Investigação dos Impactos do Processo de Elaboração, Aplicação e Reelaboração de Sequências Didáticas na Racionalidade Prevalente acerca do Planejamento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2021u531562

Palavras-chave:

PIBID, Modelos de racionalidade, Planejamento de ensino, Sequência didática, Modelo topológico de ensino

Resumo

Este trabalho tem por objetivo investigar em que medida o Processo de Elaboração, Aplicação e Reelaboração (EAR) de validação de sequências didáticas promove modificações na racionalidade prevalente de professores(as) de Química em formação inicial. Realizou-se uma pesquisa qualitativa do tipo estudo de caso com bolsistas do subprojeto de Química do PIBID de uma universidade pública paulista. Para a coleta de dados foram utilizados questionários, entrevistas e grupo focal e as análises foram fundamentadas nos princípios da análise de conteúdo e da triangulação. Constatou-se que inicialmente os bolsistas apresentavam um amálgama de perspectivas que correspondiam à mescla de racionalidades em que a racionalidade prática era prevalente, indicando uma concepção de planejamento processual, situado e autoral, mas marcadamente acrítico e despolitizado. Após o Processo EAR, identificou-se uma diminuição acentuada do caráter tecnicista das concepções, mas com a manutenção da prevalência da racionalidade prática. Aponta-se que a modificação de racionalidades prevalentes não se dá de modo linear e direto, mas que o processo culminou em melhoria da coerência interna da sequência didática planejada; valoração de espaços e tempos de reflexões coletivas; valoração do planejamento de ensino; e reconhecimento dos condicionantes que atuam sobre o trabalho docente. Finaliza-se com apontamentos sobre as potencialidades e perspectivas do Processo EAR para pesquisas sobre formação de professores de Química.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves, M., & Bego, A. M. (2020). A celeuma em torno da temática do planejamento didático-pedagógico: Definição e caracterização de seus elementos constituintes. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 20(u), 71–96. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u7196

Andrade, D., Lima, J. P. M., & Sussuchi, E. M. (2012) Concepções dos bolsistas do PIBID sobre oficinas temáticas para a formação inicial de professores de química da UFS. In Anais do 10o Encontro Nacional de Ensino de Química (p. 1). Salvador, BA.

Babour, R. (2009). Grupos focais. Artmed.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70.

Bego, A. M. (2016). Políticas públicas e formação de professores sob a perspectiva da racionalidade comunicativa: da ingerência tecnocrata à construção da autonomia profissional. Educação & Formação, 01(02), 03–24. https://doi.org/10.25053/edufor.v1i2.1864

Bego, A. M., Alves, M., Giordan, M. (2019). O planejamento de sequências didáticas de química fundamentadas no Modelo Topológico de Ensino: potencialidades do Processo EAR (Elaboração, Aplicação e Reelaboração) para a formação inicial de professores. Ciência & Educação, 25(3), 625–645. https://doi.org/10.1590/1516-731320190030016.

Carvalho, L. M. O., & Silva, J. R. N. (2014). Aportes teóricos e metodológicos para a constituição de um grupo de planejamento conjunto com docentes da licenciatura em física. Revista Ensaio, 16(02), 85–106. http://dx.doi.org/10.1590/1983-2117201416020?

Contreras, J. (2012). A autonomia de professores (2a ed.). Cortez Editora.

Dionor, G. A., Conrado, D. M., Martins, L., & Nunes-Neto, N. de F. (2020). Avaliando Propostas de Ensino Baseadas em Questões Sociocientíficas: Reflexões e Perspectivas para Ciências no Ensino Fundamental. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 20(u), 429-464. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u429464

Echeverria, A. R., Benite, A. M. C., & Benite, C. R. M. (2010). A pesquisa na formação de formadores de professores: em foco, a educação química. Química Nova na Escola, 32(4), 257–266.

Engeström, Y. (2014). Learning by Expanding: An Activity-Theoretical Approach to Developmental Research (2nd ed.). Cambridge: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9781139814744.

Flick, U. (2009). Desenho da pesquisa qualitativa. Artmed.

Gauche, R. (2015). O professor e a atividade docente: questões recorrentes, soluções pendentes. In T. V. O. Gonçalves, F. C. da S. Macêdo, & F. L. Souza, (org.). Educação em ciências e matemáticas: debates contemporâneos sobre ensino e formação de professores (ed. 24, cap. 07, pp. 96–114). Penso Editora LTDA.

Giordan, M. (2008). Computadores e linguagens nas aulas de ciências. Ed. Unijuí.

Giordan, M., & Guimarães, Y. A. F. (2012). Estudo dirigido de iniciação à sequência didática (Material de disciplina de curso de especialização em ensino de ciências oferecido pelos autores à Rede São Paulo de Formação Docente – REDEFOR). São Paulo: Universidade de São Paulo.

