Potencialidades e limites no cuidado domiciliar compartilhado entre equipes

Um estudo qualitativo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2022.39204

Palavras-chave:

Serviços de Assistência Domiciliar, Atenção Primária à Saúde, Saúde da Família, Atenção à Saúde, Continuidade da Assistência ao Paciente

Resumo

Objetivo: apreender como os profissionais atuantes na Atenção Primária à Saúde (APS) e no Serviço de Atenção Domiciliar (SAD) percebem as potencialidades e as limitações para o cuidado compartilhado. Método: estudo descritivo exploratório, de abordagem qualitativa, fundamentado nos pressupostos teóricos da Rede de Atenção à Saúde (RAS), realizado com 10 profissionais de saúde atuantes em uma capital brasileira. Os dados foram coletados em outubro de 2019 mediante a realização de uma única sessão de grupo focal, ocasião em que foram discutidas, a partir da construção da matriz SWOT (Strenghts, Weaknesses, Opportunities, e Threats), as forças, as fraquezas, as oportunidades e as ameaças que permeiam o cuidado compartilhado na atenção domiciliar. Os dados foram submetidos à análise de conteúdo, modalidade temática. Resultados: como potencialidades, foram destacadas: as ações de cuidado realizadas em conjunto pelos diferentes profissionais das equipes; a realização de reuniões objetivas e direcionadas; a divisão de responsabilidades e a definição de papéis; e os fluxos que podem melhorar a comunicação entre as equipes e potencializar a prática do cuidado compartilhado na atenção domiciliar. Como limitações, destacam-se: o conhecimento insuficiente dos critérios de elegibilidade para a atenção domiciliar; a deficiência de recursos materiais e de tecnologia da informação; e lacunas na formação profissional. Conclusão: os resultados podem contribuir para qualificação da assistência entre os diferentes serviços que compõem a Rede de Atenção à Saúde, especialmente pela identificação dos elementos relacionados ao próprio processo de trabalho que influenciam no cuidado compartilhado.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Procópio LCR, Seixas CT, Avellar RS, Silva KL, Santos MLM. Home Care within the Unified Health System: challenges and potentialities. Divulg Saúde Debate. 2019[citado em 2020 mar. 14];43(121):592-604. Disponível em: 10.1590/0103-1104201912123

Huguet XB, Ramírez EL, Lombardo FC. Propuestas para la atención domiciliaria del siglo XXI. Aten Primaria. 2018[citado em 2019 dez. 14];50(5):264-6. Disponível em: 10.1016/j.aprim.2017.11.003

Muniz EA, Freitas CASL, Oliveira EN, Lacerda MR. Atenção domiciliar na estratégia saúde da família: perspectivas de idosos, cuidadores e profissionais. Estud Interdiscip. Envelhec. 2018[citado em 2020 dez. 14];23(2):13. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/RevEnvelhecer/article/view/61187/52447

Sawchuk P. Caring for patients at home. Can Fam Physician. 2019[citado em 2020 mar. 15];65(2):149. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6515498/

Silva AE, Sena RR, Braga PP, Paiva PA, Dias OV. Challenges in ways of thinking and doing home care management in Minas Gerais. Ciênc Cuid Saúde. 2017[citado em 2020 mar. 24];16(1). Disponível em: 10.4025/cienccuidsaude.v16i1.33190

Walters JK, Sharma A, Malica E, Harrison R. Supporting efficiency improvement in public health systems: a rapid evidence synthesis. BMC Health Serv Res. 2022[citado em 2022 mar. 15];22 (293). Disponível em: https://doi.org/10.1186/s12913-022-07694-z

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 825 de 25 de abril de 2016. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas. Diário Oficial União. 2016 abr 26[citado em 2020 set. 10];153(78 Seção 1):33-8. Disponível em: https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?data=26/04/2016&jornal=1&pagina=33&totalArquivos=112

Sampaio ML, Bispo Júnior JP. Rede de Atenção Psicossocial: avaliação da estrutura e do processo de articulação do cuidado em saúde mental. Cad Saúde Pública 2021[citado em 2022 jun. 14];37(3):e00042620. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00042620

Mendes EV. As redes de Atenção à Saúde. 2ª ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011[citado em 2020 dez. 02]. Disponível em: https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/biblioteca/as-redes-de-atencao-a-saude/

Lameirão MV, Cariello TF, Rodrigues RRD. Application of the SWOT matrix in a Family Health Strategy team. Cadernos ESP. 2020[citado em 2021 jul. 07];14(1): 89-93. Disponível em: //cadernos.esp.ce.gov.br/index.php/cadernos/article/view/222

Bardin L. Análise de conteúdo. 70ª ed. São Paulo: Grupo Almedina; 2016.

Pinto LF, Giovanella L. The Family Health Strategy: expanding access and reducing hospitalizations dueto ambulatory care sensitive conditions (ACSC). Ciênc Saúde Colet. 2018[citado em 2019 fev. 18];23(6):1903-14. Disponível em: 10.1590/1413-81232018236.05592018

Voltolini BC, Andrade SR, Piccoli T, Pedebôs LA, Andrade V. Estratégia saúde da família meetings: na indispensable tool for local planning. Texto Contexto Enferm. 2019[citado em 2020 mar. 24];28. Disponível em: /10.1590/1980-265X-TCE-2017-0477

Silva TF, David HMSL, Romano VF. Análise do acolhimento a partir das relações na Atenção Básica no município do Rio de Janeiro. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2020[citado em 2022 mar. 15];15(42):2326. Disponível em: https://doi.org/10.5712/rbmfc15(42)232

Define APF, Francisco CM, Kpoghomou MB. Atendimento domiciliar da população idosa: potencialidades e desafios desta modalidade. Rev Recien. 2019[citado em 2020 nov. 15];9(28):113-22. Disponível em: https://www.recien.com.br/index.php/ Recien/article/view/322/pdf

Rossetto V, Toso BRGO, Rodrigues RM. Organizational flowchart of home care for children with special health care needs. Rev Bras Enferm. 2020[citado em 2020 dez. 15]; 73(suppl 4):e20190310. Disponível em: 10.1590/0034-7167-2019-0310

Cruz MJB, Santos AF, Macieira C, Abreu DMX, Machado ATGM, Andrade EIGl. Avaliação da coordenação do cuidado na atenção primária à saúde: comparando o PMAQ-AB (Brasil) e referências internacionais. Cad Saúde Pública. 2022[citado em 2022 mar. 24];38(2):e00088121. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00088121

Ferreira JA, Marques RC, Silva KL, Duarte ED, Schreck RSC. Compreensão das necessidades de saúde do homem em assistência domiciliar: estratégia para a contra-hegemonia. Ciênc Cuid Saúde. 2021[citado em 2022 fev. 20]:e58613. Disponível em: https://doi.org/10.4025/ciencuidsaude.v20i0.58613

Barbosa NG, Zanetti ACG, Souza J. Genograma e ecomapa como estratégias lúdicas de ensino de Enfermagem na Atenção Primária à Saúde. Rev Bras Enferm. 2021[citado em 2022 jun. 14];74(3):e20201106. Disponível em https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-1106

Savassi LCM, Reis GVL, Dias MB, Vilela LO, Ribeiro MTAM, Zachi MLR, et al. Recomendações para a Atenção Domiciliar em período de pandemia por COVID-19: Recomendações conjuntas do GT Atenção Domiciliar SBMFC e da ABRASAD. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2020[citado em 2022 mar. 24];15(42):2611. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1147119#fulltext_urls_biblio-1147119

Savassi LCM. The current challenges of Home Care in Primary Health Care: ananalysis in the National Health System perspective. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016[citado em 2019 out. 12];11(38):1-12. Disponível em: 10.5712/rbmfc11(38)1259

Maeyama MA, Calvo MCM. A Integração do Telessaúde nas Centrais de Regulação: a Teleconsultoria como Mediadora entre a Atenção Básica e a Atenção Especializada. Rev Bras Educ Méd. 2018[citado em 2020 mar. 15];42(2):63-72. Disponível em: 10.1590/1981-52712015v42n2RB20170125

Melo LC, Lima FR, Bracarense CF, Ferreira JFMF, Ruiz MT, Parreira BDM, et al. Inter-professional relationships in the Family Health Strategy: perception of health management. Rev Bras Enferm. 2022[citado em 2022 mar. 24];75(3):e20210636. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2021-0636

Durans KCN, Silva MCP, Miranda AF, Sousa HF, Lima SF, Pasklan ANP. Atitudes relacionadas a colaboração interprofissional entre os profissionais da Atenção Primária em Saúde. Res Soc Dev. 2021[citado em 2022 jan. 18];10(4):e57110413392. Disponível em: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i4.13392

Ribeiro AA, Giviziez CR, Coimbra EAR, Santos JDD, Pontes JEM, Luz NF, et al. Interprofissionalidade na atenção primária: intencionalidades das equipes versus realidade do processo de trabalho. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2022[citado em 2022 mar. 24];26:e20210141. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2021-0141

Arquivos adicionais

Publicado

28-12-2022

Como Citar

1.
Silva JL da, Teston EF, Marcon SS, Vieira VC de L, Ferreira PC, Andrade GKS de, Arruda BCCG. Potencialidades e limites no cuidado domiciliar compartilhado entre equipes: Um estudo qualitativo. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 28º de dezembro de 2022 [citado 4º de fevereiro de 2023];26. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/39204

Edição

Seção

Pesquisa