SOFRIMENTO NO TRABALHO E ESTRATÉGIAS DOS PROFESSORES CONTRA O ADOECIMENTO PSÍQUICO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2022.38580

Palavras-chave:

Trabalho e educação, Trabalho docente, Psicodinâmica do trabalho

Resumo

Tendo como base estudo realizado com docentes da rede pública estadual que trabalham em uma cidade de porte médio da região Sul do estado do Rio Grande do Sul, o artigo discute o prazer e o sofrimento no trabalho, destacando, em especial, as estratégias de defesa e as estratégias de enfrentamento desenvolvidas pelas professoras para atenuar o sofrimento. O artigo se justifica pela necessidade de ampliação e aprofundamento de pesquisas que busquem compreender os mecanismos mobilizados pelos trabalhadores para suportar e enfrentar os efeitos degradantes do trabalho em sua saúde mental. Apoiado na teoria da Psicodinâmica do Trabalho e na perspectiva histórico-crítica da educação, o estudo centrou-se nos mecanismos mentais ou comportamentais, conscientes ou inconscientes, que, frente às características do trabalho produtoras de sofrimento, denotam a participação ativa dos sujeitos na defesa da preservação de sua saúde mental e sua luta contra a descompensação psíquica. A pesquisa teve caráter qualitativo e contou com a participação de seis professoras e um professor que foram entrevistados de forma individual. A discussão dos dados tomou como base o método da análise de conteúdo. Os resultados da pesquisa revelam estratégias elaboradas para preservar a saúde mental, tais como a negação, a autorepressão e a rotinização, caracterizadas como estratégias de defesa, e os pequenos afastamentos e estratégias de gestão do tempo, como estratégias de enfrentamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlon Freitas de Campos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestre em Educação pela Universidade de Santa Cruz do Sul; Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Moacir Fernando Viegas, Universidade de Santa Cruz do Sul

Mestre e Doutor em Educação, com Pós-Doutorado em Psicologia do Trabalho pela Universitat Atónoma de Barcelona. Professor Adjunto na Universidade de Santa Cruz do Sul. Coordenador do grupo de pesquisa Trabalho Docente, Cuidado e Classe Social.

Referências

ANTUNES, Ricardo; PRAUN, Luci. A sociedade dos adoecimentos no trabalho. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 123, p. 407-427. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0101-6628.030. Acesso em 14 set. 2020.

ARCOVERDE, Leo; FRANCO, Elis; GALVÃO, Danielle; PRADO, Gabriel. Número de professores afastados por transtornos em SP quase dobra em 2016 e vai a 50 mil. GloboNews, Rio de Janeiro, 21/01/2015. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/numero-de-professores-afastados-por-transtornos-em-sp-quase-dobra-em-2016-e-vai-a-50-mil.ghtml.

BARBOSA, Andreza. Os salários dos professores brasileiros: implicações para o trabalho docente. 2011. Tese (Doutorado em Educação Escolar) - Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011.

BERNARDO, João. Estado: a silenciosa multiplicação do poder. São Paulo: Escrituras, 1998.

BRITO, Jussara; BERCOT, Régine; HORELLOU-LAFARGE, Chantal; YALE, Mary Neves: OLIVEIRA, Simone; ROTEMBERG, Lucia. Saúde, gênero e reconhecimento no trabalho das professoras: convergências e diferenças no Brasil e na França. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 2, n. 24, p. 589-605, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/physis/a/n4HLPTTKvhYqS8tnRGrT9Dn/abstract/?lang=pt. Acesso em 12 maio 2019.

CARLOTTO, Mary Sandra; CÂMARA, Sheila Gonçalves; BATISTA, Jaqueline Vidal; SCHNEIDER, Gabriela Azeredo. Prevalência de afastamentos por transtornos mentais e do comportamento relacionados ao trabalho em professores. Psi Unisc, Santa Cruz do Sul, v. 3, n.1, p. 19-32, 2019. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/psi/article/view/12464. Acesso em 23 jun 2019.

