Análise temporal do NDVI como ferramenta para o planejamento do ecoturismo na APA do Rio Pandeiros, norte de Minas Gerais

Autores

  • Borges Marfrann Dias Melo Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG, Brasil.
  • Paulo Ricardo Santos Miranda Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2305-2244
  • Thais Sales Gonçalves Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-2053-7094
  • Adriana Leandra de Assis Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-0723-6935
  • Christian Dias Cabacinha Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-8148-083X
  • Gustavo Eduardo Marcatti Universidade Federal de São João del-Rei. Campus Sete Lagoas- Sete Lagoas, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0003-1455-4859
  • Renato Vinícius Oliveira Castro Universidade Federal de São João del-Rei. Campus Sete Lagoas- Sete Lagoas, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9018-7793
  • Carlos Alberto Araújo Júnior Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias –Montes Claros, MG. Brasil. http://orcid.org/0000-0003-0909-8633

DOI:

https://doi.org/10.35699/2447-6218.2019.13578

Palavras-chave:

Geoprocessamento, Análise de vegetação, Sistema de Informação Geográfica

Resumo

 

O turismo ecológico tem se mostrado capaz de melhorar o entendimento da população acerca dos benefícios da conservação ambiental. Para que isso seja feito, é necessário dar condições adequadas ao visitante, de maneira que a experiência vivida seja a melhor possível. Neste sentido, a gestão de unidades de conservação passa pelo planejamento minucioso acerca dos melhores períodos para visitação. Assim, objetivou-se analisar o Índice de Vegetação por Diferença Normalizada para a APA do Rio Pandeiros de modo a contribuir para o planejamento do ecoturismo no local. Foram consideradas imagens do satélite Landsat-8 obtidas mensalmente entre agosto de 2016 e agosto de 2018. Os dados foram processados utilizando-se o software QGis e os resultados foram correlacionados com o regime pluviométrico da região. Foi possível observar uma estreita relação entre a condição da vegetação e a quantidade de chuva ocorrida. Para o período de junho a outubro, há maior concentração de vegetação mais esparsa e para os meses de dezembro até abril há maior concentração de vegetação densa, nos dois períodos analisados. Conclui-se que é possível utilizar o índice de vegetação por diferença normalizada para indicar períodos de visitação turística no local, permitindo um planejamento de viagem que atenda as demandas do visitante em relação às cenas paisagísticas que serão contempladas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, J. W. L. 2016. Métodos de sensoriamento remoto nomapeamento de veredas na APA Rio Pandeiros. Belo Horizonte:Universidade Federal de Minas Gerais, 93 f. Dissertação Mestrado.

Almeida, N. O.; Oliveira, L. M. M. O.; Candeias, A. L. B.; Bezerra, U. A.;Leite, A. C. S. 2018. Uso e cobertura do solo utilizando geoprocessamentoem municípios do agreste de Pernambuco. Revista Brasileira de Meio/Ambiente, 4: 58-68.

Araujo, A. L., Braga, C. C., Silva, B. B. 2009. Variação do NDVI na Chapada do Araripe com dados Landsat 5 – TM. In: III Simpósio Internacional de Climatologia, 2009. Sociedade Brasileira de Meteorologia.

Calegari, L.; Martins, S. V.; Gleriani, J. M.; Silva, E.; Busato, L. C.2010. Análise da dinâmica de fragmentos florestais no município deCarandaí- MG, para fins de restauração florestal. Revista Árvore, 34:871-880. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000500012.

Faria, E.; Teixeira, M. 2017. Contribuições da geografia e do sensoriamento remoto como ferramenta auxiliar no planejamento espacial do turismo, um estudo de caso sobre o Parque Nacional da Serra do Cipó - MG. Ciência e Natura, 39: 285-298. Doi: http://dx.doi.org/10.5902/2179460X24158.

Fonseca, D. F.; Nascimento, F.; Miranda, W. 2011. Uso de geotecnologias para caracterização espacial da Bacia Hidrográfica do Pandeiros – MG como subsídio para estudos de impacto ambiental. In: XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2011. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Freitas, S. R.; Mello, M. C. S.; Cruz, C. B. M. 2005. Relações entre maturidade estrutural da floresta e índices de vegetação na Mata Atlântica. In: XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2005. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Jardim, C. H.; Moura, F. P. 2018. Variações dos totais de chuvas e temperatura do ar na bacia do rio Pandeiros, norte do estado de Minas Gerais- Brasil: Articulação com fatores de diferentes níveis escalares em área de transição climática de cerrado para semiárido. Revista Brasileira de Climatologia, 1: 172-189. Doi:http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v1i0.61013.

Jensen, J. R. 2009. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. 2. ed. São José dos Campos: Parênteses.

