O impacto do diagnóstico de paralisia cerebral na perspectiva da família

Autores

  • Bruna Alves dos Santos Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Enfermagem, Pelotas RS , Brazil, Universidade Federal de Pelotas – UFPEL, Faculdade de Enfermagem. Pelotas, RS – Brasil http://orcid.org/0000-0001-6473-2612
  • Viviane Marten Milbrath Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Enfermagem, Pelotas RS , Brazil, Universidade Federal de Pelotas – UFPEL, Faculdade de Enfermagem. Pelotas, RS – Brasil http://orcid.org/0000-0001-5523-3803
  • Vera Lucia Freitag Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Enfermagem, Porto Alegre RS , Brazil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Escola de Enfermagem. Porto Alegre, RS – Brasil http://orcid.org/0000-0002-5897-7012
  • Nara Jací da Silva Nunes Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Enfermagem, Pelotas RS , Brazil, Universidade Federal de Pelotas – UFPEL, Faculdade de Enfermagem. Pelotas, RS – Brasil http://orcid.org/0000-0002-1803-8512
  • Ruth Irmgard Bärtschi Gabatz Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Enfermagem, Pelotas RS , Brazil, Universidade Federal de Pelotas – UFPEL, Faculdade de Enfermagem. Pelotas, RS – Brasil http://orcid.org/0000-0001-6075-8516
  • Manoella Souza da Silva Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Enfermagem, Pelotas RS , Brazil, Universidade Federal de Pelotas – UFPEL, Faculdade de Enfermagem. Pelotas, RS – Brasil http://orcid.org/0000-0002-3533-054X

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2019.49787

Palavras-chave:

Diagnóstico, Paralisia Cerebral, Relações Familiares, Cuidado da Criança, Enfermagem

Resumo

OBJETIVO: conhecer as reações da família à revelação do diagnóstico de paralisia cerebral do filho. METODOLOGIA: pesquisa com abordagem qualitativa, exploratório-descritiva, desenvolvida com 10 participantes na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de uma cidade localizada ao sul do estado do Rio Grande do Sul. Para a coleta de dados, utilizou-se a entrevista semiestruturada e para a interpretação, a análise de conteúdo. Obteve-se aprovação pelo Comitê de Ética em pesquisa sob o número 1.992.988. RESULTADOS: a pesquisa mostra que há uma falha na comunicação entre os profissionais de saúde e a família. CONCLUSÃO: é fundamental a criação do vínculo, bem como a comunicação entre os profissionais de saúde e os familiares da criança com paralisia cerebral para auxiliar desde a revelação à compreensão do diagnóstico, até a aceitação da condição para a efetivação do cuidado ofertado pela família à criança, auxiliando na formação de redes sociais de apoio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Maldonado MT, Dickstein J. Nós estamos grávidos. São Paulo: Editora Integrare; 2010.

Milbrath VM. Criança/adolescente com paralisia cerebral: compreensões do seu modo de ser no mundo [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem; 2013[citado em 2016 nov. 20]. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/81283

Araújo RKN, Duarte AMT. Gênero, maternidade e deficiência: um olhar para a exclusão. IV Fórum Internacional de Pedagogia, Campina Grande; 2012[citado em 2018 jan. 10]. Disponível em: http://editorarealize.com.br/revistas/fiped/trabalhos/c54db09e697c735313ffeaba5ba9aa12_1717.pdf

Almeida TCS, Ruedell AM, Nobre JRS, Tavares KO. Paralisia Cerebral: impacto no cotidiano familiar. Rev Bras Ciência Saúde. 2016[citado em 2016 out. 20];19(3):171-8. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/20488/15066

Dantas MSA, Collet N, Moura FM, Torquato IMB. Impacto do diagnóstico de paralisia cerebral para a família. Texto Contexto Enferm. 2010[citado em 2016 nov. 20];19(2):229-37. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v19n2/03.pdf

Silva MAS, Collet N, Silva KL, Moura FM. Cotidiano da família no enfrentamento da condição crônica na infância. Acta Paul Enferm. 2010[citado em 2016 nov. 08];23(3):359-65. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v23n3/v23n3a08.pdf

Milbrath VM, Motta MGC. Estar-com a criança/adolescente com paralisia cerebral e suas famílias. In: Waldow VR, Motta MGC, org. Conhecer & cuidar: a pesquisa em situações de vulnerabilidade nas etapas da infância e da adolescência. Jundiaí ,SP: Paco Editorial; 2016. p.93-124.

