Estudo de Público sobre Aprendizagens Genéricas Promovidas por uma Exposição de Nanotecnologia em Pernambuco

Palavras-chave: Espaços não-formais, Resultados Genéricos da Aprendizagem, Aprendizagens genéricas, Ensino das Ciências, Nanociência, Nanotecnologia.

Resumo

Os espaços não-formais são promissores para a promoção de aprendizagens e saberes que vão além do nível conceitual, ou seja, resultados não-cognitivos, como, atitudes, valores, habilidades, dimensões emocionais e sociais etc. Contudo, muitas instituições têm dificuldades de avaliar o impacto educativo de suas exposições para além do divertimento e lazer. Diante disso, o presente trabalho tem como objetivos mapear as aprendizagens amplas do público em visita a uma exposição sobre nanociência e nanotecnologia, utilizando o arcabouço teórico metodológico denominado de Resultados Genéricos da Aprendizagem (GLOs – Generic Learning Outcomes), bem como investigar o seu potencial para pesquisa nos espaços não-formais. Para tanto, aplicamos instrumentos disponibilizados pelo arcabouço GLOs com o público que visitou a exposição Nano Explora, do Museu Espaço Ciência. Após o tratamento dos dados observamos a predominância de dimensões específicas dos GLOs e consideramos seu potencial como um arcabouço teórico e metodológico eficaz para analisar aprendizagens mais amplas, características dos espaços não-formais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carina Siqueira de Morais, Universidade Federal Rural de Pernambuco
Carina Siqueira de Morais - Licenciada em Química pela Unidade Acadêmica de Serra Talhada da Universidade Federal Rural de Pernambuco - UAST/UFRPE, Mestre em Ensino das Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências - PPGEC/UFRPE e doutoranda em Ensino das Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências - PPGEC/UFRPE. Professora na área de Ensino da Química. Pesquisadora nas áreas de Ensino de Química, Ensino das Ciências.
Helaine Sivini Ferreira, Universidade Federal Rural de Pernambuco
Helaine Sivini Ferreira - graduada em Engenharia e Ciências de Materiais pela Universidade Federal da Paraíba (1995), mestrado (1998) e doutorado (2002) em Ciência e Engenharia dos Materiais pela Universidade Federal de São Carlos. Atualmente é professora adjunta do Departamento de Educação da UFRPE e continua vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências da referida instituição. Neste Programa atua, principalmente, na linha de construção de significados, numa perspectiva cognitivista, investigando novos aportes metodológicos para temáticas contemporâneas.

