Viabilidade técnica de manejo florestal

um estudo de caso em uma reserva legal de cerrado sensu stricto no norte de Minas Gerais, Brasil

Palavras-chave: Manejo sustentável, Estrutura florestal, Demanda de madeira, Cerrado

Resumo

O Cerrado é considerado como um dos hotspots mundiais, no entanto, estudos em manejo sustentável nesse domínio são escassos na literatura florestal. Assim, é importante propor alternativas viáveis para a utilização de seus recursos. Esse estudo objetivou avaliar a viabilidade técnica de manejo florestal em uma reserva legal de cerrado sensu stricto em Minas Gerais, como suporte a demanda de lenha para a comunidade rural. Realizou-se o inventário florestal a partir da amostragem sistemática de 10 parcelas, utilizando o critério de inclusão diâmetro à 0,30 m do solo (DAS) ≥ de 5 cm. Calculou-se o índice de diversidade de Shannon (H') e equabilidade de Pielou (J). Realizou-se o ajuste de modelos de distribuição diamétrica e verificou o balanceamento a partir do quociente de De Liocourt. A diversidade de Shannon (H’) foi 2,61 nats.ind-¹ e a equabilidade de Pielou (J) de 0,74. O quociente de De Liocourt apresentou um valor médio não constante entre as classes de 1,97. Nenhum dos modelos ajustados se aderiu à frequência observada no estudo. O volume de madeira estimado foi de 2.189,6765 m³. A área de estudo possivelmente sofreu intervenções antrópicas, resultando em um baixo rendimento volumétrico e diversidade de espécies. A implementação do manejo florestal para a área de reserva legal foi considerada inviável, pois não apresenta sustentabilidade técnica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Afonso, S. R.; Angelo, H.; Almeida, A. N. de. 2015. Caracterização da produção de pequi em Japonvar, MG. Floresta, 45: 49–56. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v45i1.33987.

Almeida, S. S.; Lisboa, P. L. B.; Silva, A. S. L. 1993. Diversidade florística de uma comunidade arbórea na Estação Científica Ferreira Penna, Caxiuanã, Pará. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi, Série Botânica, 9: 99-105. Available at: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&

ref=000140&pid=S0044-5967200800040001600001&lng=pt&fbclid=IwAR1qRs-ysx9hrJkUVoW

EnDCM1yvzjy7D67EOjgfxzB2Hr5SCln5DxwGe2Qw.

Alvares, C. A.; Stape, J. L.; Sentelhas, P. C.; Gonçalves, J. L. de M.; Sparovek, G. 2013. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22: 711–728. https://dx.doi.org/1

1127/0941-2948/2013/0507.

Alves Júnior, F. T.; Ferreira, R. L. C.; Silva, J. A. A. da; Maragom, L. C.; Costa Junior, R. F.; Silva, S. de O. 2010. Utilização do quociente de De Liocourt na avaliação da distribuição diamétrica em fragmentos de Floresta Ombrófila Aberta em Pernambuco. Ciência Florestal, 20: 307–319. http://dx.doi.org/10.5902/198050981854.

Angiosperm Phylogeny Group (APG); Chase, M. W.; Chrispenhusz, M. J. M.; Fay, M. F.; Byng, J. W.; Judd, W. S.; Soltis, D. E.; Mabberley, D. J.; Sennikov, A. N.; Soltis, P. S.; Stevens, P. F. 2016. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, 181: 1-20. https://doi.org/10.1111/boj.12385.

Araújo, E. J. G. de; Pelissari, A. L.; David, H. C.; Miranda, R. O. V. de; Pellico Neto, S.; Morais, V. A.; Scolforo, J. R. S. 2012. Relações dendrométricas em fragmentos de povoamentos de pinus em Minas Gerais. Pesquisa Florestal Brasileira, 32: 355–366. https://doi.org/10.4336/2012.pfb.32.7

355.

