O que se Aprende sobre Pêndulo Simples em Atividades Investigativas nos Laboratórios Material e Computacional?

  • Silvia Carla Cerqueira Porto Instituto Federal de Educação da Bahia
  • Amanda Amantes Universidade Federal da Bahia (UFBA)
  • Dielson Pereira Hohenfeld
Palavras-chave: Aprendizagem, Atividade investigativa, Laboratório computacional, Laboratório material, Análise quantitativa

Resumo

Relatamos um estudo da aprendizagem de estudantes do ensino médio sobre o conteúdo de Pêndulo Simples quando submetidos a uma intervenção com atividade investigativa em dois tipos de laboratório: computacional e material. A aprendizagem foi avaliada a partir do ganho no entendimento explicitado em dois testes de conhecimento, aplicados a amostras que foram pareadas em relação ao tipo de laboratório. Avaliamos também o tipo de conhecimento que mais evoluiu, tendo-se como parâmetro o caráter conceitual ou procedimental dos itens respondidos. Para efeito de comparação da aprendizagem nos dois tipos de laboratório, utilizamos a proficiência dos sujeitos obtida pela modelagem Rasch, e para comparar a aprendizagem nos domínios conceitual e procedimental utilizamos os índices de dificuldade dos itens obtidos pela mesma modelagem. Nossos resultados indicam que houve maior aprendizagem, em termos de conhecimento formal, no laboratório em ambiente computacional, tendo como parâmetro o conteúdo de Pêndulo Simples, o contexto de aplicação da intervenção e os objetos de aprendizagem que utilizamos. Em termos de domínio de conhecimento, os aspectos procedimentais evoluíram mais, indicando que a atividade investigativa conduzida contemplou em maior escala o entendimento em termos de manipulação dos conceitos para solucionar problemas, o que é razoável se considerarmos o caráter desse tipo de abordagem. Interpretamos os resultados como apontamentos para pensarmos na adequação das estratégias de ensino que utilizamos: é preciso ter clareza do que cada tipo de método proporciona em termos de aprendizagem e suas limitações, para que metodologias de ensino mais eficazes possam ser melhor delineadas e conduzidas.

Referências

Almeida, A., & Sasseron, L. (2013). As Ideias Balizadoras Necessárias ao Professor ao Planejar e Avaliar a Aplicação de uma Sequência de Ensino Investigativo. In IX Congresso Internacional sobre Investigaçión em Didáctica de Las Ciencias, (pp. 1188–1192). Girona.

Alves Filho, J. (2000). Regras da Transposição Didática Aplicadas ao Laboratório Didático. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 17(2), 174–182.

Amantes, A. (2005). O Entendimento de Estudantes do Ensino Médio sobre Sistema de Referência e Movimento Relativo (Dissertação de Mestrado). Belo Horizonte, MG.

Amantes, A. (2009). Contextualização no Ensino de Física: efeitos sobre a evolução do entendimento dos estudantes (Tese de Doutoramento). Belo Horizonte, MG.

Amantes, A., Tavares, M. L., & Vieira, R. D. (2012). Uma Discussão sobre o Qualitativo e o Quantitativo no Ensino de Ciências. Caderno de Resumos do XIV EPEF, 2012.

Amantes, A., Coelho, G., & Marinho, R. (2015). A medida nas Pesquisas em Educação: empregando o modelo Rasch para acessar e avaliar traços latentes. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 17(3), 657–685, 2015.

Araujo, M. S., & Abib, M. L. (2003). Atividades Experimentais no Ensino de Física: diferentes enfoque, diferentes finalidades. Revista Brasileira de Ensino de Física, 25(2 ), 176–194.

Bellucco, A., & Carvalho, A. (2014). Uma Proposta de Sequência de Ensino Investigativa sobre Quantidade de Movimento, sua Conservação e as Leis de Newton. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 31(01), 30–59.

Biggs, J., & Collis, K. (1982). Evaluating the Quality of Learning: the solo taxonomy. New York: Academic Press.

Bond, T. G., & Fox, C. M. (2001). Applying the Rasch Model: Fundamental Measurement in the Human Sciences. Mahwah, N.J.: Erlbaum.

Borges, A. T. (2002). Novos Rumos para o Laboratório Escolar de Ciências. Caderno Catarinense de Física, 19(3), 291–313.

Capecchi, M. C., & Carvalho, A. M. P. (2000). Argumentação em uma aula de conhecimento físico com crianças na faixa de oito a dez anos. Investigações em Ensino de Ciências, 5(3), 171–189.

Carmo, A. B. (2012). Ensinando Quantidade de Movimento: como conciliar o tempo restrito com as atividades de ensino investigativas na sala de aula? Ciência em tela, 1–9.

