PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DA ESCOLA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TRABALHADORES E O MUNDO DO TRABALHO

Autores

  • Geraldo Marcio Santos Universidade Federal de Minas Gerais
  • Heli Sabino Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/2238-037X.2019.9782

Palavras-chave:

Educação de Jovens e Adultos, Trabalho e Educação, Princípio Educativo do Trabalho e Experiência

Resumo

Este artigo propõe analisar as possíveis contribuições dos estudos sobre o mundo do trabalho para o Campo da Educação de Jovens e Adultos, EJA, partindo da consideração de que os seus sujeitos são mais trabalhadores estudantes do que estudantes trabalhadores. Assim, interrogar a EJA pela perspectiva do mundo trabalho nos parece uma via fértil, e necessária, para recuperar as abrangências do trabalho na formação humana, na qual a experiência de vida dos trabalhadores seja contextualizada na práxis pedagógica. Portanto, há uma rica conexão entre o princípio educativo do trabalho e o princípio pedagógico do trabalho. Para dar conta dessa proposta, buscaremos nos apropriar das reflexões do Campo Trabalho e Educação, especificadamente, as pesquisas empíricas que discutem os saberes dos trabalhadores oriundos da experiência do/no trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geraldo Marcio Santos, Universidade Federal de Minas Gerais

Torneiro Mecânico Senai, Técnico Mecânico CEFET-MG, Licenciado em História (UniBh), Mestre em Educação (FaE/UFMG), Doutor em Educação (UFF) e Professor Adjunto do Departamento de Administração Escolar, Faculdade de Educação da UFMG

Heli Sabino Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais

Licenciado em História (FAFI-Bh), Mestre em Educação (FaE/UFMG), Doutor em Educação (FaE/UFMG) e Professor Adjunto do Departamento de Métodos e Técnicas de Ensino, Faculdade de Educação da UFMG.

Referências

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e negação do trabalho. 3 ed. São Paulo: Boitempo, 2001. 258p.

ARANHA, A. V. S. O conhecimento tácito e qualificação do trabalhador. Trabalho e Educação. Belo Horizonte: Nete/FAE-UFMG, n. 2, p. 13-29, ago./dez. 1997.

CATTANI, D. Dicionário crítico sobre trabalho e tecnologia. Petrópolis: Vozes; Porto Alegre: Ed. Da UFRGS, 2002.

CUNHA, DAISY et al. (org). Trabalho: minas de saberes e valores. Belo Horizonte: NETE/FAE/UFMG, 2007.

CUNHA, DAISY et al. (org). Trabalho, Práxis e formação humana em Gramsci: elementos pra um debate. In: NETO, A, J. M. et al. Trabalho, política e formação humana: interlocuções com Marx e Gramsci. São Paulo: Xamã,

DANIELLOU, F; LAVILLE, A; TEIGER, C. Ficção e realidade do trabalho operário. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, n. 68, v. 17, p. 7-13, out./nov./dez., 1989.

ENGUITA, M. A face oculta da Escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Hollanda. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

FRIGOTTO, G, CIAVATTA, M, RAMOS, M. O trabalho como princípio educativo no projeto de educação integral dos trabalhadores. In: COSTA, H & CONCEIÇÃO, M (org). Educação integral e sistema de reconhecimento e certificação educacional e profissional. São Paulo: CUT, 2005.

FRIGOTTO, G. Prefácio. In: Tiriba, Lia. Economia popular e cultura do trabalho. Ijuí: UNIJUÍ, 2001.

FRIGOTTO, G. Prefácio. In: Tiriba, Lia e Picanço, Iracy. Trabalho e Educação. Aparecida, São Paulo: Idéias e Letras, 2004.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere, vol. 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

GRAMSCI, A. Maquiavel, a Política e o Estado moderno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

JUNIOR, J. D. S. Trabalho como princípio educativo. In: FIDALGO & MACHADO. Dicionário da educação profissional. Belo Horizonte. Nete/FAE/UFMG, 2000.

