Biochar de casca de pequi como componente de substrato para produção de mudas de Eucalyptus urophylla S. T.

Autores

  • Josiana Jussara Nazaré Basílio Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Faculdade de Ciências Agronômicas. Botucatu, SP. Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7597-2942
  • Lorrane Aguiar Rodrigues Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0002-2012-4276
  • Maria Shirley Amorim Silva Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0002-4450-6586
  • Fernando Colen Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0001-6039-1240
  • Leandro Silva Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Agrárias. Montes Claros, MG. Brasil. https://orcid.org/0000-0003-0800-5001

DOI:

https://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.24836

Palavras-chave:

Caryocar brasilensis, Granulometrias, Carvão vegetal, Desenvolvimento inicial

Resumo

O uso de substratos empregando o biochar como componente consiste de uma alternativa viável na produção de mudas florestais, devido às melhorias nas suas características físico-químicas. Diante do exposto, o objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito do tamanho de partícula e da proporção de biochar de casca de Caryocar brasiliensis sobre a produção de mudas de Eucalyptus urophylla. O biochar foi empregado em quatro granulometrias (>0,5; 0,5-1,0; 1,0-2,0; 2,0-4,0 mm), misturados ao substrato comercial @bioplant (turfa de Sphagnum, fibra de Coco, casca de arroz, casca de pinus e vermiculita) em cinco proporções: 0, 25, 50, 75%, 100% (v/v). Avaliou-se as propriedades físicas, densidade de partícula, densidade aparente e porosidade dos substratos testados. Já o desenvolvimento fisiológico da muda foi analisado através das variáveis: porcentagem de germinação, índice de velocidade de emergência, altura, diâmetro de colo, relação altura / diâmetro de colo, comprimento de raiz pivotante, massa seca da raiz e massa seca aérea aos 120 dias, correlacionando com as características físicas e químicas do biochar utilizado. A adição do biochar em menores proporções (< 25%) com o substrato comercial, confere ao substrato melhorias nos atributos físico-químicos, como o aumento da porosidade. Conclui-se que os melhores resultados fisiológicos para a espécie em estudo foram obtidos utilizando granulometrias de biochar entre 1 e 4 mm independente da proporção e biochar aplicada. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Araújo, A.P.; Sobrinho, S.P. 2011. Germinação e produção de mudas de tamboril (Enterolobium contortisiliquum (vell.) Morong) em diferentes substratos. Revista Árvore, 353: 581-588. Doi: 10.1590/S0100-67622011000400001

Artur, A.G.; Cruz, M.C.P.; Ferreira, M.E.; Barretto, V.C.M.; Yagi, R. 2007. Esterco bovino e calagem para formação de mudas de guanandi. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 42: 843-850. Doi: 10.1590/S0100-204X2007000600011

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. 1997. ABNT NBR NM-ISO 3310-1: 1997- Peneiras de ensaio: Requisitos técnicos e verificação.20 p.

Biederman, L.A.; Harpole, W.S. 2013. Biochar and its effects on plant productivity and nutrient cycling: a meta-analysis. Global Change Biology. Bioenergy, 5: 202-214. Doi: 10.1111/gcbb.12037

Birchler, T.; Rose, R.W.; Royo, A.; Pardos, M. 1998. La planta ideal: revision del concepto, parametros definitorios e implementaction practica. Investigacion Agraria, Sistemas y Recursos Forestales, 7: 109-121.

Brasil. 2015. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa SDA nº 03, de 26 de janeiro de 2015. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 27 jan. 2015.

Bridgwater, A.V. 2012. Review of fast pyrolysis of biomass and product upgrading. Biomass and Bioenergy, 38: 68-94. Doi: org/10.1016/j.biombioe.2011.01.048

Bueno, C.C. 2017. Biochar: Caracterização estrutural e interações com nutrientes e microorganismos pedológicos. Dissertação, Instituto de Ciência e Tecnologia (Câmpus de Sorocaba), Universidade estadual Paulista “Júlio de Mesquita de Filho”. 158p.

Carneiro, J.G.A. 1995. Produção e controle de qualidade de mudas florestais. Curitiba: UFPR/FUPEF/UENF, 451 p.

.

Cavalcante, L.; Herbert, I.; Petter, F.A.; Albano, F.G.; Rachel, R.; Silva, S.; Silva Júnior, G.B. 2012. Biochar no substrato para produção de mudas de maracujazeiro amarelo. Revista de la Facultad de Agronomía, 111: 4147.

