Estimativa de produção de taninos da casca de Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville / Estimation of the production of tannins from the bark of Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville

  • Luís Gustavo Gomes Oliveira Luma Florestal
  • Luiz Otávio Rodrigues Pinto Universidade Federal de Lavras
  • Lorena Oliveira Barbosa Universidade Federal de Lavras
  • Carlos Alberto Araújo Júnior Instituto de Ciências Agrárias - Universidade Federal de Minas Gerais
  • Christian Dias Cabacinha Instituto de Ciências Agrárias - Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Stryphnodendron adstringens, estimativa, manejo Florestal. Stryphnodendron adstringens, estimation, forest management.

Resumo

Este trabalho teve como objetivo avaliar a produção de taninos em diferentes partes da árvore e gerar equações que possibilitassem estimar a produção de taninos baseadas no diâmetro a 1,30m de altura do solo e altura total das árvores. Os dados foram coletados no Município de Botumirim - MG. Para modelagem utilizou dados de produção de taninos em amostras de cascas e folhas do barbatimão, utilizando os métodos de Folin-Ciocalteaue de precipitação da caseína. A partir da absorbância, utilizou-se a curva de calibração para determinação de tanino. As médias da produção de taninos das cascas dos galhos grossos e finos, do fuste e das folhas foram comparadas em uma análise de variância de um critério e teste de Tukey para um nível de significância de 5%. As equações foram ajustadas para modelagem da produção de tanino em função do diâmetro e altura. As produções nas diferentes partes da árvore diferiram estatisticamente e com o teste de médias, no qual as folhas apresentam quantidades inferiores de taninos em relação às demais partes da árvore que não diferiram entre si. Estas equações poderão ser usadas para estimar a produção de tanino em inventário florestais e subsidiar planos de manejo sustentáveis para essa espécie.

 

Abstract

The aim of this study was to evaluate the production of tannins in different parts of trees and to generate equations that will make the estimative of tannins production possible, based on the diameter at 1.3 m at soil height and total height of the trees. The data were collected in Botumirim – MG. For modeling, it was used the data of the production of tannins in samples of barks and leaves of Stryphnodendron adstringens, using the methods of Folin-Ciocalteau and casein precipitation. For absorbance analysis, calibration curve for tannin determination was performed. Tannin production average from bark of thin and thick branches, of stem and the leaves were compared in ananalysis of variance of one way and Tukey test at a 5% level of significance. The equations were adjusted for modeling production of tannin in function of diameter and height. The production of different parts of the tree differed statistically and the leaves presents lower amounts of tannins regarding the other parts of the tree that did not differ among themselves. These equations can be used to estimate the production of tannins in forest inventory and subsidize sustainable management plans for this specie.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Gustavo Gomes Oliveira, Luma Florestal
http://lattes.cnpq.br/2006689238453826
Luiz Otávio Rodrigues Pinto, Universidade Federal de Lavras
http://lattes.cnpq.br/2824016635686782
Lorena Oliveira Barbosa, Universidade Federal de Lavras
http://lattes.cnpq.br/1985222503773918
Carlos Alberto Araújo Júnior, Instituto de Ciências Agrárias - Universidade Federal de Minas Gerais
http://lattes.cnpq.br/3427164673497124
Christian Dias Cabacinha, Instituto de Ciências Agrárias - Universidade Federal de Minas Gerais
http://lattes.cnpq.br/7626216490380053

Referências

Amorim, E. L. C.; Nascimento, J. E.; Monteiro, J. M.; Peixoto Sobrinho, T. J. S.; Araújo, T.; Albuquerque, U. P. 2008. A Simple and accurate procedure for the determination of Tannin and flavonoid levels and some applications in ethnobotany and ethnopharmacology. Functional Ecosystems and Communities 2: 88 – 94.

Azevedo, T. L.; Mello, A. A.; Ferreira, R. A.; Sanquetta, C. R.; Nakajima, N. Y. 2011. Equações hipsométricas e volumétricas para um povoamento de Eucalyptus sp. localizado na FLONA do Ibura, Sergipe. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 6: 105-112. Doi: http://doi.org/10.5039/agraria.v6i1a861.

Benvido, S. F.; Palmeira, J. D.; Souza, J. H.; Almeida, J. A.; Pessoa, R. M.; Catão, R. M. R. 2010. Avaliação da atividade antibacteriana in vitro do extrato hidroalcóolico de Stryphnodendronadstringens (Mart.) Coville sobre isolados ambulatoriais de Staphylococcus aureus. Revista Brasileira de Análise Clínica 42: 27-31.

Borges Filho, H. C.; Felfili, J. M. 2003. Avaliação dos níveis de extrativismo da casca de barbatimão [Stryphnodendronadstringens (Mart.) Coville] no Distrito Federal, Brasil. Revista Árvore27: 735-745. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622003000500016.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. 2018. O bioma cerrado.Disponível em .

