A FALTA DE COMPREENSÃO DOS OBJETIVOS E DOS PROPÓSITOS DA DISCIPLINA ARTE

Autores

Palavras-chave:

Ensino de Arte, Políticas Públicas, Implementação

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir as políticas educacionais nas Artes, tendo como base a análise dos comentários negativos publicados em uma rede social, após o Senado Federal ter divulgado, em abril de 2016, que o Plenário aprovou um projeto de lei – discutido por dez anos –, estabelecendo as Artes Visuais, o Teatro e a Dança como linguagens obrigatórias do componente Arte. Os dados apresentados dizem muito a respeito da expectativa que a sociedade brasileira, de um modo geral, tem da disciplina e aponta os encaminhamentos para que sejam (re)pensadas as políticas públicas nesta área.

Biografia do Autor

Tiago de Brito Cruvinel, Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), Brasil

Professor do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG). É formado em Interpretação Teatral (2010) e licenciatura em Artes Cênicas (2015) pela Universidade de Brasília (UnB). Realizou intercâmbio durante a primeira graduação na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Portugal. É mestre (2013) e doutorando em Artes pela UnB. Autor do livro "Criança em cena: Análise da atuação e de processos criativos com crianças-atores" (Editora CRV, 2015) e um dos organizadores do livro "Pedagogia das Artes Cênicas: criança, jogo e formação" (Editora CRV, 2016) e do livro "Pedagogia das Artes Cênicas: criatividade e criação" (Editora CRV, 2017). Lecionou também na licenciatura em Teatro da Universidade Aberta do Brasil (UAB/UnB). Atualmente é vice-coordenador do grupo de trabalho Pedagogia das Artes Cênicas da Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas - ABRACE (2017-2018).

Referências

ALENCAR, Eunice; FLEITH, Denise. Criatividade: múltiplas perspectivas. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2009.

BRASIL. Lei nº 9394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 dez. 1996.

_____. Lei nº 11.769, 18 de agosto de 2008. Altera a altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, Lei de Diretrizes e Bases da Educação, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 19 ago. 2008.

_____. Lei nº 13.278, 2 de maio de 2016. Altera o § 6o do art. 26 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, referente ao ensino da arte. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 3 de maio. 2016.

_____. Medida Provisória nº 746, de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília,

DF, 23 set. 2016 – Edição Extra.

CHANCEREL, Léon; CHARBONNIER, Hélène; SAUSSOY; Anne-Marie. « Jeux Dramatiques » dans l’éducation – Introduction a une Méthode. Paris: Librairie Théatrale, 1936.

PELAES, Maria Lúcia. A contribuição de Pierre Bourdieu para a metodologia do ensino da arte. Revista Educação (Guarulhos), v. 4, p. 24-30, 2009.

ROBINSON, Ken. O elemento-chave; [tradução Evelyn Kay Massaro]. Rio de Janeiro: Ediouro, 2010.

RYNGAERT, Jean-Pierre. Jogar, representar – práticas dramáticas e formação. São Paulo: Cosacnaify, 2009.

SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro; [tradução e revisão Ingrid Dormien Koudela e Eduardo José de Almeida Amos]. São Paulo: Perspectiva, 2010.

Downloads

Publicado

2017-11-22

Como Citar

CRUVINEL, T. de B. A FALTA DE COMPREENSÃO DOS OBJETIVOS E DOS PROPÓSITOS DA DISCIPLINA ARTE. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], p. 109–128, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15500. Acesso em: 5 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos - Seção temática