TICs, leitura em LE e gêneros: da habilidade à prática social docente e discente na escola não-profissionalizante

Autores

  • Jaime de Souza Júnior Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj)

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.6.2.32-55

Palavras-chave:

Leitura em LE. Gêneros Textuais. TICs. Letramento (digital). Escola pública não-profissionalizante.

Resumo

Neste artigo, abordo questões relativas ao processo de ensino-aprendizagem de leitura em Inglês como língua estrangeira (LE), tendo como foco a escola pública secundária não-profissionalizante. Em função de o trabalho ter se dado com base em uma pesquisa-ação conduzida, apresentarei a abordagem de ensino em que me fundamentei, relatando e discutindo os resultados de implementação prática. Indico como, nessa abordagem, ficam configurados os processos de planejamento e aplicação da sugestão que apresento através deste artigo, focando-me nos seguintes aspectos: a) a habilidade de leitura em LE; b) as Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) como recurso pedagógico; c) os gêneros como instrumento de ensino da língua estrangeira; d) dinâmicas e práticas docente e discente; d) a produção de atividades de leitura em LE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaime de Souza Júnior, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj)

Mestrando em Linguística (Uerj)

Especialista em Linguística Aplicada em Inglês como Língua Estrangeira (Uerj)

Professor de Língua Portuguesa e Inglesa (SME,RJ)

Referências

ASKEHAVE, I.; SWALES, J. Genre identification and communicative purpose: a problem and a possible solution. Applied Linguistics. 22.2, 2001. p. 195-212.

BARTON, D; HAMILTON, M. Local Literacies: Reading and writing in one community. London, Routledge, 1998.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: Língua Estrangeira. Secretaria de educação fundamental, Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Matriz de competências para o Enem 2009. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasília, 2009.

CARVALHO, G. A teoria traduzida em prática: atividades de leitura baseadas nos conceitos de contexto de cultura e contexto de situação. In: TAVARES, K.; BESCHER, S.; FRANCO. C.; (Org.) Ensino de Leitura: fundamentos, práticas e reflexões para professores da era digital. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras da UFRJ, 2011. p. 49-63.

CELANI, M. A. A. Parâmetros Nacionais – LE: focalizando a questão dos conteúdos e dos temas transversais. In: 13º SEMINÁRIO NACIONAL DE ENSINO DE INGLÊS INSTRUMENTAL DO BRASIL. Rio de Janeiro: Uerj, 1999.

CHAMBERLAIN, D.; BAUMGARDNER, R.J. (Ed.). ESP in the classroom: practice and evaluation, ELT document 128, Modern English publication in association with The British Council, 1988.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed, 2000.

CHARTIER, R. História da leitura no mundo ocidental. São Paulo: Ática, 1998.

CHARTIER, R. Cultura escrita, literatura e história. Porto Alegre: Artmed, 2001.

COLOMER, T.; A. CAMPS. Enseñar a leer, enseñar a comprender, Madrid: Celeste, 2000.

DROGA, L.; HUMPHREY, S. Getting Started with Functional Grammar. Marckville, Au.: Target Texts. 2002.

DUDLEY-EVANS, T.; ST. JOHN, M. J. Developments in English for specific purposes. Cambridge. CUP, 1998.

EGGINS, S. An Introduction to Systemic Functional Linguistics. London: Continuum International Publishing Group Ltd, 1994.

EGGINS, S.; SLADE, D. Analysing Casual Conversation. London: Cassel, 1997.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: UnB, 2001.

FOUCAMBERT, J. A leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1984. FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 22. ed. São Paulo: Cortez, 1988.

FREIRE, P. A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez, 1994.

HALLIDAY, M.A.K. Introduction to functional grammar. 2. ed. Edward Arnold,1985.

HALLIDAY, M.A.K.; HASAN, R. Language, Context and Text: Aspects of Language in a Socialsemiotic perspective. Oxford: Oxford University Press, 1985.

HUTCHINSON, T.; WATERS A. English for specific purposes: a learning-centered approach. Cambridge, CUP, 1987.

ILLICH, I. Um apelo à pesquisa em cultura escrita leiga. In: OLSON, David. R.; TORRANCE, Nancy. Cultura escrita e Oralidade. São Paulo: Ática, 1995. p. 35-54. KLEIMAN, A. Oficina de leitura. Campinas: Pontes/Unicamp, 1993.

KLEIMAN, A. (Org.). Os significados do letramento. Campinas: Mercado das Letras, 1995.

MANGUEL, A. Uma história da leitura. Tradução Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

MARTIN, J.R.; WHITE, P. R. R. The Language of Evaluation. New York: Palgrave Macmillan, 2005.

MOITA LOPES, L. P. Oficina de linguística aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem em línguas. São Paulo: Mercado das Letras, 1996.

OLSON, D. R. O mundo no papel: as implicações conceituais e cognitivas da leitura e da escrita. São Paulo: Ática, 1997.

OLSON, David. R.; TORRANCE, Nancy. Cultura escrita e Oralidade. São Paulo: Ática, 1995.

PENNYCOOK, A. Critical and alternative directions in applied linguistics. Australian Review of Applied Linguistics. 33 (2), p. 16.1–16.16. DOI: 10.2104/aral1016. 2010.

RAMOS, R. C. G. Gêneros textuais: uma proposta de aplicação em cursos de Inglês para fins específicos. The ESPecialist, v. 25, n. 2, 2004. p. 107-129.

ROBINSON, P. C. ESP Today: a practitioner’s guide. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1991.

SERRANI, Silvana (Org.). Letramento, discurso e trabalho docente. Vinhedo: Horizonte, 2010.

SILVA, S. B. B. da. O texto literário na formação de leitores jovens e adultos. In: SERRANI, Silvana (Org.). Letramento, discurso e trabalho docente. Vinhedo: Horizonte, 2010. p. 56-70.

SILVA, C. E. da. O processo de compreensão na leitura em língua estrangeira: relato de uma experiência com alunos do 2º grau. São Paulo: Humanitas, 2001.

SOTO, Ucy et. al. Novas tecnologias em sala de aula (re)construindo conceitos e práticas. São Carlos: Claraluz, 2009.

SOUZA JÚNIOR, J. Inglês para leitura: etapas do curso. Monografia de conclusão de curso (Pós graduação lato sensu em linguística aplicada em inglês como língua estrangeira) Uerj/RJ, Rio de Janeiro, 2009.

STREVENS, P. The learner and the teacher of ESP. In: CHAMBERLAIN, D.; BAUMGARDNER, R.J. (Ed.). ESP in the classroom: practice and evaluation, ELT document 128, Modern English publication in association with The British Council, 1988. p. 39-44.

TAVARES, K. ; BESCHER, S.; FRANCO. C.; (Org.). Ensino de Leitura: fundamentos, práticas e reflexões para professores da era digital. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras da UFRJ, 2011. VAN DIJK, T.A. Discourse and Context. A sociocognitive approach. Cambridge: CUP, 2008.

VEREZA, S. C. Uma breve trajetória das abordagens pedagógicas da leitura: a alternativa sociocognitivista. In: TAVARES, K.; BESCHER, S.; FRANCO. C.; (Org.). Ensino de Leitura: fundamentos, práticas e reflexões para professores da era digital. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras da UFRJ, 2011. p. 13-25.

VERGNANO-JUNGER, C. de S. Leitura na tela: reconstruindo uma prática antiga. In: SOTO, Ucy et. al. Novas tecnologias em sala de aula (re)construindo conceitos e práticas. São Carlos: Claraluz, 2009. p. 25-34.

VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente: o Desenvolvimento dos Processos Psicológicos Superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

WOLTON, D. As novas tecnologias, o indivíduo e a sociedade. In: WOLTON, D. Internet, e depois? Uma teoria crítica das novas mídias. Porto Alegre: Sulina, 2007. p. 84-118.

WOLTON, D. Internet, e depois? Uma teoria crítica das novas mídias. Porto Alegre: Sulina, 2007.

Downloads

Publicado

06-08-2013

Como Citar

JÚNIOR, J. de S. TICs, leitura em LE e gêneros: da habilidade à prática social docente e discente na escola não-profissionalizante. Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 6, n. 2, p. 32–55, 2013. DOI: 10.17851/1983-3652.6.2.32-55. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16642. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Educação e Tecnologia