Manejo da dor neonatal em uma maternidade de risco habitual: perspectivas de profissionais líderes da equipe de saúde

Autores

  • Caroline Ramos de Oliveira Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - EERP, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0001-5848-1335
  • José Marcos de Jesus Santos Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - EERP, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0001-5122-1469
  • Laíse Escalianti Del Alamo Guarda Universidade de Brasília, Faculdade de Ceilândia, Ceilândia DF , Brasil, Universidade de Brasília - UnB, Faculdade de Ceilândia. Ceilândia, DF - Brasil http://orcid.org/0000-0002-2084-0117
  • Bianca Jora Barbieratto Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - EERP, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0002-8630-3146
  • Mariana Firmino Dare Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - EERP, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0001-6997-4071
  • Daniela de Castro Barbosa Leonello Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - EERP, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0002-0662-4717
  • Maria Cândida de Carvalho Furtado Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - EERP, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0001-7942-4110
  • Adriana Moraes Leite Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública, Ribeirão Preto SP , Brasil, Universidade de São Paulo - USP, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - EERP, Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública. Ribeirão Preto, SP - Brasil http://orcid.org/0000-0001-8327-8718

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49968

Palavras-chave:

Enfermagem Neonatal, Pessoal de Saúde, Dor, Manejo da Dor

Resumo

Objetivo: identificar o manejo da dor neonatal na perspectiva de profissionais líderes da equipe de saúde em uma maternidade de risco habitual. Método: estudo qualitativo realizado entre setembro e dezembro de 2016 com oito profissionais líderes da equipe de saúde de uma maternidade do interior paulista, sendo três enfermeiras, dois médicos pediatras, uma técnica de Enfermagem, uma auxiliar de Enfermagem e uma técnica de laboratório. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevistas semiestruturadas, cujas falas foram gravadas, transcritas e submetidas à análise de conteúdo, na modalidade temática. Resultados: as verbalizações mostraram que a avaliação da dor neonatal era realizada de forma subjetiva, a partir de aspectos observados pela equipe, como alterações em face, sinais vitais, movimentos e choro. Houve relatos de dificuldades para avaliar a dor neonatal e divergências quanto ao momento indicado para avaliação. Os métodos não farmacológicos foram citados como estratégias que facilitam o manejo da dor neonatal. Entretanto, apesar dos depoimentos serem favoráveis à utilização, o conhecimento acerca dessas técnicas mostrou-se superficial, uma vez que falas incluíam “eu desconheço” e “nunca li nada a respeito”, bem como se tornou evidente a dificuldade de aplicá-los. Pontuaram ainda a necessidade de treinamentos/ capacitações frequentes acerca da avaliação e tratamento da dor neonatal, bem como de implantar protocolos, utilizar escalas e sensibilizar a equipe de saúde. Conclusão: evidenciou-se conhecimento superficial dos profissionais líderes da equipe de saúde quanto à avaliação e manejo não farmacológico da dor neonatal, além da ausência de protocolos formais e capacitações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Cong X, Wu J, Vittner D, Xu W, Hussain N, Galvin S, et al. The impact of cumulative pain/stress on neurobehavioral development of preterm infants in the NICU. Early Hum Dev. 2017[citado 2019 mar. 28];108:9-16. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.earlhumdev.2017.03.003

Capellini VK, Daré MF, Castral TC, Christoffel M, Leite AM, Scochi CGS. Conhecimento e atitudes de profissionais de saúde sobre avaliação e manejo da dor neonatal. Rev Eletrônica Enferm. 2014[citado em 2019 fev 03];16(2):361-9. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/revista/v16/n2/pdf/v16n2a12.pdf

Mohamadamini Z, Namnabati M, Marofi M, Barekatein B. Four components of pain management in Iranian neonatal Intensive Care Units: The nurses' and physicians' viewpoint. J Educ Health Promot. 2017[citado 2019 abr. 15];6(64):1-5. Disponivel em: https://dx.doi.org/10.4103%2Fjehp.jehp_139_15

Polkki T, Korhonen A, Laukkala H. Nurses' perceptions of pain assessment and management practices in neonates: a cross-sectional survey. Scand J Caring Sci. 2018[citado 2019 mar. 03];32(2):725-33. Disponível em: https://doi.org/10.1111/scs.12503

