Vozes Griôs no Ensino de Química: Uma Proposta de Diálogo Intercultural

Palavras-chave: ensino de química, quilombo, saberes tradicionais

Resumo

Este artigo se configura como uma pesquisa participante, portanto, uma pesquisa pensada para transformação social na qual pesquisador e comunidade intervém juntos em uma demanda da própria comunidade. Cabe salientar que um dos pesquisadores é quilombola. Assim, objetivou-se discutir a seguinte questão: como saberes e fazeres tradicionais de matriz africana dialogam com o ensino de química? Para responder essa questão desenvolvemos um trabalho em comunidades quilombolas (kalungas) do Estado de Goiás, primeiro, ouvindo e aprendendo sobre conhecimentos tradicionais mobilizados pelos Griôs, bem como sobre suas demandas e, em seguida, planejando intervenções pedagógicas intentando estabelecer um diálogo entre esses saberes e a ciência escolar (química). Nossos resultados mostraram ser possível concatenar saberes tradicionais e o conhecimento químico, possibilitando a valorização da ciência de matriz africana culminando na proposição de uma sequência didática e reflexões acerca da mesma que podem orientar a prática docente, especialmente no âmbito da Educação Escolar Quilombola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marciano Alves dos Santos, Universidade Federal de Goiás

Licenciado e Mestre em Química pela Universidade Federal de Goiás  em Goiania- GO. É o primeiro quilombola Mestre em Química da UFG.

Marysson Camargo, Universidade Federal de Goiás

Doutorando em Química e bolsista Capes no Programa de Pós-Graduação em Química do Instituto de Química da Universidade Federal de Goiás. Mestre em Química pelo mesmo programa com dissertação defendida na área de Ensino de Química. Licenciado em Química pela Universidade Federal de Goiás onde foi aluno de iniciação científica PIBIC no Laboratório de Pesquisas em Educação Química e Inclusão. Participou do Programa Institucional de Iniciação à Docência (PIBID) no subprojeto Química da UFG-Campus Samambaia entre 2014 e 2015. Pesquisador em Educação em Ciências com foco no Ensino de Química, mais especificamente na Educação para as Relações Étnico-Raciais e a operacionalização da Lei 10639/03 (História e Cultura Africana e Afro-brasileira) no Ensino de Ciências/Química.

Anna M. Canavarro Benite, Laboratório de Pesquisas em Educação Química e Inclusão- LPEQI

Doutora em Ciências pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005), Mestrado em Ciências (Química Inorgânica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001), Licenciatura em Química e Graduação em Química Habilitação Tecnológica pela pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998). Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal de Goiás.Coordenadora do Laboratório de Pesquisas em Educação Química e Inclusão- LPEQI da UFG.Coordenadora da Rede Goiana Interdisciplinar de Pesquisas em Educação Inclusiva-l RPEI. Membro da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros e da Associação Brasileira de Pesquisa em Ensino de Ciências.Assessora da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Goiás. Atua na área de Ensino de Química com foco nos seguintes temas: cultura e história africana no ensino de ciências, ensino de ciências de matriz africana, ensino de ciências e as necessidades educativas especiais, cibercultura na educação inclusiva e pesquisa em formação inicial e continuada de professores de química.

Referências

Almeida, M. C. X. (2010). Complexidade, saberes científicos, saberes da tradição. Editora Livraria da Física.

Almeida, E. S., & Miranda, C. A. S. (2015). História oral, comunidade quilombola e preservação da saúde: Narrativas e rememoração. Anais do X Encontro Regional de História Oral, Salvador.

Bastos, S. N. D. (2013). Etnociências na sala de aula: uma possibilidade para aprendizagem significativa. In Anais do II Congresso nacional de educação e II Seminário Internacional de representações sociais, subjetividade e educação. PUC.

Balieiro, F. F. (2012). Diferenças, sociedade e escola. In Silvério, V. R., Mattioli, E. A. K., & Madeira, T. F. L. (orgs.). Relações étnico-raciais: um percurso para educadores. EdUFSCar.

Bernardino-Costa, J. (2018). Decolonialidade, Atlântico Negro e intelectuais negros brasileiros: Em busca de um diálogo horizontal. Revista Sociedade e Estado, 33(1), p. 119–137.