Silva CX, Brito ED, Sousa FS, França ISX. Criança com paralisia cerebral: qual o impacto na vida do cuidador? Rev Rene. 2010[citado em 2016 nov. 20];11:204-14. Disponível em: http://www.revistarene.ufc.br/edicaoespecial/a23v11esp_n4.pdf

Miura RT, Petean EBL. Paralisia cerebral grave: o impacto na qualidade de vida de mães cuidadoras. Mudanças Psicol Saúde. 2012[citado em 2016 nov. 10];20(1):7-12. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/article/viewFile/3146/3126

Ribeiro MFM, Barbosa MA, Porto CC. Paralisia cerebral e síndrome de Down: nível de conhecimento e informação dos pais. Ciênc Cuid Saúde. 2011[citado em 2017 dez. 15];16(4):2099-106. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n4/v16n4a09.pdf

Milbrath VM, Soares DC, Amestoy SC, Cecagno D, Siqueira HCH. Mães vivenciando o diagnóstico da paralisia cerebral em seus filhos. Rev Gaúcha Enferm. 2009[citado em 2017 dez. 15];30(3):437-44. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/7733/6965

Caneco EDOV, Milbrath VM, Freitag VL, Amestoy SC. Revelando o diagnóstico da asfixia perinatal grave à família: perspectiva dos profissionais da saúde. Arq Ciênc Saúde. 2016[citado em 2017 dez. 15];23(2):23-9. Disponível em: http://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/310/190

Macedo EC, Silva LR, Paiva MS, Ramos MNP. Sobrecarga e qualidade de vida de mães de crianças e adolescentes com doença crônica: revisão integrativa. Rev Latino-Am Enferm. 2015[citado em 2017 dez. 15];23(4):769-77. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n4/pt_0104-1169-rlae-23-04-00769.pdf

Milbrath VM, Siqueira HCH, Motta MGC, Amestoy SC. Família da criança com paralisia cerebral: percepção sobre as orientações da equipe de saúde. Texto Contexto Enferm. 2012[citado em 2017 dez. 15];21(4):921-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n4/24.pdf

Milbrath VM, Siqueira HCH, Motta MGC, Amestoy SC. Comunicação entre a equipe de saúde e a família da criança com asfixia perinatal grave. Texto Contexto Enferm. 2011[citado em 2017 dez. 15];20(4):726-34. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v20n4/11.pdf

Oliveira IG, Poletto M. Vivências emocionais de mães e pais de filhos com deficiência. Revista da SPAGESP. 2015[citado em 2017 dez. 15];16(2):102-19.Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rspagesp/v16n2/v16n2a09.pdf

Vilibor RHH, Vaz RH. Correlação entre a função motora e cognitiva de pacientes com Paralisia Cerebral. Rev Neurocienc. 2010[acesso em 2018 mar 15];18(3):380-85. Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2010/RN1803/289%20revisao.pdf

Pedroso CNLS, Félix MA. Percepção dos pais diante do diagnóstico e da abordagem fisioterapêutica de crianças com paralisia cerebral. Rev Ciência Saúde. 2014[citado em 2017 dez. 15];7(2):61-70. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/indexphp/faenfi/article/view/16464/11802

Andrade MB, Vieira SS, Dupas G. Paralisia cerebral: estudo sobre o enfrentamento familiar. REME Rev Min Enferm. 2011[citado em 2017 dez. 15];15(1):86-96. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/12

Ichikawa CRF, Oshiro P, Marcon SS. Sentimentos dos profissionais de enfermagem frente ao abandono familiar de pacientes com paralisia cerebral. Rev Enferm UFPE online. 2016[citado em 2017 dez. 15];10(5):1789-95. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/13558/16339

Dezoti AP, Alexandre AMC, Freire MHS, Mercês NNA, Mazza VA. Social support to the families of children with cerebral palsy. Acta Paul Enferm. 2015[citado em 2017 dez. 15];28(2):172-6. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v28n2/en_1982-0194-ape-28-02-0172.pdf

Santos LPD, Golin MO. Evolução Motora de Crianças com Paralisia Cerebral Diparesia Espástica. Rev Neurocienc. 2013[citado em 2017 dez. 15];21(2):184-92. Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2013/RN2102/original%202102/808%20original.pdf

Pereira ARPF, Matsue RY, de Souza Vieira LJES, Pereira RVS. Análise do cuidado a partir das experiências das mães de crianças com paralisia cerebral. Rev Saúde Soc. 2014[citado em 2017 dez. 15];23(2):616-25. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/sausoc/article/view/84894/87630

Baltor MRR, Dupas G. Experiências de famílias de crianças com paralisia cerebral em contexto de vulnerabilidade social. Rev Latino-Am Enferm. 2013[citado em 2018 jan. 12];21(4):1-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n4/pt_0104-1169-rlae-21-04-0956.pdf

Milbrath VM, Cecagno D, Soares DC, Amestoy SC, Siqueira HCH. Ser mulher mãe de uma criança portadora de paralisia cerebral. Acta Paul Enferm. 2008[citado em 2018 jan. 10];21(3):427-31. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v21n3/pt_07.pdf

Souza AC, Oliveira ESS, Guimarães EMF, Teixeira CCF, Souza JD. Correlação entre a gravidade da paralisia cerebral e a qualidade de vida de crianças, adolescentes e seus cuidadores. Pediatr Mod. 2012[citado em 2018 jan. 10];48(5):193-7. Disponível em: http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=5005

Sandor ERS, Marcon SS, Ferreira NMLA, Dupas G. Demanda de apoio social pela família da criança com paralisia cerebral. Rev Eletrônica Enferm. 2014 [citado em 2018 jan. 10];16(2):417-25. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/revista/v16/n2/pdf/v16n2a19.pdf

Freitag VL. Mãe de criança/ adolescente com paralisia cerebral: compreensões sobre cuidar de si como mulher (dissertação). Pelotas: Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas; 2015[citado em 2018 jan. 10].111f. Disponível em: https://wp.ufpel.edu.br/pgenfermagem/files/2015/10/M%C3%A3e-de-crian%C3%A7a-adolescente-com-paralisia-cerebralcompreens%C3%B5es-sobre-o-cuidar-de-si-como-mulher.pdf

Lunardi B, Círico LJ, Coldebella N. Vivências, sentimentos e experiências de mães frente à deficiência de seus filhos. In: Congresso Nacional de Psicologia Escolar e Educacional. Londrina: Universidade Estadual de Maringá; 2011[citado em 2018 jan. 10]. Disponível em: http://www.abrapee.psc.br/xconpe/trabalhos/1/252.pdf

Dantas MAS, Pontes JF, Assis AWD, Collet N. Family's abilities and difficulties in caring for children with cerebral palsy. Rev Gaucha Enferm. 2012[citado em 2018 jan. 12];33(3):73-80. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v33n3/10.pdf

Publicado

07-10-2019

Como Citar

1.
Santos BA dos, Milbrath VM, Freitag VL, Nunes NJ da S, Gabatz RIB, Silva MS da. O impacto do diagnóstico de paralisia cerebral na perspectiva da família. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 7º de outubro de 2019 [citado 23º de maio de 2024];23(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49787

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.