O Papel dos Modelos Computacionais e das Analogias na Aprendizagem do Processo de Interação Fármaco-Enzima no Ensino Fundamentado em Modelagem

Palavras-chave: modelos computacionais, analogias, interação fármaco-enzima, ensino fundamentado em modelagem

Resumo

Neste trabalho, investigamos os papéis desempenhados pelos modelos computacionais e pelos processos de crítica e elaboração de analogias na compreensão conceitual do processo de interação fármaco-enzima. A investigação ocorreu com licenciandos do quinto período de um curso de Química ao vivenciarem um processo de ensino fundamentado na modelagem. As aulas foram filmadas e os materiais escritos produzidos pelos estudantes recolhidos. A análise desses materiais fundamentou a elaboração de um estudo de caso que nos permitiu evidenciar que a representação do sistema pelos modelos computacionais possibilitou que os estudantes desenvolvessem uma maior compreensão do conceito alvo, devido à visualização da disposição espacial dos átomos em macromoléculas e ao tratamento dinâmico desse tipo de sistema. Essa compreensão foi manifestada, principalmente, nos processos de crítica e criação de analogias. Por isso, realçamos a importância de que os licenciandos tenham experiências que os permitam refletir sobre as potencialidades e as limitações dos diferentes recursos de expressão de modelos ao vivenciarem processos de modelagem durante sua formação. Defendemos também a realização de novas investigações sobre a compreensão dos estudantes acerca da natureza dos modelos computacionais e das analogias nestes processos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Almeida, J. F., & Kiill, K. B. (2019). Modelagem tridimensional: Reflexões de futuros professores de Química para o ensino e aprendizagem da interação enzima-substrato. Investigações em Ensino de Ciências, 24(3), 282–304. https://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2019v24n3p282

Andrade, G. M. P. C., Mozzer, N. B., & Oliveira, T. M. A. (2017). O papel dos questionamentos do professor em atividades fundamentadas em modelagem analógica. Enseñanza de las Ciencias, (Extraordinário), 4535–4540.

Barnea, N., & Dori, Y. J. (1996). Computerized Molecular Modelling as a Tool To Improve Chemistry Teaching. Journal of Chemical Information and Computer Sciences, 36(4), 629–636. https://doi.org/10.1021/ci950122o

Barnea, N., & Dori, Y. J. (1999). High-School Chemistry Students’ Performance and Gender Differences in a Computerized Molecular Modelling Learning Environment. Journal of Science Education and Technology, 8(4), 257–271. https://doi.org/10.1023/A:1009436509753

Carvalho, A. M. P. (2006). Uma metodologia de pesquisa para estudar os processos de ensino e aprendizagem em salas de aula. In F. M. T. Santos, & I. M. Greca. (Eds.), A pesquisa em ensino de ciências no Brasil e suas metodologias (pp. 13–48). Editora Unijuí.

Chittleborough, G. D., & Treagust, D. F. (2009). Why Models are Advantageous to Learning Science. Educación Química, 20(1), 12–17. https://doi.org/10.1016/S0187-893X(18)30003-X

Clement, J. (2008). Creative Model Construction in Scientists and Students: The role of imagery, analogy and mental simulations. Dordrecht: Springer.

Cohen, L., Manion, L., & Morrison, K. (2011). Research Methods in Education. 7. ed. Routledge.

Coll, R. K., France, B., & Taylor, I. (2005). The role of models/and analogies in science education: implications from research. International Journal of Science Education, 27(2), 183–198. https://doi.org/10.1080/0950069042000276712

Coll, R. K. (2006). The role of models, mental models and analogies in chemistry teaching. In P. Aubusson, A. Harrison, & S. M. Ritchie. (Eds.), Metaphor and analogy in science education (pp. 65–77). Springer.

Duit, R. (1991). On the role of analogies and metaphors in learning science. Science Education, 75(6), 649–672. https://doi.org/10.1002/sce.3730750606

Feltre, R. (2004). Química: Química Orgânica. 6. ed. Moderna.

Fraga, C. A. M. (2001). Razões da atividade biológica: interações micro- e biomacro-moléculas. Química Nova na Escola, cadernos temáticos, (3), 33–42.