Leite, A. P.; Santos, G. R.; Santos, J. E. O. 2017. Análise temporal dos índices de vegetação NDVI e SAVI na estação experimental de Itatinga utilizando imagens Landsat 8. Revista brasileira de energias renováveis, 6: 606-623. Doi: http://dx.doi.org/10.5380/rber.v6i4.45830.

Leite, M. E.; Silva, L. A. P.; Leite, M. R.; Fonseca, G. S. 2018. Geotecnologias aplicadas à estimativa da temperatura de superfície em diferentes usos e ocupações do solo na Área de Proteção Ambiental do Rio Pandeiros - Minas Gerais. Caderno de Geografia, 28: 490-509. Doi: https://doi.org/10.5752/P.2318-2962.2018v28n53p490-509.

Matias, J. F. G.; Streck, L.; Aguilar, D. D. 2015. Geração de mapas de produtividade de milho (Zea mays) com índice de vegetação NDVI de imagens Landsat 8. In: XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2015. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Mendes, A. L. S.; Costa, S. P. B.; Melo C. S. M.; Bezerra, M. H. M.; Vidal, F. A. B.; Moreira, R. N. 2016. Turismo sustentável e conservacionista no sertão do Ceará. Revista Gestão e Sustentabilidade Ambiental, 5: 559-584. Doi:http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v5e22016559-584

Neiman, Z.; Geerdink, S.; Pereira, J. 2011. A imagem como agente motivador para o ecoturismo. Revista Turismo Em Análise, 22: 71-95. Doi: https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v22i1p71-95.

Nunes, Y. R. F.; Azevedo, I.F. P; Neves, W. V.; Veloso, M. D.M; Souza, E. A.; Fernandes, G. W. 2009. Pandeiros: o pantanal mineiro. MG. Biota, 2: 4-17.

Oliveira, F. M. 2013. Relações solo-vegetação em áreas desenvolvidas sobre o arenito Urucia na APA do Rio Pandeiros. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 64 f. Dissertação Mestrado.

Picharillo, C.; Ogashawara, I. 2013. Análise multitemporal da expansão turística e o seus reflexos nas mudanças da cobertura do solo do município de Bonito-MS por meio de imagens de satélite. In: XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2013. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Roquette, J. G. 2018. Distribuição da biomassa no cerrado e a sua importância na armazenagem do carbono. Ciência Florestal, 28: 1350-1363. Doi: http://dx.doi.org/10.5902/1980509833354.

Rouse, J. W.; Haas, R.H.; Schell, J.A., Dering, D.W. 1973. Monitoring the vernal advancement and retrogradation (green wave effect) of natural vegetation. Texas A&M University Remote Sensing Center, 2: 1-112. Disponível em: Disponível em: http://bit.do/eVcT7.

Rouse, J. W.; Haas, R. H.; Schell, J. A.; Deering, D. W. 1973. Monitoring vegetation systems in the Great Plains with ERTS. Third ERTS Symposium, 1: 309- 317.

Saito, N. S.; Arguello, F. V. P.; Moreira, M. A.; Dos Santos, A.R; Eugenio, F. C.; Figueiredo, A.C. 2016. Uso da geotecnologia para análise temporal da cobertura florestal. Cerne, 22,11-18. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/01047760201622011935.

Sales, G. B.; Miranda, J. R.; Filgueiras, R.; Nascimento, C. R. 2013. Uso de séries temporais de imagens Landsat/TM para estudo do processo de degradação ambiental de áreas de várzeas no semiárido mineiro. In: XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2013. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Santos, N. D.; Oliveira, K. V.; De Oliveira.; M. A.; Formigoni, A. 2017. Análise comparativa do NDVI com a implantação da SP-21 (rodoanel): série histórica para 1985-2010. South American Development Society Journal, 3: 50-61. Doi: http://dx.doi.org/10.24325/issn.2446-5763.v3i8p50-61.

Souza, C. C.; Moreira, A. A.; Schimith, R. S.; Brandão, P. C.; Silva, E. 2007. Técnicas de sensoriamento remoto como subsídios aos estudos de florestas implantadas no Brasil – uma revisão bibliográfica. Ciência Florestal, 17: 409-417. Doi: http://dx.doi.org/10.5902/198050981972

Downloads

Publicado

2019-11-22

Como Citar

Melo, B. M. D., Miranda, P. R. S., Gonçalves, T. S., Assis, A. L. de, Cabacinha, C. D., Marcatti, G. E., Castro, R. V. O., & Araújo Júnior, C. A. (2019). Análise temporal do NDVI como ferramenta para o planejamento do ecoturismo na APA do Rio Pandeiros, norte de Minas Gerais. Caderno De Ciências Agrárias, 11, 1–9. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2019.13578

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)