A crônica esportiva como missão: José Lins do Rego, a construção do Maracanã e o significado da Copa do Mundo de 1950

Conteúdo do artigo principal

Bernardo Borges Buarque de Hollanda
Leandro Martan Bezerra Santos

Resumo

O artigo revisita o significado da Copa do Mundo de 1950 para o Brasil, à luz de uma série de crônicas esportivas do escritor José Lins do Rego, publicadas no Jornal dos Sports, entre 1946 e 1950. O argumento procura demonstrar os pressupostos e as motivações que levaram o romancista paraibano a se engajar, por meio de sua coluna diária “Esporte e Vida”, na campanha em prol do Mundial de 1950. Tal engajamento esteve longe de ser uma postura isolada e compartilhou a posição geral do periódico, comandado pelo empresário e jornalista Mario Filho. Em um momento em que as personalidades da política de esportes no Brasil transitavam pelas posições opinativas daquele jornal, de considerável projeção na cidade do Rio de Janeiro, Lins do Rego exercia as funções tanto de cronista quanto de dirigente da Confederação Brasileira de Desportos (CBD). Este dado biográfico permite elucidar parte do teor de suas crônicas e explica seu entusiasmo com, pelo menos, três aspectos do torneio: a construção de um estádio público na capital da República; o brio e o orgulho nacional com a capacidade de realização do Mundial de 1950; e o apoio incondicional à performance dos jogadores da Seleção Brasileira, mesmo após a inesperada derrota para os uruguaios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Hollanda, B. B. B. de, & Santos, L. M. B. (2018). A crônica esportiva como missão: José Lins do Rego, a construção do Maracanã e o significado da Copa do Mundo de 1950. FuLiA/UFMG, 2(3), 9–38. https://doi.org/10.17851/2526-4494.2.3.9-38
Seção
DOSSIÊ
Biografia do Autor

Bernardo Borges Buarque de Hollanda, Fundação Getúlio Vargas

É doutor (2008) em História Social da Cultura pela PUC-Rio. É professor-adjunto da Escola de Ciências Sociais, da Fundação Getúlio Vargas, e pesquisador do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC/FGV). É pós-doutor pela Maison des sciences de l'homme (Paris-2009). É coordenador do MBA em Bens Culturais na FGV, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Suas principais áreas de interesse são: história social do futebol e torcidas organizadas; modernismo e vida literária no Brasil; cultura brasileira - crítica e interpretação; pensamento social e história intelectual.

Referências

ALMEIDA, Rosângela de Sena. De Copa a Copa: memórias do estádio de futebol do Maracanã. Tese (Doutorado em Memória Social) – UNI-Rio, Rio de Janeiro, 2014.

BANCHETTI, Luciano Deppa. Memórias em jogo: futebol, seleção brasileira e as Copas do Mundo de 1950 e 1954. Dissertação (Mestrado em História Social) – PUC-Rio, São Paulo, 2011.

BRAUNER, Eugênio. Entre as quatro linhas: da crônica sobre o futebol ao colunismo esportivo ou da profissionalização do futebol e do cronista. Dissertação (Mestrado em Literatura Brasileira) – UFRGS, Porto Alegre, 2010.

CAPRARO, André Mendes. Identidades imaginadas: futebol e nação na crônica esportiva brasileira do século XX. Tese (Doutorado em História) – UFPR, Curitiba, 2007.

CAPRARO, André Mendes (et.al.). A crônica esportiva de José Lins do Rego: política, paixão e relações de força. Revista Brasileira de Educação Física e do Esporte, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 323-333, jun. 2016.

CAPRARO, André Mendes (et.al.). Copa do Mundo de 1950: a imprensa e os jogos realizados em Curitiba. Esporte e Sociedade, Rio de Janeiro, n. 14, mar.-jun. 2010.

CLEMENTE, Rafael William. Maracanã: espaço e representação entre torcedores de futebol. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – UFRRJ, Rio de Janeiro, 2016.

COUTINHO, Edilberto. Zélins, Flamengo até morrer! Rio de Janeiro: s.e., 1995.

