Indicadores de salubridade urbana e rural da bacia do Rio Doce

  • Ricardo Alexandrino Garcia
  • Paulo Eduardo Alves Borges da Silva
  • Carlos Lobo

Resumo

O bem estar social é um tema amplamente discutido diante das incontáveis perspectivas de aplicação de dados, tratamento estatístico, produção de índices e possibilidades de representação espacial dos fenômenos. Dessa maneira, o acesso aos serviços de saneamento e suas implicações no ambiente; os atendimentos médicos e as ocorrências epidemiológicas amplamente observadas/registradas pela saúde pública, além das possibilidades de inserção dos indivíduos nos sistemas de amparo e necessidades básicas individuais ou coletivas de uma população, abrangem as principais perspectivas de se caracterizar a qualidade de vida humana. Surge nesse contexto a construção do conceito de salubridade, que incorpora estas dimensões e possibilita uma análise conjugada. Ao passo que na contemporaneidade é explícito a apropriação dos elementos naturais enquanto recursos torna-se procedente a discussão sobre a condição atual de higidez em uma bacia hidrográfica federal recentemente devastada que será, de agora em diante, palco de um debate perene diante de um desastre socioambiental sem precedentes: a devastação do Rio Doce, seus afluentes e sua gente. Este artigo apresenta uma metodologia que sintetiza a salubridade a partir de técnicas de análise multivariada e conjugação de diferentes indicadores. O mapeamento que apresenta a espacialização do índice gerado é compatível com as observações in loco, comprovando, portanto, a aplicabilidade dos métodos propostos.
Publicado
2016-08-08
Seção
Artigos