“ERA IMPOSIÇÃO SEM SUPORTE”

ORGANIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE TRABALHO NA EDUCAÇÃO BÁSICA DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2022.41563

Palavras-chave:

Professores, Saúde Mental, Trabalho, COVID-19

Resumo

Este estudo possui o objetivo de descrever e analisar as transformações provocadas pela pandemia de COVID-19 na organização e nas condições de trabalho de docentes da educação básica no Rio Grande do Sul. Trata-se de uma pesquisa exploratória de metodologia mista, que contou com a participação de 686 professores. A coleta de dados foi realizada entre junho e outubro de 2021, de forma online, através de questionários e entrevistas semiestruturadas. Os dados foram submetidos à análise estatística descritiva e à análise temática. No momento da pesquisa, 53,5% dos participantes estavam exercendo atividades parcialmente presenciais e parcialmente remotas. Os docentes declararam estar trabalhando mais (85,6%), realizando mais horas extras (79%), com algum tipo de dificuldade em planejar e executar as atividades à distância (87%) e com dificuldades na utilização de ferramentas virtuais requeridas na realização de seu trabalho (80,4%). Todavia, apenas 43,1% tiveram formação promovida pela instituição de ensino. Os dados coletados evidenciaram um contexto laboral marcado pela sobrecarga de trabalho e pelo frágil suporte institucional. Concluiu-se que são necessárias políticas públicas de atenção à saúde do trabalhador na educação básica, fortalecendo os coletivos de trabalho e as ações de suporte aos docentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Souza Passini, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduando em Psicologia pela Universidade Feevale e em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Bolsista de Iniciação Científica do grupo de pesquisa em Psicologia, Subjetividade Contemporânea e Saúde Mental da Universidade Feevale e membro do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Saúde e Trabalho - NEST/UFRGS.

Gabriela Gomes Makewitz, Universidade Feevale

Graduanda em Pedagogia pela Universidade Feevale. Bolsista de Iniciação Científica do grupo de pesquisa em Psicologia, Subjetividade Contemporânea e Saúde Mental da Universidade Feevale.

Fernanda Gomes Dias, Universidade Feevale

Graduanda em Jornalismo pela Universidade Feevale. Bolsista de Iniciação Científica do grupo de pesquisa em Psicologia, Subjetividade Contemporânea e Saúde Mental da Universidade Feevale.

Carmem Regina Giongo, Universidade Feevale

Doutora e pós doutora em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Mestre em Psicologia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos e Graduada em Psicologia pela Universidade Feevale. Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Saúde e Trabalho - NEST/UFRGS e docente da graduação e pós-graduação em Psicologia na Universidade Feevale.

Referências

ANTUNES, Ricardo; ALVES, Giovanni. As mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital. Educação & Sociedade, v. 25, p. 335-351, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000200003. Acesso em: 23 set. 2022.

ARAÚJO, Tânia M. de; LUA, Iracema. O trabalho mudou-se para casa: trabalho remoto no contexto da pandemia de COVID-19. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 46, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/2317-6369000030720. Acesso em: 23 set. 2022.

ARRUDA, Eucidio P. Educação Remota Emergencial: elementos para políticas públicas na educação brasileira em tempos de Covid-19. EmRede - Revista de Educação a Distância, v. 7, n. 1, p. 257-275, 2020. DOI: https://doi.org/10.53628/emrede.v7.1.621.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer do Conselho Nacional de Ensino/Conselho Pleno (CNE/CP) nº 5, de 28 de abril de 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 6 jun. 2022.

CAMPOS, Maria M. et al. Para um retorno à escola e à creche que respeite os direitos fundamentais de crianças, famílias e educadores. ANPEd, 2020. Disponível em: https://www.anped.org.br/news/para-um-retorno-escola-e-creche-que-respeite-os-direitos-fundamentais-de-criancas-familias-e. Acesso em: 23 ago. 2022.

CARLOTTO, Mary S. et al. O papel mediador da autoeficácia na relação entre a sobrecarga de trabalho e as dimensões de Burnout em professores. Psico-usf, v. 20, p. 13-23, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-82712015200102. Acesso em: 23 set. 2022.

