Influência do sexo, idade e tempo de atuação na percepção sobre o trabalho em equipe

Autores

  • Hellen Emília Peruzzo Universidade Estadual de Maringá, Departamento de Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Maringá PR , Brazil, Enfermeira. Doutoranda. Universidade Estadual de Maringá – UEM, Departamento de Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Maringá, PR – Brasil., Universidade Estadual de Maringá
  • Eraldo Schunk Silva UEM, Departamento de Estatística, Programa de Pós-graduação em Estatística, Maringá PR , Brazil, Estatístico. Doutor. Professor. UEM, Departamento de Estatística, Programa de Pós-graduação em Estatística. Maringá, PR – Brasil, Universidade Estadual de Maringá
  • Maria do Carmo Fernandes Lourenço Haddad Universidade Estadual de Londrina, Departamento de Enfermagem, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Londrina PR , Brazil, Enfermeira. Doutora. Professora. Universidade Estadual de Londrina - UEL, Departamento de Enfermagem, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. Londrina, PR - Brasil, Universidade Estadual de Londrina
  • Sonia Silva Marcon UEM, Departamento de Enfermagem, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Maringá PR , Brazil, Enfermeira. Doutora. Professora. UEM, Departamento de Enfermagem, Programa de Pós-graduação em Enfermagem. Maringá, PR - Brasil, Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2017.49888

Palavras-chave:

Estratégia Saúde da Família, Trabalho, Equipe de Assistência ao Paciente

Resumo

O objetivo deste estudo foi identificar se as variáveis sexo, idade e tempo de atuação influenciam a percepção dos profissionais sobre o trabalho em equipe na Estratégia Saúde da Família (ESF). Trata-se de estudo transversal não probabilístico, realizado com 458 profissionais pertencentes às 72 equipes da ESF alocadas nas 34 unidades básicas de um município do noroeste do Paraná. Os dados foram coletados no período de março a julho de 2016 com levantamento de dados sociodemográficos, aplicação da Escala de Clima na Equipe (ECE) e dois questionamentos: “qual nota você daria para sua equipe da ESF quanto ao trabalho em equipe?” e “qual nota você se daria como membro de sua equipe de trabalho?” Na associação entre os resultados e as diferentes variáveis foi utilizado o teste de Kruskal-Wallis seguido do teste post hoc de comparações múltiplas de Dunn. Observou-se que não houve diferença significativa entre os sexos para as notas atribuídas à equipe (NE), nota pessoal (NP) e média da ECE. Quanto à idade, foi evidenciada diferença entre as NE (p=0,0138) e NP (p=0,0210), sendo os profissionais com até 30 anos os que atribuíram os menores escores médios (NE=186,11 e NP=184,76). Para a variável tempo de atuação na equipe, apurou-se diferença significativa na NP (p=0,0030), sendo os menores escores atribuídos por profissionais com até um ano nas equipes (NE=186,65). Concluiu-se que os profissionais mais jovens ou com menos tempo de atuação tendem a atribuir menores notas para o trabalho de suas equipes, assim como para o próprio desempenho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Schutz WC. O prazer - expansão da consciência humana. Rio de Janeiro: Imago; 1974.

Silva SEM, Moreira MCN. Equipe de saúde: negociações e limites da autonomia, pertencimento e reconhecimento do outro. Ciênc Saúde Coletiva. 2015[citado em 2016 dez. 15];20(10):3033-42. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v20n10/1413-8123-csc-20-10-3033.pdf

Kinlay E. Observation of interprofessional collaborative practice in primary care teams: an integrative literature review. Int J Nurs Stud. 2015[citado em 2017 jan. 15];52(7):1217-30. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25862411

Valentine MA, Nembhard IM, Edmondson AC. Measuring teamwork in health care settings: a review of survey instruments. Med Care. 2015[citado em 2017 jan. 15];53(4):16e30. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24189550

Chen FM. Insights from exemplar practices on achieving organizational structures in primary care. J Am Board Farm Med. 2015[citado em 2017 jan. 15];28(2):190-4. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25748759

Goulart BF, Camelo SHH, Simões ALA, Chaves LDP. Teamwork in a coronary care unit: facilitating and hindering aspects. Rev Esc Enferm USP. 2016[citado em 2017 jan. 15];50(3):479-86. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n3/pt_0080-6234-reeusp-50-03-0482.pdf

Silva MC. Adaptação transcultural e validação de instrumento de avaliação de trabalho em equipe: Team Climate Inventory no contexto da Atenção Primária à Saúde no Brasil [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem; 2014.