COUTO, André Alexandre Guimarães. Cronistas esportivos em campo: letras, imprensa e cultura no Jornal dos Sports. Tese (Doutorado em História) – UFPR, Curitiba, 2016.

COUTO, Euclides; LAGE, Marcus Vinícius Costa. Representações do nacionalismo em tempos de Copa do Mundo: um estudo sobre a ‘grande imprensa’ mineira (1949). Revista Recorde, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 1-7, jun. 2016.

FRAGA, Gérson Wasen. A “derrota do Jeca” na imprensa brasileira: nacionalismo, civilização e futebol na Copa do Mundo de 1950. Tese (Doutorado em História) – UFRGS, Porto Alegre, 2009.

FREITAS JR., Miguel Archanjo. No meio do caminho: tensões presentes nas representações sobre o futebol e o ideal de modernidade brasileira na década de 1950. Tese (Doutorado em História) – UFPR, Curitiba, 2009.

FREITAS JR., Miguel Archanjo. Copa do Mundo de 1950: a cultura da desculpa como justificativa de um fracasso. In: FREITAS JR., M. A.; CAPRARO, A. (Org.). Passe de letra: crônica esportiva e sociedade brasileira. Ponta Grossa: Editora Vila Velha, 2012.

GALVÃO, Walnice Nogueira. No calor da hora: a guerra de Canudos nos jornais. São Paulo: Editora Ática, 1974.

GUIMARÃES, Manuel Salgado. Futebol, sonho e decepção. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 13, n. 23, p. 209-213, jul. 1999.

HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de. O descobrimento do futebol: modernismo, regionalismo e paixão esportiva em José Lins do Rego. Rio de Janeiro: Edições Biblioteca Nacional, 2004.

Jornal dos Sports, Rio de Janeiro, 1946-1950 [Seleção].

MACHADO, Felipe Morelli. Bola na rede e povo nas ruas! Estado Novo, imprensa esportiva e torcedores na Copa do Mundo de 1938. Dissertação (Mestrado em História) – PUC-Rio, São Paulo, 2011.

MOURA, Gisella de Araújo. O Rio corre para o Maracanã. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1998.

O Globo, Rio de Janeiro, 09 maio 1947, 2ª seção da edição vespertina, p. 1.

PACHECO, Leonardo Turchi. Memórias da tragédia: masculinidade e envelhecimento na Copa do Mundo de 1950. Revista Brasileira de Ciência do Esporte, Florianópolis, v. 32, n. 1, p. 25-40, nov. 2010.

PRADO, Prado. Retrato do Brasil – ensaio sobre a tristeza brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

REGO, José Lins do. O caráter do brasileiro. In: ______. Flamengo é puro amor. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002.

REGO, José Lins do. O caráter do brasileiro. In: ______. O vulcão e a fonte. Rio de Janeiro: Edições O Cruzeiro, 1958.

RODRIGUES FILHO, Mário. O negro no futebol brasileiro. Rio de Janeiro: Editora Mauad, 2003.

SANTOS, Natasha. O futebol em Nelson Rodrigues: uma pesquisa historiográfica acerca de literatura e identidade nacional. In: FREITAS JR., M. A.; CAPRARO, A. (Org.). Passe de letra: crônica esportiva e sociedade brasileira. Ponta Grossa: Editora Vila Velha, 2012.

SARMENTO, Carlos Eduardo. A construção da nação canarinho: uma história institucional da seleção brasileira de futebol, 1914-1970. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SILVA JUNIOR, César Roberto de Lima. Maracanã, in memoriam. TCC (História, Memória e Patrimônio) – Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro, 2014.

VIEIRA, Evaldo. A República brasileira, 1951-2010: de Getúlio a Lula. São Paulo: Editora Cortez, 2015.

VILHENA, Luís Rodolfo. Projeto e missão: o movimento folclórico brasileiro. Rio de Janeiro: Funarte/Fundação Getúlio Vargas, 1997.

VOGEL, Arno. O momento feliz: reflexões sobre o futebol e o ethos nacional. In: DaMATTA, R. (et. al.). Universo do futebol. Rio de Janeiro: Edições Pinakotheque, 1982.