Discursos dos cursos da área da saúde sobre gênero e biotecnologias no âmbito da formação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2022.38478

Palavras-chave:

Identidade de Gênero, Biotecnologia, Educação

Resumo

Objetivo: investigar os discursos sobre gênero e biotecnologias no âmbito da formação dos cursos da área da saúde. Metodologia: trata-se de uma pesquisa qualitativa exploratória descritiva que está alicerçada em um estudo maior - projeto de pesquisa - desenvolvido pelo Grupo de Estudos e Pesquisas em Saúde (GEPS), intitulado “Gênero e Biotecnologias: Interfaces entre discursos e instituições na formação de alunos dos cursos da área da saúde”. A pesquisa ocorreu entre os meses de março e outubro de 2019, sendo realizada por meio de entrevistas semiestruturadas com estudantes brasileiros e espanhóis da área da saúde, gravadas em áudio e transcritas para Análise do Discurso. Resultados e Discussão: os achados indicam que Gênero e Biotecnologia são temáticas que não subsidiam as discussões da formação de futuros profissionais da saúde, mostrando um entendimento de gênero centrado numa norma binária, não havendo espaço para outras possibilidades identitárias, além de a heterossexualidade ser vista como padrão de comportamento a ser seguido. Percebe-se uma certa complexidade na formulação dos discursos dos estudantes no que se refere aos aspectos em que gênero e biotecnologias escapam da relação entre corpo biológico e utilização tecnológica para esses enquadramentos físicos e mentais. Considerações Finais: as discussões sobre gênero e biotecnologias nas universidades estudadas têm sido realizadas de forma isolada, sendo necessária uma reestruturação de seus currículos de modo que os temas apresentados passem a ser contemplados para que, efetivamente, componham a formação equitativa e integral de profissionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Oliveira KH. Intense Encounters: Michel Foucault, Judith Butler, Paul B. Preciado, and the Queer Theory. Rev. Estud. Fem [citado em 2022 jan. 10]2021;29(1):e67637. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/f8xM5gZFZxn9yZwxZbxd8Tt/?lang=pt

Rocon PC, Sodré F, Rodrigues A, Barros MEB, Pinto GSS, Roseiro MCFB. Vidas após a cirurgia de redesignação sexual: sentidos produzidos para gênero e transexualidade. Ciênc. saúde coletiva [citado em 2020 dez. 14]2020;25(6):2374-2356. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/4sX9R9TRSNk4hzdC8dwrsQb/?lang=pt

Foucault M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

Ortega F. Corporeality, Medical Technologies and Contemporary Culture. London: Routledge, 2014.

Rose N. The politics of life itself: biomedicine, power, and subjectivity in the twenty- first century. Princeton: Princeton University Press, 2007.

Oliveira I, Romanini M. (Re)escrevendo roteiros (in)visíveis: a trajetória de mulheres transgênero nas políticas públicas de saúde. Saúde Soc [citado em 2020 dez. 14]2020;29(1). Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-12902020000100300&script=sci_arttext

Brasil. Resolução n. 466 de 12 de dezembro de 2012[citado em 2020 dez. 18]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Lisboa, FFL, Baptista MM. Estudos culturais e interfaces: objetos, metodologias e desenhos de investigação - Aveiro: Universidade de Aveiro, Programa Doutoral em Estudos Culturais. Santa Maria: UFSM, Programa de Pós Graduação em Comunicação, 2016[citado em 2020 nov. 21]. Disponível em: www.ufsm.br/estudosculturais ISBN 978-989-20-6719-3

Petry AR. Mulheres transexuais e o processo transexualizador: experiências de sujeição, padecimento e prazer na adequação do corpo. Revista Gaúcha de Enfermagem. [citado em 2020 dez. 14]2015;36(2):70-75. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeenfermagem/article/view/50158