Ávila, L. F.; Mello, C. R. de; Yanagi, S. de N. M.; Sacramento Neto, O. B. 2014. Tendências de temperaturas mínimas e máximas do ar no Estado de Minas Gerais. Pesquisa Agropecuaria Brasileira, 49: 247–256. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2014000400002.

Barros, P. L. C. de.; Machado, S. do. A.; Burger, D.; Siqueira, J. D. P. 1979. Comparação de modelos descritivos da distribuição diamétrica em uma Floresta Tropical. Revista Floresta, 10: 19–32. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v10i2.6251.

Bezerra, A. D. M.; Favoreto, G. dos S.; Queiroz, K. F.; Silva, M. C. O. da; Moraes, W. X. de. 2016. Equações diferencias aplicadas ao modelo de Malthus na dinâmica de crescimento da população de Bataguassu - MS. Revista Conexão Eletrônica, 13: 932-946. Available at: www.aems.edu.br/conexa

o/edicaoanterior/Sumario/2016/downloads/2.%20Ci%C3%AAncias%20Exatas%20e%20da%20Terra,%20Engenharias%20e%20Ci%C3%AAncias%20Agr%C3%A1rias/008_Eng_Ambiental%20-%20Equa%C3%A7%C3%B5es%20Diferenciais....pdf?fbclid=IwAR0NniC4reS3qG9xQm0lKZfhBjCB-mwSLmVaToA-gbPuoVL-whcqy1b5C8o.

Borges, L. A. C.; Rezende, J. L. P. 2011. Áreas Protegidas no interior de Propriedades Rurais: a questão das APP e RL. Floresta e Ambiente, 18: 210–222. http://dx.doi.org/10.4322/floram.2011.0

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Lei no 12.727 de 17 de outubro de 2012 do Código Florestal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 17 de outubro de 2012. Available at: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm?fbclid=IwAR2qP30jZN_N4bL

v9rddVqSN-PNdypSi3HJzhB8kJz5nQR91ekBgLs30U.

Braz, E. M.; Schneider, P. R.; Mattos, P. P. de; Selle, G. L.; Thaines, F.; Ribas, L. A.; Vuaden, E. 2012. Taxa de corte sustentável para manejo das Florestas Tropicais. Ciência Florestal, 22: 137–145. http://dx.doi.org/10.5902/198050985086.

Calegari, L.; Martins, S. V.; Gleriani, J. M.; Silva, E.; Busato, L. C. 2010. Análise da dinâmica de fragmentos florestais no município de Carandaí, MG, para fins de restauração florestal. Revista Árvore, 34: 871–880. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000500012.

Calixto Júnior, J. T.; Drumond, M. A.; Alves Júnior, F. T. 2011. Estrutura e distribuição espacial de Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. em dois fragmentos de Caatinga em Pernambuco. Revista Caatinga, 24: 95–100. Available at: ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/31889/1/Drumon

d-2011.pdf.

Chaves, A. D. C. G.; Santos. R. M. de S.; Santos, J. O. dos; Fernandes, A. de A.; Maracajá, P. B. 2013. A importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. Agropecuária Científica no Semiárido, 9: 42–48. http://dx.doi.org/10.30969/acsa.v9i2.449.

Costa, F. V. da; Oliveira, K. N.; Nunes, Y. R. F.; Menino, G. C. de O.; Brandão, D. O.; Araújo, L. S. de; Miranda, W. O.; D' Ângelo Neto, S. 2010. Florística e estrutura da comunidade arbórea de duas áreas de Cerrado sentido restrito no Norte de Minas Gerais. Cerne, 16: 267–281. http://dx.doi.org/10.30969/acsa.v9i2.449.

Costa, J. R.; Mitja, D. 2010. Uso dos recursos vegetais por agricultores familiares de Manacapuru (AM). Acta Amazônica, 40: 49–58. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672010000100007.

Cunha, M. do C. L.; Silva Júnior, M. C. da. 2012. Estrutura diamétrica e hipsométrica na Floresta Estacional Semidecidual Montana do Pico do Jabre - PB. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 7: 292–300. http://dx.doi.org/10.5039/agraria.v7i2a1300.

