O futebol brasileiro e a constituição de sujeitos trans: sob as lentes do cronotopo bakhtiniano

Autores

  • Rafael Marques Garcia Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Wilder Kleber Fernandes de Santana Universidade Federal da Paraíba http://orcid.org/0000-0001-7569-499X

DOI:

https://doi.org/10.17851/2526-4494.4.3.66-80

Palavras-chave:

Cronotopo; Sujeitos trans; Futebol contemporâneo.

Resumo

O presente trabalho delimitou como categoria para subsidiar a pesquisa o cronotopo, termo bakhtiniano que diz respeito a estudos literários e éticos (da cultura humana). Para tanto, fizemos um estudo sobre a constituição de sujeitos trans no futebol contemporâneo brasileiro, em que é preciso recorrer à História, reenunciando dizeres de Platão, Aristóteles dentre outros. O objetivo de nosso trabalho consiste em analisar a constituição de sujeitos trans no futebol contemporâneo brasileiro sob as lentes do cronotopo bakhtiniano, e isso nos impulsionou a traçar processos de (des)naturalização das concepções de sujeito no tempo e no espaço. Em aspectos temáticos, o presente manuscrito aborda o cronotopo e sua implicação para repensar o futebol e os sujeitos trans no futebol contemporâneo brasileiro, situando esse esporte enquanto um importante espaço histórico e simbólico, onde são perceptíveis mudanças nos sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Marques Garcia, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Licenciado, Bacharel e Mestre em Educação Física (UFRJ)

Doutorando EEFD/UFRJ

Wilder Kleber Fernandes de Santana, Universidade Federal da Paraíba

Doutorando e Mestre em Linguística pelo Programa de Pós-graduação em Linguística (Proling) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Mestre e Bacharel em Teologia (Faculdade Teológica Nacional, 2016); Mestrando em Arqueologia Bíblica (Faculdade Teológica Nacional, 2017) e Especialista em Gestão da Educação Municipal (UFPB, 2017). Atua nas áreas de Língua Portuguesa e Linguística, desenvolvendo pesquisas em teorias do discurso, especificamente a perspectiva dialógica dos estudos da linguagem. É integrante do GPLEI (Grupo de Pesquisa em Linguagem, Enunciação e Interação).  