Gentner, D. (1983). Structure-mapping: A theoretical framework for analogy. Cognitive Science, 7(2), 155–170. https://doi.org/10.1016/S0364-0213(83)80009-3

Gilbert, J. K. (2004). Models and modelling: routes to more authentic science education. International Journal of Science and Mathematics Education, 2(2), 115–130. https://doi.org/10.1007/s10763-004-3186-4

Gilbert, J., & Justi, R. (2016). Modelling-based teaching science education. Springer.

Glynn, S. M. (1991). Explaining science concepts: a teaching-with-analogies model. In S. M. Glynn, R. H. Yearny, & B. K. Britton. (Eds.), The Psychology of Learning Science (pp. 219–240). Lawrence Erlbaum.

Grosslight, L., Unger, C., Jay, E. e Smith, C. L. (1991). Understanding models and their use in science: conceptions of middle and high school students and experts. Journal of research in science teaching, 28(9), 799–822. https://doi.org/10.1002/tea.3660280907

Harrison, A. G, & Treagust, D. F. (2000) A typology of school science models. International Journal of Science Education, 22(9), 1011–1026. https://doi.org/10.1080/095006900416884

Jiménez-Aleixandre, M. P. (2010). 10 ideas clave: Competencias en argumentación y uso de pruebas. Graó.

Johnson-Laird, P. N. (1983). Mental Models. MIT Press.

Junior, W. E. F. (2009). Analogias em livros didáticos de química: Um estudo das obras aprovadas pelo Plano Nacional do Livro Didático Para o Ensino Médio 2007. Ciências & Cognição, 14(1), 121–143.

Justi, R. (2006). La enseñanza de ciencias basada en la elaboración de modelos. Enseñanza de las Ciencias, 24(2), 173–184.

Justi, R. (2019) Modelos e modelagem no ensino de química: Um olhar sobre aspectos essenciais pouco discutidos. In W. L. P. dos Santos, & O. A. Maldaner. (Eds). Ensino de Química em Foco, 2. ed, (pp. 175–193). Editora Unijuí.

Justi, R, & Gilbert, J. (2002). Modelling, teachers’ views on the nature of modelling, and implications for the education of modellers. International Journal of Science Education, 24(4), 369–387. https://doi.org/10.1080/09500690110110142

Justi, R., & Van Driel, J. (2005). The development of science teachers’ knowledge on models and modelling: Promoting, characterizing, and understanding the process. International Journal of Science Education, 27(5), 549–573. https://doi.org/10.1080/0950069042000323773

Knuuttila, T. (2005). Models as epistemic artefacts: Toward a non-representationalist account of scientific representation. University of Helsinki.

Linenberger, K. J., & Bretz, S. L. (2014). Biochemistry students` ideas about shape and charge in enzyme-substrate interactions. Biochemistry and Molecular Biology Education, 42(4), 366–367. https://doi.org/10.1002/bmb.20776

Louca, L. T., & Zacharia, Z. C. (2012). Modeling-based learning in science education: cognitive, metacognitive, social, material and epistemological contributions. Educational Review, 64(4), 471–492. https://doi.org/10.1080/00131911.2011.628748

Maia, P. F., & Justi, R. (2009). Learning of Chemical Equilibrium through Modelling‐based Teaching. International Journal of Science Education, 31(5), 603–630. https://doi.org/10.1080/09500690802538045

Martins, D. M. (2018). O desenvolvimento do entendimento conceitual sobre ainteração fármaco-enzima em uma sequência de ensino fundamentada na modelagem eno uso de recursos computacionais. (Trabalho de Conclusão de Curso). Departamento de Química da Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto.

Martins, D. M., Mozzer, N. B., Caetano, M. S. (2019). A Compreensão do Processo de Interação Fármaco-enzima na Crítica e Elaboração de Analogias Durante uma Sequência de Ensino Fundamentada na Modelagem. In Anais do XII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Natal, Brasil.

