O SABER DOCENTE SOBRE A TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

Autores

  • Amanda Cristina Ferreira Marinho UniCesumar
  • Suzi Maria Nunes Cordeiro Universidade Estadual de Maringá (UEM)
  • Helaine Patricia Ferreira Universidade Estadual de Maringá (UEM)

DOI:

https://doi.org/10.17648/2238-037X-trabedu-v29n1-13888

Palavras-chave:

Vygotsky, Mediação, Representações sociais

Resumo

O presente artigo busca compreender acerca da Teoria Histórico-Cultural, assim como sua aplicabilidade pedagógica junto aos professores da rede municipal de ensino de uma escola no norte do estado do Paraná. O objetivo consiste em identificar as representações sociais de professoras da rede municipal de ensino sobre a teoria vygotskyana, a fim de compreender como é significado pelas docentes e como isso impacta em suas atuações. Para tanto, foram realizadas entrevistas com sete professoras utilizando um questionário semiestruturado. As interpretações foram fundamentadas pela Teoria das Representações Sociais (TRS) a fim de se investigar como se formam os conhecimentos comuns no cotidiano dos sujeitos. O estudo justifica-se pela necessidade de demonstrarmos a importância do trabalho de Lev Vygotsky para que os (futuros) docentes reflitam sobre o (des)conhecimento do mesmo e como isso implica na maneira de mediarem o ensino. A problemática consiste em responder ao questionamento: quais são os conhecimentos das educadoras referentes à Teoria Histórico-Cultural? Nessa análise constatou-se que há necessidade de formação continuada para as professoras entrevistadas, visto que as participantes não têm conhecimento dos conceitos centrais do sociointeracionismo, além de se confirmar a hipótese da existência da dicotomia entre teoria e prática que se estabelece após a formação docente, o que torna o trabalho pedagógico vago.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Cristina Ferreira Marinho, UniCesumar

Acadêmica do curso de Pedagogia da UniCesumar, bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica pela linha de Psicologia Educacional

Suzi Maria Nunes Cordeiro, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Pedagoga formada pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), Especialista em Psicologia Clínica e Institucional pela mesma instituição e Especialista em EaD e as Novas Tecnologias da Educação pela UniCesumar. Doutora em Educação pela UEM. Professora de Pedagogia na UniCesumar

Helaine Patricia Ferreira, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Pedagoga e Especialista em Educação pela UEM. Professora de Graduação e Pós-Graduação da UniCesumar. Tutora do Curso de Pedagogia a Distância na Universidade Estadual de Maringá (NEAD-UEM).

Referências

CERVO, Amado Luiz; BARVIAN, Pedro Alcino. Metodologia cientifica: Para uso dos estudantes universitários. São Paulo: Mc Graw-Hill do Brasil, 1983.

FINO, Celso Nogueira. Vygotsky e a Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP): três implicações pedagógicas. Revista Portuguesa de educação, Braga, Portugal, v. 14, n. 2, p. 1-13, 2001. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo do IBGE 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/miraselva/ panorama. Acesso em: 26 mar. 2018

JOVCHELOVITCH, Sandra. Representações Sociais: Para uma Fenomenologia dos Saberes Sociais. Psicologia e Sociedade, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 54-68, 1998.

LEONTIEV, Alexis Nikolaevich. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VYGOTSKY, Lev Seminovich; LURIA, Alexander Remonovich; LEONTIEV, Alexis Nikolaevich. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2001. p. 119-142.

LURIA, Alexander Remonovich. Vigotskii. In: VYGOTSKY, Lev Seminovich; LURIA, Alexander Remonovich; LEONTIEV, Alexis Nikolaevich. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 2001. p. 21-38.

MARTINS, João Carlos. Vygotsky e o papel das interações sociais em sala de aula: reconhecer e desvendar o mundo. Idéia, São Paulo, n. 28, p. 111-122, 1997. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_28_p111-122_c.pdf. Acesso em: 9 out. 2017.

MIRANDA, Maria Irene. Conceitos centrais da teoria de Vygotsky e a prática pedagógica. Ensino em Re-Vista, Uberlândia, v. 13, n. 1, p. 7-28, jul.2004/jul.2005. Disponível em: www.seer.ufu.br/index.php/emrevista/article/viewe/File/7921/5027. Acesso em: 11 out. 2017.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais investigação em psicologia social. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

NAZAR, Terezinha Regina Nogueira. Representações sociais de professores dos anos finais do Ensino Fundamental sobre Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). 2011. 86 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2011. Disponível em: http://www.fe.ufrj.br/anpedinha2011/trabalhos/PPGEDUCACAO_ ESTACIO _174.358.117-34_trabalho.doc. Acesso em: 10 mar. 2018.

REGO, Tereza Cristina. Vygotsky: Uma perspectiva histórico-cultural da educação. 10. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VYGOTSKY, Lev Seminovich. A formação social da mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, Lev Seminovich. Historia del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. In: Obras escogidas. Madri: Visor/MEC, 1995.

Downloads

Publicado

2020-05-18

Como Citar

MARINHO, A. C. F.; CORDEIRO, S. M. N.; FERREIRA, H. P. O SABER DOCENTE SOBRE A TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL. Trabalho & Educação, [S. l.], v. 29, n. 1, p. 111–123, 2020. DOI: 10.17648/2238-037X-trabedu-v29n1-13888. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/13888. Acesso em: 15 jan. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS