Matchday na Neo Química Arena ressignificação e redimensionamento dos jogos do Corinthians

Conteúdo do artigo principal

Núbia Azevedo
Zeca Marques

Resumo

Com o futebol potencializado ainda mais como negócio no Século XXI, e em decorrência do processo de “arenização” dos recintos esportivos, o evento jogo de futebol passou por um redimensionamento. Local edificador de identidades e produtor de sentido de pertencimento, os estádios se configuram atualmente como um elemento crucial para atender às novas demandas econômicas às quais este esporte está submetido. Desta forma, o presente artigo objetiva investigar as estratégias do Corinthians para engajamento da Fiel Torcida no Matchday do estádio do clube, a Neo Química Arena, e questionar o quão acessível seria o consumo dos novos dispositivos. Metodologicamente o estudo se fundamenta nas pesquisas bibliográfica e documental. Pôde-se concluir que o Corinthians cria uma atmosfera que propicia o engajamento do seu torcedor, bem como se produzem novos sentidos para o estádio a partir das experiências ofertadas aos torcedores. No entanto, o consumo e a participação nestas experiências é inviável para a maioria dos corinthianos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
AZEVEDO, N.; MARQUES, J. C. Matchday na Neo Química Arena: ressignificação e redimensionamento dos jogos do Corinthians. FuLiA/UFMG , Belo Horizonte/MG, Brasil, v. 6, n. 3, p. 47–69, 2022. DOI: 10.35699/2526-4494.2021.36986. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/36986. Acesso em: 25 jun. 2024.
Seção
DOSSIÊ
Biografia do Autor

Zeca Marques, Universidade Estadual Paulista - Unesp/Bauru

Doutor em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de Bauru –SP. E-mail: jose.marques@unesp.br.

Share |

Referências

ANTUNES, Fatima Martins Rodrigues Ferreira. “Com brasileiro não há quem possa!”: Futebol e identidade nacional em José Lins do Rego, Mário Filho e Nelson Rodrigues. São Paulo: Editora UNESP, 2004. DOI: https://doi.org/10.7476/9788539302789

BELIK, Walter. Estudo sobre a Cadeia de Alimentos. Disponível em: https://bit.ly/3Pw1HmN. Acesso em: 21 out. 2021.

CAMAROTE ARENA KIDS. Hotsite Camarote Arena Kids. 2021. Disponível em: https://www.camarotearenakids.com.br/. Acesso em: 20 out. 2021.

CAMAROTE FIELZONE. Hotsite Camarote Fielzone. 2021. Disponível em: https://camarotefielzone.com.br/. Acesso em: 20 out. 2021.

DAMO, Arlei Sander. Do dom à profissão: uma etnografia do futebol de espe-táculo a partir da formação de jogadores no Brasil e na França. 2005. 435 p. Tese de Doutorado em Antropologia Social. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universida-de Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2005.

DIAFÉRIA, Lourenço. Coração corinthiano. São Paulo: Fundação Nestle, 1992.

FERRARI, Nathalie. A (re)elitização do futebol moderno: espetacularização do esporte mais popular do Brasil como um negócio. Revista eletrônica de Ciên-cias Sociais e Filosofia – Revista Alamedas, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, n. 1, v. 7, p. 65-76, ago., 2019. DOI: https://doi.org/10.48075/ra.v7i1.22664

FRONCILLO, Adriano; ALMEIDA, Marco. Análises sociais do impacto da cons-trução do estádio do Corinthians para Itaquera. Revista Digital EFDeportes, Buenos Aires, v.18, n. 179, p.1, abr., 2013. Disponível em: https://bit.ly/3a2vjI6. Acesso em: 13 out. 2021.

GUTERMAN, Marcos. O futebol explica o Brasil: uma história da maior ex-pressão popular do país. São Paulo: Editora Contexto, 2009.

IBOPE Repucom. DNA Torcedor: Corinthians. Ibope Repucom. Ago. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3Nx0fip. Acesso em: 14 out. 2021.

MARTINEZ, André. Centenário do Corinthians. São Paulo: Larousse Brasil, 2010.

MASCARENHAS, Gilmar. Entradas e bandeiras: a conquista do Brasil pelo futebol. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2014.

MASCARENHAS, Gilmar. Um jogo decisivo, mas que não termina: a disputa pelo sentido da cidade nos estádios de futebol. Revista Cidades, Universida-de Estadual Paulista, n. 17, v. 10, p. 142-170, 2013. DOI: https://doi.org/10.36661/2448-1092.2013v10n17.12020

NEO QUÍMICA ARENA. [serviços]. 2021. Disponível em: https://www.neoquimicaarena.com.br/servicos. Acesso em: 20 out. 2021.

OLIVEIRA JÚNIOR, Ricardo César. A Reviravolta do “fanáticos”: Arenização, agenciamentos mercadológicos e novos movimentos políticos a partir do Sport Club Internacional. (Tese). Doutorado em Antropologia Social, Instituto de Fi-losofia e Ciências Sociais da UFRGS, Porto Alegre, 2017.

SANTOS, Irlan. O público dos estádios: marcos históricos da atual elitização e arenização do futebol brasileiro. In: Congresso de Ciências da Comunicação na região nordeste, 16, 2014, João Pessoa. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. João Pessoa: Intercom, 2014. p. 1-15. Disponível em: https://bit.ly/3Ntfd96. Acesso em: 6 out. 2021.

SIMÕES, Irlan. Clientes versus Rebeldes: novas culturas torcedoras nas are-nas do futebol moderno. Rio de Janeiro: Editora Multifoco, 2017.

SOUZA, Denaldo Achorne de. O Brasil entra em campo!: Construções e re-construções da identidade nacional (1930-1947). São Paulo: Editora Anna-blume, 2008.

TIROLESA SELOKO. Hotsite Tirolesa Seloko. 2021. Disponível em: https://tirolesaseloko.com.br. Acesso em: 20 out. 2021.

VIVEK, Shiri D. A scale of consumer engagement. 248 f. Trabalho de conclu-são de Curso (Doutorado) – The University of Alabama, Tuscaloosa, Alabama, 2009.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)