Dumroese, K.R.; Heiskanen, J.; Englund, K.; Tervahauta, A. 2011. Pelleted biochar: Chemical and physical properties show potential use as a substrate in container nurseries. Biomass and Bioenergy, 35: 2018-2027. Doi: org/10.1016/j.biombioe.2011.01.053

Embrapa (1997). Manual de métodos de análise do solo. 2ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA - Centro Nacional de Pesquisa de Solos. 247 p.

Fermino, M.H. 2003. Métodos de análise para características de física de substratos. Tese, Universidade Federal do rio Grande do Sul, Porto Alegre. 80f.

Fonseca, T.G. 2001. Produção de mudas de hortaliças em substratos de diferentes composições com adição de CO2 na água de irrigação. Dissertação, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo. 72p.

Gasparin, E.; Avila, A.L.; Araujo, M.M.; Cargnelutti Filho, A.; Dorneles, D.U.; Foltz, D.R.B. 2014. Influência do substrato e do volume de recipiente na qualidade das mudas de Cabralea canjerana (Vell.) Mart. em viveiro e no campo. Ciência Florestal, 24: 553-563. Doi.org/10.5902/1980509815731

Glaser, J.; Lehmann, W.Z. 2002. Ameliorating physical and chemical properties of highly weathered soils in the tropics with bio-char – a review. Biology and Fertility of Soils, 35: 219–230. Doi: 10.1007/s00374-002-0466-4.

Gomes, J.M.; Paiva, H.N. 2012. Viveiros florestais: propagação sexuada. Ed. UFV, Viçosa-MG.

Gonçalves, J.L.M.; Poggiani, F. 1996. Substratos para produção de mudas florestais. In: Congresso Latino Americano De Ciência Do Solo. Águas de Lindóia. São Paulo.

Gonzaga, M.I.S.; Mackowiak, C.L.; Comerford. N.B.; Moline, E.F.V.; Shirley, J.P.; Guimaraes, N.B. 2017. Pyrolysis methods impact biosolids-derived biochar composition, maize growth and nutrition. Soil & Tillage Research, 165: 59–65. Doi: org/10.1016/j.still.2016.07.009.

IBI – International Biochar Initiative. 2012. Standardized Product Definition and Product Testing Guidelines for Biochar That Is Used in Soil. v. 8. Disponível em: <http://www.biocharinternational.org/sites/default/files/Guidelines_for_Biochar_That_Is_Used_in_Soil_Final.pdf>. Acesso em: 17 de out. 2017.

Kratz, D.; Wendling, I.; Pires, P.P. 2012. Miniestaquia de Eucalyptus benthamii x E. dunnii em substratos a base de casca de arroz carbonizada. Scientia Forestalis, 40: 547-556.

Laghari, M.; Naidu, R.; Xiao, B.; Hu, Z.; Mirjat, M.S.; Hu, M.; Kandhro, M.N.; Chen, Z.; Guo, D.; Jogi, D.; Abudi, Z.N.; Fazal, S. 2016. Recent developments in biochar as an effective tool for agricultural soil management: a review. Journal of the Science of Food and Agriculture, 96: 4840-4849. Doi:10.1002/jsfa.7753.

Lopes, O.D.; Kobayashi, M.K.; Oliveira, F.G.; Alvarenga, I.C.A.; Martins, E.R.; Corsato, C.E. 2011. Determinação do coeficiente de cultura (Kc) e eficiência do uso de água do alecrim-pimenta irrigado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 15: 548-553. Doi.org/10.1590/S1415-43662011000600002.

Maguirre, J.D. 1962. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedlings emergence and vigor. Crop Science, 2: 176-177.

Milla, O.V.; Rivera, E.B.; Huang, W.J.; Chien, C.C.; Wang, Y.M. 2013. Agronomic properties and characterization of rice husk and wood biochars and their effect on the growth of water spinach in a field test. Journal of soil science and plant nutrition, 13: 251-266. Doi 10.4067/S0718-95162013005000022.

Moura, N.F.; Chaves, L.J.; Naves, R.V. 2013. Caracterização física de frutos de pequizeiro (Caryocar brasiliense Camb.) do cerrado. Revista Árvore, 37: 905-912.

Nelissen, V.; Ruysschaert, G.; Müller-Stöver, D.; Bodé, S.; Cook, J.; Ronsse, F.; Shackley, S.; Boeckx, P.; Hauggaard-Nielsen, H. 2014. Short-Term Effect of Feedstock and Pyrolysis Temperature on Biochar Characteristics, Soil and Crop Response in Temperate Soils. Agronomy, 4: 52-73. Doi:10.3390/agronomy4010052.