Referências

Aidar, G., & Chiovatto, M. (2011). Interligar o museu e seu entorno: a ação educativa extramuros da Pinacoteca do Estado de São Paulo. Revista de Ciências da Educação (23). Recuperado de http://200.206.4.13/ojs/index.php?journal=educacao&page=article&op=view&path[]=93&path[]=158>
Cachapuz, A. F., Jorge, M. P., & Praia, J. J. F. M. (2002). Ciência, Educação em Ciências e Ensino das Ciências. Lisboa: Ministério da educação.
Cachapuz, A. (2011). A necessária renovação do ensino das ciências. 2 ed. São Paulo: Cortez.
Carvalho, A. M. P. (2010). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Cengage Learning.
Cano Vera, P., Ospina Giraldo, M. N., & Hoyos Duque, D. M. (2009). Evaluación del impacto de la intervención que involucra un taller en el Museo Universitario de la Universidad de Antioquia sobre las actitudes hacia el aprendizaje de las ciências. (Trabajo de investigación monográfica). Universidade de Antioquia, Medelin. Recuperado de http://bibliotecadigital.udea.edu.co/dspace/handle/10495/1076
Chaves, A., & Shellard, R. C. (2005). Física para o Brasil pensando no futuro. Sociedade Brasileira de Física.
Chiovatto, M. (2010). Museu para todos: educação e identidade. Congresso Ibero-Americano de Educación. Buenos Aires. Recuperado de http://www.adeepra.org.ar/congresos/Congreso%20IBEROAMERICANO/ACCES /RLE3269Chiovato.pdf
Claxton, G. (2005). O desafio de aprender ao longo da vida. Trad: Magda França Lopes. Porto Alegre: Artmed.
Dierking, L. D. (2003). Policy statement of the “informal science education” Ad Hoc Committee. Journal of Research in Science Teaching, 40(2), 108-111.
França, S. B. (2014). Aprendizagens da mediação em museu de ciência. (Tese de doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife.
Fernandes, R. S., & Park, M. B. (2007). Educação não formal. In Park, M. B. Fernandes, R. S. & Carnicel, A. Palavras – chave em educação não formal. Holambra-SP: Editora Setembro, Campinas, SP: Unicamp / CMU.
Fuchs, J. (2007). ‘Generic Learning Outcomes’ as a strategic tool for evaluating learning impact. ICOM- CECA, Áustria. Recuperado de http://www.slideshare.net/jennifuchs/icom-ceca-conference-2007-research-paper-j-fuchs
Gohn, M. G. (2010). Educação não formal e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. São Paulo: Cortez.
Espaço Ciência. (2017). Recuperado de http://www.espacociencia.pe.gov.br/
Hooper-Greenhill, E. (2010). Museums and education: purpose, pedagogy, performance. Routledge, New York: Ny.
Hooper-Greenhill, A. (2007). Museums and Education: purpose, pedagogy performance. London: Routledge.
Inspiring learning - an improvement framework for museus, libraries and archives. Recuperado de http://www.inspiringlearningforall.gov.uk/toolstemplates/genericlearning/
Körbes, C., & Invernizzi, N. (2011). Educação não-formal no telejornal bom dia Brasil: narrativas, imagens e visões sobre nanotecnologia. XII Reunión Bienal de la RedPOP. Campinas, São Paulo, 1–10.
Lüdke, M.; & André, M. E. D. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.
Marandino, M. (2001). Interfaces na relação museu-escola. Caderno catarinense de ensino de física, Florianópolis, 8(1), 85–100.
Marandino, M. (2005). Museus: dos Gabinetes de Curiosidades à Museologia Moderna. Museus de Ciências como Espaços de Educação In: Belo Horizonte: Argumentum. p. 165–176.
Martins, P. R., & Fernandes, M. F. M. (2011). Nanotecnologia do avesso: uma experiência de engajamento público em ciência e tecnologia. Revista Brasileira de Ciência, Tecnologia e Sociedade, 2(1), 109–119.
Melo, M. M. (2007). Museu Inspirador: Exercício de aplicação da ferramenta de auto-avaliação Inspiringlearning for All em quatro serviços educativos de museus portugueses, Cadernos de Sociomuseologia, 32(32). Recuperado de http://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseolo
Nascimento, S. S. (2010). A relação museu e escola na prática docente: tensões de uma atividade educativa. In A. M. O. Cunha, Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica.
Oliveira, R. I. R. (2011). Utilização de espaços não formais de educação como estratégia para a promoção de aprendizagens significativas sobre evolução biológica. (Dissertação de mestrado) - Universidade de Brasília, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Brasília.
Oliveira, R. I. R., & Gastal, M. L. A. (2009). Educação formal fora de sala de aula – olhares sobre o ensino de ciências utilizando espaços não-formais. In ENPEC- Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis.
Papon, P. (2003). A matéria em todos os seus estados. Ciência e Tecnologia, Instituto Piaget Divisão Editorial. 1ª Ed.
Pozo, J. I., & Crespo, M. A. G. (2009). Aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. Ed. Porto Alegre: Artmed.
Van-Praet, M., Poucet, B. (1992). LesMusées, Lieux de Contre-Éducationet de Partenariat Avec L’École. Education & Pédagogies – désélèvesaumusée, Centre International D’ÉtudesPédagogiques, n.16.
Rennie L. J.; & Johnston, D. J. (2007). Research on learning from museums. In J. H. Falk, L. D. Dierking, & S. Foutz (org). Principle, in practice: museums as learning institutions. Lanham: AltaMira Press.
Schnetzler, R. P. (2004). A pesquisa no ensino de química e a importância da Química Nova na Escola. Química Nova na Escola, (20), novembro, 49–54.
Ventura, P. C. S., Nascimento, S. S. (2009). A ciência e a tecnologia em espaços não escolares: questões e definições. Anais da XI Reunión de La Redpop. 01, Montevideo, 1–18.
Tasca, R. A., Almeida, J. R. L., Silva, D. G., Melo, F. M., & Toma, H. E. (2015). Desenvolvendo Habilidades e Conceitos de Nanotecnologia no Ensino Médio por Meio de Experimento Didático Envolvendo Preparação e Aplicação de Nanopartículas Superparamagnéticas. Química nova na escola. 37(3), São Paulo, 236–240.
Publicado
2017-08-31
Como Citar
Morais, C. S. de, & Ferreira, H. S. (2017). Estudo de Público sobre Aprendizagens Genéricas Promovidas por uma Exposição de Nanotecnologia em Pernambuco. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 17(2), 451-466. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2017172451
Seção
Artigos