Uma revisita à era de ouro do futebol: quando os títulos do passado têm de ser driblados pelo hegemon do mercado

Main Article Content

Sérgio Montero Souto

Resumo

A decisão da Confederação Brasileira de Futebol de equiparar, em 2011, os títulos da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa/Taça de Prata (1959 a 1970) com os títulos do Campeonato Brasileiro, disputado a partir de 1971, trouxe um novo recorte à memória do futebol brasileiro. Uma contenda que nos remete às reflexões de Michael Pollak sobre o problema da identidade social em situações-limite. Assim, este trabalho não se deteve, centralmente, na releitura da historiografia que levou ao reconhecimento daqueles títulos nem, também, na argumentação dos que, apesar da decisão da CBF, continuam a contestá-los. O foco é outro: a disputa entre valores de “mercado” e da “tradição” no futebol brasileiro, tendo como pano de fundo os esforços de parte do jornalismo esportivo em forjar um novo hegemon a partir dos paradigmas do primeiro, em lugar dos méritos esportivos, geralmente, aceitos pelos sujeitos desse universo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Montero Souto , S. (2020). Uma revisita à era de ouro do futebol: quando os títulos do passado têm de ser driblados pelo hegemon do mercado. FuLiA/UFMG, 4(2), 115–130. https://doi.org/10.17851/2526-4494.4.2.115-130
Seção
DOSSIÊ
Biografia do Autor

Sérgio Montero Souto , Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Professor-Adjunto do Departamento de Jornalismo.

Referências

CUNHA, Odir. Dossiê Unificação dos títulos brasileiros a partir de 1959. São Paulo, 2009.
GASTALDO, Édison. As relações jocosas futebolísticas: futebol, sociabilidade e conflito no Brasil, Mana, v. 16, n. 2, p. 311-325, 2010.
HALBWACHS, Maurice. A memória social. São Paulo: Vértice, 1990.
HERSCHMANN, Michael; PEREIRA, Carlos Alberto M. “Isso não é um filme? Heróis e celebridades do Brasil contemporâneo”. Lugar Comum, NEPCOM-ECO/UFRJ, Rio de Janeiro, maio-ago. 2000.
LE GOFF, Jacques. Memória. In: Enciclopédia Einaudi. Memória-História, v. I. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1984.
MAUSS, Marcel. “As relações jocosas de parentesco”. In: OLIVEIRA, R. C. (org.). Antropologia. São Paulo: Ática, 1983, p. 164-176.
POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, 5 (10), 1992.
POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, 2 (3), 1989.
RIBEIRO, Ana Paula Goulart. A mídia e o lugar da história. In: HERSCHMANN, Michael; PEREIRA, Carlos Alberto M. Mídia, memória e celebridades. E-papers, 2003.
SOUTO, Sérgio Montero. Mercado e tradição: os colunistas esportivos e a construção da identidade da seleção brasileira de futebol na Copa de 2002. Tese (Doutorado em Comunicação), Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009.
SOUTO, Sérgio Montero. E 1987 não acabou – penta ou hexa: diferentes memórias sobre a hegemonia no futebol brasileiro quando o ‘mercado’ entra em campo, 41º Intercom, Joinville, 2018.
REFERÊNCIAS ELETRÔNICAS
AFA: www.afa.gov.ar.
LUDOPÉDIO: https://www.ludopedio.com.br/entrevistas/odir-cunha-parte-2.
OGOL: http://www.ogol.com.br/news.php?id=132883.
PLACAR: https://veja.abril.com.br/placar.