Olmo, M.; Villar, R, Salazar, P, Alburquerque J. A. 2016. Changes in soil nutrient availability explain biochar’s impact on wheat root development. Plant and Soil. 339: 333-343. Doi:10.1007/s11104-015-2700-5.

Petter, A.F.; Andrade, F.R.; Marimon Junior, B.H.; Gonçalves, L.G.; Schossler, T.R. 2012. Biochar como condicionado de substrato para a produção de mudas de eucalipto. Revista Caatinga, 25: 44-51.

Prieto, M.O. 2016. Efectos del biochar sobre el suelo, las características de la raíz y la producción vegetal. Tese, Universidad de Córdoba, Córdoba. 157p.

Poorter, H.; Niklas, K.J.; Reich, P.B.; Oleksyn, J.; Poot, P.; Mommer, L. 2012. Biomass allocation to leaves, stems and roots: meta-analyses of interspecific variation and environmental control. New Phytologist, 193: 30–50. Doi 10.1111/j.1469-8137.2011.03952.x.

Smerthurst. P.; Holz, G.; Moroni, M.; Baillie, C. 2004. Nitrogen management in Eucalyptus nitens plantations. Forest Ecology and Management, 193: 63-80. Doi.org/10.1016/j.foreco.2004.01.023.

Shipley, B.; Meziane, D. 2002. The balanced-growth hypothesis and the allometry of leaf and root biomass allocation. Functional Ecology, 16: 326–331. Doi: 10.1046/j.1365-2435.2002.00626.x.

Silva, M.I.; Mackowiak, C.; Minogue, P.; Reis, A.F.; Moline, E.F.V. 2017. Potential impacts of using sewage sludge biochar on the growth of plant Forest seedlings. Ciência Rural, 147: 1-5. Doi: 10.1590/0103-8478cr20160064.

Silva, M.N.S. 2011. Entre brejos, grotas e chapadas manuscrito: o campesinato sertanejo e o extrativismo do pequi nos cerrados de Minas Gerais. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Instituto de Geociências, 277p.

Silva, M.S.A. 2017. Biochar de casca de pequi como condicionador de solo no desempenho agronômico de feijoeiro. Dissertação, Universidade Federal de Minas Gerias, Instituto de Ciências Agrárias. 89p.

Sturion, J.A.; Antunes, J.B.M. 2000. Produção de mudas de espécies florestais. In: GALVÃO, A.P.M. (Ed.). Reflorestamento de propriedades rurais para fins produtivos e ambientais. Colombo: Embrapa Florestas, 125-150.

Suliman, W.; Harsh, J.B.; Abul-lail, N.I.; Fortuna, A.M.; Allmeyer, I.; Pérez, M.G. 2017. The role of biochar porosity and surface functionality in augmenting hydrologic properties of a sandy soil. Science of The Total Environment. 574: 139-1547. Doi: org/10.1016/j.scitotenv.2016.09.025. doi: 10.1016/j.scitotenv.2016.09.025.

Trautenmüller, J.W.; Borella, J.; Lambrecht, F.R.; Valerius, J.; Costa Junior, S.; Leschewitz, R. 2016. Influência de composto orgânico no desenvolvimento de Ilex paraguariensis St. Hilaire. Advances in Forestry Science, 4: 55-58.

Varvel, G.E.; Schpers, J.S.; Francis, D.D. 1997. Ability for in-season correction of nitrogen deficiency in corn using chlorophyll meters. Soil Science Society of America Journal., 61: 1233-1239. Doi:10.2136/sssaj1997.03615995006100040032x.

Xu, R.; Ferrante, L.; Salão, K.; Brins, C.; Berruti, F. 2011. Thermal self-sustainability of biochar production by pyrolysis. Journal of Analytical and Applied Pyrolysis, 91: 55–66. Doi.org/10.1016/j.jaap.2011.01.001.

Zorzeto, T.Q.; Dechen, S.C.F.; Abreu, M.F.; Fernandes Junior, F. 2014. Caracterização física de substratos para plantas. Bragantia, 73: 300-311. Doi: org/10.1590/1678-4499.0086

Downloads

Publicado

2020-09-25

Como Citar

Basílio, J. J. N., Rodrigues, L. A., Silva, M. S. A. ., Colen, F. ., & Oliveira, L. S. (2020). Biochar de casca de pequi como componente de substrato para produção de mudas de Eucalyptus urophylla S. T. Caderno De Ciências Agrárias, 12, 1–10. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2020.24836

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)