Carvalho, A. M. P. (2004). Critérios Estruturantes para o Ensino das Ciências. In: Carvalho, A. M. P. (Org.). Ensino de Ciências: Unindo a Pesquisa e a Prática (pp. 01–17). São Paulo: Pioneira, Thomson Learning.

Carvalho, A. M. P. (2013). O ensino de Ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In Carvalho, A. M. P. (org.) Ensino de Ciências por investigação – Condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning.

Case, R. (1993). Theories of Lerning and Theories of Development. Educational Psychologist, 28 (3), 219–233. Copyright 1993, Lawrence Associates.

Chisnall, P. (1973). Marketing Research: Analysis and Measurement. McGraw-Hill.

Coalition for Evidence-Based Policy (2003). Identifying and Implementing Educational Practices Supported by Rigorous Evidence: A User Friendly Guide.

Coelho, G. (2011). A evolução do Entendimento dos Estudantes em Eletricidade: um estudo longitudinal (Tese de Doutoramento). Belo Horizonte, MG.

Commons, M. L. (2008). Introduction to the Model of Hierarchical Complexity and its Relationship to Postformal Action. World Futures, 64, 305–320. Copyrigh 2008, Taylor & Francis Group, LLC ISSN 0260-4027 print / 1556-1844.

Ferreira, P. M. (2009). Habilidades Investigativa no Ensino Fundamentado em Modelagem (Tese de Doutoramento). Belo Horizonte, Minas Gerais, Sudeste: UFMG.

Fischer, K. W. (1980). A Theory of Cognitive Development: the Control and Construction of Hierarchies of Skills. Psychological Review, 87, p. 477–531.

Fischer, K. W. (2008). Dynamic cycles of Cognitive and Brain development. In Battro, A. M., Fischer, K. W. (Ed.). The Educated Brain. Cambridge, U.K. Cambridge University Press, 2008.

Fredricks, J. A., Blumenfeld, P. C., & Paris, A. H. (2004). School Engagement: Potential of the Concept, State of the Evidence. Review of Educational Research, 74(1), pp. 59–109.

Giordan, M. (1999). O Papel da Experimentação no Ensino de Ciências. Química Nova na Escola, 10, 43–49, São Paulo.

Golafshani, N. (2003). Understanding reliability and validity in qualitative research. The Qualitative Report, Canadá, 8(4), 597–607.

Gomes, A., Borges, A., & Justi, R. (2008). Processos e Conhecimentos Envolvidos na Realização de Atividades Práticas: revisão da literatura e implicações para a pesquisa. (Processes and forms of knowledge involved in practical activities: a review of the literature and implications for research). Investigações em Ensino de Ciências 13(2), p. 187–207.

Guttman, L. (1944). A Basis for Scaling Qualitative Data. n. 9, p. 139–150. American Sociological Review.

Heidemann, J. C., Andrade, L. R. B., Stähelin, D., Prezzi, H. A., Valentini, G., & Bertoldo J. G. et al. (2010). Variabilidade em Acessos do Banco Ativo de Germoplasma de feijão do CaV/UDESC. In Congresso de Iniciação Científica de Pós-Graduação, Florianópolis. Anais eletrônicos. Florianópolis: UNDESC, 2010.

Hestenes, D., & Halloun, I. (1995). Interpreting the force concept inventory: A response to March 1995 critique by Huffman and Heller, Phys. Teach. 33, 502, 1995.

Hohenfeld, D. (2013). A Natureza Quântica da Luz nos Laboratórios Didáticos Convencionais e Computacionais no Ensino Médio (Tese de Doutoramento). Salvador, Bahia, Brasil.

Jaakkola, T., & Nurmi, S. (2008). Fostering elementary school students understanding of simple electricity by combining simulation and laboratory activities. Journal of Computer Assisted Learning, 24(4), p. 271–283. 2008.

Kincheloe, J. (2001). Describing the bricolage: Conceptualizing a new rigor in qualitative research. Qualitative Inquiry, 7(6), 679–692, 2001.

Laburú, C. E., Arruda, S. M., & Nardi, R. (2003). Por um Pluralismo Metodológico para o Ensino de Ciências. Ciência e Educação (UNESP), 9(2), p. 247–260, 2003, São Paulo.

Lévy, P. (1993). As tecnologias da Inteligência. Tradução de Carlos Irineu da Costa. – Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

Lima, S. C., & Takahashi, E. K. (2013). Construção de conceitos de eletricidade nos anos iniciais do ensino fundamental com uso de experimentação virtual. Revista Brasileira de Ensino de Física, 35(2), 2013.

Linacre, J. M., & Wright, B. D. (1991). WINSTEPS - Rasch-Model computer programs. Chicago: MESA Press.

