Contagem de bactérias lácticas em iogurtes comerciais

Autores

  • Paula Karoline Soares Farias Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG.
  • Gerlane Antunes Batista Nogueira Acadêmica do Curso de Nutrição. Faculdade de Saúde Ibituruna - Fasi.
  • Susi Gabriela Antunes dos Santos Acadêmica do Curso de Nutrição. Faculdade de Saúde Ibituruna - Fasi.
  • Rodrigo Pereira Prates Acadêmico do Curso de Nutrição. Faculdade de Saúde Ibituruna - Fasi.
  • Cintya Neves de Souza Bióloga. Instituto de Ciências Agrárias – ICA/UFMG. Montes Claros, MG.

Palavras-chave:

Iogurte. Bactérias. Probióticos. Qualidade de produtos para o consumidor.

Resumo

Iogurte é a definição dada ao derivado do leite, proveniente da fermentação pela ação de cultura láctea
mista de Lactobacillus bulgaricuse Streptococcus thermophilus. A conservação dos iogurtes por meio
da ação das bactérias lácticas nos alimentos ocorre pela produção de ácidos orgânicos, especialmente o ácido láctico com concomitante acidificação do produto a pH próximo de quatro. O processo de
acidificação promove a inibição do desenvolvimento de micro-organismos deteriorantes e patogênicos.
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento através da Instrução Normativa n° 46 de 2007
estabelece a quantidade mínima viável para as bactérias lácticas. O presente estudo teve como escopo
a quantificação das bactérias láticas bem como avaliar a acidez titulável e o pH em diferentes marcas
e tipos de iogurtes comerciais. Foram analisadas 28 amostras de iogurtes, contemplando 7 marcas
diferentes, comercializadas na cidade de Montes Claros–MG, foram realizadas as análises físico-químicas de pH e acidez titulável. De acordo com os resultados obtidos pôde-se verificar que, excetuando a
amostra C no 7º e 14º dias em que não atingiram o níveis mínimos para acidez, todos os iogurtes analisados apresentaram valores de pH característicos de iogurtes e acidez dentro dos valores permitidos
pela legislação e de acordo com valores encontrados por outros autores. No que tange a contagem de
bactérias lácticas, todas as 7 marcas analisadas apresentaram-se dentro do limite mínimo estabelecido
pela legislação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Karoline Soares Farias, Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG.

Nutricionista, Especialista em Nutrição Clínica pelo Centro Educacional São Camilo - CESC/MG. Mestranda em Produção Animal pelo Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais - ICA/UFMG.

Referências

ALBUQUERQUE, W. V.; SILVA, E. F.; SAMPAIO, C. Verificação de características físico-químicas, fungos filamentosos e leveduras em iogurtes comercializados em Maceió-AL. Ciências Agrárias, v. 1, n. 1, 2013.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 2, de 7 de janeiro de 2002. Regulamento Técnico de Substâncias Bioativas e Probióticos Isolados com Alegação de Propriedades Funcional e ou de Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 17 de julho de 2002.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n° 46 de 23/10/2007. Adota o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leites Fermentados. Publicado no Diário Oficial da União de 24/10/2007, Seção 1.

BUDAK, S. O.; AKAL, C.; YETISEMIYEN, A. Effect of dried nut fortification on functional, physicochemical, textural, and microbiological properties of yogurt. Journal of Dairy Science, v. 99, n.1, p. 8511-8523, 2016.

CAPITANI, C. et al. Caracterização de iogurtes elaborados com probióticos e fibra Solúvel. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, v. 8, n. 2, p. 1285-1300, 2014.

CASTRO, D. S. et al. Parâmetros físico-químicos de iogurtes naturais comercializados na cidade de Juazeiro do Norte – CE. Mossoró – RN. Revista Verde, v. 8, n. 3, p. 32 - 35, 2013.

COSTA, H. H. S. et al. Potencial probiótico in vitro de bactérias ácido-lácticas isoladas de queijo-de-minas artesanal da Serra da Canastra, MG. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 65, n. 6, p. 1858-1866, 2013.

DA SILVA, A. B. N.; UENO, M. Avaliação da viabilidade das bactérias lácticas e variação da acidez titulável em iogurtes com sabor de frutas. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v. 68, n. 390, p. 20-25, 2013.

DA SILVA, L. C.; et al. Aspectos microbiológicos, pH e acidez de iogurtes de produção caseira comparados aos industrializados da região de Santa Maria-RS. Disciplinarum Scientia, v. 13, n. 1, p. 111-120, 2016.

FAO/WHO. Working group report on drafting guidelines for the evaluation of probiotics in food. Ontario, Canada; 2002.

FERNANDES, E. N.; et al. Qualidade físico química de iogurtes comercializados em Viçosa (MG). Anais V SIMPAC, v. 5, n. 1, p. 519-524, 2013.

FINCO, A. M. O. et al. Elaboração de iogurte com adição de farinha de gergelim. Ambiência Guarapuava, v. 7, n. 2, p. 217-227, 2011.

GALLINA, D. A. et al. Caracterização de leites fermentados com e sem adição de probióticos e prebióticos e avaliação da viabilidade de bactérias lácticas e probióticas durante a vida de prateleira. UNOPAR Ciência, Biologia e Saúde, v. 13, n. 4, p. 239-244, 2015.

GARMUS, T. T. et al. Avaliação sensorial e físico-química de iogurte enriquecido com farinha de linhaça. Ambiência, v. 12, n. 1, p. 251-258, 2016.

GUTIERREZ, E. M. R.; ZIBORDI, G.; SOUZA, M. C. de. Avaliação físico-química e sensorial de leites Fermentados probióticos. Revista Instituto de Laticínios Cândido Tostes, v. 67, n. 384, p. 22-29, 2012.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Análise Sensorial. São Paulo, p. 42, 2008. Versão eletrônica. Disponível em: <http://www.ial.sp.gov.br/index.php?option=com_remository&Itemid=20&func= fileinfo&id=7>. Acesso em: 16 out 2016.

LEAL, A. A.; UENO, M. Equipamentos de frio na comercialização de alimentos: avaliação dos riscos. Revista Higiene Alimentar, v. 25, n.202/203, p. 36-40, 2011.

LIMA, C. M. F. Monitoramento de temperaturas de equipamentos de refrigeração em supermercados da cidade de Maceió – AL. Revista Higiene Alimentar, v. 25, n. 194/195, p. 35-39, 2011.

MARTINS, Y. A. A. et al. Influência do Tempo de Armazenamento do Leite Cru Refrigerado na Qualidade do Iogurte Natural. In: I Congresso de Pesquisa e PósGraduação do Campus Rio Verde do IFGoiano. Novembro de 2012

MEDEIROS, T. C. et al. Elaboração de iogurte de jaca: Avaliação físico-química, microbiológica e sensorial. Scientia Plena, v. 7, n. 9, p. 1-4, 2011.

MELO, T. A. et al. Levantamento e caracterização dos produtos probióticos disponíveis no mercado varejista da região metropolitana do Rio de Janeiro. Revista Rede de Cuidados em Saúde, v. 10, n. 1, p. 1-13, 2016.

MORELLI, L. Yogurt, living cultures, and gut health. The American Journal of Clinical Nutrition, v. 99, n. 5, p. 1248-1250, 2014.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - OMS. Consulta de Expertos FAO/OMS sobre Evaluación de lãs Propiedades Saludables y Nutricionales de los Probióticosen lós Alimentos, incluída La Lecheen Polvo con Bacterias Vivas del Ácido Láctico, 1-4 de octubre de 2011. Disponível em: ftp://ftp.fao.org/docrep/fao/009/a0512s/a0512s00.pdf. Acesso em: 26 out 2016.

PAIVA, Y. F. et al. Iogurte adicionado de polpa de abacaxi, base mel: elaboração, perfil microbiológico e físico-químico. Pombal – PB. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 10, n. 5, p. 22-26, 2015.

SILVA, D. C. G. D. Desenvolvimento de iogurte à base de leite de cabra com extrato hidrossolúvel de soja. Dissertação de Mestrado – Universidade Federal de Lavras, p. 140, 2010.

SILVA, R. C. L.; FILHO, R. S. F.; MEDEIROS, I. F. Avaliação qualidade de iogurtes produzidos na usina-escola do IFRN campus currais novos e distribuídos na merenda escolar. IX Congresso de Iniciação Científica do IFRN, 2013.

Sistema Brasileiro de Agronegócio – SBA. Consumo de iogurte aumenta no Brasil e laticínios investem na produção, 2015. Disponível em: <http://www.sba1.com/noticias/49565/consumo-de-iogurte-aumenta-no-brasil-e-laticinios-investem-na-producao#.VwHOcfkrLIV>. Acesso em: 25 out 2016.

SYBESMA, W.; HUGENHOLTZ, J.; DE VOS, W. M.; SMID E. J.; Safe use of genetically modified lactic acid bacteria in food. Bridging the gap between consumers, green groups and industry. Electronic Journal of Biotechnology, v. 9 n. 4, p 424-448, 2006.

Downloads

Publicado

2016-12-19

Como Citar

Farias, P. K. S., Nogueira, G. A. B., dos Santos, S. G. A., Prates, R. P., & de Souza, C. N. (2016). Contagem de bactérias lácticas em iogurtes comerciais. Caderno De Ciências Agrárias, 8(3), 38–44. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/ccaufmg/article/view/2939

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)