'Tudo em família com a Paz do Senhor' – certa vez, no Estádio Salazar

  • Elcio Loureiro Cornelsen Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: futebol e política, Brasil x Portugal, colonialismo, salazarismo, ditadura militar.

Resumo

Nossa contribuição visa a refletir sobre a relação entre futebol e política a partir da análise de três crônicas esportivas publicadas no Jornal dos Sports, em 01 de julho de 1968, no contexto da partida amistosa envolvendo a Seleção Brasileira e a Seleção Portuguesa, que celebrou a inauguração do Estádio Salazar, em Lourenço Marques (atual Maputo), então capital de Moçambique sob o domínio colonial ultramarino. Nosso corpus de análise é formado pelas seguintes crônicas: “Tudo em família com a Paz do Senhor”, de Zé de São Januário; “O melhor futebol do mundo”, de Nelson Rodrigues; “Uma forra gostosa”, de Jocelyn Brasil. A polifonia produzida por essas crônicas revela que o futebol, para além do campo esportivo, nem sempre está alheio ao contexto político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elcio Loureiro Cornelsen, Universidade Federal de Minas Gerais

Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq

Doutor em Estudos Germânicos pela Freie Universität Berlin/Alemanha

Professor de Língua, Literatura e Cultura Alemã (Graduação) e de Teoria da Literatura e Literatura Comparada (Pós-Graduação), e de Estudos do Lazer (Pós-Graduação

Professor credenciado junto ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da FALE/UFMG, e do Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Estudos do Lazer, da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG.

Com Pós-Doutorado em Estudos Organizacionais pela Fundação Getúlio Vargas/SP (2005) e em Teoria e História Literária pelo Instituto de Estudos da Linguagem da UNICAMP (2010)

Referências

Antigos Alunos Salesianos de Moçambique (blog): Estádio da Machava – Maputo. 25 de outubro e 2009. Disponível em: https://bit.ly/2JJ9mM0. Acesso em: 10 abr. 2017.

BRAIT, Beth. As vozes bakhtinianas e o diálogo inconcluso. In: BARROS, Diana Luz Pessoa de; FIORIN, José Luiz (orgs.). Dialogismo, polifonia, intertextualidade. São Paulo: Edusp, 2003, p. 11-27.

BRASIL, Jocelyn. Uma forra gostosa. Jornal dos Sports. Nº. 12.247, Rio de Janeiro, p. 4.

COUTINHO, Renato Soares. “São coisas do destino, sou rubro-negro e meu patrão é vascaíno”: Flamengo, Vasco e a construção das identidades dos clubes de futebol profissional no Rio de Janeiro. Anais do XXVII Simpósio Nacional de História. Natal-RN, 2013, p. 1-17. Disponível em: https://bit.ly/2JI6RJJ. Acesso em: 10 abr. 2017.

DOMINGOS, Nuno. O futebol português em Moçambique como memória social. Cadernos de Estudos Africanos. 9/10: Memórias Coloniais, 2006, p. 1-14.

RODRIGUES, Nelson. O melhor futebol do mundo. Jornal dos Sports. Nº. 12.247, Rio de Janeiro, p. 4.

SILVA, Marcelino Rodrigues da. O mundo do futebol e a crônica esportiva. FuLiA / UFMG, v. 2, n. 3, p. 86-106, set.-dez. 2017.

SOTER, Ivan. A história da seleção brasileira em boas mãos. Literatura na Arquibancada (Blog). Disponível em: https://bit.ly/2KvZxlvc. Acesso em: 10 abr. 2017.

VIEIRA, Roberto. O Brasil x Portugal de Lourenço Marques. No Blog do Roberto. Disponível em: https://bit.ly/2rh1SJ2. Acesso em: 10 abr. 2017.

ZÉ DE SÃO JANUÁRIO (Álvaro do Nascimento Rodrigues). Tudo em família na Paz do Senhor. Jornal dos Sports. N. 12.247, Rio de Janeiro, p. 4.

Publicado
2018-06-11