De Liocourt, F. 1898. De l’amenagement des sapinières. Bulletin trimestriel - Société forestière de Franche-Comté & Belfort.

Durigan, G.; Melo, A. C. G. de; Max, J. C. M.; Boas, O. V.; Contieri, W. A.; Ramos, V. S. 2011. Manual para recuperação da vegetação de Cerrado. 3ª ed. São Paulo: SMA.

Ferreira, R.Q. de S.; Camargo, M. O.; Teixeira, P. R.; Souza, B. P. de; Viana, R. H. O. 2016. Uso potencial e síndromes de dispersão das espécies de três áreas de cerrado sensu stricto, Tocantins. Global Science and Technology, 9: 73–86. Available at: rv.ifgoiano.edu.br/periodicos/index.php/gst

/article/view/832/516.

Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2018. Avaliable from: < http://floradobrasil.jbrj.gov.br/ >. Access on: 15 dez. 2018.

Giácomo, R. G.; Carvalho, D. C. de; Pereira, M. G.; Souza, A. B. de; Gaui, T. D. 2013. Florística e fitossociologia em áreas de campo sujo e cerrado sensu stricto na Estação Ecológica de Pirapitinga - MG. Ciência Florestal, 23: 29–43. http://dx.doi.org/10.5902/198050988437.

Froufe, L. C. M.; Seoane, C. E. S. 2011. Levantamento fitossociológico comparativo entre sistema agroflorestal multiestrato e capoeiras como ferramenta para a execução da reserva legal. Pesquisa Florestal Brasileira, 31: 203–225. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672008000200006.

Hess, A. F.; Minatti, M.; Ferrari, L.; Pintro, B. A. 2014. Manejo de Floresta Ombrófila Mista pelo método De Liocourt, município de Painel, SC. Cerne, 20: 575–580. http://dx.doi.org/10.1590/01047

JBRJ - Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Jabot - Banco de Dados da Flora Brasileira. 2018. Avaliable from: <http://www.jbrj.gov.br/jabot>. Acess on: 20 dez. 2018.

Kanashiro, M. 2014. O manejo florestal e a promoção da gestão dos recursos florestais em áreas de uso comunitário e familiar na Amazônia. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 31: 421–427. Available at: ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/113409/1/Omanejoflorestal.pdf.

Klauberg, C.; Paludo, G. F.; Bortoluzzi, R. L. da C.; Mantovani, A. 2010. Florística e estrutura de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista no Planalto Catarinense. Biotemas, 23: 35–47. http://dx.doi.org/10.5007/2175-7925.2010v23n1p35.

Líbano, A. N.; Felfili, J. M. 2006. Mudanças temporais na composição florística e na diversidade de um cerrado sensu strico do Brasil central em um período de 18 anos (1985-2003). Acta Botânica Brasílica, 20: 927-936. https://doi.org/10.1590/S0102-33062006000400016.

Lima, R. B. de; Aparicio, P. da S.; Silva, W. C. da; Silva, D. A. S. da; Guedes, A. C. L. 2013. Emprego da distribuição diamétrica na predição do estado de perturbação em Floresta de Várzea, Macapá - AP. Enciclopédia Biosfera, 9: 1016–1026. http://dx.doi.org/10.13140/RG.2.1.3877.2640.

Magurran, A. E. 2011. Medindo a diversidade biológica. 1ª ed. Curitiba, Paraná: Editora UFPR.

Minas Gerais. Lei no 20308, de 27 de julho de 2012. Diário Oficial do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 27 de julho de 2012. Available at: http://jornal.iof.mg.gov.br/xmlui/bitstream/

handle/123456789/68220/caderno1_2012-07-28%201.pdf?sequence=1

Minas Gerais. Lei no 20.922 de 16 de outubro de 2013. Diário Oficial [do] Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 16 de outubro de 2012. Available at: https://www.almg.gov.br/consulte/legis

lacao/completa/completa-nova-min.html?tipo=Lei&num=20922&ano=2013

Moro, M. F.; Martins, F. R. 2011. Métodos de Levantamento do Componente Arbóreo-Arbustivo. p. 174-212. In: Felfili, J. M.; Eisenlohr, P. V.; Melo, M. M. da R. F de; Andrade, L. A. de; Meira Neto, J. A. A., eds. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de caso. Viçosa, Editora UFV.

