Segurança para inglês ver

uma análise do conteúdo do jornal O Globo e do comitê popular sobre a segurança no Rio de Janeiro durante a Copa do Mundo de 2014

Autores

  • Igor Lacerda http://orcid.org/0000-0002-6347-4356

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2018.5104

Palavras-chave:

Comunicação pública, Representação social, Segurança, Megaeventos, Copa do Mundo

Resumo

Este estudo se propõe a analisar e estabelecer comparações entre as representações de segurança no Rio de Janeiro, durante a Copa do Mundo de 2014, criadas pelo jornal O Globo e pelo dossiê Megaeventos e violações dos direitos humanos. Para evidenciar elementos que contribuam para o entendimento de contradições e proximidades das diferentes narrativas, utilizamos a análise de conteúdo, seguindo as diretrizes de Bardin (2016). Para compreender as construções simbólicas contidas nas páginas dos documentos, recorremos à teoria de representações sociais, de acordo com as diretivas de Jovchelovitch (2000). Os dados revelam que a mídia tradicional deu mais destaque aos benefícios que o Rio receberia com a chegada dos jogos, enquanto a mídia alternativa deu mais visibilidade às necessidades e reivindicações do povo. Acredita-se que as representações criadas pelos atores sociais sobre a cidade sede da Copa registram a memória, auxiliando-nos a investigar o que restou de um mundo antigo, e a amar ou rejeitar o que é novo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Lacerda, http://orcid.org/0000-0002-6347-4356

Publicitário -Universidade Veiga de Almeida (UVA). Contato: igorlacerdasa@gmail.com http://orcid.org/0000-0002-6347-4356

Referências

ANDRADE, Sara. A informação na sociedade contemporânea: uma breve abordagem sobre a sociedade da informação, o fenômeno global e a mundialização da cultural. Revista Unirn, v. 1, n. 1, 2001, p. 207-216.

ARANTES, Otília; VAINER, Carlos; MARICATO, Ermínia. A cidade do pensamento único: desmanchando o consenso. Petrópolis: Vozes, 2013.

ARAÚJO, Eliany. Informação, sociedade e cidadania: gestão da informação no contexto de organizações não-governamentais (ONGs) brasileiras. Revista eletrônica, v. 29, n. 2, 1999, p. 155-167.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70 -Brasil, 2016.

CARVALHO, Angela; SANTOS, Plácida. Sociedade da informação e a aplicação da informação na sociedade contemporânea. Intercom, 2009. Disponível em: <http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2009/resumos/R4-2483-1.pdf>

DUARTE, Jorge. “Instrumentos de Comunicação Pública”. In: DUARTE, Jorge (Org.). Comunicação Pública: Estado, Mercado, Sociedade e Interesse Público. São Paulo: Atlas, 2012. p. 59-72.

FERREIRA, Rubens. A sociedade da informação no Brasil: um ensaio sobre os desafios do Estado. Revista IBICT, v. 32, n. 1, 2003, p. 36-41.

FREITAS, Ricardo; FORTUNA, Vania. O Rio de Janeiro continua lindo, o Rio de Janeiro continua sendo o grande palco brasileiro de megaeventos. Intercom, 2008. Disponível em: <http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2008/resumos/R3-0714-1.pdf>.

JAGUARIBE, Beatriz. Imaginando a cidade maravilhosa: modernidade, espetáculo e espaços urbanos. Famecos, v. 18, n. 2, 2011, p. 327-347.

JOVCHELOVITCH, Sandra. Representações sociais e esfera pública: a construção simbólica dos espaços públicos no Brasil. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.

MORAES, Dênis. Comunicação virtual e cidadania: movimentos sociais e políticos na internet. Intercom, 2000. Disponível em: .

VAINER, Carlos. “Pátria, empresa e mercadoria”. In: ARANTES, Otília; VAINER, Carlos; MARICATO, Ermínia. A cidade do pensamento único: desmanchando o consenso. Petrópolis: Vozes, 2013.

Downloads

Publicado

19-07-2018

Como Citar

LACERDA, I. Segurança para inglês ver: uma análise do conteúdo do jornal O Globo e do comitê popular sobre a segurança no Rio de Janeiro durante a Copa do Mundo de 2014. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 409–427, 2018. DOI: 10.35699/2525-8036.2018.5104. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e5104. Acesso em: 21 maio. 2024.