A natureza como sujeito de direito

análise dos casos de Mariana e Brumadinho a partir de estudos juscomparativos socioambientais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2447-6218.2019.15968

Palavras-chave:

Meio ambiente, Exploração ambiental, Desastre ecológico, Proteção jurídica, América Latina

Resumo

Os recentes desastres ecológicos em Mariana (2015) e em Brumadinho (2019), no estado de Minas Gerais ˗ Brasil, trouxeram à tona a necessidade de novas reflexões sobre a preservação do meio ambiente nacional. O ordenamento jurídico brasileiro, pautado em um modelo antropocêntrico de interação do homem com a natureza, considera esta como um recurso à disposição daquele, de modo que há apenas algumas limitações quanto ao seu uso, as quais, com efeito, não garantem a devida proteção, tampouco a recuperação dos ecossistemas afetados pelas mãos humanas. É possível perceber, no entanto, que tal paradigma acerca das normas ambientais está em desconexão com outros países da América Latina, que impulsionados pelo Novo Constitucionalismo Latino-Americano, passaram a reconhecer e declarar direitos à natureza, realizando uma leitura normativa fundamentada no biocentrismo. Em sendo assim, o objetivo geral do presente trabalho é verificar a possibilidade e a viabilidade do uso do Direito Comparado para uma mudança na legislação pátria acerca do status jurídico da natureza, com o fito de reconhecê-la como sujeito de direito, a partir da análise dos desastres ambientais ocorridos em Mariana e Brumadinho, demonstrando-se, dessa forma, a importância dos estudos juscomparativos em matéria ambiental. O trabalho utiliza uma metodologia jurídico exploratória-explicativa, de natureza qualitativa, e o método teórico, notadamente por meio de uma abordagem bibliográfica. Ao final, conclui-se no sentido de que é viável a utilização de estudos juscomparativos em matéria ambiental para a mudança na legislação nacional sobre o enquadramento jurídico da natureza, isso tudo com a finalidade de proporcionar uma maior preservação do meio ambiente, bem como garantir qualidade de vida às atuais e futuras gerações, na esteira do que vêm fazendo outros países da América Latina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Araújo, H. 2015. Tsunami de lama tóxica, o maior desastre ambiental do Brasil. Jornal El País. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2015/12/30/politica/1451479172_309602.html.

Avritzer, L.; Gomes, L. C. B.; Marona, M. C.; Carvalho Dantas, F. A. 2016 O constitucionalismo democrático latino-americano em debate: soberania, separação de poderes e sistema de direitos. Belo Horizonte: Autêntica.

BBC. Brumadinho: as fotos de antes e depois do rompimento. 2019 Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47004305.

Benjamin, A. H. 2008. Direito Constitucional Ambiental Brasileiro. In: CANOTILHO, José Joaquim Gomes; LEITE, José Rubens Morato (Org). Direito Constitucional Ambiental Brasileiro. 2 ed. São Paulo: Saraiva.

Brasil. 1988. Constituição Federal. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituição.htm.

Canotilho, J. J. G. 2008. Direito Constitucional Ambiental Português e da União Europeia. In: Canotilho, J. J. G.; Leite, J. R. M. (Org). Direito Constitucional Ambiental Brasileiro. 2. ed. São Paulo: Saraiva.

Castro, J. M. A. Y. 2003. Resíduos Perigosos no Direito Ambiental Internacional: sua internalização nos países do Mercosul. Porto Alegre: Sérgio Antônio Fabris Editor.

Ecodebate. 2018. Infográfico – Tragédia de Mariana: entenda os impactos ambientais causados pelo desastre. Torino Soluzioni Ambientali. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2018/02/05/infografico-tragedia-de-mariana-entenda-os-impactos-ambientaiscausados-pelo-desastre/.

El País. 2019. Brumadinho: as últimas notícias sobre o rompimento de barragem da Vale. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/02/01/politica/1549044928_726130.html.

El País.2019. Prefeito de Mariana: “Nós somos enrolados pela Vale”. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/01/27/politica/1548551381_696411.html.

