecnologias digitais de informação e comunicação têm contribuído enormemente para o desenvolvimento, a reformulação e a disseminação da educação a distância. Por meio dessas tecnologias tem sido possível o estabelecimento de diferentes abordagens de educação a distância e, mais recentemente, com a viabilização do uso das tecnologias móveis sem fio as atividades de educação a distância têm contribuído para a implantação das metodologias ativas de ensino e de aprendizagem. O objetivo do artigo é discutir como as tecnologias e os recursos de educação a distância auxiliaram no desenvolvimento das metodologias ativas, e como essas metodologias foram usadas na disciplina CS106 - Métodos e Técnicas de Pesquisa e de Desenvolvimento de Produtos em Midialogia, ministrada no período de 2007 a 2016, como parte do curso de Comunicação Social – Midialogia. Para o estudo das atividades realizadas nas disciplinas foi utilizado o método documental, baseado em registros dos trabalhos dos alunos no ambiente virtual de aprendizagem. Os resultados mostram que as metodologias ativas usadas foram a aprendizagem baseada em projetos e a sala de aula invertida; e que a produção dos alunos, bem como o aproveitamento deles, podem ser considerados de boa qualidade. Além disso, a evasão e a reprovação na disciplina foram praticamente inexistentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Armando Valente, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Livre Docente pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Professor Titular do Departamento de Multimeios, Mídia e Comunicação do Instituto de Artes da UNICAMP, Campinas, Brasil.

Referências

ALMEIDA, M. E. B.; VALENTE, J. A. Tecnologias e Currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? São Paulo: Paulus, 2011.

BACICH, L.; MORAN, J. M. (Org.) Metodologias Ativas para uma Educação Inovadora: Uma Abordagem Teórico-Prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BACICH, L.; TANZI NETO, A.; TREVISANI, F. M. (Org.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

BRASIL Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Brasília: MEC/SEF, 1997.

CHRISTENSEN, C.; HORN, M.; STAKER, H. Ensino Híbrido: uma Inovação Disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. Maio de 2013. Disponível em: <https://s3.amazonaws.com- /porvir/wp-content/uploads/2014/08/PT_Is-K-12-blended-learning-disruptive-Final.pdf>. Acesso em: 01 jul. 2018

DEWEY, J. (1916). Democracy and Education. Cópia revisada, 1944. New York: The Free Press, 1944.

DEWEY, J. Como pensamos - como se relaciona o pensamento reflexivo com o processo educativo: uma reexposição. São Paulo: Editora Nacional, 1979.

FLIPPED CLASSROOM FIELD GUIDE. The Flipped Classroom Field Guide. Disponível em: <https://tlc.uic.edu/files/2016/02/Flipped-Classroom-Field-Guide.pdf>. Acesso em: 05 jul. 2018.

FLIPPED LEARNING NETWORK. Portal Flipped Learning Network. Disponível em: <https://flippedlearning.org>. Acesso em: 05 jul. 2018.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

HARASIM, L.; HILTZ, S. R.; TELES, L.; TUROFF, M. Learning Networks: a field guide to teaching and learning online. Cambridge: MIT Press, 1995.

HERNÁNDEZ, F. Transgressão e mudança na Educação: Os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

HERNÁNDEZ, F.; VENTURA, M. A organização do currículo por projetos de trabalho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 3. ed. São Paulo: Loyola, 1994.

PIAGET, J. Fazer e compreender. São Paulo: Edições Melhoramentos e Editora da Universidade de São Paulo, 1978.

STAKER, H.; HORN, M. B. Classifying K–12 blended learning. Mountain View, CA: Innosight Institute, Inc. 2012. Disponível em: <https://www.christenseninstitute.org/wpcontent- /uploads/2013/04/Classifying-K-12-blended-learning.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2018.

TRABALHOS DE DISCIPLINAS Trabalhos de disciplinas. 2016. Disponível em: <http://www.iar.unicamp.br/graduacao-em-midialogia/trabalhos-de-disciplinas>. Acesso em: 05 jul. 2018.

VALENTE, J. A. Formação de professores: Diferentes abordagens pedagógicas. In: VALENTE, J. A. (Org.) Computadores na sociedade do conhecimento. Campinas, SP: UNICAMP/NIED, 1999, p. 131-156.

VALENTE, J. A. A Espiral da Espiral de Aprendizagem: o processo de compreensão do papel das tecnologias de informação e comunicação na educação. 2005. Tese (Livre Docência) Departamento de Multimeios, Mídia e Comunicação, Instituto de Artes (IA), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br-/document/?code=000857072&opt=4>. Acesso em: 15 jul. 2018.

VALENTE, J. A. Blended Learning e as Mudanças no Ensino Superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista (Impresso), v. Especial, p. 79-97, 2014.

Downloads

Publicado

2019-02-21

Como Citar

VALENTE, J. A. TECNOLOGIAS E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO ENSINO SUPERIOR : USO DE METODOLOGIAS ATIVAS NA GRADUAÇÃO. Trabalho &amp; Educação, Belo Horizonte, v. 28, n. 1, p. 97–113, 2019. DOI: 10.35699/2238-037X.2019.9871. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9871. Acesso em: 26 nov. 2021.