CRESWELL, John W.; CLARK, Vick L. Plano. Pesquisa de métodos mistos. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

CRUZ, Roberto M. et al. Retorno ao trabalho? Indicadores de saúde mental em professores durante a pandemia da COVID-19. Revista Polyphonía, v. 31, n. 1, p. 325-344, 2020. DOI: https://doi.org/10.5216/rp.v31i1.66964. Acesso em: 23 set. 2022.

CRUZ, Silvia H.V.; MARTINS, Cristiane A.; CRUZ, Rosimeire C. de A. A educação infantil e demandas postas pela pandemia: intersetorialidade, identidade e retorno às atividades presenciais. Zero-a-seis, v. 23, p. 147-174, 2021. DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2021.e79003. Acesso em: 23 set. 2022.

DEJOURS, C.; Abdoucheli, E. Itinerário teórico em psicopatologia do trabalho. In Dejours, C.; Abdoucheli, E.; Jayet, C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 2011, p. 119-145.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

DEJOURS, C. A avaliação do trabalho submetida à prova do real. São Paulo: Blucher, 2008.

DEJOURS, C. Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004.

DIEESE. Boletim Emprego em pauta. Número 21 — junho de 2021. Disponível em: https://www.dieese.org.br/boletimempregoempauta/2021/boletimEmpregoemPauta21.html. Acesso em: 23 ago. 2022.

DIEHL, Liciane; MARIN, Angela H. Adoecimento mental em professores brasileiros: revisão sistemática da literatura. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, v. 7, n. 2, p. 64-85, dez. 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2236-64072016000200005&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 26 maio 2022.

FAGUNDES, Pedro A. Impactos da pandemia de Covid-19 na saúde mental de professores sob a perspectiva de gestores de escolas públicas estaduais de Porto Alegre. 2021. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2021. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/236491. Acesso em: 4 set. 2022.

FERREIRA, Luciana H.; BARBOSA, Andreza. Lições de Quarentena: limites e possibilidades da atuação docente em época de isolamento social. Práxis Educativa, v. 15, p. 1-24, 2020. DOI: https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.15.15483.076. Acesso em: 23 set. 2022.

FORATTINI, Cristina D.; LUCENA, Carlos A. Adoecimento e sofrimento docente na perspectiva da precarização do trabalho. Laplage em Revista, v. 1, n. 2, p. 32-47, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.24115/S2446-622020151219p.32-47. Acesso em: 23 set. 2022.

GALLASCH, Cristiane H. et al. Prevenção relacionada à exposição ocupacional do profissional de saúde no cenário de COVID-19. Revista Enfermagem UERJ, v. 28, 2020. DOI: https://doi.org/10.12957/reuerj.2020.49596. Acesso em: 23 set. 2022.

GALLISA, Cristine. RS registra 3,7 mil casos de Covid em escolas estaduais; quase 2 mil instituições estão com aulas presenciais. Portal G1, 27 jul. 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2021/07/27/rs-registra-37-mil-casos-de-covid-em-escolas-estaduais-quase-2-mil-instituicoes-estao-com-aulas-presenciais.ghtml. Acesso em: 6 jun. 2022.

GOMES, Marco A. de O. et al. As mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital e a precarização do trabalho docente. Revista HISTEDBR On-line, v. 12, n. 47, p. 267–283, 2012. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v12i47.8640051. Acesso em: 23 set. 2022.

GONÇALVES, Gustavo B. B.; GUIMARÃES, Jane M. de M. Aulas remotas, escolas vazias e a carga de trabalho docente. Retratos da Escola, v. 14, n. 30, p. 772-786, 2020. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v14i30.1203. Acesso em: 23 set. 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/8675. Acesso em: 09 set. 2022.

MARTINS, Ana C. B. L. et al. A experiência de professores no ensino remoto: dilemas, saúde mental e contextos de trabalho na pandemia. Expressa Extensão, v. 26, n. 2, p. 154-160, 2021. DOI: https://doi.org/10.15210/ee.v26i2.20468. Acesso em: 23 set. 2022.

MARTINS, Lígia M.; DUARTE, Newton. Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

MINAYO, Maria C. de S. O desafio da pesquisa social. In: DESLANDES, Suely F.; GOMES, Romeu; MINAYO, Maria C. de S. (Orgs.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2016.