Marquez CF, Vinhas LI. Heteronormativity and dominant ideology: the refusal of the song “Parabéns” by singer Pablo Vittar. Revista Periódicus. 2021;2(16):143-154. [citado em 2021 nov. 20]. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistaperiodicus/article/view/37082/25321

Gonçalves VO, Pereira H. I’m Black, I’m Gay, and I Have Mental Illness”: Intersections in Portuguese Newspapers. Rev. Estud. Fem. 2021;29(2):1-15[citado em 2021 nov. 22]. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/YcLPcRGbkQ7RRgXddqdYQyB/abstract/?lang=pt

Garcia AM, D’Angelo LB. Corpos Trans na Medida Socioeducativa de Internação: Desestabilizando Práticas e Produzindo Novidades. Psicol Ciênc Prof. [citado em 2020 dez. 14]2019;39(3):242-256. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932019000700317

Brasil. Portaria Nº 2.836, de 1º de dezembro de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (Política Nacional de Saúde Integral LGBT). Diário Oficial da União. 2011 Nov 7; p. 45.[citado em 2020 dez. 15] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2836_01_12_2011.html

Brasil. Portaria 2803 de 19 de novembro de 2013. Redefine e amplia o Processo Transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. 2013 Nov 21; p. 25. [citado em 2020 nov. 22] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2803_19_11_2013.html

Espanha. Núm. 6730. Diari Oficial de la Generalitat de Catalunya. 2014 Out 17. [citado em 2020 dez. 20] Disponível em: https://dogc.gencat.cat/ca/inici

Rose N. Biopolítica molecular, ética somática e o espírito do biocapital. In: Santos LHS, Ribeiro PRCR, organizadores. Corpo, gênero e sexualidade: instâncias e práticas de produção nas políticas da própria vida. Rio Grande: FURG, 2011. p. 13-32.

Rosa AS, et al. Biotecnologias em saúde, risoterapeutas e profissionais de Enfermagem: limites e possibilidades de atuação conjunta. Revista Interdisciplinar de Promoção da Saúde. 2021;4(1):1-12. [citado em 2021 nov. 20] Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/ripsunisc/article/view/16635

Petry AR, Somavilla VEC. A exortação do discurso de risco e a coleta autóloga de células tronco do cordão umbilical. Text Contex [UFSC Impresso]. 2016;3:2-8. [citado em 2020 dez. 12] Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-07072017000300323&script=sci_abstract&tlng=pt

Raimondi GA, Moreira C, Barros NF. Gêneros e sexualidades na educação médica: entre o currículo oculto e a integralidade do cuidado. Saud e soc. [citado em 2020 Dez. 14]2019;28(3):198-209. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902019000300198

Santos MA, Souza RS, Lara LAS, Risk EM, Oliveira WA, Alexandre V, et al. Transexualidade, ordem médica e política de saúde: controle normativo do processo transexualizador no Brasil. Est Inter Psicol. [citado em 2020 dez. 14]2019;10(1):3-9. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2236-64072019000100002

Galindo D, Rodrigues RV, Lemos FCS, Almeida LCCS. Biotecnologias, subjetivação e psicologias: mercado de células-tronco do cordão umbilical. Psicol Soc. [citado em 2018 set. 10]2017;29:e148056. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1807-0310/2017v29148056

Hüning SM. A psicologia na rede das novas biotecnologias. In: Guareschi NMF et al. (Orgs.). Psicologia, formação, política e produção em saúde. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014.

Butler J. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Miguens FS, tradução; Rodrigues C, revisão. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 2018.

Butler J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 2014.

Arquivos adicionais

Publicado

29-06-2022

Como Citar

1.
Somavilla VE da C, Rosseti LP, Petry LR, Petry AR, Mocelin G. Discursos dos cursos da área da saúde sobre gênero e biotecnologias no âmbito da formação. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 29º de junho de 2022 [citado 4º de fevereiro de 2023];26. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/38478

Edição

Seção

Pesquisa