Choe, W. (2009). Com a palavra os Mestres Griôs. (Trabalho de conclusão de curso de pós-graduação). Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Cunha Jr., H. (2010). Tecnologia africana na formação brasileira. Revista CEAP.

Cunha, M. C. (2007). Relações e dissensões entre saberes tradicionais e saber científico. In M. C. Cunha, (Ed.), Cultura com aspas e outros ensaios (pp. 301–310). Cosac Naify.

Cunha, M. C. (2010). Saberes tradicionais e saber científico. In E. N. Corrêa, Relatório de participação no seminário: Saberes tradicionais e saber científico. FAFICH/UFMG.

Cunha, M. C. (2012). Questões suscitadas pelo conhecimento tradicional. Revista de Antropologia, 55(1), 439–464.

Delizoicov, D. (1983). Ensino de física e a concepção freiriana de educação. Revista de Ensino de Física, 5(2), p. 85–98.

Demo, P. (2008). Pesquisa Participante: Saber pensar e intervir juntos. 2. ed. Liber.

Fatunmbi, A. F. (2014). Ori: The Ifa Concept of Consciousness. Volume 4 (The Metaphysical Foundations of Ifa). Books2Anywhere.

Fellows, P. (2006). Tecnologia do processamento de alimentos: Princípios e prática. 2ª.ed. Artmed.

Fiabani, A. (2015). Tradição africana e os saberes no currículo das escolas quilombolas. África (s) - Revista do Programa de Pós-Graduação em Estudos Africanos, Povos Indígenas e Culturas Negras, 2(3), 72–88.

Francisco Júnior, W. E. (2010). Analogias e situações problematizadoras em aulas de ciências. Pedro & Joao Editores.

Franzão, J. M. (2017). Comunidades Kalunga e Jardim Cascata: realidades, perspectivas e desafios para o ensino de Química no contexto da educação escolar Quilombola. (Tese de Doutorado em Química). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido. 43ª ed. Paz e Terra.

Gomes, N. L. (2012). Relações Étnico Raciais, Educação e Descolonização de Currículos. Currículo sem Fronteiras, 12(1), p. 98–109.

Haerter, L., Nunes, G. H. L., & Cunha, D. T. R. (2013). Refletindo acerca da contribuição da cultura quilombola aos currículos da educação básica brasileira, através da presença da história da África e Afro-Brasileira. Identidade! (Online), 18(3), 267–278.

Heritage, J., & Atkinson, M. (1984). Introduction. In M. Atkinson, & J. Heritage, Structures of Social Action. Cambridge University Press.

Isenmann, A. F. (2012). Operações unitárias na indústria química, 2ª Ed. Edição do Autor.

Japiassú, H. (1994). A questão da interdisciplinaridade. http://smeduquedecaxias.rj.gov.br/nead/Biblioteca/Forma%C3%A7%C3%A3o%20Continuada/Artigos%20Diversos/interdisciplinaridade-japiassu.pdf

Kundlatsch, A., & Silva, C. S. (2017). Articulando Ciência e Cultura Indígena na escola: análise de uma oficina temática a partir da perspectiva multicultural. In Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, XI ENPEC. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Le Boterf, G. (1984). Pesquisa Participante: Propostas e Reflexões Metodológicas. In C. R. Brandão, (Org.). Repensando a Pesquisa Participante. Ed. Brasiliense.

Lopes, A. C. (2007). Currículo e epistemologia. Ed. Unijuí.

Marcuschi, L. A. (1986). Análise da Conversação. Ática.

Maciel, L. M. (2012). As quebradeiras de coco babaçu e o mercado: Dilema entre a proteção dos conhecimentos tradicionais e a sujeição jurídica. (Dissertação de Mestrado Direito Ambiental). Universidade do Estado do Amazonas, Manaus.

Menegolla, M., & Sant’anna, I. M. (2003). Por que planejar? Como planejar? Currículo-Área-Aula. 13. ed. Vozes.

Minayo, M. C. (1996). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Ed. Vozes.

Moura, G. (2005). O direito à diferença. In M. Kabengele (Ed.), Superando o Racismo na Escola, (pp. 69–82). Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade.