Mota, S. da L. L.; Pereira, I, M.; Machado, E. L. M.; Oliveira, M, L. R. de; Bruzinga, J. S.; Farnezi, M. M. M.; Meira Junior, M. S. 2014. Influência dos afloramentos rochosos sobre a comunidade lenhosa no cerrado stricto sensu. Floresta e Ambiente, 21: 8-18. http://dx.doi.org/10.4322/floram.20

009.

Mueller-Dombois, D.; Ellenberg, H. 1974. Aims and Methods of Vegetation Ecology. 1ª ed. New York: John Wiley & Sons.

Myers, N.; Mittermeier, R. A.; Mittermeier, C. G.; Fonseca, G. A. B. da; Kent, J. 2000. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, 403: 853–858. http://dx.doi.org/10.1038/35002501.

Oliveira, C. P. de; Francelino, M. R.; Cysneiros, V. C.; Andrade, F. C. de; Booth, M. C. 2015. Composição florística e estrutura de um cerrado sensu stricto no Oeste da Bahia. Cerne, 21: 545–52. http://dx.doi.org/10.1590/01047760201521041722.

Oliveira, T. de; Wolski, M.S. 2012. Importância da reserva legal para a preservação da biodiversidade. Vivências: Revista Eletrônica de Extensão da URI, 8: 40–52. Available at: http://www2.reitoria.uri.br/~vivencias/Numero_015/artigos/pdf/Artigo_04.pdf

Oliveira-Filho, A. T. de. 2009. Classificação das fitofisionomias da América do Sul Cisandina Tropical e Subtropical: proposta de um novo sistema - prático e flexível - ou uma injeção a mais de caos?. Rodriguésia, 60: 237–258. http://dx.doi.org/10.1590/2175-7860200960201.

Paula, J. E. de.; Imaña-Encinas, J.; Santana, O. A. 2007. Levantamento florístico e dendrométrico de um hectare de um cerrado sensu stricto em Planaltina, Distrito Federal. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 2: 292-296. Available at: http://www.agraria.pro.br/ojs-2.4.6/index.php?journal=

agraria&page=article&op=view&path%5B%5D=795&path%5B%5D=1527

Paparelli, A.; Henkes, J. A. 2012. Devastação da cobertura vegetal nativa no bioma Cerrado do Distrito Federal caracterizando a extinção de espécies da flora. Revista Gestão e Sustentabilidade ambiental, 1: 241–256. http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v1e22012241-256.

Pereira, I. M.; Oliveira, N. F. de; Gonzaga, A. P. D.; oliveira, N. L. R. de; Machado, E. L. M.; Karam, D. 2013. Estrutura fitossociológica de uma área de cerrado sensu stricto em Sete Lagoas, MG. Enciclopédia Biosfera, 9: 3433–3446. Available at: http://www.conhecer.org.br/enciclop/2013

b/MULTIDISCIPLINAR/ESTRUTURA.pdf.

Pereira, Z. V.; Fernandes, S. S. L.; Sangalli, A.; Mussiry, R. M. 2012. Usos múltiplos de espécies nativas do bioma Cerrado no Assentamento Lagoa Grande, Dourados, Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Agroecologia, 7: 126–136. Available at: https://orgprints.org/22946/1/Valdivina_Usos

%20multiplos.pdf.

Pereira-Silva, E. F. L.; Santos, J. E. dos; Kageyama, P. Y.; Hardt, E. 2004. Florística e fitossiciologia dos estratos arbustivo e arbóreo de um remanescente de cerradão em uma unidade de conservação do estado de São Paulo. Revista Brasileira de Botânica, 27: 533-544. https://doi.org/10.1590/S0100-84042004000300013.

