Atividades Investigativas na Educação Científica: Dimensões e Perspectivas em Diálogos com o ENCI

Palavras-chave: atividades investigativas, educação científica, revisão sistemática de literatura.

Resumo

As atividades investigativas têm sido recomendadas no contexto educacional há longa data, como pode ser constatado em publicações da área de Ensino de Ciências, documentos oficiais e materiais didáticos. Ao analisarmos essas produções, percebemos que há diferentes pressupostos, propostas de atividades e recomendações que nem sempre estão explícitos, dificultando uma compreensão mais crítica sobre o assunto e a própria elaboração e desenvolvimento de práticas escolares. Diante disso, neste trabalho discutimos uma sistematização das diferentes perspectivas de atividades investigativas, com ênfase nos objetivos formativos e visões de ciências, com a intenção de melhor compreender essa abordagem e contribuir para a elaboração e desenvolvimento de novas pesquisas e práticas escolares. Para tanto, realizamos uma pesquisa de cunho bibliográfico, mais especificamente, uma análise da produção da área de ensino de ciências, por meio dos artigos publicados em revistas. Dentre os resultados, além de uma descrição da produção científica no que se refere aos objetivos das pesquisas, níveis de ensino e resultados encontrados, destacamos que as propostas analisadas apresentam diferentes objetivos formativos e visões de ciências, algumas pouco críticas e que podem veicular imagens deformadas sobre a ciência. Defendemos, nesse contexto, que à medida que tais atividades são pensadas no âmbito das questões pedagógicas propostas pelo Ensino de Ciências por Investigação, aspectos educacionais se tornam mais claros e conduzem a perspectivas processuais e reflexivas sobre as ciências.

Referências

Abd-el-Khalick, F., BouJaoude, S., Duschl, R., Lederman, N. G., Mamlok-Naaman, R., Hofstein, A., ..., & Tuan, H. (2004). Inquiry in Science Education: International Perspectives. Science Education, 88(3), 397–419. https://doi.org/10.1002/sce.10118
Anderson, R. D. (2002). Reforming Science Teaching: What Research says about Inquiry. Journal of Science Teacher Education, 13(1), 1–12. https://doi.org/10.1023/A:1015171124982
Andrade, G. T. B. (2011). Percursos históricos de ensino de ciências através de atividades investigativas. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 13(1), 121–138. https://dx.doi.org/10.1590/1983-21172013130109. 38
Azevedo, N. H., & Scarpa, D. L. (2017). Revisão Sistemática de Trabalhos sobre Concepções de Natureza da Ciência no Ensino de Ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 17(2), 579–619. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2017172579
Barrow, L. H. (2006). A Brief History of Inquiry: From Dewey to Standards. Journal of Science Teacher Education, 17(3), 265–278. https://doi.org/10.1007/s10972-006-9008-5
MEC. (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: Secretaria de Educação Básica. Recuperado em 04 de julho de 2018, de http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file
MEC (2017). Base Nacional Comum Curricular. Ensino Fundamental. Brasília: Secretaria de Educação Básica. Recuperado em 04 de julho de 2018, de http://basenacionalcomum.mec.gov.br/download-da-bncc
Caamaño, A. (2012). ¿Cómo introducir la indagación en el aula? Los trabajos prácticos investigativos. Alambique. Didáctica de las Ciencias Experimentales, 70, 83–91.
Cañal, P. (2007). La investigación escolar hoy. Alambique. Didáctica de las Ciencias Experimentales, 52, 9–19.
Couso, D. (2014). De la moda de “aprender indagando” a la indagación para modelizar: una reflexión crítica. In Actas del XXVI Encuentro de Didáctica de las Ciencias Experimentales. Huelva, Andalucía, España. Recuperado em 04 de julho de 2018, de http://www.apice-dce.com/actas/docs/conferencias/pdf/26ENCUENTRO_DCE-ConferenciaPlenariaInaugural.pdf
Crujeiras Pérez, B. (2014). Competencias e prácticas científicas no laboratorio de química: participación do alumnado de secundaria na indagación. (Tese de Doutorado). Universidade de Santiago de Compostela, Santiago de Compostela. Recuperado em 04 de julho de 2018, de http://hdl.handle.net/10347/12072
Crujeiras, B., Jiménez Aleixandre, M. P., & Gallastegui, J. R. (2013). Indagación en el laboratorio de química. Secuencia de actividades en que el alumnado de 3.º y 4.º de ESO diseñan experimentos. Alambique. Didáctica de las Ciencias Experimentales, 74, 49–56.
Deboer, G. E. (2006). Historical Perspectives On Inquiry Teaching In Schools. In L.B. Flick, & N. G. Lederman (Orgs), Scientific Inquiry and Nature of Science. Dordrecht: Springer.
Fleck, L. (1979). Genesis and development of a scientific fact. Chicago: University of Chicago Press.
Flick, L. B., & Lederman, N. G. (2006). Scientific Inquiry and Nature of Science. Dordrecht: Springer.
Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra
Galvão, T. F, & Pereira, M. G. (2014). Revisões sistemáticas da literatura: passos para sua elaboração. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 23(1), 183–184. Recuperado em 04 de julho de 2018, de http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742014000100018&lng=pt&tlng=pt
Gil-Pérez, D., Montoro, I. F., Alís, J. C., Cachapuz, A., & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, 7(2), 125–153. https://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132001000200001
Gil-Pérez, D., Cachapuz, A., & Praia, J. (2002). A hipótese e a experiência científica em educação em ciência: contributos para a reorientação epistemológica. Ciência & Educação, 8(2), 253–262. https://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132002000200009. ca2.
Grandy, R., & Duschl, R. (2007). Reconsidering the Character and Role of Inquiry in School Science: Analysis of a Conference. Science & Education, 16(2), 141–166. https://doi.org/10.1007/s11191-005-2865-z
Guimarães, M. A., Carvalho, W. L. P. de, & Oliveira, M. S. (2010). Raciocínio moral na tomada de decisões em relação a questões sociocientíficas: o exemplo do melhoramento genético humano. Ciência & Educação, 16(2), 465–477. https://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132010000200013
Hodson, D. (1994). Hacia un enfoque más crítico del trabajo de laboratorio. Enseñanza de las Ciencias, 12(3), 299–313. Recuperado em 04 de julho de 2018, de https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/21370
Jiménez-Aleixandre, M. P., Agraso, M., & Eireixas, F. (2004). Scientific Authority and Empirical data in argument warrants about the Prestige oil spill. In Atas da Reunião Anual da National Association for Research in Science Teaching (NARST), Vancouver.
Krasilchik, M. (1987). Professor e o currículo das ciências. São Paulo: EPU/EDUSP.
Moraes, R., & Galliazzi, M. do C. (2007). Análise Textual Discursiva. Ijuí: Editora Unijuí.
Munford, D., & Lima, M. E. C. C. (2007). Ensinar ciências por investigação: em quê estamos de acordo? Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 9(1), 89–111. https://dx.doi.org/10.1590/1983-21172007090107.
NRC (2000). Inquiry and the National Science Education Standards: A Guide for Teaching and Learning. Washington: National Academy Press.

