Dos campos de futebol para os campos de batalha: uma análise da Guerra dos Bálcãs

Conteúdo do artigo principal

Makchwell Coimbra Narcizo

Resumo

A Guerra dos Balcãs ganhou importância na história recente da Europa por conta de sua violência e crueldade, algo que os europeus julgavam superado no continente, visto que ocorreu no fim do século XX. Apesar de ser algo quase que folclórico o fato de que os conflitos tenham começado em uma partida de futebol, a importância desse esporte  no desenrolar da guerra é pouco explorada. A intenção do presente trabalho é tratar da influência do futebol não apenas no início, mas no desenrolar dos conflitos, passando por uma necessária reflexão sobre identidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Narcizo, M. C. (2018). Dos campos de futebol para os campos de batalha: uma análise da Guerra dos Bálcãs. FuLiA/UFMG, 2(2), 112–126. https://doi.org/10.17851/2526-4494.2.2.112-126
Seção
PARALELAS
Biografia do Autor

Makchwell Coimbra Narcizo, Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Goiás Universidade do Estado de Mato Grosso

Possui graduação em História pela Universidade Federal de Goiás (2009) e mestrado em História pela Universidade Federal de Goiás (2012). Atualmente é doutorando em História Social pela Universidade Federal de Uberlândia - UFU e professor substituto da Universidade Federal de Goiás e universidade do Estado de Mato Grosso. Membro do GEPAF/UFG - Grupo de estudo e pesquisa aplicado ao futebol.

Referências

ALVES, José Augusto Lindgren. Os Bálcãs novamente esquecidos. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 47, n. 1, p. 55-83, jan.-jun. 2004.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1998.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

CAMUS, Jean-Yves; MONZAT, René. Les droites nationales et radicales en France. Lyon: Presses universitaires de Lyon, 1992.

CHARTIER, Roger. A construção estética da realidade – vagabundos e pícaros na Idade Moderna. Revista Tempo, v. 9, n. 17, p. 33-51, jul.-jan. 2004.

CHARTIER, Roger. A história cultural entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

CURI, Martin. Tor zur Welt: Fußball als Realitätsmodell – gol para o mundo: futebol como modelo de realidade. Esporte e Sociedade, n. 1, p. 1-7, fev. 2006.

ELIAS, Norbert; DUNNING, Erick. A busca da excitação. Lisboa: DIFEL, 1992.

FOER, Franklin. Como o futebol explica o mundo: um olhar inesperado sobre a globalização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 2004.

GLENNY, Misha. McMáfia: crime sem fronteiras. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

MARIVOET, Salomé. Violência nos espetáculos de futebol. Revista Sociologia Problemas e Práticas, n. 12, p. 137-153, 1992.

MURAD, Maurício. A violência e o futebol: dos estudos clássicos aos dias de hoje. Rio de Janeiro: FGV, 2007, p. 18-20.

MURPHY, Patrick; WILLIAMS John; DUNNING, Eric. O futebol no banco dos réus: violência dos espectadores num desporto em mudança. Oeiras, Portugal: Celta Editora, 1994.

PIMENTA, Carlos Alberto Máximo. Torcidas organizadas de futebol – identidade e identificações, dimensões cotidianas. In: ALABARCES, Pablo (Org.). Futbologías: fútbol, identidad y violencia en América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2003, p. 39-55.

SEVCENKO, Nicolau. Futebol, metrópoles e desatinos. Revista USP, n. 22, p. 30-37, 1994.

STEWART, Christopher. Hunting the tiger: the fast life and violent death of the Balkans’ most dangerous man. New York: St. Martin's Press, 2008.

THE GUARDIAN. Obtuaries. Londres: 19 de janeiro de 2000.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000, p. 7-72.

REFERÊNCIAS ELETRÔNICAS:

LE MONDE. Guerre de Bosnie: Ron Haviviv recontre son image emblématique. Paris: 6 de abril de 2002. Obtuaries. Disponível em: https://goo.gl/SwjJS2. Acesso em: 25 nov. 2017.