Referências

AMORIM, Marília de. Cronotopo e exotopia. In: BRAIT, Beth. (Org.). Bakhtin: outros conceitos chave. São Paulo: Contexto, 2010, p. 95-114.
ANJOS, Luiza Aguiar dos. De "São bichas, mas são nossas" à "Diversidade da alegria": uma história da torcida Coligay. Tese (Doutorado em Ciências do Movimento Humano). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Educação Física, Porto Alegre, 2018.
ANJOS, Luiza Aguiar dos; SILVA JÚNIOR, José Aelson da. Recusando armários: histórias de homens homossexuais no futebol brasileiro. Mosaico, v. 9, n. 14, p. 214-231, 2018.
ARISTÓTELES. Física (livros I e II). Trad. Lucas Angioni. São Paulo: Editora da Unicamp, 2009.
BAKHTIN, Mikhail M. Estética da criação verbal. Trad.: Paulo Bezerra, a partir do russo. São Paulo: Martins Fontes, 2006 [1979].
BAKHTIN, Mikhail. Formas de tempo e de cronotopo no romance: ensaios de poética histórica. In: ______. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. São Paulo: Editora HUCITEC, 1998, p. 211-362.
BANDEIRA, Gustavo Andrada; SEFFNER, Fernando. Futebol, gênero, masculinidade e homofobia: um jogo dentro do jogo. Espaço Plural, v. XIV, n. 29, p. 246-270, jul.-dez. 2013.
BEMONG, Nele et. al. Bakhtin e o cronotopo – reflexões, aplicações, perspectivas. Trad.: Ozíris Borges Filho et. al. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.
EINSTEIN, Albert. A teoria da relatividade. Trad.: Silvio Levy. Porto Alegre, L&PM Editores, 2009.
ELIADE, Mircea. História das crenças e das ideias religiosas, volume I: da idade da Pedra aos mistérios de Elêusis. Trad.: Roberto Cortes de Lacerda. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.
ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano – a essência das religiões. Trad.: Rogério Fernandes. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.
GARCIA, Rafael Marques; PEREIRA, Erik Giuseppe Barbosa. Ressignificações no esporte através da performance de Tifanny Abreu. In: E-legis, Brasília, número especial – Pesquisas e Políticas sobre Esporte, nov. 2018.
GGB – Grupo Gay da Bahia. Relatório 2018 – Mortes violentas de LGBT+ no Brasil. Disponível em: https://bit.ly/39WuPyH. Acesso em: 13 dez. 2019.
HOLQUIST, Michael. A fuga do cronotopo. In: BEMONG, Nele et alii. Bakhtin e o cronotopo: reflexões, aplicações, perspectivas. Trad.: Ozíris Borges Filho. São Paulo: Parábola, 2015, p. 34-51.
MARTINS, Débora Nascentes; ASSUNÇÃO, Maria Madalena Silva de. Bichas, macacos, Marias: narrativas de opressão, invisibilidade, preconceito e resistência no futebol. Pretextos – Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 4, n. 7, p. 342-364, jan.-jun. 2019.
MEDVIÉDEV, Pável Nikoláievitch. O método formal nos estudos literários: introdução a uma poética sociológica. Trad.: Sheila Camargo Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Contexto, 2016.
PINTO, Maurício Rodrigues. Torcidas queer e livres em campo: sexualidade e novas práticas discursivas no futebol. Ponto Urbe – Revista do núcleo de antropologia urbana da USP, n. 14, p. 1-11, 2014.
PLATÃO. Timeu e Crítias – ou “A Atlântida”. Trad.: Edson Bini. São Paulo. Edipro, 2012.
PRECIADO, Beatriz (Paul). Manifesto Contrassexual: políticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.
PRECIADO, Beatriz (Paul). Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Estudos Feministas, v. 19, n. 1, p. 11-20, jan.-abr. 2011.
RUSSELL, Bertrand. História da Filosofia Ocidental. Trad. Hugo Langone. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.
SANTANA, Wilder Kleber Fernandes de. Socioalteritarismo: Jesus Cristo e João Evangelista em processo de constituição. In: ______. Relações linguísticas e axio(dia)lógicas: palavras e escutas exotópicas. São Carlos, Pedro & João Editores, 2019, p. 4-10.
SERRANO, Jéssica Leite et al. Mulheres trans e atividade física: fabricando o corpo feminino. Interface, v. 23, p. 180624, 2019.
SERRANO, Jéssica Leite; CAMINHA, Iraquitan de Oliveira; GOMES, Isabelle Sena. Homens trans e atividade física: a construção do corpo masculino. Movimento, v. 25, p. 25007, 2019.
SIMAKAWA, Viviane Vergueiro. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade). Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015.
SOBRAL, Adail. Do dialogismo ao gênero: as bases do pensamento do círculo de Bakhtin. Campinas: Mercado de Letras, 2009.
SOUSA, Vinicius Gomes de; CAMARGO, Wagner Xavier de. Coligay e a diversidade sexual no campo esportivo. Recorde, v. 8, n. 1, p. 1-6, jan.-jun. 2015.
TOLEDO, Luiz Henrique; CAMARGO, Wagner Xavier de. Futebol dos futebóis: dissolvendo valências simbólicas de gênero e sexualidade por dentro do futebol. FuLiA / UFMG, v. 3, n. 3, p. 93-107, set.-dez., 2018.
VOLOCHÍNOV, Valentin Nikholáievich. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad.: Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2017 [1929].

Downloads

Publicado

2020-06-18

Como Citar

Marques Garcia, R. ., & Fernandes de Santana, W. K. (2020). O futebol brasileiro e a constituição de sujeitos trans: sob as lentes do cronotopo bakhtiniano. FuLiA / UFMG, 4(3), 66–80. https://doi.org/10.17851/2526-4494.4.3.66-80