Qualidade microbiológica de queijos frescos artesanais comercializados na região do norte de Minas Gerais

Autores

  • Jéssica Karoline Santos Garcia Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Rodrigo Pereira Prates
  • Paula Karoline Soares Farias
  • Samuel Ferreira Gonçalves
  • Cintya Neves de Souza

Palavras-chave:

Contaminação de alimentos. Coliformes. Leite. Salmonella.

Resumo

Para a elaboração do queijo fresco artesanal, o leite cru é utilizado em algumas formas de produção e
não sofre nenhum tipo de maturação. Os produtos derivados do leite, em especial o queijo são considerados
um veículo frequente de patógenos, principalmente os produzidos de maneira artesanal, sem
os devidos cuidados de higiene e das boas práticas de manipulação. No presente estudo analisou-se a
qualidade microbiológica do queijo fresco artesanal comercializado na região do norte de Minas Gerais.
Foram analisadas 18 amostras de queijos frescos artesanais para pesquisa de coliformes totais, termotolerantes, bactérias mesófilas aeróbias, Staphylococos spp. e Salmonella sp. Os resultados foram
avaliados de acordo com o preconizado pela legislação vigente. Para os coliformes totais e termotolerantes verificou-se contagens >1,1 x 104 NPM . g-1 para ambas as análises, demonstrando alto nível de contaminação, uma vez que a legislação estabelece valor máximo de 1,0 x 103 NPM . g-1 para coliformes totais e ≤5,0 x 102 NMP . g-1 para os termotolerantes. Todas as amostras apresentaram valores elevados para as bactérias mesófilas aeróbias com contagens >5,0 x 1010 UFC . g-1. Nas amostras de Staphylococcus spp. foram encontrados valores >5,0 x 106 UFC . g-1 em desacordo com o estabelecido na legislação de ≤ 5,0 x 102 UFC . g-1. A Salmonella sp. foi positiva em 63% das amostras, inviabilizando esse produto para o consumo humano. As altas contagens desses micro-organismos evidenciam condições higiênico-sanitárias inadequadas durante o processamento do produto e a necessidade de implantação de sistemas de garantia de segurança em todas as etapas produtoras dos queijos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, A. D. et al. Pesquisa de Staphylococcus coagulase positivo em queijo Minas frescal comercializado na cidade de Alfenas, MG. Revista Higiene Alimentar, v. 20, n. 147, p. 45-50, 2006.
ALMEIDA FILHO, E. S.; NADER FILHO, A. Ocorrência de Staphylococcus aureus em queijo tipo “frescal”. Revista de Saúde Pública, v. 34, n. 6, p. 578-580, 2000.
AMORIM, A. L. B. C. et al. Avaliação da qualidade microbiológica de queijos do tipo Minas padrão de produção industrial, artesanal e informal. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 73, n. 4, p. 364-367, 2014.

ARAÚJO, W. N. et al. Determinação do nível de contaminação por coliformes totais no queijo Minas comercializado na região metropolitana de Salvador – Bahia. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, v. 2, n. 1, p. 5-9, 2001.

BRANT, L. M. F.; FONSECA, L. M.; SILVA, M. C. C. Avaliação da qualidade microbiológica do queijo-de-minas artesanal do Serro-MG. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 59, n. 6, p.1570-1574, 2007.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 62, de 26 de agosto de 2003. Métodos Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas para Controle de Produtos de Origem Animal e Água. 2003. Disponível em: <http://www.a3q.com.br/ dmdocuments/Instru_Normativa_62.pdf>. Acesso em: 13 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n. 12 de 02 de janeiro de 2001. Dispõe sobre o regulamento técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 10 de jan. 2001. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/a47bab8047458b909541d53fbc4c67
35/RDC_12_2001.pdf?MOD=AJPERES>. Acesso em: 13 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária. Portaria n. 146 de 07 de março de 1996. Aprova o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijos. Diário Oficial [da] União, Brasília, DF, 11 de mar. 1996. Disponível em: <http://brasil.minagri.gob.cl/wp-content/uploads/ 2012/08/Adjunto-n%C2%BA15-Portaria-146_96.pdf>. Acesso em: 13 ago. 2016.

