Mulheres e narração de futebol desafios de um ofício

Conteúdo do artigo principal

Leonardo Turchi Pacheco

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir sobre os desafios da inserção de mulheres na narração esportiva (futebol). Para tal foram realizadas entrevistas com 48 jornalistas mulheres de quatro capitais brasileiras para compreender alguns dos motivos que fazem da cabine de transmissão de eventos esportivos um espaço de reserva masculina. Depreende-se dos depoimentos e percepções destas que o campo do jornalismo e da narração esportiva é marcado por desigualdades de gênero, onde a voz feminina é desvalorizada em oposição a voz masculina entendida como naturalmente ideal para desenvolver essa atividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
PACHECO, L. T. Mulheres e narração de futebol: desafios de um ofício. FuLiA/UFMG , Belo Horizonte/MG, Brasil, v. 8, n. 2, p. 61–81, 2023. DOI: 10.35699/2526-4494.2023.45288. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/fulia/article/view/45288. Acesso em: 15 abr. 2024.
Seção
DOSSIÊ
Share |

Referências

ABU-LUGOD, Lila. A escrita dos mundos de mulheres: histórias beduínas. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens Edições, 2022.

ACKER, Joan. From glass ceiling to inequality regimes. Sociologie du Travail, 51, p. 199-217, 2009.

BARNFIELD, Andrew. Soccer, broadcasting, and narrative: on televising a live soccer match. Communication & Sports, v. 1, n. 4, p. 326-341, 2013. Disponível em: sagepub.com. Acesso em: 10 fev. 2023.

BECKER, Howard. Falando da sociedade. In: ______. Falando da sociedade: ensaios sobre as diferentes maneiras de representar o social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009, p. 15-28.

BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1997.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2013.

CAMARGO, Wagner Xavier de. Dimensões de gênero e os múltiplos futebóis no Brasil. In: GIGLIO, Sérgio Settani; PRONI, Marcelo Weishaupt. (Orgs.). O futebol nas ciências humanas no Brasil. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2020, p. 589-604.

CLASSEN, Constance. Engendering perception: gender ideologies and sensory hierarchies in western history. Body & Society, v. 3, n. 2, p. 1-19, 1997.

CONNELL, Raewyn. Gênero em termos reais. São Paulo: nVersos, 2016.

DAMO, Arlei Sander. Do dom a profissão: a formação de futebolistas no Brasil e na França São Paulo: Aderaldo & Rothschild Editores/ANPOCS, 2007.

ELIAS, Norbert. Mozart: sociologia de um gênio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1995.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John. Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

GASTALDO, Édison. “Os campeões do século”: notas sobre a definição da realidade no futebol espetáculo. In: GASTALDO, Édison; GUEDES, Simoni Lahud. (Orgs.). Nações em campo: Copa do Mundo e identidade nacional. Niterói: Intertexto, 2006, p. 15-38.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: ______. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989, p. 13-44.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Mulher esporte no Brasil: fragmentos de uma história generificada. In: SIMÕES, Antônio Carlos; KNIJNIK, Jorge Dorfman (Orgs.). O mundo psicossocial da mulher no esporte: comportamento, gênero, desempenho. São Paulo: Aleph, 2004, p. 359-374.

HARGREAVES, Jennifer. Sporting females: critical issues in the history and sociology of women’s sports. London/New York: Routledge, 1994.

HERZFELD, Michael. Antropologia: prática teórica na cultura e na sociedade. Petrópolis: Vozes, 2014.

KESSLER, Cláudia Samuel. (Org.). Mulheres na área: gênero, diversidade e inserções no futebol. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.

KIESLING, Scott. Men, masculinities, and language. Language and Linguistics Compass, v. 1, Issue 6, p. 653-673, 2007.

KNIJNIK, Jorge Dorfman. (Org.). Gênero e esporte: masculinidades e feminilidades. Rio de Janeiro: APICURI, 2010.

LAKOFF, Robin Tolmach. The language war. Berkeley: University of California Press, 2000.

LE BRETON, David. Antropologia dos sentidos. São Paulo: Vozes, 2016.

MAUSS, Marcel. As técnicas do corpo. In: ______. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003, p. 399-422.

MAZOTTE, Natália; TOSTE, Mônica. (Coords.). Mulheres no jornalismo brasileiro. São Paulo: ABRAJI/Gênero e Número, 2017. Disponível em https://encurtador.com.br/abvEI. Acesso em: 17 jun. 2019.

MCCONNELL-GINET, Sally. Intonation in a man’s world. Signs, v. 3, n. 3, p. 541-559, 1978.

OLIVEIRA, Pedro Paulo de. A construção social da masculinidade. Belo Horizonte/Rio de Janeiro: Editora UFMG/IUPERJ, 2004.

PACHECO, Leonardo Turchi, SILVA, Silvio Ricardo da. Mulheres e jornalismo esportivo: possibilidades e limitações em um campo masculino. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 28, e61002, p. 1-14, 2020.

PACHECO, Leonardo Turchi. A palavra e a voz no futebol: apontamentos sobre mulheres e narração esportiva. In: GIGLIO, Sérgio Settani; PRONI, Marcelo Weishaupt. (Orgs.). O futebol nas ciências humanas no Brasil. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2020, p. 640-651.

SEEGER, Anthony. Etnografia da música. Cadernos de campo, São Paulo, n. 17, p. 237-260, 2008.

SIMÕES, Antônio Carlos; KNIJNIK, Jorge Dorfman. (Orgs.). O mundo psicossocial da mulher no esporte: comportamento, gênero, desempenho. São Paulo: Aleph, 2004.

SPENDER, Dale. Man made language. London: Pandora Press, 1990.

TOLEDO, Luiz Henrique de. Lógicas do futebol. São Paulo: Editora Hucitec/Fapesp, 2002.

VIGOYA, Mara Viveiros. As cores da masculinidade: experiências interseccionais e práticas de poder na Nossa América. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens, 2018.