O futebol-arte brasileiro: uma tradição continuamente reinventada e contestada

Conteúdo do artigo principal

Nathaly Barbieri Marcondes César
José Carlos Marques

Resumo

O futebol brasileiro, desde a primeira metade do Século XX, tem sido comumente associado a uma prática em que predominariam as noções de magia, habilidade, fantasia e espetáculo, muito em função da valorização das individualidades e da capacidade de driblar de nossos atletas. Se, por um lado, há uma legitimação – especialmente pelo discurso midiático – de que o futebol brasileiro é caracterizado por meio do futebol-arte, alguns estudos acadêmicos das últimas duas décadas no Brasil, por outro lado, problematizam ou recusam essa caracterização quando se observa o futebol nacional, especialmente o praticado pela Seleção Brasileira. Assim, este artigo procura verificar como a visão fundada por Gilberto Freyre (1938) a respeito do futebol-arte ainda mantém força, renovada a cada Copa do Mundo especialmente por emissoras televisivas, ao passo que outros discursos procuram desmistificar tal visão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
César, N. B. M., & Marques, J. C. (2019). O futebol-arte brasileiro: uma tradição continuamente reinventada e contestada. FuLiA/UFMG, 3(2), 178–199. https://doi.org/10.17851/2526-4494.3.2.178-199
Seção
DOSSIÊ
Biografia do Autor

Nathaly Barbieri Marcondes César, Universidade Estadual Paulista Programa de Pós-graduação em Comunicação

Mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação da Unesp - campus de Bauru. Graduada em Publicidade e Propaganda pela Universidade do Sagrado Coração (USC).

José Carlos Marques, Universidade Estadual Paulista Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Programa de Pós-graduação em Comunicação Departamento de Ciências Humanas

Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e do Departamento de Ciências Humanas da Unesp - campus de Bauru.

Referências

DAMATTA, Roberto. Antropologia do óbvio. Revista USP. São Paulo, n. 22, p. 10-17, jun-jul-ago, 1994.

DAMATTA, Roberto. Esporte na Sociedade: Um Ensaio sobre o Futebol Brasileiro. In: DAMATTA, Roberto. Universo do Futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982.

DAMO, Arlei. Do dom à profissão: a formação de futebolistas no Brasil e na França. São Paulo: HUCITEC, 2007.

FRANCO JÚNIOR, Hilário. Brasil, país do futebol?. Revista USP, São Paulo, n. 99, p. 45-56, set.-nov. 2013.

FRANZINI, Fábio. As raízes do país do futebol: estudo sobre a relação entre o futebol e a nacionalidade brasileira (1919 – 1950). 2000. 153 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

FREYRE, Gilberto. Foot-ball mulato. Diário de Pernambuco, Recife, 17 jun. 1938.

GASTALDO, Édison. A Pátria na “imprensa de chuteiras”: futebol, mídia e identidades brasileiras. In: ANPOCS, XXVII, 2003, Caxambu. Encontro Anual da ANPOCS – Associação Nacional em Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais. Congresso, ANPOCS.

GASTALDO, Édison. Pátria, chuteiras e propaganda: o brasileiro na publicidade da Copa do Mundo. São Paulo: Annablume; São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2002.

GUEDES, Simoni Lahud. A produção das diferenças na produção dos ‘estilos de jogo’ no futebol: a propósito de um texto fundador. In BUARQUE DE HOLLANDA, B. B.; BURLAMAQUI, L. G. (Orgs.). Desvendando o jogo – nova luz sobre o futebol. Niterói: Editora da UFF – FAPERJ, 2014.

HELAL, Ronaldo. Heróis Malandros?. O Globo, Rio de Janeiro, 02 nov. 2012.

HELAL, Ronaldo; GORDON, Cesar. A crise no futebol brasileiro: perspectivas para o século XXI. ECO-PÓS, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 37-55, 2002.

HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence (Orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

MARANHÃO, Tiago. “Apolíneos e dionisíacos” – o papel do futebol no pensamento de Gilberto Freyre a respeito do “povo brasileiro”. Análise Social. Lisboa, v. 41, n. 179, p. 435-450, 2006.

MARQUES, José Carlos. O futebol em Nelson Rodrigues. São Paulo: Educ, 2012.

MARQUES, José Carlos; MARCONDES, Nathaly B. A vinheta oficial da FIFA para a Copa do Mundo de 2014 e o futebol-arte de Gilberto Freyre: aproximações estéticas e apropriação publicitária. Eptic (UFS), v. 18, p. 133-149, 2016.

MARQUES, José Carlos; MARCONDES, Nathaly B. Um por todos, todos por um: a individualidade e o “futebol arte” brasileiro analisados em três momentos da Copa do Mundo de 2014. In: ARAÚJO, Allyson Carvalho (Org.). Copa do Mundo 2014: debates sobre mídia e cultura. Natal: EDUFRN, 2015, v. 1, p. 115-144.

MÁXIMO, João. Memórias do futebol brasileiro. Estudos Avançados. São Paulo, v. 13, n. 37, p. 179-188, 1999.

PASOLINI, Pier Paolo. O gol fatal. Folha de S. Paulo. São Paulo: 06 mar. 2005. Caderno Mais!, p. 4.

ROSENFELD, Anatol. Negro, Macumba e Futebol. São Paulo: Perspectiva: Editora da Universidade de São Paulo; Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1993.

SANTORO, Marco A.; SOARES, Antônio J. G. A memória da Copa de 1970: esquecimentos e lembranças do futebol na construção da identidade nacional. Campinas: Autores associados, 2009.

SOARES, Antônio J.; HELAL, Ronaldo; SANTORO, Marco A. Futebol, imprensa e memória. Revista Fronteiras – estudos midiáticos. São Leopoldo, v. 6, n. 1, p. 61-78, jan/jun 2004.

SOARES, Antônio J.; LOVISOLO, Hugo R. Futebol: a construção histórica do estilo nacional. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 25, n. 1, p. 129-143, set. 2003.

VOGEL, Arno. O momento feliz – reflexões sobre o futebol e o ethos nacional. In: DAMATTA, Roberto et al. Universo do Futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982.

WISNIK, José Miguel. Veneno remédio: o futebol e o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.