Mendonça, P. C. C., & Justi, R. (2013). The Relationships Between Modelling and Argumentation from the Perspective of the Model of Modelling Diagram. International Journal of Science Education, 35(14), 2407–2434. https://doi.org/10.1080/09500693.2013.811615

Monaghan, J. M., & Clement, J. (1999). Use of a computer simulation to develop mental simulations for understanding relative motion concepts. International Journal of Science Education, 21(9), 921–944. https://doi.org/10.1080/095006999290237

Mozzer, N. B., & Justi, R. (2015). Nem tudo que reluz é ouro: Uma discussão sobre analogias e outras similaridades e recursos utilizados no ensino de Ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 15(1), 123–147.

Mozzer, N. B, & Justi, R. (2018). Modelagem Analógica no Ensino de Ciências. Investigações em Ensino de Ciências, 23(1), 155–182. http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2018v23n1p155

Mozzer, N. B., Queiroz, A. S., & Justi, R. (2007). Proposta de Ensino de Introdução ao Tema Interações Intermoleculares via Modelagem. In Anais do VI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis, SC.

Nelson, D. L., & Cox, M. M. Princípios de bioquímica de Lehninger. 6 ed. Editora Artmed.

Oliva, J. M., & Aragón, M. M. (2009). Contribución del aprendizaje con analogías al pensamiento modelizador de los alumnos en ciencias: marco teórico. Enseñanza de las Ciencias, 27(2), 195–208.

Oliveira, T. M. A., & Mozzer, N. B. (2017). Análise dos Conhecimentos Declarativo e Procedimental de Futuros Professores de Química sobre Analogias. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 19(e2602), 1–24. https://doi.org/10.1590/1983-21172017190102

Orgill, M., & Bodner, G. (2004). What research tells us about using analogies to teach Chemistry. Chemistry Education Research and Practice, 5(1), 15–32. https://doi.org/10.1039/B3RP90028B

Patrick, G. L. (2013). An Introduction to Medicinal Chemistry. 5. ed. United Kingdom: Oxford University Press.

Plass, J., Milne, C., Homer, B. D., Schwartz, R. N., Hayward, E. O., Jordan, T., ... Barrientos, J. (2012). Investigating the effectiveness of computer simulations for chemistry learning. Journal of Research in Science Teaching, 49(3), 394–419. https://doi.org/10.1002/tea.21008

Rea-Ramirez, M. A., Clement J., & Núñez-Oviedo M. C. (2008). An Instructional Model Derived from Model Construction and Criticism Theory. In J. Clement, & M. A. Rea-Ramirez (Eds.), Model Based Learning and Instruction in Science: Models and Modelling in Science Education (pp. 23–43). Springer.

Rodrigues, C. R. (2001). Processos modernos no desenvolvimento de fármacos: modelagem molecular. Química Nova na Escola, cadernos temáticos, (3), 43–49.

Sangiogo, F. A., & Zanon, L. B. (2012). Reflexões sobre modelos e representações na formação de professores com foco na compreensão conceitual da catálise enzimática. Química Nova na Escola, 34(1), 26–34.

Silva, T. A., Oliveira, T. M. A, & Mozzer, N. B. (2017). Modelagem analógica na abordagem do equilíbrio químico. In F. M. Mazzé, M. G. L. da Silva, & M. T. Barroso (Org.), Propostas e Materiais Inovadores para o Ensino de Química (pp. 13–51). Editora Livraria da Física.

Sousa, V. C. A., & Justi, R. (2010). Estudo da utilização de modelagem como estratégia para fundamentar uma proposta de ensino relacionada à energia envolvida nas transformações químicas. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 10(2).

D. F., Chittleborough, G. D., & Mamiala, T. L. (2004). Students’ Understanding of the Descriptive and Predictive Nature of Teaching Models in Organic Chemistry. Research in Science Education, 34, 1–20. https://doi.org/10.1023/B:RISE.0000020885.41497.ed

Verli, H., & Barreiro, E. J. (2005). Um paradigma da química medicinal: A flexibilidade dos ligantes e receptores. Química Nova, 28(1), 95–102. https://doi.org/10.1590/S0100-40422005000100018

Publicado
2020-08-25
Como Citar
Martins, D., Mozzer, N. B., Oliveira, T. M. A., & Caetano, M. S. (2020). O Papel dos Modelos Computacionais e das Analogias na Aprendizagem do Processo de Interação Fármaco-Enzima no Ensino Fundamentado em Modelagem. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 20(u), 823-854. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u823854
Seção
Artigos