Percepção do enfermeiro sobre assistência às crianças com necessidades especiais de saúde na atenção primária

Autores

  • Leda Cristina Favaro Hospital Metropolitano de Sarandi, Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica e Neonatal, Maringá PR , Brasil, Hospital Metropolitano de Sarandi, Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica e Neonatal. Maringá, PR - Brasil http://orcid.org/0000-0002-9311-1468
  • Sonia Silva Marcon Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Maringá PR , Brasil, Universidade Estadual de Maringá - UEM, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. Maringá, PR - Brasil http://orcid.org/0000-0002-6607-362X
  • Evelin Matilde Arcain Nass Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Maringá PR , Brasil, Universidade Estadual de Maringá - UEM, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. Maringá, PR - Brasil http://orcid.org/0000-0002-5140-3104
  • Pamela dos Reis Instituto Adventista do Paraná, Programa de Pósgraduação em Enfermagem, Maringá PR , Brasil, Instituto Adventista do Paraná - IAP, Programa de Pósgraduação em Enfermagem - UEM. Maringá, PR - Brasil http://orcid.org/0000-0002-9898-0144
  • Sueli Mutsumi Tsukuda Ichisato Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Maringá PR , Brasil, Universidade Estadual de Maringá - UEM, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. Maringá, PR - Brasil http://orcid.org/0000-0002-6008-2795
  • Aline Gabriela Bega Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Maringá PR , Brasil, Universidade Estadual de Maringá - UEM, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. Maringá, PR - Brasil http://orcid.org/0000-0001-6557-2323
  • Marcelle Paiano Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Maringá PR , Brasil, Universidade Estadual de Maringá - UEM, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. Maringá, PR - Brasil http://orcid.org/0000-0002-7597-784X
  • Iven Giovanna Trindade Lino Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Maringá PR , Brasil, Universidade Estadual de Maringá - UEM, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. Maringá, PR - Brasil http://orcid.org/0000-0003-0631-9971

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49981

Palavras-chave:

Atenção Primária à Saúde, Acesso aos Serviços de Saúde, Saúde da Criança, Doença Crônica

Resumo

OBJETIVO: apreender como os enfermeiros da Estratégia Saúde da Família se percebem em relação ao conhecimento e preparo para assistir as crianças com necessidades especiais de saúde e suas famílias e como avaliam o acesso delas aos serviços de saúde. MÉTODOS: estudo descritivo, exploratório de abordagem qualitativa, realizado na atenção primária à saúde. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada com 14 enfermeiros das equipes da Estratégia Saúde da Família. As entrevistas foram transcritas na íntegra e depois submetidas à análise de conteúdo, modalidade temática. RESULTADOS: da análise emergiram duas categorias (despreparo para assistência e suas implicações e acesso aos serviços de saúde da rede de atenção às crianças com necessidades especiais de saúde), as quais mostram que os enfermeiros, em sua maioria, não se sentem capacitados para oferecer assistência de qualidade; avaliam o acesso dessas crianças e suas famílias aos serviços de saúde como dificultado, devido à multiplicidade de condições apresentadas por elas. CONCLUSÃO: a inexistência de protocolo específico e a deficiência no estabelecimento de uma rede que priorize a continuidade, integralidade e qualidade da assistência restringem e dificultam o acesso a exames específicos, consultas com especialistas, além de acompanhamento adequado na atenção primária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Moreira MCN, Albernaz LV, Sá MRC, Correia RF, Tanabeet RF. Recomendações para uma linha de cuidados para crianças e adolescentes com condições crônicas complexas de saúde. Cad Saúde Pública. 2017[citado em 2018 ago. 19];33(11):e00189516. Disponível em: 10.1590/0102-311X00189516

Dockerty SL, Barfield R, Thaxton C, Brandon D. Cuidado centrado na família de crianças com necessidades especiais. In: Honckenberry MJ. Wong. Fundamentos de Enfermagem pediátrica. Rio de Janeiro: Elsevier; 2014. p. 515-44.