NRC (1996). National Science Education Standards. Washington: National Academy Press.
Osborne, J., & Dillon, J. (2008). Science Education in Europe: Critical Reflections. London: Nuffield Foundation. Recuperado em 04 de julho de 2018, de https://www.nuffieldfoundation.org/sites/default/files/Sci_Ed_in_Europe_Report_Final.pdf
Pozo, J. I., & Crespo, M. A. (2009). A aprendizagem e o ensino de ciências. Do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Porto Alegre: Artmed.
Reigosa, C., & Jiménez Aleixandre, M. P. (2000). La cultura científica en la resolución de problemas en el laboratorio. Enseñanza de las Ciencias, 18 (2), 275–284. Recuperado em 04 de julho de 2018, de https://ddd.uab.cat/pub/edlc/02124521v18n2/02124521v18n2p275.pdf
Reyes-Cárdenas, F., & Padilla, K. (2012). La indagación y la enseñanza de las ciências. Educación Química, 23(4), 415–421. Recuperado em 04 de julho de 2018, de http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0187-893X2012000400002&lng=es&tlng=es
Rocard, M. (2007). Science Education Now: A Renewed Pedagogy for the Future of Europe. Brussels, Belgium. European Commissionea. Recuperado em 04 de julho de 2018, de http://ec.europa.eu/research/science-society/ document_library/pdf_06/report-rocard-onscience- education_en.pdf (2.06.2015)
Rodrigues, B. A., & Borges, A. T. (2008). O ensino de ciências por investigação: reconstrução histórica. In Atas do XI Encontro de Pesquisa em Ensino de Física (pp. 1–12), Curitiba, PR: Sociedade Brasileira de Física. Recuperado em 04 de julho de 2018, de http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/epef/xi/atas/listaresumos.htm
Sá, E. F. (2009). Discursos de professores sobre ensino de ciências por investigação. (Tese de Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG. Recuperado em 04 de julho de 2018, de http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/FAEC-84JQPM/2000000177.pdf?sequence=1
Sasseron, L. H. (2015). Alfabetização científica, ensino por investigação e argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 17(spe), 49–67. https://dx.doi.org/10.1590/1983-2117201517s04ov
Schwab, J. (1966). The Teaching of Science. Cambridge: Harvard University Press.
Simonneaux, L., & Simonneaux, J. (2009). Students’ socio-scientific reasoning on controversies from the viewpoint of education for sustainable development. Cultural Studies of Science Education, 4(3), 657–687. https://doi.org/10.1007/s11422-008-9141-x
Trópia, G. (2015). A Relação Epistêmica com o Saber de Alunos no Ensino de Biologia por Atividades Investigativas. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 8(3), 55–80. https://doi.org/10.5007/1982-5153.2015v8n3p55.ãia
Zompero, A. F., & Laburú, C.E. (2011). Atividades investigativas no ensino de ciências: aspectos históricos e diferentes abordagens. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 13(3), 67–80. Recuperado em 04 de julho de 2018, de https://periodicos.ufmg.br/index.php/ensaio/article/view/8545/6484
Publicado
2018-12-15
Como Citar
Strieder, R. B., & Watanabe, G. (2018). Atividades Investigativas na Educação Científica: Dimensões e Perspectivas em Diálogos com o ENCI. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 18(3), 819-849. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018183819