A constituição mista em Aristóteles

as formas de governo, a história e a perfeição nos limites do possível

Autores

  • Igor Santos Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2020.20066

Palavras-chave:

Aristóteles, Constituição mista, Formas de governo

Resumo

O presente artigo tem objetivo evidenciar as reflexões de Aristóteles sobre as formas de governo, em especial, os elementos político-jurídicos admitidos como positivos e negativos, identificados nas diferentes poleis históricas. A partir do exame de algumas das principais obras aristotélicas, em particular, a Política, observa-se que o filósofo conclui como a melhor constituição aquela que, conforme o povo em questão, permita o desenvolvimento pleno das capacidades humanas. Entretanto, Aristóteles não exclui totalmente a concepção de uma constituição perfeita, embora siga uma perspectiva explicitamente diversa da visão platônica. A perfeição é compreendida sempre nos limites do possível, na qualidade de instrumento de medida da variabilidade empírica e de mecanismo de impulso para o homem buscar sempre aprimorar a sua organização política para permitir a sua eudaimonia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Santos, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando e Mestre em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Direito Público pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Graduado em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professor universitário. Advogado.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-6857-7178

Referências

ARAÚJO, Cícero Romão Resende de. A forma da República: da constituição mista ao Estado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.
ARENDT, Hannah. Past and Future: Six Exercises in Political Thought. New York: The Viking Press, 1961.
ARISTÓTELES. Constitución de los atenienses. Trad. Manuela García Valdés. Madrid: Gredos, 1984.
_______. Metafísica. Ética a Nicômaco. Poética. Trad. Vicente Cocco et al. São Paulo: Abril, 1984.
_______. Política. Trad. Manuela García Valdés. Madrid: Gredos, 1988.
_______. The Complete Works of Aristotle: The revised Oxford translation. Princeton: Princeton University Press, 1984, v. 2.
AUBENQUE, Pierre. A prudência em Aristóteles. Trad. Marisa Lopes. 2. ed. São Paulo: Discurso Editorial; Paulus, 2008.
_______. Le problème de l’être chez Aristote. Paris: Presses Universitaures de France, 1962.
BARNES, Jonathan. Aristotle: a very short introduction. Oxford: Oxford University Press, 2000.
BERTI, Enrico. As razões de Aristóteles. Trad. Dion Davi Macedo. São Paulo: Loyola, 1998.
_______. L’unità del sapere in Aristotele. Padova: CEDAM, 1965.
_______. Profilo di Aristotele. Roma: Edizioni Studium, 1979.
BOBBIO, Norberto. A teoria das formas de governo. Trad. Sérgio Bath. 5. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1988.
BODÉÜS, Richard. Aristóteles, a justiça e a cidade. Trad. Nicolás Nyimi Campanário. São Paulo: Loyola, 2007.
_______. Law and Regime in Aristotle. In: LORD, Carnes; O’CONNOR, David K. (eds.). Essays on the Foundations of Aristotelian Political Science. Berkeley; Los Angeles; London: University of California Press, 1991.
_______. The Political Dimensions of Aristotle’s Ethics. Trad. Jan Edward Garrett. Albany: State University of New York Press, 1993.
CATROGA, Fernando. Ainda será a História Mestra da Vida? Estudos Íbero-Americanos, PUCRS, Porto Alegre, n. 2, p. 7-34, 2006.
CHERNISS, Harold. Aristotle’s Criticism of Plato and the Academy. Baltimore: The Johns Hopkins Press, 1944.
COELHO, Nuno M. M. S. Sensatez como modelo e desafio do pensamento jurídico em Aristóteles. São Paulo: Rideel, 2012.
CORREA, Denis Renan. A memória cultural de Sólon de Atenas na aristotélica “Constituição dos Atenienses”. 100f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.
DIÓGENES LAÉRCIO. Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres. Trad. Mario da Gama Kury. 2. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2008.
DONINI, Pierluigi. La metafisica di Aristotele: introduzione alla lettura. Roma: Carocci, 1995.
