Fluência tecnológico-pedagógica na produção de Recursos Educacionais Abertos (REA)

Autores

  • Sabrina Bagetti Universidade Federal de Santa Maria- UFSM
  • Eunice Maria Mussoi Universidade Federal de Santa Maria-UFSM
  • Elena Maria Mallmann Universidade Federal de Santa Maria-UFSM

DOI:

https://doi.org/10.17851/1983-3652.10.2.185-205

Palavras-chave:

recursos educacionais abertos, fluência tecnológico-pedagógica, tecnologia educacional

Resumo

 

RESUMO: A preocupação temática geradora desta pesquisa está centrada na integração das tecnologias educacionais em rede no Ensino Superior, com foco na produção, adaptação e compartilhamento de Recursos Educacionais Abertos (REA). Investigou-se as implicações da fluência tecnológico-pedagógica na produção de videoaulas no formato REA. O grupo de envolvidos foram os docentes e estudantes do curso de Licenciatura em Letras Espanhol matriculados no componente curricular Políticas Públicas Educacionais e Gestão da Educação Básica, do primeiro semestre de 2017, na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Metodologicamente realizaram-se observação participante, registro e análise dos procedimentos que envolvem videoaulas no formato REA. Para tanto, a concepção teórico-metodológica da pesquisa-ação orientou o estudo no estabelecimento de etapas cíclicas de planejamento, implementação, avaliação e replanejamento das ações pedagógicas. Os resultados apontam que videoaulas no formato REA são ferramentas de integração das tecnologias no contexto escolar. Por isso, elas potencializam o desenvolvimento da fluência tecnológico-pedagógica emancipatória na formação de professores. Conclusivamente, no ensino-aprendizagem mediado por REA, a finalidade de potencializar (co)autoria, dentre outros elementos formadores, constitui movimento de mobilização do conhecimento escolar.
PALAVRAS-CHAVE: recursos educacionais abertos; fluência tecnológico-pedagógica; tecnologia educacional.


ABSTRACT:  The thematic concern generating this research is centered in the promotion of the integration of the educational technologies in network in Higher Education, focusing on the production and adaptation of Open Educational Resources (OER). In this sense, we propose to investigate the implications of technological-pedagogical fluency in the production of videoaulas in the OER format. The group involved were the teachers and students of the degree in Letras/Spanish, enrolled in the Discipline of Public Educational Policies and Management of Basic Education, in the first term of 2017, at the Federal University of Santa Maria (UFSM). Methodologically, we conducted participant observation, registering, and analyses of the procedures that involve the production of video classes in the REA format. For this, we were guided by the theoretical-methodological conceptions of action research, establishing cyclical stages of planning, implementation, evaluation and replanning in our pedagogical actions. The results indicate that the use of OER as tools for integrating technologies in the school context, potentiate the development of emancipatory technological-pedagogical fluency in initial teacher training. Conclusively in the REA-mediated teaching and learning, the purpose of promoting authorship and co-authorship, among other formative elements, consisted of a movement also to mobilize knowledge in school.
KEYWORDS: open educational resources; technological-pedagogical fluency; technology integration.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sabrina Bagetti, Universidade Federal de Santa Maria- UFSM

Professora de Educação Básica. Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM. Especialista em Tecnologias da Informação aplicadas a educação- UAB/UFSM. Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da mesma instituição. Tutora do curso de Licenciatura em Pedagogia UAB/UFSM. Doutoranda em Educação também pelo PPGE/UFSM e integra a linha de pesquisa, Práticas Escolares e Políticas Públicas (LP2), desenvolvendo processos investigativos sobre fluência tecnológico-pedagógica na produção de Recursos Educacionais Abertos (REA) no Ensino Superior.  Colaboradora do Grupo de Pesquisa do CNPq: Grupo de Estudos e Pesquisas em Tecnologias Educacionais em Rede (GEPETER).

