Temperatura do ar e do solo em diferentes profundidades, em Diamantina-MG/ Air temperature and soil in different depths in Diamantina-MG

Autores

  • Daniel Dantas Universidade Federal de Lavras
  • Gabriela Paranhos Barbosa UFVJM
  • Eduarda Gabriela Santos Cunha
  • Maria José Hatem de Souza UFVJM
  • Claudio Marcio Pereira de Souza UFVJM

Palavras-chave:

Palavras-chave, Fluxo de calor. Correlação de Pearson. Vale do Jequitinhonha. Keywords, Heat flow. Pearson correlation.

Resumo

Resumo: Objetivou-se neste estudo avaliar a correlação entre a temperatura do ar e do solo nas profundidades de 5, 10, 30 e 50 cm, em Diamantina-MG. A área de estudo está localizada no Campus JK (Juscelino Kubitschek) da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), na altitude de 1387 m, com 18°10’S de latitude e longitude de 43°30’W. O solo do local é classificado como Neossolo quartzarênico órtico típico, segundo o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos - SiBCS. Foram calculadas as médias horárias das temperaturas dos meses de janeiro e junho do período de 2013 a 2014. O coeficiente de Pearson foi utilizado para verificar a correlação entre as temperaturas do ar e do solo nas profundidades monitoradas. As temperaturas médias diárias do ar para os meses de janeiro e junho foram 19,1°C e 15,4°C respectivamente. O teste t indicou que todas as correlações foram significativas. Em janeiro, os índices de correlação de Pearson entre a temperatura do ar e as temperaturas do solo a 5 e a 50 cm foram 0,93 e -0,96, respectivamente. Já para o mês de junho, encontraram-se os valores de 0,98 e -0,95 para as mesmas correlações. Conclui-se que há correlação positiva entre a temperatura do ar e a temperatura do solo apenas na superfície e na profundidade de 10 cm, e correlação negativa nas camadas inferiores (30 e 50 cm), o que mostra a influência direta da temperatura do ar na superfície e que gera um fluxo de calor gradativo para o interior do solo.

 

Abstract: The aim of this research was to evaluate the correlation between air temperature and soil temperature at the depths of 5, 10, 30 and 50 cm in Diamantina-MG. The study was carried out in the Campus JK (Juscelino Kubitschek) of the Federal University of Vales do Jequitinhonha and Mucuri (UFVJM), at an altitude of 1387 m, 18 ° 10'S latitude and longitude 43 ° 30'W. Local soils are classified as Orthic Quartzarenic Neosol, according to the Brazilian System of Soil Classification – SiBCS. Hourly mean temperatures were calculated in the months of January and June from 2013 to 2014. Pearson correlation method was used to verify correlation between temperatures of air and soil in the monitored depths. The daily average temperatures for the months of January and June were 19.1 ° C and 15.4 ° C respectively. The t-test indicated significance in all correlations. In January, the Pearson correlation coefficient between the air temperature and soil temperatures at 5 and 50 cm were 0.93 and -0.96, respectively. In June 0.98 and -0.95 for the same correlations. Thus, there is a positive correlation between the air temperature and soil temperature only on the surface and depth of 10 cm, and a negative correlation in the lower layers (30 and 50 cm), this shows the direct influence of the air temperature in surface that generates a gradual flow of heat into the soil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Dantas, Universidade Federal de Lavras

Engenheiro Florestal e, atualmente, mestrando em Engenharia Florestal pela UFLA.

Gabriela Paranhos Barbosa, UFVJM

Doutoranda em Ciências Florestais, pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Referências

AZEVEDO, T. R.; GALVANI, E. Ajuste do ciclo médio mensal horário da temperatura do solo em função da temperatura do ar. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 11, n. 2, p. 123-130, 2003.
BELAN, L. L. et al.. Manejo alternativo do oídio na cultura do pepino em ambiente protegido. Revista Acadêmica Ciências Agrarias e Ambientais, v. 11, n. s. 2, 2013.
CUPOLILLO, F. Diagnóstico Hidroclimatológico da Bacia do Rio Doce. 2008. 153 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.
CURY, B. Porque fazer plantio direto. In: Grupo Plantio Direto. Guia para plantio direto, 2000. Ponta Grossa: Federação de Plantio Direto na Palha. 2000. p. 9-15.
ELTZ, F. L. F; ROVEDDER, A. P. M. Revegetação e temperatura do solo em áreas degradadas no sudoeste do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrociência, v. 11, n. 2, p. 193-200, 2005.
GALVANI, E.; ESCOBEDO, J. F.; PEREIRA, A. B. Balanço de radiação e fluxo calor no solo em ambiente natural e protegido cultivado com pepineiro. Bragantia, v. 60, p. 139-147, 2001.
GASPARIM, E. et al. Temperatura no perfil do solo utilizando duas densidades de cobertura e solo nu. Acta Scientiarum, Maringá, v. 27, n. 1, p. 107-115, 2005.
GUPTA, S. C.; LARSON, W. E.; ALLMARES, R. R. Predicting soil temperature and soil heat flux under different tillage-surface residue conditions. Soil Science Society of America, v. 48, p. 223-232, 1984.
HILLEL, D. Environmental Soil Physics. San Diego: Academic Press, 1998.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Geografia do Brasil: Região Sudeste. Rio de Janeiro: IBGE; 1977.
KLAR, A. E. A influência do solo e do clima nas necessidades hídricas da cultura da cebola. Botucatu, 1974. 171 f. Tese (Livre-docência) - Faculdade de Ciências Agrárias Médicas e Biológicas de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, 1974.
KUNZ, M. et al. Temperatura do solo influenciado pelo sistema de manejo dado ao solo para a cultura do feijoeiro. In: Reunião brasileira de manejo e conservação do solo e da água, 14., 2002, Cuiabá, Anais... Cuiabá: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2002.
MARIN, F. R.; ASSAD, E. D.; PILAU, F. G. Clima e Ambiente: introdução à climatologia para ciências ambientais. Campinas: Embrapa Informática Agropecuária, 2008.
NIMER, E. Climatologia do Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1989.
PEREIRA, A. R.; ANGELOCCI, L. R.; SENTELHAS, P. C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas. Guaíba: Agropecuária, 2002.
SEBEN, K. G. et al. Avaliação da temperatura do solo em três profundidades, sobre diferentes coberturas vegetais em latossolo amarelo muito argiloso do Oeste Paraense. Espaço Científico Canoas. v. 12, n. 1-2 p. 72-78, 2011.
SOUZA, J. R. S. et al. Temperature and moisture profiles in soil beneath forest and pasture areas in eastern Amazonian. In: Amazonian deforestation and climate. New York: John Wiley, 1996. p. 125-137.
STRECK, N. A; SCHNEIDER, F. M.; BURIOL, G. A. Modificações físicas causadas pelo mulching. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 2, p. 131-142, 1994.
VIANELLO, R. L.; ALVES, A.R. Meteorologia básica e aplicações. Viçosa: UFV, 1991.

Downloads

Publicado

2017-12-22

Como Citar

Dantas, D., Barbosa, G. P., Cunha, E. G. S., Souza, M. J. H. de, & Souza, C. M. P. de. (2017). Temperatura do ar e do solo em diferentes profundidades, em Diamantina-MG/ Air temperature and soil in different depths in Diamantina-MG. Caderno De Ciências Agrárias, 9(3), 61–66. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/ccaufmg/article/view/2978

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS