O acesso da população em situação de rua é um direito negado?

Autores

  • Cindy Damaris Gomes Lira Universidade Federal Rural do Semiárido, Programa de Pós-Graduação em Cognição, Tecnologias e Instituições, Mossoró RN , Brazil, Universidade Federal Rural do Semiárido - UFERSA, Programa de Pós-Graduação em Cognição, Tecnologias e Instituições. Mossoró, RN – Brasil http://orcid.org/0000-0001-6667-0435
  • Jéssica Micaele Rebouças Justino Universidade Federal Rural do Semiárido, Programa de Pós-Graduação em Cognição, Tecnologias e Instituições, Mossoró RN , Brazil, Universidade Federal Rural do Semiárido - UFERSA, Programa de Pós-Graduação em Cognição, Tecnologias e Instituições. Mossoró, RN – Brasil http://orcid.org/0000-0002-4898-9722
  • Irismar Karla Sarmento de Paiva Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Natal RN , Brazil, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Natal, RN – Brasil http://orcid.org/0000-0001-7841-0809
  • Moêmia Gomes de Oliveira Miranda Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Faculdade de Enfermagem, Departamento de Enfermagem, Mossoró RN , Brazil, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte -UERN, Faculdade de Enfermagem, Departamento de Enfermagem. Mossoró, RN - Brasil http://orcid.org/0000-0001-5786-2451
  • Ana Karine de Moura Saraiva Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Faculdade de Enfermagem, Departamento de Enfermagem, Mossoró RN , Brazil, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte -UERN, Faculdade de Enfermagem, Departamento de Enfermagem. Mossoró, RN - Brasil http://orcid.org/0000-0002-3337-2885

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49810

Palavras-chave:

Sistema Único de Saúde, Pessoas em Situação de Rua, Acesso aos Serviços de Saúde

Resumo

OBJETIVO: analisar o acesso da população em situação de rua (PSR) aos serviços de saúde. MÉTODOS: trata-se de pesquisa qualitativa na qual foram realizadas 29 entrevistas com trabalhadores de saúde distribuídos entre profissionais de equipes de saúde da família, de unidades de pronto-atendimento e de hospital geral de urgência e emergência. RESULTADOS: o acesso da PSR ocorre preferencialmente nos serviços de urgência e emergência, mediante a exigência de documentos de identificação pessoal e cartão do Sistema Único de Saúde (SUS), embora estes não assegurem a continuidade do atendimento; transferência de responsabilidade pelo atendimento entre as instituições que compõem a rede de atenção à saúde; padronização dos formulários e da assistência; dificuldades de acesso materializadas em: questões burocráticas, número reduzido de profissionais, estrutura e insumos insuficientes, ausência de residência fixa e desvalorização social dessa população. CONCLUSÃO: a compreensão de acesso que permeia os serviços de saúde é restrita à entrada para o primeiro atendimento, constituindo-se em um direito constitucional negado à população em situação de rua. Essa população, embora esteja presente na sociedade neoliberal, é invisível ao serviço de saúde, sendo reconhecida por estereótipos historicamente construídos pela sociedade capitalista, que tem um padrão definido do que sejam os modos de andar a vida. Desse modo, constitui-se em desafio para a gestão, trabalhadores, movimentos sociais e instituições formadoras, uma vez que questiona o SUS como uma conquista da sociedade e uma política pública de inclusão social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Vasconcelos CM, Pasche DF. O Sistema Único de Saúde. In: Campos GWS, Bonfim JRA, Minayo MCS, Akerman M, Drumond Junior M, Carvalho YM. Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec; 2006.

Carnut L. Desafios das políticas sociais no Brasil: caso da universalidade da Atenção Primária à Saúde - primeiras notas. J Monag Prim Health. 2011[citado em 2017 out. 12]; 200:25-9. Disponível em: http://www.jmphc.com.br/jmphc/article/download/96/97/

Cohn A. O estudo das políticas de saúde: implicações e fatos. In: Campos GWS, Bonfim JRA, Minayo MCS, Akerman M, Drumond Junior M, de Carvalho YM. Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec; 2006.

Brêtas ACP, Cavicchioli MGS, Rosa AS. O processo saúde-doença-cuidado e a população em situação de rua. Rev Latino-Am Enferm. 2005[citado em 2017 set. 23];13(4):576-82. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n4/v13n4a17.pdf

Botti NCL, Castro C, Ferreira M, Silva AK, Oliveira L, Castro AC, et al. Condições de saúde da população de rua na cidade de Belo Horizonte. Cad Bras Saúde Mental. 2009[citado em 2017 set. 23];1(2):162-76. Disponível em: http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/1141/1383.

Assis MMA, Villa TCS, Nascimento MAA. Acesso aos serviços de saúde: uma possibilidade a ser construída na prática. Ciênc Saúde Coletiva. 2003[citado em 2017 set. 23];8(3):815-23. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/ssm/content/raw/?resource_ssm_path=/media/assets/csc/v8n3/17462.pdf.

Minayo MCS, Souza ER. É possível prevenir a violência? Reflexões a partir do campo da saúde pública. Ciênc Saúde Coletiva. 1999[citado em 2017 set. 23];4(1):7-32. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1413-81231999000100002&script=sci_arttext&tlng=

Oliveira EXG, Carvalho MS, Travassos C. Territórios do Sistema Único de Saúde: mapeamento das redes de atenção hospitalar. Cad Saúde Pública. 2004[citado em 2017 set. 23];20(2):386-402. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2004000200006&script=sci_abstract&tlng=pt.

Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Rev Pesq Qualitativa. 2017[citado em 2017 set. 23];5(7):1- 12. Disponível em: http://rpq.revista.sepq.org.br/index.php/rpq/article/view/82/59.

Ministério da Saúde (BR). Coletânea de normas para o controle social no Sistema Único de Saúde. Conselho Nacional de Saúde. 2ª ed. Brasília (DF); 2006.

Andersen RM, Newman JF. Societal and individual determinants of medical care utilization in the United States. Milbank Mem Fund Q. 1973[citado em 2017 set. 23];51:95-124.Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2690261/

Malta DC, Duarte EC, Escalante JJC, Almeida MF, Sardinha LMV, Macário EM, et al. Mortes evitáveis em menores de um ano, Brasil, 1997 a 2006: contribuições para a avaliação de desempenho do Sistema Único de Saúde. Cad Saúde Pública. 2010[citado em 2017 set. 23];26(3):481-91. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v26n3/06.pdf

Carneiro Junior N, Jesus CH, Crevelim MA. A Estratégia Saúde da Família para a equidade de acesso dirigida à população em situação de rua em grandes centros urbanos. Saúde Soc. 2010[citado em 2017 set. 23];19(3):709-16. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902010000300021&script=sci_abstract&tlng=pt

Schimith MD, Lima MAD. Acolhimento e vínculo em uma equipe do Programa Saúde da Família. Cad Saúde Pública. 2004[citado em 2017 set. 23];20(6):1487-94. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v20n6/05.pdf

Londero MFP, Ceccim RB, Bilibio LFS. Consultório de/na rua: desafios para um cuidado em verso na saúde. Interface (Botucatu). 2014[citado em 2017 fev. 15];18(49):251-60. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-32832014000200251&script=sci_abstract&tlng=pt

Paiva IKS. População em situação de rua: desafios e perspectivas para formação do enfermeiro [dissertação]. Mossoró: Universidade do Estado do Rio Grande do Norte; 2015.

Barata RB, Carneiro Junior N, Ribeiro MCSA, Silveira C. Desigualdade social em saúde na população em situação de rua na cidade de São Paulo. Saúde Soc. 2015[citado em 2017 set. 23];24(1):219-32. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v24s1/0104-1290-sausoc-24-s1-00219.pdf

Macerata IA. Experiência POP RUA: implementação do "Saúde em Movimento nas ruas" no Rio de Janeiro, um dispositivo clínico/político na rede de saúde do Rio de Janeiro. Rev Polis Psique. 2013[citado em 2017 set. 23];3(2):207-19. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/PolisePsique/article/view/46178

Silva CC, Cruz MM, Vargas EP. Práticas de cuidado e população em situação de rua: o caso do Consultório na Rua. Saúde Debate. 2015[citado em 2017 mar. 18];39:246-56. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-11042015000500246&script=sci_abstract&tlng=pt

Pagot AM. O louco, a rua, a comunidade: as relações da cidade com a loucura em situação e rua. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2012

Campos GWS. Considerações sobre a arte e a ciência da mudança: revolução das coisas e reforma das pessoas. O caso da saúde. In: Cecílio LCO. Inventando a mudança na saúde. 2ª ed. São Paulo: Hucitec; 1997. p.29-87.

Aguiar MM, Iriart JAB. Significados e práticas de saúde e doença entre a população em situação de rua em Salvador, Bahia, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012[citado em 2017 set. 23];28:(1);115-24. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/sdeb/2015.v39nspe/246-256/pt

Borysow IC, Conill EM, Furtado JP. Atenção à saúde de pessoas em situação de rua: estudo comparado de unidades móveis em Portugal, Estados Unidos e Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2017[citado em 2017 set. 23];22(3):879-90. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/2017.v22n3/879-890/pt.

Paiva IKS, Lira CDG, Justino JMR, Miranda MGO, Saraiva AKM. Direito à saúde da população em situação de rua: reflexões sobre a problemática. Ciênc Saúde Coletiva. 2016[citado em 2017 set. 23];21(8):2595-606. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232016000802595&script=sci_abstract &tlng=pt

Publicado

09-05-2019

Como Citar

1.
Lira CDG, Justino JMR, Paiva IKS de, Miranda MG de O, Saraiva AK de M. O acesso da população em situação de rua é um direito negado?. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 9º de maio de 2019 [citado 23º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49810

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.