MINAYO, Maria C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9ª ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

MOURA, J. da S. et al. A precarização do trabalho docente e o adoecimento mental no contexto neoliberal. Revista Profissão Docente, v. 19, n. 40, p. 01–17, 2019. DOI: https://doi.org/10.31496/rpd.v19i40.1242. Acesso em: 23 set. 2022.

OBSERVATÓRIO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Educação em números. OPNE, 2020. Disponível em: https://observatoriodopne.org.br/indicadores-de-contexto. Acesso em: 8 set. 2022.

OLIVEIRA, Dalila A.; PEREIRA JUNIOR, Edmilson A. Trabalho docente em tempos de pandemia: mais um retrato da desigualdade educacional brasileira. Retratos da Escola, v. 14, n. 30, p. 719–734, 2021. DOI: https://doi.org/10.22420/rde.v14i30.1212. Acesso em: 23 set. 2022.

OLIVEIRA, Erik C. de; SANTOS, Vera M. dos. Adoecimento mental docente em tempos de pandemia. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 4, p. 39193-39199, 2021. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-399. Acesso em: 23 set. 2022.

PLÁ, Sebastián. La pandemia en la escuela: entre la opresión y la esperanza. In: CARDIEL, Hugo C. (Org). Educación y pandemia: una visión académica. Cidade do México: Universidade Nacional Autônoma do México, Instituto de Investigações sobre a Universidade e a Educação, 2020. p. 30-38.

RIO GRANDE DO SUL. Lei nº 10.376, de 29 de março de 1995. Dispõe sobre a contratação de professores, por tempo determinado, para atender necessidade temporária do ensino, de excepcional interesse público, e dá outras providências. Assembleia Legislativa, 1995.

RIO GRANDE DO SUL. Lei nº 15.579, de 30 de dezembro de 2020. Prorroga os contratos temporários para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público em até 3 (três) anos. Assembleia Legislativa, 2020.

SARAIVA, Karla; TRAVERSINI, Clarice; LOCKMANN, Kamila. A educação em tempos de COVID-19: ensino remoto e exaustão docente. Práxis Educativa, v. 15, p. 1–24, 2020. DOI: https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.15.16289.094. Acesso em: 23 set. 2022.

SILVA, Luiz A.; PETRY, Zaida J. R.; UGGIONI, Natalino. Desafios da educação em tempos de pandemia: como conectar professores desconectados, relato da prática do estado de Santa Catarina. In: PALÚ, Janete; SCHÜTZ, Jenerton A.; MAYER, Leandro. Desafios da Educação em tempos de pandemia. Cruz Alta: Ilustração, p. 19-36, 2020.

SOARES, Sávia B. V. Coronavírus e a modernização conservadora da educação. In: SOARES, Sávia B. V. et al. Coronavírus, educação e a luta de classes no Brasil. Piauí: Terra Sem Amos, 2020. p. 5-14.

SOUTO, Xênia M. COVID-19: aspectos gerais e implicações globais. Recital - Revista de Educação, Ciência e Tecnologia de Almenara/MG, v. 2, n. 1, p. 12–36, 2020. DOI: https://doi.org/10.46636/recital.v2i1.90. Acesso em: 23 set. 2022.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2014.

TOSTES, Maiza V. et al. Sofrimento mental de professores do ensino público. Saúde em Debate, v. 42, p. 87-99, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201811607. Acesso em: 23 set. 2022.

UNESCO. A Comissão Futuros da Educação da Unesco apela ao planejamento antecipado contra o aumento das desigualdades após a Covid-19. Paris: UNESCO, 2020. Disponível em: https://pt.unesco.org/news/comissao–futuros–da–educacao–da–unesco–apela–ao–planejamento–antecipado–o–aumento–das. Acesso em: 6 jun. 2022.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO Coronavirus (COVID-19) Dashboard. Geneva: WHO, 2022. Disponível em: https://covid19.who.int/. Acesso em: 23 set. 2022.

Downloads

Publicado

2023-01-24

Como Citar

PASSINI, E. S.; MAKEWITZ, G. G. .; DIAS, F. G.; GIONGO, C. R. “ERA IMPOSIÇÃO SEM SUPORTE”: ORGANIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE TRABALHO NA EDUCAÇÃO BÁSICA DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 31, n. 3, p. 146–161, 2023. DOI: 10.35699/2238-037X.2022.41563. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/41563. Acesso em: 4 fev. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS