Fundamentos Teóricos e Metodológicos do Ensino por Investigação

  • Anna Maria Pessoa de Carvalho

Resumo

Nas últimas décadas, orientamos no Laboratório de Pesquisa e Ensino de Física da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (LAPEF) um conjunto de pesquisas sobre ensino, aprendizagem e formação de professores, tendo por base as atividades investigativas das Sequências de Ensino Investigativo (SEI), nos níveis Fundamental I e Médio. Isso resultou na constituição de um programa de pesquisa sobre ensino investigativo, cujos principais elementos são sintetizados neste artigo. Tal síntese enfatiza os resultados de nossas investigações, destacando muitos dos conhecimentos que temos produzido ao longo das últimas décadas. A partir daí, identificamos um dos problemas mais relevantes que nos desafiam atualmente: quando os professores aplicam nossas sequências de ensino investigativos, por que encontramos, com muito mais frequência, maior liberdade intelectual e construção do conhecimento científico pelos alunos nas aulas de Ciências do Fundamental I do que nas aulas de Física do curso médio? Considerando os conhecimentos e experiências desenvolvidos e vivenciados no LAPEF, levantamos algumas hipóteses sobre tal problema, esperando que futuras investigações sobre as mesmas – ou outras a elas relacionadas – possam contribuir para prosseguir nosso programa de pesquisa.

Referências

Abrahão, T. C. (2004). A formação de professores de ciências para o ensino fundamental. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Afonso, A. M. (2011). Alfabetização Científica dos alunos e as ações do professor que corroboram com este processo. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Almeida, A. G. F. (2014). As ideias balizadoras necessárias para o professor planejar e avaliar a aplicação de uma Sequência de Ensino Investigativa. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Barrelo Junior, N. (2010). Argumentação no discurso oral e escrito de alunos do ensino médio em uma sequência didática de Física Moderna. (Dissertação de Mestrado em Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Barrelo Junior, N. (2015). Promovendo a argumentação em sala de aula de física moderna e contemporânea: uma sequência de ensino investigativa e as interações professor-alunos. (Tese de Doutorado em Ensino de Física), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bastos, A. P. S. (2017). Potenciais Problemas Significadores em aulas investigativas: contribuições da perspectiva histórico-cultural. (Tese de Doutorado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bellucco, A. C., & Carvalho, A. M. P. (2014). Uma proposta de sequência de ensino investigativa sobre quantidade de movimento, sua conservação e as leis de Newton. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 31, 30–59.

Bellucco, A. C. (2015) Argumentação matemática em aulas investigativas de física. (Tese de Doutorado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Borges, A. T. (2004). Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 21(Especial), 9–30.

Briccia, V., & Carvalho, A. M. P. (2016). Competência e Formação Docente dos Anos Iniciais para Educação Científica. Ensaio: Pesquisa e Educação em Ciências, 18(1), 1–22.

Capecchi, M. C. M. (2004). Aspectos da Cultura Científica em Atividades de Experimentação nas Aulas de Física. (Tese de Doutorado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Carmo, A. B. (2006). Contemplando a cultura científica na sala de aula: um olhar sobre os alunos. (Dissertação de Mestrado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Carvalho, A. M. P. (2010). As condições de diálogo entre professor e formador para um ensino que promova a enculturação científica dos alunos. In A. Dalben, J. Diniz, L. Leal, L. Santos (Org.).
Convergência e Tensões no Campo do Trabalho Docente, (pp. 281–300). Belo Horizonte: Autêntica

Carvalho, A. M. P. (2013) Ensino de Ciências por Investigação: Condições de implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning.

Carvalho, A. M. P., Barros, M. A., Gonçalves, M. E. R., Rey, R. C., & Vannucchi, A I. (1998). Conhecimento Físico no Ensino Fundamental. São Paulo: Scipione. Recuperado de www.lapef.fe.uso.br.)

Carvalho, A. M. P., & Gil-Pérez, D. (1993). Formação de Professores de Ciências. São Paulo: Cortez.

