A Mediação Pedagógica de uma Licencianda em Ciências Biológicas em uma Aula Investigativa de Ciências Envolvendo Conceitos Físicos

Palavras-chave: formação do professor de Ciências, ação mediada, ensino por investigação, enculturação científica, ensino de conceitos físicos

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo analisar a mediação pedagógica realizada por uma graduanda em Ciências Biológicas durante uma aula de Ciências baseada no ensino por investigação que envolveu conceitos científicos de Física. A pesquisa, de cunho qualitativo e do tipo intervenção, utilizou como fonte de dados as interações discursivas entre professora e estudantes em uma turma de sexto ano do ensino fundamental de uma escola da rede municipal de Vitória, no Espírito Santo, coletadas através de registros de áudio. A análise da mediação realizada pela licencianda apoiou-se na teoria da ação mediada de Wertsch, enquanto o processo de enculturação foi investigado sob a luz da matriz sociocultural. Os resultados ajudam a entender a intrínseca relação entre a mediação intencional e organizada e a promoção de um ambiente investigativo, rico em trocas verbais, as quais contribuíram com o processo de enculturação dos estudantes.

Biografia do Autor

Leandro da Silva Barcellos, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Possui Licenciatura Plena em Física (2014) e Mestrado Profissional em Ensino de Física (2017), ambos pela Universidade Federal do Espírito Santo. Atualmente é professor substituto da Universidade Federal do Espírito Santo. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino de Ciências por Investigação; Enfoque Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS); Formação inicial e continuada de Professores de Ciências; e Desenvolvimento e uso de Jogos na educação.

Suiany Vitorino Gervásio, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
Mestranda em Biologia Vegetal pela Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal. Graduada em Ciências Biológicas na Universidade Federal do Espírito Santo. Realizou Iniciação Científica (PIBIC/UFES) e estágio voluntário no Laboratório de Genética de Plantas e Toxicológica. Atuou como membro da equipe coordenadora de uma das salas da Mostra de Física e Astronomia da UFES.
Mirian do Amaral Jonis Silva, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestre e doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professora Associada do Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo, lecionando nos cursos de Ciências Biológicas e Pedagogia. Integra o corpo docente do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física (PPGEnFis) e do Mestrado Profissional em Educação em Ciências e Matemática (EDUCIMAT) do Instituto Federal do Espírito Santo desenvolvendo pesquisas relacionadas à formação inicial e continuada de professores, com ênfase no ensino de Ciências e Biologia para a Educação Básica. Desenvolveu projeto de pós-doutoramento no Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Integra a equipe de coordenação do Programa de Licenciaturas Internacionais (PLI) UFES / Universidade de Lisboa.

Geide Rosa Coelho, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Graduado em Física Licenciatura pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001), Mestre em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2007) e Doutor em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2011). Atualmente é professor da área de ensino de Física no Centro de Educação da Universidade Federal do Espírito Santo (2010) atuando no curso presencial e na modalidade a distância e professor dos Programas de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Física (PPGEnFis) da UFES. Desde 2014 é coordenador Adjunto do PPGEnFis-UFES. Foi professor de educação básica de nível médio - Secretaria Estadual da Educação de Minas Gerais (de 2001 até 2010). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Física, atuando principalmente nos seguintes temas : Formação inicial e continuada de Professores de Ciências, Ensino por investigação e formação de professores, práticas docentes estabelecidas no contexto escolar e não escolar, Estratégias de Ensino e aprendizagem de conceitos científicos.

 

Referências

Aikenhead, G. (2009). Educação Científica para todos. Lisboa: Edições Pedagogo.

Aguiar Júnior, O. G., & Lima, M. E. C. C. (1999). Professores de Ciências, a Física e a Química no Ensino Fundamental. In II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 1999, Valinhos, SP. Anais do II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (cdrom). 1, (p. 1–15).

