Discussões Sociocientíficas sobre o Uso de Agrotóxicos: uma Atividade Formativa Problematizada pelo Princípio da Precaução

Palavras-chave: abordagem CTS, perspectiva educacional freireana, educação profissional.

Resumo

O artigo apresenta análises sobre um processo de problematização desenvolvido em atividade formativa com professores de um curso Técnico em Agropecuária de instituição mato-grossense sobre o tema “uso de agrotóxicos nas atividades agrícolas”. O planejamento e desenvolvimento dessa atividade, elaborada em perspectiva educacional freireana, pautaram-se em reflexões do tema “agrotóxicos” à luz do Princípio da Precaução e das interações Ciência, Tecnologia, Sociedade (CTS). Fazendo uso da Análise Textual Discursiva e das categorias epistemológicas freireanas de problematização e conscientização no tratamento analítico, evidenciaram-se lacunas e desestabilização dos conhecimentos prévios dos professores participantes para responder a questão problematizadora. Tal processo e a apreensão de novos conhecimentos durante a atividade formativa indicou a ampliação da visão de mundo dos professores e a tomada de consciência sobre o uso de agrotóxicos como um problema socioambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva). (2010). Moção contra o uso dos agrotóxicos e pela vida. I Simpósio Brasileiro de Saúde Ambiental. Belém do Pará, 10 dez. 2010.
Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva). (2015). Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro: EPSJV; São Paulo: Expressão Popular.
Auler, D., & Delizoicov, D. (2006). Ciência-Tecnologia-Sociedade: relações estabelecidas por professores de ciências. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 5(2), 337–355.
Auler, D. (2011). Novos Caminhos para a Educação CTS: ampliando a participação. In W. L. P. dos Santos, & D. Auler (Org.), CTS e Educação Científica: desafios, tendências e resultados de pesquisa (pp. 7398). Brasília: Editora UnB.
Belo, M. S. S. P., Pignati, W., Dores, E. F. G. C., Moreira, J. C., & Peres, F. (2012). Uso de agrotóxicos na produção de soja do estado do Mato Grosso: um estudo preliminar de riscos ocupacionais e ambientais. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 37(125), 78–88.
Beck, U. (2011). Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. 2. ed. São Paulo: Editora 34.
Céleres. (2015). Informativo Biotecnologia. Uberlândia, MG: Céleres.
Comest (Commission on the Ethics of Scientific Knowledge and Technology). (2005). The precautionary principle. Paris: UNESCO.
Comissão das Comunidades Europeias. (2001). Livro branco: estratégia para uma futura política em matéria de químicos. Bruxelas: Comissão das Comunidades Europeias.
Decreto n.º 4.074, de 4 de janeiro de 2002 (2002). Regulamenta a Lei no 7.802, de 11 de julho de 1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, [...] e dá outras providências. Brasília.
Delizoicov, D. (1983). Ensino de Física e a concepção freireana da educação. Revista Brasileira de Ensino de Física, 5(2), 85–98, 1983.
Delizoicov, D. (2005). Problemas e problematizações. In: Pietrocola, M. (Org.). Ensino de física: conteúdo, metodologia e epistemologia numa concepção integradora (pp. 125–150). 2. ed. Florianópolis: UFSC.
Delizoicov, D., & Auler, D. Ciência, tecnologia e formação social do espaço: questões sobre a não-neutralidade. Alexandria, 4(2), 247–273.
Delizoicov. D., Angotti, J. A., & Pernambuco, M. M. (2002). Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez.
Fensham, P. J. (2014). Scepticism and trust: two counterpoint essentials in science education for complex socio-scientific issues. Cultural Studies of Science Education, 9(3), 649–661.
Freire, P. (2000). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 15. ed. São Paulo: Paz e Terra.
Freire, P. (1979). Conscientização: teoria e prática da libertação. São Paulo: Cortez & Moraes.
Freire, P. (1983). Extensão ou comunicação?. 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.
Freire, P. (2005). Pedagogia do oprimido. 47. ed. São Paulo: Paz e Terra.
Gehlen, S. T., Maldaner, O. A., & Delizoicov, D. Momentos pedagógicos e as etapas da situação de estudo: complementaridades e contribuições para a educação em ciências. Ciência & Educação, 18(1), 1–22.
Gehlen, S. T., Auth, M. A., Auler, D., Maldaaner, O. A., & Pansera-de-Araújo, M. C. (2008). Freire e Vigotski no contexto da Educação em Ciências: aproximações e distanciamentos. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 10(2), 267–282.
Gonçalves, F. P., & Marques, C. A (2012). A circulação inter e intracoletiva de conhecimento acerca das atividades experimentais no desenvolvimento profissional e na docência de formadores de professores de química. Investigações em Ensino de Ciências, 17(2), 467–488.
Guyton, K. Z., Loomis, D., Grosse, Y., Ghiassassi, F. E., Benbrahim-Tallaa, L., Guha, N., …, & Straif, K (2015). Carcinogenicity of tetrachlorvinphos, parathion, malathion, diazinon, and glyphosate. The Lancet Oncology, 16(5), 490–491.
Ibama. (2015). Planilha: Histórico de comercialização (2000–2014). Recuperado de http://www.ibama.gov.br/phocadownload/Qualidade_Ambiental/historico_2000_2014.xls
Kosto, S. D. (2006). Patterns in Students’ Argumentation Confronted with a Risk-focused Socio-scientific Issue, International Journal of Science Education, 28(14), 1689–1716.

Lacey, H. (2007). Há alternativas ao uso dos transgênicos?Novos estudos - CEBRAP, 78, 31–39.
Lacey, H. (2006). O princípio de precaução e a autonomia da ciência. Scientiae studia, 4(3), 373–392.
Levinson, R., Kent, P., Pratt, D., Kapadia, R., & YoguiI, C. (2012). Risk-based decision making in a scientific issue: a study of teachers discussing a dilemma through a microworld. Science Education, 96(2), 212–233.
Lieber, R. R (2008). O princípio da precaução e a saúde no trabalho. Saúde e Sociedade, 17(4), 124–134.
Lindemann, R. H. (2010). Ensino de química em escolas do campo com proposta agroecológica: contribuições a partir da perspectiva freireana de educação. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
Lopes, G. V., & Dunda, F. F. E. (2015). O risco da contaminação global: o combate à epidemia de Ebola na África como vetor de cooperação internacional. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, 9(1).
Magalhães, A. (2007). Especial Paulo Freire 3: reconhecido no mundo, pouco aplicado no Brasil. Recuperado de http://www.camara.gov.br/internet/radiocamara/ default.asp?selecao=MAT&Materia=50034
Martínez Pérez, L. F., & Lozano, D. L. P. (2013). Discurso Ético y Ambiental sobre Cuestiones Sociocientíficas: aportes para la formación del profesorado. Bogotá/Colômbia: Universidad Pedagógica Nacional.
Miranda, A. C., Moreira, J. C., Carvalho, R. de, & Peres, F. (2007). Neoliberalismo, uso de agrotóxicos e a crise da soberania alimentar no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 12(1), 7–14.
Moraes, R., & Galiazzi, M. C. (2006). Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, 12(1), 117–128.
Npic (National Pesticide Information Center). (2014). Glyphosate. Oregon: National Pesticide Information Center.
Oliveira, A. M., & Recena, M. C. P. (2009). A investigação temática e a análise textual discursiva: busca por temas geradores. In Atas do VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis, SC: ABRAPEC.
Onu (Organização das Nações Unidas). (1992). Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento. Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. 03–14 jun. 1992.
Praia, J., Gil-Pérez, D., & Vilches, A. (2007). O papel da natureza da ciência na educação para a cidadania. Ciência & Educação, 1(2), 141–156.
Prestes, R. F., Lima, V. M. R, & Ramos, M. G. (2011). Contribuições do uso de estratégias para a leitura de textos informativos em aulas de Ciências. Revista electrónica de enseñanza de las ciencias, 10(2), 346–367.
Rigotto, R. M. (2011). O uso seguro de agrotóxicos é possível? In F. Londres (Org.). Agrotóxicos no Brasil: um guia para ação em defesa da vida (pp. 48–51). Rio de Janeiro: AS-PTA – Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura Alternativa.
Sandin, P. (1999). Dimensions of the precautionary principle. Human and Ecological Risk Assessment, 5(5), 889–907.
Santos, W. L. P., & Schnetzler, R. P. (2010). Educação em Química: compromisso com a cidadania. 3. ed. Ijuí: Unijuí.
Sehn (Science & Environmental Health Network). (1998). Wingspread Statement on the Precautionary Principle. Wisconsin: Wingspread Conference Center.
Simonneaux, L (2001). Role-play or debate to promote students’ argumentation and justification on an issue in animal transgenesis. International Journal of Science Education, 23(9), 903–927.
Solino, A. P., & Gehlen, S. T. (2015). O papel da problematização freireana em aulas de ciências/física: articulações entre a abordagem temática freireana e o ensino de ciências por investigação. Ciência & Educação, 2(4), 911–930.
Souza, L. C. A. B. (2016). A problematização do Princípio da Precaução na formação do técnico agrícola: reflexões para o enfrentamento da racionalidade instrumental a partir de uma questão sociocientífica. (Tese de Doutorado em Educação Científica e Tecnológica). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
Souza, L. C. A. B., Marques, C. A., & Machado, A. A. S. C (2016). O princípio da precaução no ensino de ciências como possibilidade para a promoção de discussões sociocientíficas. Investigações em Ensino de Ciências, 21(2), 137–152.
Thornton, J. W. (2000). Beyond risk: an ecological paradigm for persistent organic pollutants. International Journal of Occupational and Environmental Medicine, 6(4), 318–330.
Tickner, J. A., & Raffensperger, C. (1998). The precautionary principle in action: a handbook. Windsor, North Dakota: Science and Environmental Health Network.
Torres, J. R., Gehlen, S. T., Muenchen, C., Gonçalves, F. P., Lindemann, R. H., & Gonçalves, F. J. F. (2008). Resignificação curricular: contribuições da investigação temática e da análise textual discursiva. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 8(2).
Publicado
2017-08-31
Como Citar
Souza, L. C. A. B., & Marques, C. A. (2017). Discussões Sociocientíficas sobre o Uso de Agrotóxicos: uma Atividade Formativa Problematizada pelo Princípio da Precaução. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 17(2), 495-519. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2017172495
Seção
Artigos