FINE, Gail. On ideas: Aristotle’s criticism of Plato’s theory of forms. Oxford: Oxford University Press, 1993.
FINLEY, Moses I. Uso e abuso da história. Trad. Marylene Pinto Michael. São Paulo: Martins Fontes, 1989.
HERÓDOTO. Historia. Libro III: Talía. Trad. Carlos Schrader. Madrid: Gredos, 1979.
JAEGER, Werner. Aristotle: fundamentals of the history of his development. Trad. Richard Robinson. 2. ed. Oxford: Clarendon Press, 1948.
LAURENTI, Renato. Introduzione alla Politica di Aristotele. Napoli: L’Officina Tipografica, 1992.
LIMA VAZ, Henrique C. Escritos de Filosofia II: ética e cultura. São Paulo: Loyola, 1988.
_______. Escritos de filosofia IV: introdução à ética filosófica 1. São Paulo: Loyola, 1999.
MAGALHÃES GOMES, Marcella Furtado de. O homem, a cidade e a lei: a dialética da virtude e do direito em Aristóteles. 436f. Tese (Doutorado em Filosofia do Direito) - Faculdade de Direito, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.
MATHIEU, Georges. Aristote: Constitution d’Athènes. Essai sur la méthode suivie par Aristote dans la discussion des textes. Paris: Librairie Ancienne Honoré Champion, 1915.
MOREAU, Joseph. Aristoteles y su escuela. Trad. Marino Ayerra. Buenos Aires: Editorial Universitaria de Buenos Aires, 1972.
PHILIPPE, Marie-Dominique. Introdução à filosofia de Aristóteles. Trad. Gabriel Hibon. São Paulo: Paulus, 2002.
PLATÃO. A República. Trad. Maria Helena da Rocha Pereira. 9. ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2001.
PLATÃO. Diálogos. O banquete. Fédon. Sofista. Político. Trad. José Cavalcante de Souza, Jorge Paleikat e João Cruz Costa. São Paulo: Abril Cultural, 1972 (Coleção Os pensadores).
PUENTE, Fernando Rey. Os sentidos do tempo em Aristóteles. São Paulo: Loyola, 2001.
REALE, Giovanni. Introduzione a Aristotele. 2. ed. Roma; Bari: Laterza, 1977.
RICKEN, Friedo. O bem-viver em comunidade: a vida boa segundo Platão e Aristóteles. Trad. Inês Antônia Lohbauer. São Paulo: Loyola, 2008.
ROMILLY, Jacqueline de. La notion de “classes moyennes” dans l’Athènes du Ve s. av. J. C. Revue des Études Grecques, v. 100, n. 475-476, p. 1-17, jan./jun.1987.
_________. Le classement des constitutions d’Hérodote à Aristote. Revue des Études Grecques, v. 72, n. 339-343, p. 81-99, jan./dez. 1959.
ROSS, David. Aristotle. 6. ed. London; New York: Routledge, 1995.
SALDANHA, Nelson. As formas de governo e o ponto de vista histórico. Belo Horizonte: Revista Brasileira de Estudos Políticos; Universidade de Minas Gerais, 1960.
SALGADO, Joaquim Carlos. O espírito do Ocidente, ou a razão como medida. Cadernos de Pós-Graduação em Direito: Estudos e documentos de trabalho. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, São Paulo, n. 9, 2012.
SANTOS, Igor Moraes. O homem e a cidade na Grécia Antiga: relações entre o cidadão e a polis nas instituições políticas e no pensamento helênico clássico. 86f. Monografia (Graduação em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.
STRAUSS, Barry S. On Aristotle’s Critique of Athenian Democracy. In: LORD, Carnes; O’CONNOR, David K. (eds.). Essays on the Foundations of Aristotelian Political Science. Berkeley; Los Angeles; London: University of California Press, 1991.
TAYLOR, C. C. W. Politics. In: BARNES, Jonathan (ed.). The Cambridge Companion to Aristotle. Cambridge: Cambridge University Press, 1995.
VERGINIÈRES, Solange. Ética e política em Aristóteles: physis, ethos, nomos. Trad. Constança Marcondes Cesar. São Paulo: Paulus, 1998.
VILATTE, Sylvie. Espace et temps: La cité aristotélicienne de la Politique. Besançon: Annales Littéraires de l’Université de Besançon; Paris: Les Belles Lettres, 1995.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Como Citar

SANTOS, I. A constituição mista em Aristóteles: as formas de governo, a história e a perfeição nos limites do possível . Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 5, n. 1, p. 1–50, 2020. DOI: 10.35699/2525-8036.2020.20066. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e20066. Acesso em: 17 maio. 2022.