Carvalho, A. M. P., Oliveira, C., Sasseron. L. H., Sedano L., & Batistoni M. (2011) Investigar e Aprender Ciências, 5 volumes, São Paulo: Editora Sarandi.

Carvalho, A. M. P., Ricardo, E. C., Sasseron, L. H., Abib, M. L. V. S., & Pietrocola, M. (2010) Ensino de Física. São Paulo; Cengage Learning.

Carvalho, A M. P, Santos, E. I., Azevedo, M. C. P. S., Date, M. P. S., Fujii, S. R. S., & Nascimento, V. B. (1999). Termodinâmica: um ensino por investigação. São Paulo: Editora da USP.

Carvalho, A. M. P., Santos E. I., Azevedo M. C. P. S., Date, M. P. S., Fujii, S. R. S., & Briccia, V. (2014). Calor e temperatura: um ensino por investigação. São Paulo: Editora da Física.

Castro, R. S. (1993). História e Epistemologia da Ciência: Investigando suas Contribuições num Curso de Física de Segundo Grau. (Dissertação de Mestrado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Cilurzo, A. B. (2002). Parceria Universidade Escola: da retórica à realidade: uma escuta na sua conversa. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Couto, F. P., & Aguiar Junior, O. (2009). Sustentando o Interesse e Engajamento dos Estudantes: Análise do Discurso em Atividade Demonstrativa de Física. Trabalho apresentado no VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis.

Drive, R., Newton, P., & Osborne, J. (1999). The place of argumentation in the pedagogy of school science. International Journal of Science Education, 21(5), 556–576.

Driver, R., Guesne, E., & Tiberghien, A. (1985). Children’s ideas in science. Milton Keynes: Open University Press. Tradução de P. Manzano, 1989 Ideas científicas en la infancia y la adolescencia. Madrid: Morata/MEC.

Freiberg, H. L. (2015). Elementos Catalisadores para a promoção da Negociação de Sentidos. (Dissertação de Mestrado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Gonçalves, M. E. R. (1997). As atividades de conhecimento físico na formação do professor das séries iniciais. (Tese de Doutorado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Gonçalves, M. E. R. (1991). O Conhecimento Físico nas Primeiras Séries do Primeiro Grau. (Dissertação de Mestrado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Inhelder, B. Y., & Piaget, J. (1976). Da Lógica da Criança à Lógica do Adolescente. Tradução de Dante Moreira Leite. São Paulo: Pioneira.

Jiménez-Aleixandre, M. P., (2005). A argumentação sobre questões sociocientíficas: processos de construção e justificação do conhecimento na aula. Trabalho apresentado no V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Bauru.

Jiménez-Aleixandre M. P., & Crujeiras, B. (2017). Epistemic Practices and Scientific Practices in Sciences Education. In K. S. Taber, and B. Akpan. Science Education: An International Course Companion (pp.69–80). Switzerland: Springer Nature.

Kelly, G. J. (2008). Inquiry, activity and epistemic practice. In R. A. Duschl, & R. E. Grandy. Teaching Scientific Inquiry: Recommendations for research and implementation. (pp. 288–291). Rotterdam: Sense Publishers.

Latour B., & Woolgar, S. (1997). A vida de laboratório: a produção de fatos científicos. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Lawson, A. E. (2001). Using the learning cycle to teach biology concepts and reasoning patterns. Journal of Biology Education, 35(4), 165–169.

Lawson, A. E. (2000a). How do humans acquire knowledge? And what does that imply about the nature of knowledge? Science & Education, 9(6), 577–598.

Lawson, A. E. (2000b). The generality of hypothetic-deductive reasoning: Making scientific reasoning explicit. The American Biology Teacher, 62(7), 482–495.

Lemke, J. (1998a). Multiplying meaning: visual and verbal semiotics in scientific text. In J. Martin, and R. Veel (Eds.), Reading Science. London: Routledge.

Lemke, J. (1998b). Teaching all the languages of Science: words, symbols, images and actions. Available at http:http://academic.brooklyn.cuny.edu/education/jlemke/sci-ed.htm
Lemke, J. (2000). Multimedia literacy demands of the scientific curriculum. Linguistics and Education, 10(3), 247–271.

Locatelli, R. J. (2006). O raciocínio hipotético preditivo e o pensamento proporcional no ensino de Ciências. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Lopes, E. DE S. (2013). E o Elétron? É Onda ou é Partícula? - Uma proposta para promover a ocorrência da alfabetização científica de física moderna e contemporânea em estudantes do ensino médio. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Magie, W. F. (1935). Source Book in Physics. New York: McGraw-Hill.

Matthews, M. R. (1991). Un lugar para la histoira y la filosofia en la enseñaza de las ciencias. Comunication, Lenguaje y Educación, 11(12), 141–155.

Nascimento, V. B. (2003). Visões de Ciências e Ensino por Investigação. (Dissertação de Mestrado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Nascimento, V. B. (2012). Competências docentes em um projeto de inovação para a educação científica. (Tese de Doutorado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Oliveira, C. M. A. (2003). Escrevendo em aulas de ciências. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Padilha, J. N. (2008). O uso das palavras e gestos durante a construção dos conceitos de sombra e reflexão nas aulas de conhecimento Físico. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Paiva, J. R. (2015). Múltiplas representações na construção do conhecimento científico escolar. (Tese de Doutorado em Ensino de Ciências), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Pella, M. O. (1969). The Laboratory and Science Teaching. In H. O. Andersen. Reading in Science Education for the Secondary School. London: MacMillan.

Piaget, J. (1978). Fazer e compreender. São Paulo: Melhoramentos/Edusp.

Piaget, J., & Garcia R. (1984). Psicogênesis e história de la ciencia. 2. ed. Cidade do México: Siglo Veintiuno Editores.

Piaget, J. (1977). A tomada de consciência. São Paulo: Melhoramentos/Edusp.

Rey, R. C. (2000). Um Estudo da Causalidade Física em Atividades de Ensino, (Dissertação de Mestrado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Richardson, R. J. (2009). Pesquisa Social: Métodos e técnicas. 3ª ed. São Paulo: Atlas.

Rodrigues, M. I. R. (2001). Professores Pesquisadores: Reflexão e a Mudança Metodológica no Ensino da Termodinâmica. (Dissertação de Mestrado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Roth, W. M., & Lawless, D. (2002). Science, Cultura, and Emergence of Language. Science & Education, 86(30), 368–385.

Saca, L. Y. (2017). Discurso e Aspectos Epistêmicos: Análise de aulas de Ensino por Investigação. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Sasseron, L. H. (2005). Em busca de influências culturais na investigação e na explicação de atividades de Conhecimento Físico por alunos indígenas. (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Sasseron, L. H. (2008). Alfabetização científica no ensino fundamental: estrutura e indicadores deste processo em sala de aula. (Tese de Doutorado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Sasseron, L. H., Nascimento, V. B., & Carvalho, A. M. P. (2009). O uso de textos históricos visando a Alfabetização Científica. In M. H. R. Beltran, F. Saito, R. N. Santos, & W. Wrou. História da Ciência e Ensino: Propostas, tendências e construção de interfaces. São Paulo: Ed Livraria da Física.

Sasseron, L. H., & Carvalho, A. M. P. (2008). Almejando a Alfabetização Científica no Ensino Fundamental: A proposição e a procura de indicadores do processo. Investigações em Ensino de Ciências, 13(3), 333–352.

Sedano, L. (2010). Compreensão Leitora nas Aulas de Ciências. (Tese de Doutorado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Sedano, L. S. (2005). Ensino de Ciências e Formação da Autonomia Moral. (Dissertação de Mestrado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Tinoco, S. C. (2000). A Mudança nas Concepções dos Professores sobre Aprendizagem de Ciências. (Dissertação de Mestrado em Educação) Universidade de São Paulo, São Paulo.

Yin, R. K. (2010). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 4ª Edição. Porto Alegre: Bookman.
Publicado
2018-12-15
Como Citar
Carvalho, A. M. (2018). Fundamentos Teóricos e Metodológicos do Ensino por Investigação. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 18(3), 765-794. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018183765