Linacre, J. M. (2014). A user’s guide to WINSTEPS and ministep Rasch model computer programs: Program manual 3.81. Chicago: Winsteps.

Medeiros, A., & Medeiros, C. F. (2002). Possibilidades e Limitações das Simulações Computacionais no Ensino da Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, 24(2), p. 77–86.

Millar, R. (2010). Analysing Pratical Science Activities to Assess and Improve their Effectiveness.

Muller, M. G., Araujo, I. S., Veit, E. A., & Schell, J. (2017). Uma revisão da literatura acerca da implementação da metodologia interativa de ensino Peer Instruction (1991 a 2015). Revista Brasileira de Ensino Física. São Paulo, 39(3), e3403. Epub Mar 13, 2017. http://doi.org/10.1590/1806-9126-rbef-2017-0012

Oliveira, J. (2010). Contribuições e Abordagens das Atividades Experimentais no Ensino de Ciências: reunindo elementos para a prática docente. 12(1) jan/jun. Acta Scientiae, p. 139–153.

Parasuraman, A. (1991). Marketing Research. New York: Addison-Wesley Publishing Co.

Pereira, M. V., & Moreira, M. C. A. (2017). Atividades prático-experimentais no ensino de física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 34(1).

Pedrajas, A. P. (2017). El uso de Simulationes Interactivas para Comprender el Modelo de Corriente Elétrica. X Congresso International sobre Investigación em Didáctica de las Ciencias. Sevilla 5–8 de septiembre de 2017 ISSN (DIGITAL): 2174–6486.

Piaget, J. (1976). A equilibração das Estruturas Cognitivas. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

Rasch, H. (1964). Z. ärztL Fortbild. (Lena), 58, 335.

Regebe, F. A., & Amantes, A. (2013). Habilidades X Entendimento de Conceitos Abstratos Relacionados ao Raciocínio Lógico: uma análise preliminar. In IX Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, 2013, Águas de Lindóia. Anais do IX EPEF, 2013.

Sasseron, L. H., & Carvalho, A. M. (2011). Uma Análise dos Referenciais Teóricos sobre a Estrutura do Argumento para Estudos de Argumentação no Ensino de Ciências. Uma análise dos referenciais teóricos sobre a estrutura do Ensaio. Pesquisa em Educação em Ciências, 13(3), p. 243–262.

Shaffer, D. W., Serlin, R. C. (2004). What Good are Statistics That don’t Generalize? Educational Researcher, University of Wisconsin, Madison, 9(33), p. 14–25, Dec. 2004.

Snetinová, M., Kácovský, P., & Machalická, J. (2018). Hands-On Experiments in the Interactive Physics Laboratory: Students' Intrinsic Motivation and Understanding. Center for Educational Policy Studies Journal, 8(1), p. 55–75.

Suart, R., & Marcondes, M. (2009). A Manifestação de Habilidades Cognitivas em Atividades Experimentais Investigativas no Ensino Médio de Química. Ciência & Cognição, p. 50–74.

Tamir, P. (1991). Pratical work at school: na analysis of current pratice. In: B. Woolnough (Ed). Pratical Science. Milton Keynes: Open University Press.

Vasconcelos, F. H. L., Carvalho, R. O., Romeu, M. C., & Neto, H. B. (2005). A Utilização de Software Educativo Aplicado ao Ensino de Física com o Uso da Modelagem. XVI Simpósio Nacional de Ensino de Física, 2005.

Velasco, J. J., & Buteler, L. M. (2017). Simulaciones Computacionales em la Enseñanza de la Física: uma revisión crítica de los últimos años. Ensenanza de Las Ciencias. ISSN: 0212-4521, 2017.

Vieira, R. D. (2001). Discurso em salas de aula de ciências: Uma estrutura de análise baseada na teoria da atividade, sociolinguística e linguística textual (Tese de Doutoramento). Faculdade de Educação, UFMG, 2011.

Wright, B. D. (1998). Where do dimensions come from? Popular Measurement, University of Chicago-USA, (1)1, p. 32, 1998.

Zabala, A. (1998). A Prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ArtMed.

Zômpero, A. F., Passos, A. Q., & Carvalho, L. M. (2012). A Docência e as Atividades de Experimentação no Ensino de Ciências nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. Experiências em Ensino de Física, 7(1), p. 43–54.

Publicado
2020-01-06
Como Citar
Cerqueira Porto, S. C., Amantes, A., & Hohenfeld, D. P. (2020). O que se Aprende sobre Pêndulo Simples em Atividades Investigativas nos Laboratórios Material e Computacional?. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 19, 825-858. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u825858
Seção
Artigos