A estomia mudando a vida: enfrentar para viver

Autores

  • Amanda Rodrigues Coelho
  • Fernanda Silva Santos UberabaMG, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Hospital de Clínicas , Brasil
  • Márcia Tasso Dal Poggetto UberabaMG, UFTM, Curso de Graduação em Enfermagem , Brasil

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2013.50231

Palavras-chave:

Colostomia, Enfermagem, Pesquisa Qualitativa

Resumo

Trata-se de uma pesquisa de campo, exploratória e descritiva, com abordagem qualitativa, tendo como objetivos descrever as mudanças ocorridas no cotidiano do estomizado e identificar quais as formas de enfrentamento utilizadas por ele. A amostra foi constituída por pacientes com estomia intestinal definitiva há pelo menos dois anos, cadastrados no Programa de Assistência Multidisciplinar ao Paciente Ostomizado (PAMPO). Para a coleta de dados utilizaram-se entrevistas semiestruturadas, que foram gravadas e, posteriormente, transcritas na íntegra, produzindo um texto com a finalidade de proceder à análise de conteúdo proposta por Laurence Bardin. A maioria dos colostomizados apresentou mudanças no seu modo de vida após a confecção do estoma, sendo essas mudanças provenientes de alterações físicas, psíquicas e sociais causadas pela perda do controle do esfíncter e alterações da imagem corporal, levando à necessidade de adotar estratégias para adaptar-se à nova realidade. Houve pessoas que melhor se adaptaram a essas alterações, enquanto outras manifestaram dificuldades em conviver com essa realidade, acarretando desequilíbrios fisiológicos e psicológicos. Portanto, a adaptação ou não aos problemas estressores, nesse caso a confecção do estoma, influencia na qualidade de vida do indivíduo estomizado. Cabe ressaltar que competem ao enfermeiro intervenções exclusivas no período perioperatório visando melhor adaptação à condição de estomizado, promovendo o enfrentamento à condição crônica estomia intestinal definitiva e exigindo cuidado contínuo e prolongado dos serviços de saúde, o que também não exime a atuação da equipe interdisciplinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Santos VLCG. A bolsa na mediação “Estar Ostomizado”-“Estar Profissional”:

análise de uma estratégia pedagógica [dissertação]. São Paulo: Escola de

Enfermagem da Universidade de São Paulo; 1996.

Gemelli LMG, Zago MMF. A interpretação do cuidado com o ostomizado na

visão do enfermeiro: um estudo de caso. Rev Latinoam Enferm. 2002; 10(1):34-40.

Júnior AM, Rocha JJR. Tipos de estoma. In: Crema E, Silva R. Estomas: uma

abordagem interdisciplinar. Uberaba: Ed. Pinti; 1997. p 43-4.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária Nacional de Assistência à Saúde.

Instituto Nacional do Câncer. Estimativas da incidência e mortalidades por

Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2008.

Kübler-Ross E. Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Martins Fontes; 1987.

Sonobe HM, Barichello E, Zago MMF. A visão do colostomizado sobre o uso

da bolsa de colostomia. Rev Bras Cancerol. 2002; 48(3):341-8.

Silva AL, Shimizu HE. O significado da mudança no modo de vida da pessoa

com estomia intestinal definitiva. Rev Latinoam Enferm. 2006; 14(4):83-90.

Dal Poggetto MT. Temáticas de aprendizagem de clientes colostomizados:

estratégias norteadoras da assistência de enfermagem [dissertação]. Ribeirão Preto:

Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo; 2002.

Silva G. Processo de enfrentamento no período pós-tratamento do câncer

de mama [dissertação]. Ribeirão Preto: Escola de Psicologia de Ribeirão Preto

da Universidade de São Paulo; 2006.

Lorencetti A, Simonetti JP. As estratégias de enfrentamento de pacientes

durante o tratamento de radioterapia. Rev Latinoam Enferm. 2005; 13(6):944-50.

Lazarus RS, Folkman S. Stress, appraisal and coping. New York: Springer

Publishing; 1984.

Barnabe NC, Dell’Acqua MCQ. Estratégias de enfrentamento (coping) de

pessoas ostomizadas. Rev Latinoam Enferm. 2008; 16(4):712-9.

Silva AL, Shimizu HE. A relevância da rede de apoio ao estomizado. Rev Bras

Enferm. 2007; 60(3):307-11.

Martins LM. Ensinando e aprendendo em grupo a enfrentar situações

enfrentadas como ostomizado [dissertação]. Florianópolis: Departamento

de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina; 1995.

Ravagnani LMB, Domingos NAM, Miyazaki MCOS. Qualidade de vida e

estratégias de enfrentamento em pacientes submetidos a transplante renal.

Estudos Psicol. 2007; 12(2):177-84.

Andolhe R, Guido LA, Bianche ERF. Estresse e coping no período

perioperatório de câncer de mama. Rev Esc Enferm USP. 2009; 43(3):711-20.