Eunice Maria Mussoi, Universidade Federal de Santa Maria-UFSM

Doutora em Informática na Educação (PGIE/CINTED/UFRGS). A atuação docente no Ensino Superior abrange a formação dos alunos e alunos (presencial e EaD), produção de materiais didáticos, a formação de tutores presenciais e a distância. Na UFRGS, atuou no suporte técnico pedagógico as atividades de tutoria e desenvolvimento do Curso de Especialização em Gestão Escolar do Programa Nacional Escola de Gestores do MEC e do Curso Mídias na Educação (CINTED/UFRGS). Atuou como tutora a distância do Curso de Especialização em Informática Instrumental para Professores da Educação Básica (UFRGS). Atua como professora da disciplina Sala de Aula e TIC, do Curso de Especialização em Tecnologia da Informação e da Comunicação Aplicadas à Educação e como orientadora de TCC (UAB/UFSM). Na UFSM também atuou como professora colaboradora (2013) e pesquisadora (2005), participou e acompanhou a implantação dos Cursos a Distância de Graduação e Especialização em Educação Especial. Também, atuou como docente do Curso Presencial de Introdução a Informática Educativa e a plataforma e-proinfo. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Tecnologia da Informação e Comunicação na educação, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, informática educativa, mídias na educação, educação a distância, produção de objetos de aprendizagem, tutoria, produção de materiais didático, objetos de aprendizagem, multimídia e interatividade. Graduada em Estudos Sociais, Licenciatura Plena (UNIFRA,1988). Especialização em Geografia Física (UNIFRA, 1989) e em Informática Educativa pela UFRGS (MEC/PROINFO/UFRGS,1999). Mestrado em Geografia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM, 2006). Iniciou a atuação docente no Ensino Fundamental da Rede Pública Municipal de Santa Maria (RS), nas disciplinas de Geografia, História e Ensino Religioso (1994). Em 1999, passou a atuar no Núcleo de Tecnologia Educacional (8ª CRE) e, após, Núcleo de Tecnologia Educacional Municipal de Santa Maria, RS. Tem experiência como Coordenadora Pedagógica. Também atuou na Secretaria de Município da Educação.

Elena Maria Mallmann, Universidade Federal de Santa Maria-UFSM

Graduação em Pedagogia e mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria. Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Pós-doutorado pela Universidade Aberta de Portugal - Bolsa Capes. Professora-pesquisadora do Departamento Administração Escolar (ADE).Orientadora de Mestrado e Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e no Programa de Mestrado Profissional em Tecnologias Educacionais em Rede (PPGTER). Coordenadora substituta do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) no biênio 2015-2017. Líder do Grupo de Pesquisa do CNPq: Grupo de Estudos e Pesquisas em Tecnologias Educacionais em Rede (GEPETER). Tem experiência na área de Educação, ênfase em Ensino-Aprendizagem/Tecnologia Educacional. Atua principalmente nas linhas de pesquisa Práticas Escolares e Políticas Públicas e Gestão de Tecnologias Educacionais em Rede nos temas: tecnologias educacionais, educação a distância, mediação pedagógica,fluência tecnológico-pedagógica, materiais didáticos, práticas e recursos educacionais abertos.

Referências

ARAYA, E. R.; VIDOTTI, S. A. B. G. Criação, proteção e uso legal de informação em ambientes da World Wide Web. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Disponível em: http://books.scielo.org/id/fdx3q. Acesso em: 27 mar. 2017.

BRASIL. Portaria nº. 4.059. 10 dez 2004. Brasília. p. 1, 2004.

BRASIL. Plano Nacional de Educação (PNE). 2014-2024 Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014.

BRASIL, Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 02/2015, de 1º de julho de 2015.

CARIA, T. H. Itinerário de aprendizagens sobre a construção teórica do saber. Etnográfica. Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia, 11(1), p. 215-250, 2007. Disponível em: http://etnografica.revues.org/1931. Acesso em: 20 mar. 2017.

CABRAL, P. A nova lei de direitos autorais: comentários. São Paulo: Harbra, 2003.

COLL, C.; MONEREO, C. Psicologia da Educação Virtual: Aprender e ensinas com as tecnologias da informação e da comunicação. São Paulo: Artmed Editora, 2010.

CONTE, E. Repensando a performance na educação: intuições e problemas na recepção. Revista Educação. Santa Maria. v. 38, n. 2, p. 403-416. 2013.

DUARTE, T. A possibilidade da investigação a 3: reflexões sobre triangulação (metodológica). CIES-ISCTE: Portugal. 2009.

FERREIRA, L. S. Trabalho pedagógico. Belo Horizonte, MG: Faculdade de Educação UFMG, 2010 (Verbete no Dicionário de Trabalho, Profissão e Condição Docente).

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

GOFFMAN, E. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1975.

KAFAI, Y. et al. Being Fluent with Information Technology. National Academies Press, 1999.

KEMMIS, S. Y.; MACTAGGART, M. R. Cómo planificar la investigación-acción. Barcelona: Laertes, 1988.

MALLMANN, E, M. et al. Inovação Mediada por Recursos Educacionais Abertos (REA): o caso da Universidade Aberta de Portugal. In: Inovação em práticas e tecnologia para aprendizagem. São Paulo: Pimenta Cultural. 2015, Disponível em https://www.pimentacultural.com/inovacao-em-praticas-e-tecnologias. Acesso em: 06 jun. 2017

MALLMANN, E. SCHNEIDER, D. MAZZARDO, M. Fluência Tecnológico-Pedagógica (FTP) dos Tutores. RENOTE, Porto Alegre, v. 11, n. 3. 2013. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/renote/article/view/44468/28213. Acesso em: 06 jun. 2017.

MIRA, Mapa de Iniciativas de Recursos Abertos. 2014. Disponível em: https://youtu.be/MTrUZfTwy_c. Acesso em: 06 jun. 2017.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

OKADA, A.; SERRA, A. R. Produzindo recursos educacionais abertos com mídias sociais e mobilidade. In: Anais 20º CIAED – Congresso Internacional ABED de Educação a Distância. Curitiba, 2014, p. 135-189.

ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. São Paulo: Cortez. 2001.

PAPERT, S.; RESNICK, M. Technological fluency and the representation of knowledge. Proposal to the National Science Foundation. MIT Media Laboratory. Cambridge, MA, 1995.

SANTANA, B.; ROSSINI, C.; PRETTO, N. L. Recursos Educacionais Abertos. Práticas colaborativas e políticas públicas. São Paulo/Salvador: Casa da Cultura Digital e EDUFBA, 2012.

SILVA, M. Sala de aula Interativa presencial e online. 2017. Disponível em: https://youtu.be/vds722-R_74. Acesso em: 02 jun. 2017.

SCHUMACHER, V. R. N. et al. A percepção do professor sobre suas competências em tecnologias da informação e comunicação. RENOTE, Porto Alegre. UFRGS, v. 14, n. 1. 2016. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/renote/article/view/67370. Acesso em: 22 mar. 2017.

SIMÕES, A. G. O crime de plágio e suas variações no ambiente acadêmico. Âmbito Jurídico, Rio Grande, XV, n. 96, 2012, Disponível em: http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11057. Acesso em: 08 de jun. 2017.

SOUZA, A. R. A política educacional e seus objetos de estudo. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa, v. 1, n. 1, p. 75-89, 2016.

TAROUCO, L. M. R. et al. Objetos de Aprendizagem: teoria e prática. Porto Alegre: Evangarf, 2014.

UNESCO. Guidelines for open educational resources (OER) in higher education. Vancouver, 2012. Disponível em: http://www.unesco.org/fileadmin/MULTIMEDIA/HQ/. Acesso em: 22 mar. 2017.

UNESCO. Diretrizes para Recursos educacionais abertos (REA) no Ensino Superior. Vancouver, 2015.

WILEY, D.; GIBBONS, A. S.; RECKER, M. A reformulation of the issue of learning object granularity and its implications for the design of learning objects. 2002. Disponível em: http://reusability.org/granularity.pdf. Acesso em: 13 dez. 2017.

WILEY, D. A. The Access Compromise And The 5th R. 2014. Disponível em: https://goo.gl/WmuOAv. Acesso em: 08 abr. 2017.

Downloads

Publicado

28-12-2017

Como Citar

BAGETTI, S.; MUSSOI, E. M.; MALLMANN, E. M. Fluência tecnológico-pedagógica na produção de Recursos Educacionais Abertos (REA) . Texto Livre, Belo Horizonte-MG, v. 10, n. 2, p. 185–205, 2017. DOI: 10.17851/1983-3652.10.2.185-205. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/textolivre/article/view/16769. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Educação e Tecnologia

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.