Reis, L. P.; Silva, J. N. M.; Reis, P. C. M. dos; Carvalho, J. O. P. de; Queiroz, W. T. de; Ruschel, A. R. 2013. Efeito da exploração de impacto reduzido em algumas espécies de Sapotaceae no Leste da Amazônia. Floresta, 43: 395-406. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v43i3.30808.

Rezende, A. V.; Sanquetta, C. R.; Figueiredo Filho, A. 2005. Efeito do desmatamento no estabelecimento de espécies lenhosas em um cerrado sensu stricto. Floresta, 35: 69-88. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v35i1.2432.

Rezende, A.V.; Vale, A. T. do; Sanquetta, C. R.; Figueiredo Filho, A.; Felfilli, J. M. 2006. Comparação de modelos matemáticos para estimativa do volume, biomassa e estoque de carbono da vegetação lenhosa de um cerrado sensu stricto em Brasília, DF. Scientia Florestalis, 71: 65–76. Available at: https://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr71/cap07.pdf?fbclid=IwAR0t1Sl7lcfQElhS

VwlsXX5zlvT-I2zbWe8c1gVxBGrvaGdVqcDUVOvwNOo

Ribeiro, R. de T. M.; Loiola, M. I. B.; Sales, M. F. de. 2018. Terminalia L. (Combretaceae) do Estado de Pernambuco, Brasil. Hoehnea, 45: 307–313. http://dx.doi.org/10.1590/2236-8906-63/2017.

Silva-Júnior, C. M. 2012. 100 árvores do Cerrado Sentido Restrito. 1ª ed. Brasília: Rede de Sementes do Cerrado.

Silva Neto, A. J. da; Oliveira, A. L. de; Ferreira, R. Q. de S.; Souza, P. B. de; Viola, M. R. 2016. Fitossociologia e distribuição diamétrica de uma área de cerrado sensu stricto, Dueré-TO. Revista de Ciências Ambientais, 10: 91–106. http://dx.doi.org/10.18671/scifor.v45n113.02.

Soares Neto, R. L.; Cordeiro, L. S.; Loiola, M. I. B. 2014. Flora do Ceará, Brasil: Combretaceae. Rodriguésia, 65: 685–700. http://dx.doi.org/10.1590/2175-7860201465308.

Scolforo, J. R. S. 1998. Biometria Florestal: modelagem do crescimento e da produção de florestas plantadas e nativas. 1ª ed. Lavras: UFLA/FAEPE.

Scolforo, J. R. S.; Thiersch, C. R. 2004. Biometria Florestal: medição, volumetria e gravimetria. 1ª ed. Lavras: UFLA/FAEPE.

Souza, A. L.; Soares, C.P.B. 2013. Florestas Nativas: estrutura, dinâmica e manejo. 1ª ed. Viçosa: Editora UFV.

Strassburg, B. B. N.; Brooks, T.; Feltran-Barbieri, R.; Iribarrem, A.; Crouzeilles, R.; Loyola, R.; Latawiec, A. E.; Oliveira Filho, F. J. B.; Scaramuzza, C. A. de M.; Scarano, F. R.; Soares Filho, B.; Balmford, A. 2017. Nature Ecology & Evolution, 1:1-3. http://dx.doi.org/10.1038/s41559-017-0099

Scarano, F. R.; Ceotto, P.; Medeiros, R.; Mittermeier, R. A. 2014. O bioma Cerrado: conservação e ameaças. p. 21-24. In: Martinelli, G.; Messina, T.; Santos Filho, L., eds. Livro vermelho da flora do Brasil – Plantas raras do Cerrado. 1a ed. Rio de Janeiro: CNCFlora.

Publicado
2020-08-28
Como Citar
Campos, P. N. S., Cordeiro, N. G., Pereira, K. M. G., Assis, A. L. de, Araújo Júnior, C. A., & Cabacinha, C. D. (2020). Viabilidade técnica de manejo florestal . Caderno De Ciências Agrárias, 12, 1-10. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.20601
Seção
COMUNICAÇÕES CIENTÍFICAS