Giordan, M., & Guimarães, Y. (2013). Elementos para validação de sequências didáticas. In Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (p. 9), Águas de Lindóia, São Paulo: ABRAPEC.

Guimarães, O. M., & Paredes, G. G. O. (2012). Compreensões e significados sobre o PIBID para a melhoria da formação de professores de biologia, física e química. Química Nova na Escola, 34(4), 266–277.

Júnior, J. G. T. (2012). Análise dos processos de mediação didática de futuros professores sobre o tema de ligações iônicas. In Anais do XVI Encontro Nacional de Ensino de Química (pp. 1–10). Salvador, Brasil.

Júnior, A. L., Ramos, F. Z., & Silva, L. H. A. (2015). Contribuições de uma sequência didática como modelo de referência pedagógica para formação prática de professores de ciências/biologia. In Anais do X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (pp. 1–9). Águas de Lindóia, SP: ABRAPEC.

Lima, A. A., & Núñez, I. B. (2012). A análise do conhecimento pedagógico do conteúdo no planejamento de atividades com a utilização de modelos no ensino de química. Química Nova na Escola, 35(2), 123–131.

Lima, G. S., & Giordan, M. (2015). A divulgação científica em sala de aula: aportes do planejamento de ensino entre professores de ciências. In M. Giordan & M. B. da Cunha (Org.) Divulgação científica na sala de aula: perspectivas e possibilidades (pp. 285–306). Editora da Unijuí.

Massi, L., & Giordan, M. (2014). Introdução à pesquisa com sequências didáticas na formação continuada online de professores de ciências. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências (Impresso), 16(3), 75–94. https://doi.org/10.1590/1983-21172014160304

Monteiro, B. A. P., Bastos, V. A. A., Coelho, P. P. B., Rosa, L. M. R., Silva, F. N., & Siqueira, B. I. (2015). Investigação reflexiva sobre o desenvolvimento de unidades didáticas no processo de formação inicial de professores. In Anais do X Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências (pp. 1–8). Águas de Lindóia, SP: ABRAPEC.

Morais, R. P. (2019). O papel do planejamento didático-pedagógico no processo de construção da autonomia profissional de professores de química em formação inicial: análise do Processo EAR de validação de Sequências Didáticas no âmbito do PIBID. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, São Paulo, Brasil.

Pacca, J. L. A. (2015). Construção de conhecimento na sala de aula: um diálogo pedagógico significativo. Investigações em Ensino de Ciências, 20(3), 131–150. http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2016v20n3p131

Pacca, J. L. A., & Scarinci, A. L. (2013). O truncamento da sequência pedagógica do professor de física. Investigações em Ensino de Ciências, 18(3), 681–696.

Porlán, R., Pozo, R. M., & Rivero, A. (1997). Conocimiento profesional, y epistemologia de los profesores I: teoria, métodos e instrumentos. Enseñanza de las Ciências, 15(2), 155–171.

Porlán, R., Pozo, R. M., & Rivero, A. (1998). Conocimiento profesional, y epistemologia de los profesores II: estudios empíricos e conclusiones. Enseñanza de las Ciências, 16(2), 271–288.

Sánchez Blanco, G., Valcárcel Pérez, M., Hernández, E. B., & García, M. J. (1998). Cómo preparamos nuestras clases? Un estudio de las concepciones de titulados en ciencias sobre la planificación de unidades didáticas. La didática de las ciências. https://ruc.udc.es/dspace/handle/2183/10849

Sánchez Blanco, G., & Valcárcel Pérez, M. (2000). Qué tienen en cuenta los professores cuando seleccionam el contenido de enseñanza? Cambios y dificultades tras un programa de formación. Enseñanza de las ciências, 18(3), 423–437.

Santos, M. E. G. (2011). Elementos constitutivos do trabalho docente em uma escola pública de educação básica: prescrições, atividades e ações. Tese de doutorado (Doutorado em Educação) – Centro de Educação, Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Santa Maria.

Saviani, D. (2011). Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações (11a ed. rev.). (Coleção Educação Contemporânea). Autores Associados.

Saviani, D. (2012). Escola e democracia (42a ed.). (Coleção polêmicas do nosso tempo). Autores Associados.

Szymanski, H. (2010). A entrevista na pesquisa em educação (3a ed.). Liber Livro Editora.

Veiga, I. P. A., Damis, O. T., Lopes, A. O., Lima, M. E., Castanho, M., Martins, P. L. O., & Cunha, M. I. (1992). Repensando a didática. Papirus.

Downloads

Publicado

2021-06-25

Como Citar

Morais, R. P. de ., Bego, A. M. ., & Giordan, M. (2021). Investigação dos Impactos do Processo de Elaboração, Aplicação e Reelaboração de Sequências Didáticas na Racionalidade Prevalente acerca do Planejamento. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, e25813, 1–32. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2021u531562

Edição

Seção

Artigos