FEITOSA, T. et al. Pesquisa de Salmonella sp., Listeria sp. e microrganismos indicadores higiênico-sanitários em queijos produzidos no Estado do Rio Grande do Norte. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 23, n. 3, p. 162-165, 2003.

GRANDI, A. Z.; ROSSI, D. A. Qualidade microbiológica do queijo minas frescal comercializado na cidade de Uberlândia-MG. In: ENCONTRO INTERNO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 6., 2007, Uberlândia-MG. Anais... Uberlândia, 2007. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/ horizontecientifico/issue/view/308>. Acesso em: 24 maio 2012.

HOFFMANN, F. L.; SILVA, J. V. da; VINTURIM, T. M. Qualidade microbiológica de queijos “Minas Frescal”, vendidos em feiras livres na região de São José do Rio Preto, SP. Revista Higiene Alimentar, v. 16, n. 96, p. 69-76, 2002.

KOMATSU, R.S. et al. Ocorrência de Staphylococcus coagulase positiva em queijos Minas frescal produzidos em Uberlândia-MG. Bioscience Journal, v. 26, n. 2, p. 316-321, 2010.

LOGUERCIO, A. P.; ALEIXO, J. A. G. Microbiologia de queijo tipo Minas frescal produzido artesanalmente. Ciência Rural, v. 31, n. 6, p. 1063-1067, 2001.

MARINHEIRO, M. F. et al. Qualidade microbiológica de queijo mussarela em peça e fatiado. Semina: Ciências Agrárias, v. 36, n. 3, p. 1329-1334. 2015.

MELO, A. C. M.; ALVES, L. M. C.; COSTA, F. N. Avaliação da qualidade microbiológica do queijo tipo Minas Padrão comercializado na cidade de São Luís, MA. Arquivos do Instituto Biológico, v. 76, n. 4, p. 547-51, 2009.

PASSOS, A. D. et al. Avaliação microbiológica de queijos Minas frescal comercializados nas cidades de Arapongas e Londrina – PR. Revista do Instituto de Laticínios “Cândido Tostes”, n. 369, v. 64, p. 48-54, 2009.

PINTO, F. G. S. et al. Qualidade microbiológica de queijo Minas frescal comercializado no município de Santa Helena, PR, Brasil. Arquivos do Instituto Biológico, v. 78, n. 2, p.191-198, 2011.

REIS, J. A.; HOFFMANN, P.; HOFFMANN, F. L. Ocorrência de bactérias aeróbias mesófilas, coliformes totais, fecais e Escherichia coli, em amostras de águas minerais envasadas, comercializadas no município de São José do Rio Preto, SP. Higiene. Alimentar, v. 20, n. 145, p. 145, p. 109-115, 2006.

ROCHA, J. S.; BURITI, F. C. A.; SAAD, S. M. I. Condições de processamento e comercialização de queijo-de-minas frescal. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.58, p.263-272, 2006.

RODRIGUES, C. R. F.; FERREIRA, L. C. Avaliação da qualidade microbiológica de queijo Minas Padrão produzido no município de Januária – MG. Caderno de Ciências Agrárias, v. 8, n. 1, p. 57-61, 2016.

SALOTTI, B. M. et al. Qualidade microbiológica do queijo Minas frescal comercializado no município de Jaboticabal, SP, Brasil. Revista Arquivos do Instituto Biológico, v. 73, n. 2, p. 171-175, 2006.

SANTANA, R. F. et al. Qualidade microbiológica de queijo-coalho comercializado em Aracaju, SE. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 60, n. 6, p. 1517-1522, 2008.

SILVA, N. et al. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos e água. 4. ed. São Paulo: Varela, 2010.

WOLUPECK, H. L. et al. Evolução da qualidade microbiológica de queijo Minas frescal comercializado em Curitiba (PR) no intervalo de 10 anos (1999 e 2009). Revista Acadêmica Ciências Agrárias e Ambientais, v. 10, n. 3, p.243-252, 2012.

Downloads

Publicado

2016-08-31

Como Citar

Garcia, J. K. S., Prates, R. P., Farias, P. K. S., Gonçalves, S. F., & Souza, C. N. de. (2016). Qualidade microbiológica de queijos frescos artesanais comercializados na região do norte de Minas Gerais. Caderno De Ciências Agrárias, 8(2), 58–65. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/ccaufmg/article/view/2924

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>