Poder Neutro e razão de Estado em Benjamin Constant

  • Gabriel Afonso Campos Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Benjamin Constant, Poder Neutro, Razão de Estado

Resumo

O artigo pretende aproximar razão de Estado (conceito típico do pensamento político moderno) de poder neutro (conceito extraído da obra de Benjamin Constant). Partindo da intepretação de que um poder neutro é justificado pela falência do sistema representativo e da soberania popular, o trabalho demostra que ambos os conceitos possuem uma finalidade comum: a preservação do Estado sem o uso da violência e a manutenção das instituições vigentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Afonso Campos, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduado em Ciências do Estado e mestrando em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais

Referências

CASSIMIRO, Paulo Henrique Paschoeto. A impossível liberdade dos antigos: Germaine de Staël, Benjamin Constant e o nascimento da cultura liberal pós-revolucionária na França. Revista Estudos Político, v. 7, n. 1, 2016, p. 5-25.

CONSTANT, Benjamin. A liberdade dos antigos comparada à dos modernos. Tradução de Emerson Garcia. São Paulo: Atlas, 2015.

CONSTANT, Benjamin. Das Reações Políticas. Tradução de Josemar Machado de Oliveira. Revista de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, n.146, 2002, p.71-121.

CONSTANT, Benjamin. Del espíritu de conquista y de la usurpación en relación con la civilización europea. Traducción de Anna Portuondo Pérez. Madrid: Tecnos, 2008.

CONSTANT, Benjamin. Mélanges de Littérature et de politique. Paris: Pichon et Didier, 1829.

CONSTANT, Benjamin. Princípios de Política Aplicáveis a Todos os Governos. Tradução de Joubert de Oliveira Brízida. Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

CONSTANT, Benjamin. Princípios de política aplicáveis a todos os governos representativos e em particular à Constituição atual da França. In: CONSTANT, Benjamin. Escritos de política. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Flores, 2005, p. 1-190.

CONSTANT, Benjamin. Una constitución para la republica de los modernos: fragmentos de una obra abandonada sobre la posibilidad de una Constitución Republicana para un gran país. Madrid: Tecnos, 2013.

FERREIRA, Bernardo. O essencial e o acidental: Bodin (e Hobbes) e a invenção do conceito moderno de constituição. Lua Nova, n. 88, 2013, p. 381-426.

FLORENZANO, Modesto. Da força sempre atual do pensamento de Benjamin Constant e da necessidade de reconhecê-lo. Revista de História da Universidade de São Paulo, São Paulo, n.145, 2001, p. 167-179.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. Curso dado no College de France (1977-1978). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FRELLER, Felipe. Madame de Staël, Benjamin Constant e a reavaliação do arbítrio após o golpe do 18 frutidor. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 34, n. 100, 2019, p. e3410004.

GAUCHET, Marcel. Liberalism’s Lucid Illusion. In: ROSENBLATT, Helena. The Cambridge Companion to Constant. Cambridge: Cambridge University Press, 2009, p. 23-46.

HELLER, Hermann. Teoria do Estado. Tradução de Lycurgo Gomes da Costa. São Paulo: Editora Mestre Jou, 1968.

HOBBES, Tomas. Leviatã. Tradução de João Paulo Monteiro, Maria Beatriz Nizza da Silva e Claudia Berliner. São Paulo: Marlins Fontes, 2003.

LYNCH, Christian Edward Cyril. O Discurso Político Monarquiano e a Recepção do Conceito de Poder Moderador no Brasil. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 48, n. 3, 2005, p. 611-654.

MICELI, Mario Leonardo. Giovanni Botero y la razón de Estado: una postura divergente sobre la conformación histórica del Estado Moderno. Estudios de Filosofía Práctica e Historia de las Ideas, v. 17, n. 1, 2015, p. 69-81.

MONTESQUIEU, Charles de Secondat, Baron de. O espírito das leis. Tradução de Cristian Murachco. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

PISTONE, Sergio. Razão de Estado. In: BOBBIO, Norberto, MATTEUCCI, Nicola, PASQUINO, Gianfranco (orgs.). Dicionário de Política. Tradução de Carmen C. Varriale et al. Editora Universidade de Brasília, 1998, p. 1066-1073.

ROSENBLATT, Helena. Eclipses and Revivals: Constant’s Reception in France and America 1830–2007. In: ROSENBLATT, Helena. The Cambridge Companion to Constant. Cambridge: Cambridge University Press, 2009, p. 351-377.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. O contrato social. Tradução de António de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

SÁ, Fernando. Opinião pública: um conceito em disputa. ALCEU: Revista do Departamento de comunicação Social da PUC-Rio. Vol. 13, n. 25, 2012, p. 185-199.

SCHMITT, Carl. O guardião da Constituição. Tradução de Geraldo de Carvalho. Belo Horizonte: Del Rey, 2007.

TODOROV, Tzvetan. A passion for democracy: Benjamin Constant. Traslated by Alice Seberry. New York: Algora Publishing, 1999.

VIROLI, Maurizio. From Politics to Reason of State: the acquisition and transformation of the language of politics, 1250-1600. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

Publicado
2019-04-23
Como Citar
CAMPOS, G. A. Poder Neutro e razão de Estado em Benjamin Constant. Revista de Ciências do Estado, v. 4, n. 1, p. 20, 23 abr. 2019.
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)