Seidl EMF, Trócolli BT, Zannon CMLC. Analise fatorial de uma medida de

estratégia de enfrentamento. Psicol Teoria Pesq. 2001; 17(3):225-34.

Pereira APS, Pelá NTR. Atividades grupais de portadores de estoma intestinal

definitivo: a busca da aceitação. Rev Enferm UERG. 2006; 14(4):574-9.

Bellato R, Maruyama SAT, Silva CM, Castro P. A condição crônica ostomia e

as repercussões que traz para a vida da pessoa e sua família. Ciênc Cuidado

Saúde. 2007; 6(1):40-50.

Folkman S, Lazarus RS, Gruen RJ, De Longis A. Appraisal, coping, health status

and psychological symptons. J Pers Soc Psychol. 1986; (50):571-9.

Santos JR, Enumo SRF. Adolescentes com Diabetes Mellitus Tipo1: seu

cotidiano e enfrentamento da doença. Psicol Reflex Crít. 2003; 16(2):411-25.

Michelone APC, Santos VLCG. Qualidade de vida de adultos com câncer

colorretal com e sem ostomia. Rev Latinoam Enferm. 2004; 12(6):875-83.

Brasil. Ministério as Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comitê Nacional de

Ética em Pesquisa em Seres Humanos. Resolução nº196 de 10 de outubro de

: diretrizes e normas Regulamentadoras de Pesquisa Envolvendo Seres

Humanos. Brasília: MS; 1996.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Ed. 70; 1985.

Cezareti IUR. Ostomizado: reabilitação sem fronteiras? Ponto de vista do

enfermeiro. Acta Paul Enferm. 1995; 8(1):11-7.

Cassero PAS, Aguiar JE. Percepções emocionais influenciadas por uma

ostomia. Rev Saúde Pesq. 2009; 2(2): 23-7.

Dázio EMR. O significado do estoma intestinal entre homens: um estudo

etnográfico. [dissertação]. Ribeirão Preto: Escola de enfermagem de Ribeirão

Preto da Universidade de São Paulo; 2008.

Farias DHR, Gomes GC, Zappas S. Convivendo com uma estomia:

conhecendo para melhor cuidar. Cogitare Enferm. 2004; 9(1):25-32.

Costa SPR. Perfil de qualidade de vida dos portadores de colostomia

[dissertação]. João Pessoa: Programa de pós-graduação em enfermagem da

Universidade Federal da Paraíba; 2007.

Souza SMA. Qualidade de vida em clientes ostomizados. Texto Contexto

Enferm. 1999; 8(1):121-50.

Cascais AFMV, Martini JG, Almeida PJS. O impacto da estomia no processo

de Viver Humano. Texto Contexto Enferm. 2007; 16(1):163-7.

Carvalheira C, organizador. Ainda posso levar uma vida normal? 2ª ed. Rio de

Janeiro: News Eventos e Promoções; 1999.

Santos VLCG, Sawaia BB. A bolsa na mediação “Estar Ostomizado”-“Estar

Profissional”: análise de uma estratégia pedagógica. Rev Latinoam Enferm.

; 8(3):40-50.

Santos FS, Dal Poggetto NT, Rodrigues LR. A percepção da mulher portadora

de estomia intestinal acerca de sua sexualidade. REME Rev Min Enferm. 2008;

(3):355-62.

Freitas AAS, Peres MF, Pereira L, Menezes MFB. Cuidando e promovendo

a adaptação do cliente com estoma na perspectiva da concepção de Roy.

Nursing. 2008; 11(125):461-7.

Bellato R, Maruyama SAT, Silva CM, Castro P. A condição crônica ostomia e

as repercussões que traz para a vida da pessoa e sua família. Ciênc Cuidado

Saúde. 2007; 6(1):40-50.

Gianini MMS. Câncer e gênero: enfrentamento da doença [dissertação]. São

Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 2007.

Martins G, Cunha S, Coelho R. Estudo da aceitação da incapacidade em

doentes com Insuficiência Renal Crônica: comparação de duas escalas. Rev

Port Psicossomática. 2005; 7(1-2):53-8.

Menezes APS, Quintana JF. A percepção do indivíduo estomizado quanto a

sua situação. Rev Bras Prom Saúde. 2008; 21(1):13-8.

Krouse RS, Grant M, Rawl SM, et al. Coping and acceptance: the greatest

challenge for veterans with intestinal stomas. J Psychosom Res. 2009; 66:227-33.

De Paula MAB, Takahashi RF, De Paula PR. Os significados da sexualidade

para a pessoa com estoma intestinal definitivo. Rev Bras Coloproct. 2009;

(1):77-82.

Carver CS, Scheier MF, Weintraub JK. Assessing coping strategies: A

theoretically basede approach. J Pers Soc Psychol. 1989; (56):276-83.

Publicado

01-06-2013

Como Citar

1.
Coelho AR, Santos FS, Poggetto MTD. A estomia mudando a vida: enfrentar para viver. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 1º de junho de 2013 [citado 19º de julho de 2024];17(2). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/50231

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.