Costa, M. A.; Ishida, K; Kaplum, V; Koslyk, E. D. A.; Mello, J. C. P.; Ueda-Nakamura, T.; Dias Filho, B. P.; Nakamura, C. V. 2010. Safety evaluation of proanthocyanidin polymer-rich fraction obtained from stem bark of Stryphnodendronadstringens (BARBATIMÃO) for use as a pharmacological agent. Regulatory Toxicology and Pharmacology 58: 330-335. Doi: http://doi.org/10.1016/j.yrtph.2010.07.006.
Folin, O.; Ciocalteau, V. 1927. On tyrosine and tryptophane determinations in proteins. Journal of Biological Chemistry 73.
Gama, A. T. 2013. Densidade básica, volumetria e peso seco do barbatimão (Stryphnodendronadstringens (Mart.) Coville): bases para elaboração de planos de manejo sustentado no Norte de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais. 122

Gama, J. R. V.; Souza, A. L.; Vieira, D. V.; Leite, H. G. 2017. Equações de volume para uma floresta ombrófila aberta, município de Codó, estado do Maranhão Revista Brasileira de Ciências Agrárias 12: 535-542. Doi:http://doi.org//10.5039/agraria.v12i4a5489.

Lorenzi, H. 2010. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivos de plantas arbóreas do Brasil. 5. ed. São Paulo: Instituto Plantarum, Nova Odessa.

Martins, E. R.; Santos, A. M.; Caldeira Junior, C. F.; Alves, D. S.; Paula, T. S. M.; Figueiredo, L. Silva. 2009. Teor de taninos e flavonóides em cascas e folhas de barbatimão [Stryphnodendronadstringens (Mart.) Coville]. MG.BIOTA 2: 30-35.

Meira, M. R.; Cabacinha, C. D.; Gama, A. T.; Martins, E. R.; Figueiredo, L. S. 2016. Caracterização estrutural do barbatimão (Stryphnodendronadstringens (Mart.) Coville) no cerrado do Norte de Minas Gerais. Ciência Florestal 26: 627-638. Doi: http://doi.org/10.5902/1980509822762.

Miguel, E. D.; C, Canzi, L. F.; Rufino, R. F.; Santos, G. A. 2010. Ajuste de modelo volumétrico e desenvolvimento de fator de forma para plantios de Eucalyptusgrandis localizados no município de Rio Verde – GO.Enciclopédia Biosfera 6: 1-13.

Monteiro, J. M.; Lins Neto, E. M. F.; Amorim, E. L. C.; Strattmann, R. R.; Araújo, E. L.; Albuquerque, U. P. 2005. Teor de Tanino em três espécies medicinais arbóreas simpátricas da caatinga. Revista Árvore 29: 999-1005. Doi: //doi.org/10.1590/S0100-67622005000600020.
Pelissari, A. L.; Lanssanova, L. R.; Drescher, R. 2011. Modelos volumétricos para pinus tropicais, em povoamento homogêneo, no estado de Rondônia. Pesquisa Florestal Brasileira 31: 173. Doi: http://doi.org//10.4336/2011.pfb.31.67.173.

Pereira, Z. V.; Fernandes, S. L.; Sangalli, A.; Mussury, R. M. 2012. Usos múltiplos de espécies nativas do bioma cerrado no assentamento Lagoa Grande, Dourados, Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Agroecologia 7: 126 – 136.

R Core Team. 2017. R: a language and environment for statistical computing. Vienna, Austria: R Foundation for Statistical Computing.

Scolforo, J. R. S.; Oliveira, A. D.; Davide, A. C. 2012. Manejo sustentável da candeia: o caminhar de uma nova experiência em Minas Gerais. Lavras: UFLA.

Scolforo, J. R.; Mello, J. M.; Oliveira, A. D.; Silva, C. P. C. 2008. Equações de volume, peso de matéria seca e produção de tanino do barbatimão (Stryphnodendronadstringens (Mart.) Coville), em Minas Gerais. In: Scolforo, J. R.; Oliveira, A. D.; Acerbi Júnior, F. W. Inventário florestal de Minas Gerais: equações de volume, peso de matéria seca e carbono para diferentes fisionomias da flora nativa. Lavras: UFLA129-148.

Sobral, T. E. L.; Barreto, G. 2011. Análise dos critérios de informação para a seleção de ordem em modelos auto-regressivos. In: Anais da Conferencia Brasileira de Dinâmica, Controle e Aplicações. Serra Negra, SP 10. Disponível em: .
Publicado
2018-07-04
Seção
ARTIGOS ORIGINAIS