CARDOSO, William. Educação tem 62 afastamentos por transtorno mental ao dia. Folha de São Paulo, São Paulo, 19 jun 2019. Disponível em: https://agora.folha.uol.com.br/sao-paulo/2019/06/educacao-tem-62-afastamentos-por-transtorno-mental-ao-dia.shtml#:~:text=Estresse%2C%20depress%C3%A3o%2C%20ansiedade%20e%20s%C3%ADndrome,Lei%20de%20Acesso%20%C3%A0%20Informa%C3%A7%C3%A3o.

DEJOURS, Christophe. Inteligência prática e sabedoria prática. In: LANCMAN, Selma; Sznelwar, Laerte Idal. (org.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2004.

DEJOURS, Christophe. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez-Oboré, 1992.

DEJOURS, Christophe. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999.

DEJOURS, Christophe. A sublimação, entre sofrimento e prazer no trabalho. Revista Portuguesa de Psicanálise, Lisboa, v. 9, n. 33, p. 09-28, 2013.

DEJOURS, Christophe; ABDOUCHELI, Elizabeth. Itinerário teórico em Psicopatologia do Trabalho. In: BETIOL, Maria Irene Stocco. (Coord.). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994. p.119-145.

GASPARINI, Sandra Maria; BARRETO, Sandhi Maria; ASSUNÇÃO, Ada Ávila. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, nº 02, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/GdZKH9CHs99Qd3vzY5zfmnw/abstract/?lang=pt. Acesso em 16 abr. 2018.

GATTI, Bernardete Angelina. Reconhecimento social e as políticas de carreira docente na educação básica. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 42, n.145, p.88-111, 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/TBZ9snxf4ZCYGfkrzDv43Zz/abstract/?lang=pt. Acesso em 18 mai. 2018.

HARGREAVES, Andy. Intensificación (el trabajo de los profesores, ¿mejor o peor?). In: HARGREAVES, Andy. Profesorado, cultura y postmodernidad, Morata, Madri, 1996, p. 142-164.

LIMA, Suzana Canez da Cruz. Reconhecimento no trabalho. In: VIEIRA, Fernando de Oliveira; MENDES, Ana Magnólia; MERLO, Álvaro Roberto Crespo. Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho. Curitiba, Juruá Editora, 2013a, p. 351-355.

MARTINS, José Clerton de Oliveira; PINHEIRO, Adriana de Alencar Gomes. Sofrimento psíquico nas relações de trabalho. PSIC - Revista de psicologia da Vetor Editora, v. 01, n. 07, p. 79-85, 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-73142006000100010. Acesso em 12 dez. 2018.

MENDES, Ana Magnólia. Aspectos psicodinâmicos da relação homem-trabalho: as contribuições de C. Dejours. Psicologia, Ciência e Profissão, v. 15, n. 1-3, p. 34-38, 1995. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pcp/v15n1-3/09.pdf. Acesso em 28 out. 2020. Acesso em 18 set. 2019.

MENDES, Ana Magnólia; MULLER, Thiele da Costa. Prazer no trabalho. In: VIEIRA, Fernando de Oliveira; MENDES, Ana Magnólia; MERLO, Álvaro Roberto Crespo. Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho. Curitiba, Juruá Editora, 2013, p. 289-292.

MORAES, Rosângela Dutra. Sofrimento criativo e patogênico. In: VIEIRA, Fernando de Oliveira; MENDES, Ana Magnólia; MERLO, Álvaro Roberto Crespo. Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho. Curitiba, PR: Juruá Editora, 2013a, p. 415-420.

MORAES, Rosângela Dutra. Prazer e sofrimento no trabalho docente: um estudo com professoras de ensino fundamental em processo de formação superior. Rpot, v. 5, n. 1, p. 159-18, 2005. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-66572005000100007. Acesso em 18 jan. 2019.

MORAES, Rosângela Dutra. Estratégias defensivas. In: VIEIRA, Fernando de Oliveira; MENDES, Ana Magnólia; MERLO, Álvaro Roberto Crespo. Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho. Curitiba, Juruá Editora, 2013a, p. 153-157.

MORAES, Rosângela Dutra. Estratégias de enfrentamento do sofrimento e conquista do prazer no trabalho. In: MERLON, Álvaro Crespo; MENDES, Ana Magnólia; MORAES, Rosângela Dutra de. O sujeito no trabalho: entre a saúde e a patologia. Curitiba, Juruá Editora, 2013, p. 186-306.

NEVES, Mary Yale Rodrigues; BRITO, Jussara Cruz de; MUNIZ, Hélder Pordeus. A saúde das professoras, os contornos de gênero e o trabalho no Ensino Fundamental. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 35, supl. 1, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2019000500301&lng=en&nrm=iso. Acesso em 06 out. 2020.

NEVES, Mary Yale Rodrigues; BRITO, Jussara; ATHAYDE, Milton. Mobilização das professoras por saúde. In: GLINA, Débora Miriam Raab; ROCHA, Lys Esther (org.). Saúde Mental no Trabalho: da teoria à prática. São Paulo: Roca, 2014, p. 248-270.

NEVES, Mary Yale Rodrigues; SELIGMANN-SILVA, Edith. A dor e a delícia de ser (estar) professora: trabalho docente e saúde mental. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 63-75, 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v6n1/v6n1a06.pdf. Acesso em 27 out. 2020.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/NM7Gfq9ZpjpVcJnsSFdrM3F/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 14 nov. 2020.

PEREIRA, Clara Vanêza Marques; VIEIRA, Adriane. O sofrimento humano nas organizações: estratégias de enfrentamento adotadas em uma empresa de logística. In: ENCONTROS DA ANPAD – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 2011, Rio de Janeiro. Anais [...] Rio de Janeiro, 2011, p. 1-16. Disponível em: http://www.anpad.org.br/diversos/down_zips/58/GPR161.pdf. Acesso em 4 fev. 2018.

SELIGMANN-SILVA, Edith. Trabalho e desgaste mental: o direito de ser dono de si mesmo. São Paulo: Cortez, 2011.

SILVA, Cristiane A. Fernandes da. Táticas operárias de defesa de si: controle da produção fabril, do corpo e dos valores. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 295-310, 2011. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1516-37172011000200010&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 3 ago. 2019.

SOUTO, Romélia Mara Alves; PAIVA, Paulo Henrique Apipe Avelar de. A pouca atratividade da carreira docente: um estudo sobre o exercício da profissão entre egressos de uma licenciatura em matemática. Pro-Posições, Campinas, v. 24, n. 1, p. 201-224, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73072013000100013&lang=pt%5Cnhttp://www.scielo.br/pdf/pp/v24n1/v24n1a13.pdf. Acesso em 13 jan. 2016.

SOUZA, Davisson Charles Cangussu de; FERNANDES, Bárbara Pereira; FILGUEIRA, Vanessa. Racionalização, intensidade e controle do trabalho docente na rede básica de ensino. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 24, n. 3, p. 123-141, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9456. Acesso em 15 mar. 2019.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. Os trabalhos e os dias. In: O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 5. ed., Petrópolis: Vozes, 2009, p. 163-194.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VASCONCELOS, Ana Cláudia Leal. Inteligência prática. In: VIEIRA, Fernando de Oliveira; MENDES, Ana Magnólia; MERLO, Álvaro Roberto Crespo. Dicionário Crítico de Gestão e Psicodinâmica do Trabalho. Curitiba, Juruá Editora, 2013a. p. 237-242.

VIEIRA, Jarbas Santos; GARCIA, Maria Manuela Alves; MARTINS, Maria de Fátima Duarte; ESLABÃO, Leomar; SILVA, Aline Ferraz da; BALINHAS, Vera; FETTER, Carmem Lucia da Rosa. Constituição das doenças da docência (docenças). In: XXXIII REUNIÃO DA ANPED. 2010, Caxambu. Anais [...], Caxambu, 2010, p. 24-82.

VINUTO, Juliana. A amostragem bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas, Campinas, v. 22, n. 44, p. 203-220, 2014. Disponível em: https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/tematicas/article/view/10977. Acesso em 14 out. 2018.

Downloads

Publicado

2022-05-27

Como Citar

CAMPOS, M. F. de .; VIEGAS, M. F. SOFRIMENTO NO TRABALHO E ESTRATÉGIAS DOS PROFESSORES CONTRA O ADOECIMENTO PSÍQUICO. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 31, n. 1, p. 103–119, 2022. DOI: 10.35699/2238-037X.2022.38580. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/38580. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.