Azevedo, M. C. P. S. (2004). Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In Carvalho, A. M. P. (Org.), Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática (pp.19–33). São Paulo, SP: Pioneira Thomson Learning.

Barrow, L. H. (2006). A Brief History of Inquiry: From Dewey to Standards. Journal of Science Teacher Education, 17, 265–278, Springer 2006. https://doi.org/10.1007/s10972-006-9008–5.

Bertagna-Rocha, M. (2013). A formação dos saberes sobre Ciências e seu ensino: trajetórias de professoras dos anos iniciais do Ensino Fundamental. (Tese de doutorado). UNICAMP, São Paulo.

Borges, A. T. (2002). Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 19(3), 291–313.

Carvalho, A. M. P. (2004). Metodologia de pesquisa em ensino de física: uma proposta para estudar os processos de ensino e aprendizagem. In Anais do IX Encontro de Pesquisa em Ensino de Física (cdrom), ( pp. 1–12). Jaboticatubas, MG.

Carvalho, A. M. P. (2013). O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In A. M. P. Carvalho (Org.) Ensino de Ciências por investigação: Condições para implementação em sala de aula (pp. 1–20). São Paulo: Cengage Learning.

Carvalho, A. M. P. (2018). Fundamentos Teóricos e Metodológicos do Ensino por Investigação. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 18(3), p. 765–794. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2018183765

Carvalho, A. M. P., Garrido, E., Laburu, C. E., Moura, M. O., Santos, M., Silva, D.,Abib, M. L. V. S., Castro, R. S., Itacarambi, R. R., & Gonçalves, M. E. R. (1993). A história da ciência, a psicogênese e a resolução de problemas na construção do conhecimento em sala de aula. Revista da Faculdade de Educação (USP). 19(2), 245–256.

Carvalho, A. M. P., & Gil-Perez, D. (2011). Formação de Professores de Ciências: Tendências e Inovações. 10. ed. São Paulo: Cortez Editora.

Crepalde, R. S., & Aguiar Júnior, O. G. (2013). A formação de conceitos como ascensão do abstrato ao concreto: da energia pensada à energia vivida. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, 18(2), 299–325.

Cunha, A. M. O., & Krasilchik, M. (2000). A formação continuada de professores de Ciências: percepções a partir de uma experiência. In 23ª Reunião da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Educação, 2000, Caxambú. Educação não é privilégio - Anais em CD-ROM.

Damiani, M. F. (2012). Sobre Pesquisas do Tipo Intervenção - Painel: As Pesquisas do Tipo Intervenção e sua Importância para a Produção de Teoria Educacional InAnais do XVI Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Campinas: UNICAMP. p. 1-9.

Damiani, M. F., Rochefort, R. S., Castro, R. F., Dariz, M. R., & Pinheiro, S. N. S. (2013). Discutindo pesquisas do tipo intervenção pedagógica. Cadernos de Educação (UFPel) , 45, 57–67.

Driver, R., Asoko, H., Leach, J., Mortimer, E. F., & Scott, P. (1999). Construindo conhecimento científico em sala de aula. Química Nova na Escola, São Paulo, 9(31), 31–40.

Duschl, R. A. (1994). Research on the history and philosophy of science. In D. Gabel. Handbook of research on science teaching and learning. (pp. 443–465) New York: MacMillan Publishing Company.

Facci, M. G. D. (2010). Vigotski e o processo ensino-aprendizagem: a formação de conceitos. In S. G. de L., Mendonça, & S. Miller (Org.). Vigotski e a Escola Atual: fundamentos teóricos e implicações pedagógicas. (pp. 123–148). Araraquara: Junqueira & Marin Editores.

Ferraz, A. T., & Sasseron, L. H. (2017). Propósitos epistêmicos para a promoção da argumentação em aulas investigativas. Investigações em ensino de ciências, 22(1). https://doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n1p42

Grosslight, L., Unger, C., Jay, E., & Smith, C. (1991). Understanding models and their use in science: conceptions of middle and high school students and experts. Journal of Research in Science Teaching, 28(9). 799–822.

Hodson, D. (1988). Experiments in Science and Science Teaching, Educational Philosophy and Theory. 20(2), 53–66.

Lima, M. E. C. C., Aguiar Junior, O., & Caro, C. M. (2011). A formação de conceitos científicos: reflexões a partir da produção de livros didáticos. Ciência & Educação, 17(4), 855–871. https://doi.org/10.1590/S1516-73132011000400006

Lima, M. E. C. C., Martins, C. M. D. C., & Paula, H. De F. (Orgs.). (2009). Ensino de ciências por investigação-ENCI. Vol. III. Belo Horizonte: UFMG/FAE/CECIMIG.

Lüdke, M., Cruz, G. B. D., & Boing, L. A. (2009). A pesquisa do professor da educação básica em questão. Revista Brasileira de Educação, 14(42), 456–602.

Mortimer, E. F., & Scott, P. (2003). Meaning making in secondary science classrooms. Maidenhead, Philadelphia: Open University Press.

Paganotti, A., & Dickman, A. G. (2011). Caracterizando o professor de ciências: quem ensina tópicos de física no ensino fundamental? In XIX Simpósio Nacional de Ensino de Física, Manaus AM.

Pereira, A. P., & Ostermann, F. (2012). A aproximação sociocultural à mente, de James V. Wertsch, e implicações para a educação em ciências. Ciência e Educação (UNESP. Impresso), 18(1), 23–39.

Pozo, J. I., & Gómez-Crespo, M. A. G. (2009). A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5. ed. Porto Alegre: Artmed.

Robson, C. (1993). Real World Research. Oxford: Blackwell.

Roth, W. M. (2009). Taking a stand (point): introduction to a science (education) from people for people. In W. M., Roth, (Ed.). Science education from people for people: taking a stand (point). London, New York: Routledge.

Sá, E. F. de. Paula, H. de F., Lima, M. E. C., & Aguiar, O. G. de. (2007). As características das atividades investigativas segundo tutores e coordenadores de um curso de especialização em ensino de ciências. In Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, 6, Florianópolis, SC.

Sasseron, L. H. (2013). Interações discursivas e investigação em sala de aula: o papel do professor. In A. M. P. de, Carvalho (org.). Ensino de Ciências por Investigação: Condições para Implementação em Sala de Aula. São Paulo: Cengage Learning (pp. 41–61).

Sasseron, L. H. (2015). Alfabetização Científica, Ensino por Investigação e Argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 17(especial), 49–67. http://dx.doi.org/10.1590/1983-2117201517s04

Sasseron, L. H. (2018). Ensino de Ciências por Investigação e o Desenvolvimento de Práticas: Uma Mirada para a Base Nacional Comum Curricular. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 18(3), 1061–1085. http://dx.doi.org/10.28976/1984-2686rbpec20181831061

Schroeder, C. (2004). Um currículo de física para as primeiras séries do ensino fundamental. (Dissertação de Mestrado) Instituto de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Trazzi, P. S. S., & Oliveira, I. M. (2016). A ação mediada no processo de formação dos conceitos científicos de fotossíntese e respiração celular em aulas de biologia. Investigações em Ensino de Ciências, 21(2), 121–136.

Trivelato, S. L. F., & Tonidandel, S. M. R. (2015) Ensino por investigação: eixos organizadores para sequências de Ensino de Biologia. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 7(especial), 97–114.

Vigotski, L. S. (2009). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Wertsch, J. V. (1999). La mente enacción. Buenos Aires, AR: Aique.

Como Citar
Barcellos, L., Gervásio, S., Jonis Silva, M., & Coelho, G. (1). A Mediação Pedagógica de uma Licencianda em Ciências Biológicas em uma Aula Investigativa de Ciências Envolvendo Conceitos Físicos. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 19, 37-65. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u3765
Seção
Artigos