LIMA, F. P. A; SILVA, C. D. A objetivação do saber prático na concepção de sistemas especialistas: das regras formais às situações da ação. Belo Horizonte, 1998. (Mimeo).

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural. V I, II e III, 1985.

MARX, K. Capítulo VI Inédito de O Capital. Porto: Publicações escorpião, 1975.

NOSELLA, P. O trabalho como princípio educativo em Gramsci. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.

NOSELLA, P. A escola de Gramsci. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

RUMERTT, S. M. A “marca social” da Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores. Trabalho e Educação. Belo Horizonte: Nete/FAE-UFMG. Vol. 17, n. 3, p. 13-29, set./dez. 2008.

RUMERTT, S. M. Gramsci, Trabalho e Educação: jovens e adultos pouco escolarizados no Brasil actual. Cadernos Sísifo 4, 2007.

SALERNO, M. S. Trabalho e organização na empresa industrial integrada e flexível. In: FERRETI, C. J. et al. (Org.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Petrópolis: Vozes, 1994.

SANTOS, E. H. Ciência e cultura: uma outra relação entre saber e trabalho. Trabalho e Educação. Belo Horizonte: Nete/FAE-UFMG, n. 7, p. 119-130, jul./dez. 2000.

SANTOS, E. H. Trabalho prescrito e real no atual mundo do trabalho. Trabalho e Educação. Belo Horizonte: Nete/FAE-UFMG, n. 1, p. 13-27, fev./jul. 1997.

SANTOS, E. H. Saber tácito, trabalho prescrito, trabalho real. In: FIDALGO & MACHADO. Dicionário da Educação Profissional. Belo Horizonte: Nete/FAE/UFMG, 2000.

SANTOS, E. H. Processos de produção e legitimação de saberes no trabalho. In: Currículo e políticas públicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

SANTOS, G, M e SANTOS, E. H. Contribuições da Pedagogia da Ferramenta para uma pedagogia do trabalho. Educação Unisinos, v. 10, p. 102-110, 2006.

SANTOS, G. M. A. A pedagogia da ferramenta: estratégias de produção, mobilização e formalização de saberes tácitos criadas pelos ferramenteiros de uma indústria metalúrgica. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, 2004.

SANTOS, G. M. A. Pacto para viver: a mobilização de saberes na produção associada, gestão e organização do processo de trabalho e maquinaria em uma indústria metalúrgica. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, 2010.

SANTOS, G. M. A. Trabalho e Educação: reflexões sobre o princípio educativo do trabalho. In: COELHO, E. P; SANTOS, G. M. A; MARI, C. L. Educação e formação humana: múltiplos olhares sobre a práxis educativa. Curitiba, Paraná: CRV, 2012.

SAVIANI, D. Trabalho e Educação: fundamentos ontológicos e históricos. In: 29ª Reunião Anual da ANPED, 2006. Caxambu. Anais... Caxambu, 2006.

TIRIBA, L. Economia popular e cultura do trabalho. Ijuí: UNIJUÍ, 2001.

TIRIBA, L. Ciência econômica e saber popular: reivindicar o “popular” na economia e na educação. In: TIRIBA, LIA e PICANÇO, IRACY. Trabalho e Educação. Aparecida, São Paulo: Idéias e Letras, 2004.

VÁZQUEZ, J. S. Filosofia da práxis. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

WISNER, A. Por dentro do trabalho: ergonomia e técnica. São Paulo: FTD/OBORÉ, 1987.

Downloads

Publicado

2019-02-21

Como Citar

SANTOS, G. M.; OLIVEIRA, H. S. PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DA ESCOLA : A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS TRABALHADORES E O MUNDO DO TRABALHO. Trabalho & Educação, [S. l.], v. 28, n. 1, p. 43–58, 2019. DOI: 10.35699/2238-037X.2019.9782. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9782. Acesso em: 7 maio. 2021.