Estado e Educação no construtivismo institucional de Anísio Teixeira

Autores

  • Rafael Valladão Rocha Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2021.35923

Palavras-chave:

Instituições, Estruturas, Educação, Política educacional

Resumo

O pensamento político-pedagógico e a obra educacional de Anísio Teixeira podem ser caracterizados por sua imaginação institucional e seu incentivo ao experimentalismo pedagógico. Pretendemos explicitar neste trabalho o conteúdo propositivo e explicativo da obra anisiana, destacando sua concepção de estruturas institucionais como artefato maleável e suscetível de reorganização estratégica, o que se fará a partir das noções de Estado e Educação. Por fim, oferecemos argumentação no sentido de retomar as ideias construtivistas institucionais de Anísio Teixeira como referencial teórico para políticas educacionais inovadoras e padrões superiores de administração pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Valladão Rocha, Universidade Federal Fluminense

Graduado e licenciado em Ciências Sociais e mestrando em Ciência Política pela Universidade Federal Fluminense, Brasil. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-4819-6746. Contato: rafaelvalladao@id.uff.br

Referências

ARAÚJO, Gilda Cardoso de. A relação entre federalismo e municipalização: desafios para a construção do sistema nacional e articulado de educação no Brasil. Educação e Pesquisa, v. 36, n. 1, p. 389-402. 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1517-97022010000100013. Acessado 25 junho 2021.

BALESTRIN, Mariana; SPONCHIADO, Breno Antônio; SUDBRACK, Edite Maria. A contribuição do pensamento de Anísio Teixeira para a formação do cidadão democrático na sociedade brasileira. Revista de Educação Popular, v. 16, n. 2, p. 125-135, 21 nov. 2017. Disponível em http://www.seer.ufu.br/index.php/reveducpop/article/view/40525. Acessado 28 junho 2021.

BARBOSA, Nayara Ferreira de Moura; JARDILINO, José Rubens de Lima. A formação de professores: notas sobre o pensamento educacional de Anísio Teixeira. Educação em Perspectiva, Viçosa, v. 3, n. 2, p. 320-339, 2012. Disponível em https://www.repositorio.ufop.br/bitstream/123456789/4893/1/ARTIGO_Forma%C3%A7%C3%A3oProfessoresNotas.pdf. Acessado 21 junho 2021.

CAMPOS, Francisco. O Estado Nacional: sua estrutura, seu conteúdo ideológico. Brasília, Senado Federal, Conselho Editorial. 2001. 226 p.

CAVALIERE, Ana Maria. Anísio Teixeira e a educação integral. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 20, n. 46, p. 249-259, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-863X2010000200012. Acessado 19 junho 2021.

CORDEIRO, Célia Maria Ferreira. Anísio Teixeira, uma "visão" do futuro. Estudos Avançados, v. 15, n. 42, p. 241-258, 2001. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-40142001000200012. Acessado 19 junho 2021.

DALLABRIDA, Norberto. A reforma Francisco Campos e a modernização nacionalizada do ensino secundário. Educação, Porto Alegre, v. 32, n. 2, p. 185-191, 2009. Disponível em https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/5520. Acessado 21 junho 2021.

LIMA, Hermes. Anísio Teixeira: estadista da Educação. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira. 1978. 212 p.

MENDONÇA, Ana Waleska et al. Pragmatismo e desenvolvimentismo no pensamento educacional brasileiro dos anos de 1950/1960. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 31, p. 96-113, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782006000100008. Acessado 20 junho 2021.

PAULILLO, André Luiz. As estratégias de administração das políticas públicas de educação na cidade do Rio de Janeiro entre 1922 e 1935. Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 42, p. 440-455, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782009000300004. Acessado 24 junho 2021.

ROMANELLI, Otaíza. História da Educação no Brasil. 8ª edição. Petrópolis, Vozes. 1986. 269 p.

SANTOS, Heloisa Occhiuze dos. Ideário pedagógico municipalista de Anísio Teixeira. Cadernos de Pesquisa, n. 110, p. 105-124, 2000. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-15742000000200004. Acessado 24 junho 2021

TEIXEIRA, Anísio. Educação é um direito. São Paulo, Companhia Editora Nacional. 1968. 165 p.

TEIXEIRA, Anísio. Educação não é privilégio. 5ª edição. Rio de Janeiro, Editora UFRJ. 1994. 252 p.

TEIXEIRA, Anísio. Educação para a Democracia. 2ª edição. Rio de Janeiro, Editora UFRJ. 1997. 266 p.

TEIXEIRA, Anísio. Pequena introdução à Filosofia da Educação: a escola progressiva ou a transformação da escola. 6ª edição. São Paulo, Companhia Editora Nacional. 1971. 150 p.

TEIXEIRA, Carlos Sávio Gomes. Modos de explicar o Brasil: o estruturalismo sociológico de Florestan Fernandes e o construtivismo institucional de Roberto Mangabeira Unger. Sinais Sociais, Rio de Janeiro, v. 10 n. 28, p. 55-79, mai.-ago. 2015. Disponível em: http://dcp.uff.br/wp-content/uploads/sites/327/2020/10/modos-de-explicar-o-brasil.pdf. Acessado em 11 agosto 2021.

TEIXEIRA, Carlos Sávio Gomes; MEDEIROS, Tiago. O construtivismo institucional e a democracia brasileira. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, vol. 6, n. 2, p. 01-20, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e35659/e35659. Acessado 17 setembro 2021.

UNGER, Roberto Mangabeira Unger. Depois do colonialismo mental: repensar e reorganizar o Brasil. São Paulo, 2018. Autonomia Literária. 308 p.

VIANA, Oliveira. Instituições Políticas Brasileiras. Brasília, Edições do Senado Federal. 2019. 582 p.

XAVIER, Libânia Nacif. Universidade, pesquisa e educação pública em Anísio Teixeira. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 19, n. 2, p. 669-682, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-59702012000200017. Acessado 26 junho 2021.

XAVIER, Libânia Nacif; PINHEIRO, José Gledison Rocha. Da LAB School de Chicago às escolas experimentais do Rio de Janeiro dos anos 1930, História da Educação, v. 20, n. 50, p. 177-191, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2236-3459/62397. Acessado 21 junho 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-17

Como Citar

ROCHA, R. V. Estado e Educação no construtivismo institucional de Anísio Teixeira. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 1–27, 2021. DOI: 10.35699/2525-8036.2021.35923. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e35923. Acesso em: 26 nov. 2022.