Oliveira IM, Castral TC, Cavalcante MMFP, Carvalho JC, Daré MF, Salge AKM. Conhecimento e atitude dos profissionais de Enfermagem sobre avaliação e tratamento da dor neonatal. Rev Eletrônica Enferm. 2016[citado 2019 fev. 05];18:e1160. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/36782

American Academy of Pediatrics. Committee on Fetus and Newborn and Section on Anesthesiology and Pain Medicine. Prevention and Management of Procedural Pain in the Neonate: An Update. Pediatrics. 2016[citado 2019 abr. 10];137(2):e20154271. Disponível em: https://pediatrics.aappublications.org/content/137/2/e20154271

Lago P, Frigo AC, Baraldi E, Pozzato R, Courtois E, Rambaud J, et al. Sedation and analgesia practices at Italian neonatal intensive care units: results from The Europain Study. Ital J Pediatr. 2017 [citado em 2019 abr. 10];43(1):26. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1186%2Fs13052-017-0343-2

Hatfield LA. Neonatal pain: what's age got to do with it?. Surg Neurol Int. 2014[citado 2019 abr. 12];5(Suppl 13):S479-89. Disponível em: https://dx.doi.org/10.4103%2F2152-7806.144630

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em Enfermagem: avaliação de evidências para a prática da Enfermagem. 9a ed. Porto Alegre: Artmed ; 2018. 456 p.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1979.

Cong X, McGrath JM, Delaney C, Chen H, Liang S, Vazquez V, et al. Neonatal nurses' perceptions of pain management: survey of the United States and China. Pain Manag Nurs. 2014 [citado em 2019 abr. 14];15(4):834-44. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.pmn.2013.10.002

Barb S, Jackson S, Romaniuk C, Golski E, Lozinski M, Ramesar D, et al. Skin to Skin / Kangaroo Care in Neonatal Units. Neonatal Patient Care Teams, HSC & SBH Child Health Standards Committee; 2015[citado 2019 abr. 14]. Disponível em: http://www.wrha.mb.ca/extranet/eipt/files/EIPT-035-010.pdf

Leite AM, Silva ACTO, Castral TC, Nascimento LC, Sousa MI, Scochi CGS. Amamentação e contato pele a pele no alívio da dor em recém-nascidos na vacina contra a Hepatite B. Rev Eletrônica Enferm. 2015[citado 2019 fev. 01];17(3):1-8. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/revista/v17/n3/pdf/v17n3a01.pdf

Foster J, Spence K, Henderson-Smart D, Harrison D, Gray PH, Bidewell J. Procedural pain in neonates in Australian hospitals: a survey update of practices. J Paediatr Child Health. 2013[citado 2019 abr. 15];49(1):35-9. Disponível em: https://doi.org/10.1111/jpc.12064

Stevens B, Yamada J, Ohlsson A, Haliburton S, Shorkey A. Sucrose for analgesia in newborn infants undergoing painful procedures. Cochrane Database Syst Rev. 2016[citado 2019 abr. 15];(7):CD001069. Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD001069.pub5/full

Montgomery C. Paediatricpain management. In: Jovey RD. Managing pain: the Canadian healthcare professionals reference. Stittsville: Baker Edwards Consulting Inc; 2008. p. 221-36.

Castral TC, Bueno M, Bussotti EA. Controle da dor como indicador de qualidade na assistência neonatal. In: Associação Brasileira de Enfermagem, Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras, Morais SCRV, Souza KV, Duarte ED, organizadores. PROENF Programa de atualização em enfermagem: saúde materna e neonatal: ciclo 7. Porto Alegre: Artmed Panamericana; 2016.p.109-51.

Uman LS, Birnie KA, Noel M, Parker JA, Chambers CT, McGrath PJ, et al. Psychological interventions for needle-related procedural pain and distress in children and adolescents. Cochrane Database Syst Rev. 2018[citado 2019 abr. 15];(10):CD005179. Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD005179.pub4/full

Publicado

20-05-2020

Como Citar

1.
Oliveira CR de, Santos JM de J, Guarda LEDA, Barbieratto BJ, Dare MF, Leonello D de CB, Furtado MC de C, Leite AM. Manejo da dor neonatal em uma maternidade de risco habitual: perspectivas de profissionais líderes da equipe de saúde. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 20º de maio de 2020 [citado 26º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49968

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.