Stokes ME, Davis CS, Koch GG. Categorical data analysis using SAS system. 2ª ed. Cary: StatisticalAnalysis System Institute; 2000.

Durao AVR, Menezes CAF. Na esteira de E.P. Thompson: relações sociais de gênero e o fazer-se agente comunitária de saúde no município do rio de janeiro. Trab Educ Saúde. 2016[citado em 2017 jan. 15];14(2):355-76. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1981-77462016000200355&script=sci_abstract&tlng=pt

Dedecca CS, Ribeiro CSMF, Ishii FH. Gênero e jornada de trabalho: análise das relações entre mercado de trabalho e família. Trab Educ Saúde. 2009[citado em 2017 jan. 15];7(1):65-90. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462009000100004

Brito JC, Neves MY, Oliveira SS, Rotenberg LS. Subjetividade e trabalho: o enfoque clínico e de gênero. Rev Bras Saúde Ocup. 2012[citado em 2017 jan. 15];37(126):316-29. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0303-76572012000200013&script=sci_abstract&tlng=pt

Coutinho ML. Quando o executivo é uma “dama”: a mulher, a carreira e as relações familiares. In: Carneiro TF. Família e casal: arranjos e demandas contemporâneas. São Paulo: Loyola; 2003. p. 57-78.

Mourão TMF, Galinkin AL. Equipes gerenciadas por mulheres - representações sociais sobre gerenciamento feminino. Psicol Reflex Crítica. 2008[citado em 2017 jan. 15];21(1):91-9. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722008000100012

Mourão TM. Mulheres no topo de carreira: flexibilidade e persistência. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres; 2006.

Ano VM, Vannuchi MTO, Haddad MCFL, Pissinati PSC. Avaliação de desempenho na opinião da equipe de enfermagem de hospital universitário público. Ciênc Cuid Saúde 2015[citado em 2017 jan. 15];14(4):1403-10. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/27886

Cisic RS, Francovic S. Using nursing peer review for quality improvement and professional development with focus on standards of professional performance. Nurs Health. 2015[citado em 2017 jan. 15];3(5):103-9. Disponível em: http://www.hrpub.org/journals/article_info.php?aid=2916

Comazzetto LR, Vasconcellos SJL, Perrone CM, Gonçalves J. A geração Y no mercado de trabalho: um estudo comparativo entre gerações. Psicol Ciênc Prof. 2016[citado em 2017 jan. 15];36(1):145-57. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pcp/v36n1/1982-3703-pcp-36-1-0145.pdf

Rodrigues MR, Bretas ACP. O envelhecimento no trabalho na perspectiva de trabalhadores da area de enfermagem. Trab Educ Saúde. 2015[citado em 2016 out. 10];13(2):343-60. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462015000200343

Washburn ER. Are you ready for generation X? Physician Exec. 2000[citado em 2017 jan. 15];26(1):51-7. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10788119

Gomes A, Bem-haja P, Alberty A, Brito-costa S, Fernández MIR, Silva C, AbreItalicoet al.FechaItalico Capacidade para o trabalho e fatores psicossociais de saúde mental: uma amostra de profissionais de saúde portugueses. INFAD Rev Psicol. 2015[citado em 2017 jan.15];1(2):95-104. Disponível em: http://www.infad.eu/RevistaINFAD/OJS/index.php/IJODAEP/article/view/326

Silva PA. >Projeto de integração para novos funcionários da sede da autarquia hospitalar municipal [monografia]. Rio de Janeiro: Programa FGV in Company; 2014.

Alexanian JA, Rak KJ, Reeves S. Beyond the team: understanding interprofessional work in two North American ICUs. Crit Care Med. 2015[citado em 2017 jan. 15];43(9):1880-6. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26102250

Matuda CG, Aguiar DML, Frazão P. Cooperação interprofissional e a reforma sanitária no Brasil: implicações para o modelo de atenção à saúde. Saúde Soc. 2013[citado em 2016 nov. 10];22(1):173-86. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v22n1/16.pdf

Silva AM, SÁ MC, Miranda L. Entre “feudos” e cogestão: paradoxos da autonomia em uma experiência de democratização da gestão no âmbito hospitalar. Ciênc Saúde Coletiva. 2015[citado em 2017 jan. 15];20(10 :3063-72. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v20n10/1413-8123-csc-20-10-3063.pdf

Publicado

03-08-2017

Como Citar

1.
Peruzzo HE, Silva ES, Haddad M do CFL, Marcon SS. Influência do sexo, idade e tempo de atuação na percepção sobre o trabalho em equipe. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 3º de agosto de 2017 [citado 20º de maio de 2024];21(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49888

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >> 

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.