Hooshmand M, Yao K. Challenges facing children with special healthcare needs and their families: telemedicine as a bridge to care. Telemed J E Health. 2017 jan.[citado em 2018 dez. 15];23(1):18-24. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1089/tmj.2016.0055

Neves ET, Cabral IE, Silveira A. Rede familial de crianças com necessidades especiais de saúde: implicações para a enfermagem. Rev Latino-Am Enferm. 2013[citado em 2018 ago. 17];21(2). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n2/pt_0104-1169-rlae-21-02-0562.pdf

Silva MMS, Lui AM, Correio TZHO, Arcoverde MAM, Meira MCR, Cardoso LL. Busca ativa de crianças com necessidades especiais de saúde na comunidade: relato de experiencia. Rev Enferm UFSM. 2015[citado em 2018 dez. 29];5(1):178-85. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5902/2179769213024

Alves GV, Lomba GO, Barbosa TA, Reis KMN, Braga PP. Crianças com necessidades especiais de saúde de um município de Minas Gerais: estudo descritivo. Rev Enferm Cent-Oeste Min. 2014[citado em 2018 dez. 15];3(4):1310-21. Disponível em: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v0i0.778

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 2.436 de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 2017[citado em 2018 set. 18]. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Dias BC, Arruda GO, Marcon SS. Vulnerabilidade familiar de crianças com necessidades especiais de cuidados múltiplos, complexos e contínuos. REME - Rev Min Enferm. 2017[citado em 2018 dez. 15]; 21:e-1027. Disponível em: 10.5935/1415-2762.20170037

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2016.

Friedman SL, Norwood-Jr KW. Out-of-Home placement for children and adolescents with disabilities- addendum: care options for children and adolescents with disabilities and medical complexity. Pediatrics. 2016[citado em 2018 dez. 15];138(6):e-2016. Disponível em: 10.1542/peds.2016-3216

Rossetto V, Toso BRGO, Rodrigues RM, Viera CS, Neves ET. Cuidado desenvolvido às crianças com necessidades especiais de saúde nos serviços de atenção domiciliar no Paraná - Brasil. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2019[citado em 2018 dez. 15];23(1):e-20180067. Disponível em: 10.1590/2177-9465-EAN-2018-0067

Inácio ALR, Peixoto APGL. A assistência de enfermagem e o cuidado familiar às crianças com necessidades especiais de saúde: uma revisão integrativa. Rev Atenção Saúde. 2017[citado em 2018 dez. 15];15(53):87-94. Disponível em: 10.13037/ras.vol15n53.4593

Santos KH, Marques D, Pozzuto L, Sideri KP. O trabalho de profissionais na residência multiprofissional em saúde. Rev APS. 2016[citado em 2018 jul. 18];19(3):495-9. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/15736

Dias BC, Ichisato SMT, Marchetti MA, Neves ET, Higarashi IH, Marcon SS. Desafios dos cuidadores familiares de crianças com necessidades especiais de cuidados múltiplos, complexos e contínuos em casa. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2019[citado em 2018 dez. 15];23(1). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2018-0127

Pinto MB, Assis FAG, Santos NCCB, Torquato IMB, Collet N. Significado do cuidado à criança deficiente com necessidades especiais: relato de mães. Ciênc Cuid Saúde. 2014[citado em 2018 dez. 15]; 13(3):549-55. Disponível em: 10.4025/cienccuidsaude.v13i3.22189

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 793 de 24 de abril de 2012. Institui a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, 2012[citado em 2018 set. 29]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0793_24_04_2012.html

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional De Humanização - Humanizasus. Brasília: Ministério da Saúde; 2017[citado em 2018 jul. 18]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_ humanizacao_pnh_folheto.pdf

Cheak-Zamora NC, Thullen M. Disparities in quality and access to care for children with developmental disabilities and multiple health conditions. Matern Child Health J. 2017[citado em 2018 dez. 15];21(1):36-44. Disponível em: 10.1007/s10995-016-2091-0

Cavalcanti FOL, Guizardi FL. Educação continuada ou permanente em saúde? Análise da produção Pan-americana da Saúde. Trab Educ Saúde. 2018[citado em 2018 dez. 15];16(1):99-122. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00119

Santos MC, Frauches MB, Rodrigues SM, Fernandes ET. Processo de trabalho do núcleo de apoio à Saúde da Família (NASF): importância da qualificação profissional. Saúde Transf Soc. 2017[citado em 2018 jul. 18];8(2):60-9. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=265352024007

Barbosa TA, Reis KMN, Lomba GO, Alves GV, Braga PP. Rede de apoio e apoio social às crianças com necessidades especiais de saúde. Rev Rene. 2016[citado em 2018 dez. 15];17(1):60-6. Disponível em: 10.15253/2175-6783.2016000100009

Ministério da Saúde (BR). Portaria 3.124, de 28 de dezembro de 2012. Núcleo Ampliado de Saúde da Família (NASF-AB). Diário Oficial da União, 2012[citado em 2017 maio 17]. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/PORTARIA_N_3_124_de_28_12_12_NASF.pdf

Rosen-Reynoso M, Porche MV, Kwan N, Bethell C, Thomas V, Robertson J, et al. Disparities in access to easy-to-use services for children with special health care needs. Matern Child Health J. 2016[citado em 2018 dez. 15];20(5):1041-53. Disponível em:10.1007/s10995-015-1890-z

Hack NS, Carvalho DR. Método para diagnóstico situacional do acesso às redes de atendimento por crianças e adolescentes com deficiência. Rev Stricto Sensu. 2018[citado em 2018 dez. 15];3(1):19-34. Disponível em: 10.24222/2525-3395.2018v3n1p019

Bezerra TV, Silva MA, Maia ER. Acesso da pessoa com deficiência à atenção primária em saúde no Brasil: limites e possibilidades. Cad Cult Ciênc. 2015[citado em 07 set. 2019];14(2):65-74. Disponível em: http://periodicos.urca.br/ojs/index.php/cadernos/article/view/985/pdf

Cruz CT, Zamberlan KC, Silveira A, Buboltz FL, Silva JH, Neves ET. Atenção à criança com necessidades especiais de cuidados contínuos e complexos: percepção da enfermagem. REME - Rev Min Enferm. 2017[citado em 2018 dez. 15];21:e-1005. Disponível em: 10.5935/1415-2762.20170015

Neves ET, Silveira A, Arrué AM, Pieszak GM, Zamberlan KC, Santos RP. Rede de cuidados de crianças com necessidades especiais de saúde. Texto Contexto Enferm. 2015[citado em 2018 dez. 15]; 24(2):399-406. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015003010013

Weier RC, Gardner W, Conkol K, Pajer K, Kelleher KJ. Partners for kids care coordination: lessons from the field. Pediatrics. 2017[citado em 2018 dez. 15];139(s2):e20162786. Disponível em: https://doi.org/10.1542/peds.2016-2786E

Duarte ED, Silva KL, Tavares TS, Nishimoto CLJ, Silva PM, Sena RR. Cuidado à criança em condição crônica na Atenção Primária: desafios do modelo de atenção à saúde. Texto Contexto Enferm. 2015[citado em 2018 dez. 15];24(4):1009-17. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-0707201500003040014

Publicado

30-03-2020

Como Citar

1.
Favaro LC, Marcon SS, Nass EMA, Reis P dos, Ichisato SMT, Bega AG, Paiano M, Lino IGT. Percepção do enfermeiro sobre assistência às crianças com necessidades especiais de saúde na atenção primária. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 30º de março de 2020 [citado 28º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49981

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >> 

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.