Nunes, G. H. L. (2014). Educação Escolar Quilombola e Lei 10.639/03: Cartografias territoriais e curriculares. Identidade, 19(1), 89–99.

Oliveira, E. (2009). Epistemologia da Ancestralidade. Entrelugares: Revista de Sociopoética e Abordagens, Afins, 1, p. 1–10.

Oliveira, C., Moura, S. P., & Sousa, E. R. (2015). TIC’S na educação: A utilização das tecnologias da informação e comunicação na aprendizagem do aluno. Pedagogia em ação, 7(1), 75–95.

Pacheco, L. (2006). Pedagogia griô: A reinvenção da roda da vida. Grãos de Luz e Griô.

Paiva, A. S. (2014). Conhecimentos tradicionais e ensino de biologia: Desenvolvimento colaborativo de uma sequência didática sobre reprodução vegetal. (Dissertação de Mestrado em Educação). Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Pantoja, M. C. (2014). “Conhecimentos Tradicionais”: Uma Discussão Conceitual. In Anais do VIII Simpósio Linguagens e Identidades da/na Amazônia Sul-Ocidental e do VII Colóquio Internacional “As Amazônias, as Áfricas e as Áfricas na Pan-Amazônia”, Universidade Federal do Acre, Rio Branco, 2014.

Paraná. (2019). Departamento de Direitos Humanos e Cidadania – DEDIHC. Povos e Comunidades tradicionais. Curitiba: Secretaria da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos.

Perrelli, M. A. S. (2008). “Conhecimento Tradicional” e Currículo Multicultural: Notas com base em uma experiência com estudantes indígenas Kaiowá/Guarani. Ciência & Educação, 14(3), 381–96. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-73132008000300002

Quijano, A. (2010). Colonialidade do poder e classificação social. In B. Santos, & M. P. Meneses, (orgs.). Epistemologias do Sul. Margarida Gomes (trad.). Cortez Editora, 2010, p. 84–130.

Regiani, A. M. (2014). Conhecimento Tradicional e Química: Possíveis aproximações. Editora CRV.

Regiani, A. M., & Di Deus, E. (2013). A cultura na Química e a Química da cultura: contextualizando o Ensino de Ciências na amazônia acreana. In IX Congreso Internacional sobre Investigación en Didáctica de las Ciencias, 9. Girona. Atas ... Enseñanza de las Ciencias: Gerona.

Santana, P. M. (2015). Modos de ser criança no quilombo Mato do Tição. (Tese de Doutorado em Educação, Conhecimento e Inclusão Social). Faculdade de Educação da UFMG, Jaboticatubas.

Santos, B. S. (2002). Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, 63, 237–280.

Santos, B. S. (2008). Um discurso sobre as ciências. 5. ed. Cortez Editora.

Santos, M. A., Camargo, M. J. R., & Benite, A. M. C. (2020). Quente e frio: Sobre a Educação Escolar Quilombola e o Ensino de Química. Química Nova na Escola, no prelo.

Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial — SEPPIR / Secretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais (2013). I Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana. http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/plano_nacional_desen_sustentavel_povos_comunidades_trad_matriz_africana.pdf

Silva, C. S. (2013). Do Griô ao Vovô: o contador de histórias tradicional africano e suas representações na literatura infantil. Nau Literária. https://seer.ufrgs.br/NauLiteraria/article/view/43352/27859

Silva, D. V. C. (2009). A educação das relações étnico-raciais no ensino de Ciências: Diálogos possíveis entre Brasil e Estados Unidos. (Tese de Doutorado em Educação). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Silva, T. T. (2005). Documentos de Identidade: Uma introdução às teorias do currículo. Autêntica.

Silva, T. T. (2012). Currículo e identidade social: territórios contestados. In Silva, T. T. Alienígenas em sala de aula: Uma introdução aos estudos culturais em educação. 10ª edição, p. 185–201. Vozes.

Publicado
2020-09-08
Como Citar
Santos, M. A. dos, Camargo, M. J. R. C., & Benite, A. M. C. (2020). Vozes Griôs no Ensino de Química: Uma Proposta de Diálogo Intercultural. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 20(u), 919-947. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2020u919947
Seção
Artigos