El País. 2019. Um ano do desastre de Mariana: o que foi e o que não foi feito para reparar os danos. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2016/11/04/politica/1478293515_402075.html.

Ferreira, H. S. 2008. Política Ambiental Constitucional. In: Canotilho, J. J. G.; Leite, J. R. M. (Org). Direito Constitucional Ambiental Brasileiro. 2. ed. São Paulo: Saraiva.

Freitas, R. 2018. Três anos após tragédia de Mariana, sentir-se em casa novamente ainda é sonho de atingidos. Globo G1. Disponível em: https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2018/11/05/tres-anos-apos-tragedia-de-mariana-sentir-se-em-casa-novamenteainda-e-sonho-de-atingidos.ghtml.

Guerriero, L. 2019. Minas: o rompimento de uma barragem da mineradora Vale provocou a morte de mais de 150 pessoas. El País. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/02/05/opinion/1549375765_256859.html.

Gussoli, F. K. 2014. A natureza como sujeito de direito na Constituição do Equador: considerações a partir do caso Vilacamba. XVI Jornada de Iniciação Científica de Direito da UFPR, 2014. Disponível em: http://www.direito.ufpr.br/portal/wp-content/uploads/2014/12/Artigo-Felipe-Gussoli-classificado-em-1%C2%BA-lugar-.pdf.

IBRAM. 2014. Informações sobre a Economia Mineral do Estado de Minas Gerais. 7. ed. Disponível em: http://www.ibram.org.br/sites/1300/1382/00004355.pdf.

Levai, L. F. 2010. Ética ambiental biocêntrica: pensamento compassivo e respeito à vida. In: ANDRADE, S. (Org.). Visão abolicionista: ética e direitos animais. São Paulo: Libra Três.

Löwy, M. 2013. Crise ecológica, crise capitalista, crise da civilização: a alternativa ecossocialista. Caderno CRH, 26: 79-86. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/3476/347632190006.pdf.

Machado, L. 2019. Tragédia de Mariana: sem indenização, vítimas pescam em área contaminada e já acumulam R$ 833 mil em multas. BBC News Brasil. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46510786.

Neuray, J. 1995. Introduction générale, in l’actualité du droit de l’environnement: actes du colloque des 17 et 18 novembre 1994. Bruxelles: Bruylant.

Pachamama. 2018. Em ação judicial inédita no Brasil, o Rio Doce, representado pela Associação Pachamama, pede o reconhecimento de seus direitos à vida e a saúde. Disponível em: https://www.ongpachamama.org/single-post/2017/11/07/Uma-a%C3%A7%C3%A3o-pelos-rioscomo-sujeitos-de-direito.

Passarinho, N. 2019. Tragédia com barragem da Vale em Brumadinho pode ser a pior no mundo em 3 décadas. BBC. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47034499.

Rodrigues, L. 2019. Justiça do Trabalho nega pedido e mantém bloqueio de R$ 1,6 bi da Vale. Estado de Minas. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2019/02/15/interna_gerais,1031025/justica-do-trabalho-nega-pedido-e-mantem-bloqueio-de-r-1-6-bi-davale.shtml.

Sirvinkas, L. P. 1988. Tutela Penal do Meio Ambiente. São Paulo: Saraiva. Souto, I. 2019. Três anos depois, ninguém foi condenado por tragédia de Mariana; processo na Justiça não tem data para julgamento. Jornal

Estado de Minas. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2019/01/26/interna_gerais,1024701/tres-anos-depois-ninguemfoi-preso-pela-tragedia-de-mariana.shtml.

Wentzel, M. 2019. Brumadinho: ‘Desastre deve ser investigado como crime’, diz ONU. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47027437.

Downloads

Publicado

2019-12-21

Como Citar

Arruda, A. F. S. de, Oliveira, F. M., & Moraes, L. T. P. (2019). A natureza como sujeito de direito: análise dos casos de Mariana e Brumadinho a partir de estudos juscomparativos socioambientais. Caderno De Ciências Agrárias, 11, 1–8. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2019.15968

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS