PROFESSORES

SOFRIMENTO MENTAL NA UNIVERSIDADE PÚBLICA?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2020.21962

Palavras-chave:

Sofrimento Mental, Universidade, Trabalho Docente

Resumo

Este artigo discute o sofrimento mental de docentes na universidade pública brasileira contemporânea. Serão apresentados, neste texto, parte dos dados resultantes de pesquisa qualitativa exploratória, realizada em uma Instituição Federal de Ensino Superior (IFES), em parceria com o Sindicato dos Professores, resultantes da realização de entrevistas semiestruturadas e observação participante em “Rodas de Conversa” sindicais sobre o tema. Identificou-se que o assunto é invisibilizado e que aqueles professores que comunicam seu sofrimento são chamados a normalizar suas expressões, configurando-as como uma questão individual, psiquiátrica ou jurídica. Além disso, foram identificadas estratégias igualmente individualizantes para lidar com o sofrimento no cotidiano. A discussão realizada no artigo ressalta o caráter coletivo e institucional do sofrimento relatado, relacionando-o aos processos de expansão, alterações na carreira e outros relativos às condições de trabalho e às relações profissionais estabelecidas. O “produtivismo” acadêmico, o assédio entre pares e as formas de avaliação dentro da universidade se configuraram como as principais causas de sofrimento entre professores, permeadas pela competição, individualismo, e ausência de sentimento de pertença a um coletivo. Entre as principais estratégias utilizadas em resposta ao sofrimento mental vivenciado estão o isolamento, tentativa de mobilidade interna e descredenciamento da pós-graduação. Concluímos que o sofrimento mental de docentes é uma pauta que exige atenção, especialmente em função de seu impacto na vida acadêmica, que toma a forma de primeira causa nos afastamentos do trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Stella Brandão Goulart, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Professora do Departamento de Psicologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais. Coordena o Laboratório de Direitos Humanos e Transdisciplinaridade e tem doutorado em Ciências Humanas: sociologia e política pela Universidade Federal de Minas Gerais. 

Juliana Coelho Antunes, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Psicóloga, com graduação e mestrado em Psicologia Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 3ª. Lisboa: Edições, 2004.

BAUMAN, Zygmunt; Modernidade líquida. Tradução: Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BIRMAN, Joel. Dor e sofrimento num mundo sem mediação. Estados Gerais da Psicanálise: II Encontro Mundial, 2003. p. 1-7.

BORSOI, Izabel Cristina Ferreira. Trabalho e produtivismo: saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de Ensino Superior. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2012. v. 15, n. 1, p. 81-100.

BRANT, Luiz Carlos; MINAYO-GOMEZ, Carlos. A transformação do sofrimento em adoecimento: do nascimento da clínica à psicodinâmica do trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 2004. v. 9, p. 213-223.

CHAUÍ, Marilena. Contra a universidade operacional e a servidão voluntária. In: Conferência de Abertura do Congresso da Universidade Federal da Bahia - 14 de julho de. 2016.

COLBARI, Antonia. A análise de conteúdo e a pesquisa empírica qualitativa. Metodologias e analíticas qualitativas em pesquisa organizacional. Vitória: EDUFES, 2014. p. 241-272.

CRUZ, Roberto Moraes. Trabalho docente, modo degradado de funcionamento institucional e patologias do trabalho. In: SOUZA, M. de; MARTINS, F.; ARAÚJO; JNG de (Orgs.). Dimensões da violência: conhecimento, subjetividade e sofrimento psíquico. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011. p. 207-222.

DANTAS, Marília Antunes. Sofrimento psíquico: modalidades contemporâneas de representação e expressão. Curitiba: Juruá. e Leon, 2009.

DEJOURS, Christophe et al. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994.

EHRENBERG, Alain. Les changements de la relation normal-pathologique. À propos de la souffrance psychique et de la santé mentale. Esprit (1940-), 2004. p. 133-156.

FERREIRA, Maria Cristina. A Psicologia Social contemporânea: principais tendências e perspectivas nacionais e internacionais. Psicologia: teoria e pesquisa, 2010. v. 26, n. SPE, p, 51-64.

FIUZA, Leandro Henrique Silva. Saúde Mental de Estudantes Universitários: “Tecnologias Leves em Saúde” como instrumento de cuidado. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil, 2019.

FONTANA, Rosane Teresinha; PINHEIRO, Débora Avello. Condições de saúde auto-referidas de professores de uma universidade regional. Revista Gaúcha de Enfermagem, 2010. v. 31, n. 2, p. 270-276.

FREITAG, Michel. Le naufrage de l'université et autres essais d'épistémologie politique. Québec: La Découvert/MAUSS, 1995.

GADEA, Carlos A. Paisagens da pós-modernidade: cultura, política e sociabilidade na América Latina. Universidade do Vale do Itajaí, 2007.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Ediitora Atlas SA, 2008.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo. Ed. Relógio D’Água, 2005.

LEMOS, Patrícia Mendes; FREIRE, José Célio. Os contornos tardo-modernos do sofrimento e do adoecimento psíquicos: proposições éticas para o Centro de Atenção Psicossocial. Psicologia em Revista, 2011. v. 17, n. 2, p. 303-321.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: J. Olympio. 1998.

MAYORGA, Claudia. Ampliar o presente da psicologia social: contribuições de uma sociologia das ausências. Psicologia para américa latina, 2012. v. 23, p. 92-110.

MAZZILLI, Sueli. Ensino, pesquisa e extensão: reconfiguração da universidade brasileira em tempos de redemocratização do Estado.Revista Brasileira de Política e Administração da Educação-Periódico científico editado pela ANPAE, 2011. v. 27, n. 2.

OMS. Plan de acción integral sobre salud mental 2013-2020. 2013. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/97488/1/9789243506029_spa.pdf?ua=1. Acesso em: 30 ago. 2018.

OLIVEIRA, Amanda da Silva Dias; PEREIRA, Maristela de Souza; LIMA, Luana Mundim de. Trabalho, produtivismo e adoecimento dos docentes nas universidades públicas brasileiras. Psicologia Escolar e Educacional, 2017. v. 21, n. 3, p. 609-619.

PAINI, Leonor Dias; COSTA, Leila Pessôa da. A função social da universidade na 1contemporaneidade: algumas considerações. Eventos Pedagógicos, v. 7, n. 1, 2016. p. 59-72.

RICOEUR, Paul. La souffrance n’est pas la douleur. Revue de Psychiatrie Française, 23, 1992. 9-18.

ROSSI, André; PASSOS, Eduardo. Análise institucional: revisão conceitual e nuances da pesquisa-intervenção no Brasil. Revista Epos, 2014. v. 5, n. 1, p. 156-181.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. 2004. Disponível em: https://www.ces.uc.pt/bss/documentos-/auniversidadedosecXXI.pdf. Acesso em: 20 março 2019.

DOS SANTOS ESTÁCIO, Letícia Silvana et al. O produtivismo acadêmico na vida dos discentes de pós-graduação. Em Questão, 2019. v. 25, n. 1, p. 133-158.

SGUISSARDI, Valdemar; SILVA JUNIOR, João dos Reis. Trabalho intensificado nas federais: pós-graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo: Xamã, 2009.

SILVA JUNIOR, João dos Reis. João dos Reis Silva Junior debate carreira docente. Adur: Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: http://www.adur-rj.org.br/5com/pop-up/joao_reis_debate_carreira_docente.htm. Acesso em 30 agosto 2019.

TORRES, Sara Shrirley Belo Lanca. Trabalho docente na educação superior: o uso de tecnologias digitais e as manifestações de sofrimento. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2017.

VENTURINI, Ernesto; GOULART, Maria Stella Brandão. Universidade, solidão e saúde mental.Interfaces-Revista de Extensão da UFMG, 2016. v. 4, n. 2, p. 94-136.

Downloads

Publicado

2021-01-07

Como Citar

BRANDÃO GOULART, M. S.; COELHO ANTUNES, J. PROFESSORES: SOFRIMENTO MENTAL NA UNIVERSIDADE PÚBLICA? . Trabalho & Educação, [S. l.], v. 29, n. 3, p. 95–112, 2021. DOI: 10.35699/2238-037X.2020.21962. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/21962. Acesso em: 1 mar. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS