A Formação Inicial na Concepção Docente: Um Estudo Fenomenológico com Professores de Ciências Biológicas

Palavras-chave: Formação Inicial de Professores de Biologia, Concepções Docentes, Necessidades Formativas

Resumo

O presente estudo teve como objetivo analisar o curso de licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Federal da Paraíba, a partir das concepções de professores de Biologia que se formaram no respectivo curso. A metodologia foi desenvolvida a partir da abordagem qualitativa, com base no método fenomenológico-descritivo, no qual aplicamos entrevistas para a coleta e análise dos dados. A seleção e fechamento amostral foi desenvolvida de acordo com a amostragem por cotas, com a investigação dos relatos de dez professores a respeito do fenômeno da formação inicial. Como resultado identificamos 122 assertivas significativas relacionadas ao fenômeno investigado, sendo 63 vinculadas aos êxitos e 59 às críticas ao referido curso. Em relação aos êxitos identificamos a emergência de três temas que representaram as essências fenomenológicas gerais: 1) Os Projetos Extracurriculares são fundamentais para formação docente; 2) As aulas práticas do curso servem como modelo para as aulas no ensino médio; 3) O curso forma bem no que se refere aos saberes disciplinares da Biologia. Em relação às críticas identificamos três temas: 1) As aulas da Licenciatura são voltadas para a formação de um Bacharel; 2) Nos componentes pedagógicos aprende-se educação geral e pouco Ensino de Biologia; 3) Algumas teorias didático-pedagógicas da formação são pouco viáveis na escola. A emergência dessas temáticas demonstra aspectos centrais para que a formação inicial consiga realizar reestruturações curriculares condizentes com as reais demandas formativas dos professores de Biologia.

Biografia do Autor

Ravi Cajú Duré, Universidade Federal da Paraíba (PPGE/UFPB)
Licenciado e Bacharel em Ciências Biologicas (Universidade Federal da Paraíba - UFPB) e mestre em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação (PPGE/UFPB). Cursando Especialização em Ensino de Ciências e Matemática (IFRN) e Doutorando pelo PPGE/UFPB. Está atualmente vinculado ao Grupo de Pesquisas em Ensino de Biologia (GPEBIO), tendo interesse nas áreas de Ensino de Ciências e Biologia; Metodologias de ensino; Formação de professores de Ciências e Biologia.
Francisco José Pegado Abílio, Universidade Federal da Paraíba - Centro de Educação - Departamento de Metodologia da Educação (DME/CE/UFPB)
Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Federal da Paraíba (1994), Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal da Paraíba (2001), Mestre em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Federal da Paraíba (1997), Doutor em Ciências (Ecologia e Recursos Naturais) pela Universidade Federal de São Carlos (2002) e Pós-Doutor em Educação (Educação Ambiental) pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT - 2011) sob a supervisão da profa. Dra. Michèle Sato. Atualmente é professor associado IV do Departamento de Metodologia da Educação da Universidade Federal da Paraíba. Tem atuado nos seguintes temas: Educação e Meio Ambiente; Educação Ambiental (Formal, Não Formal e Informal); Ensino de Biologia e Ciências; Formação Continuada de Professores; Estágio Supervisionado em Docência no ensino de Ciências e Biologia; Formação Docente: educação permanente, reprofissionalização docente; Educação Contextualizada para o semiárido e Bioma Caatinga.Também tem experiências na área de Ecologia da Caatinga (Ecologia de Ecossistemas Límnicos) e Malacologia (biologia, ecologia, taxonomia e EtnoMalacologia)

Referências

Ayres, A. C. M. (2005). As tensões entre a licenciatura e o bacharelado: a formação de professores de Biologia como território contestado. In M.,Marandino, S. E. Selles, M. S., Ferreira, & A. C., Amorim (Orgs.), Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa (pp. 182–197). Niterói: EDUFF.

MEC (2001). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Parecer CNE/CP nº 009/2001, de 8 de Maio.

Cacete, N. H. (2014). Breve história do ensino superior brasileiro e da formação de professores para a escola secundária. Educação e Pesquisa, 40(4), 1061–1076. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022014005000011

Camargo, S., Nardi, R., & Rubo, E. A. A. (2014). Demandas de Professores de Física em Exercício no Ensino Médio: Subsídios para um Processo de Reestruturação de um Curso de Licenciatura. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 14(3), 13–40.

Carvalho, A. M. P, & Gil-Pérez, D. (2011). Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. 10. ed. São Paulo: Cortez.

Colaizzi, P. F. (1978). Psychological Research as the Phenomenologist Views It, In R. S. Valle, & M. King. Existential Phenomenological Alternatives for Psychology. (pp. 48–71). Nova York, NY: Oxford University Press.

Creswell, J. W. (2014). Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. 3. ed. Porto Alegre: Penso.

Diniz-Pereira, J. E. (2000). Formação de professores: pesquisa, representações e poder. Belo Horizonte: Autêntica.

Feitosa, R. A., & Gomes, A. D. C. (2016). Contribuições do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) para a formação docente na área de matemática. Revista Eletrônica Debates em Educação Científica e Tecnológica, 6(2), 116–130.

Feitosa, R. A., & Leite, R. C. M. (2011). O trabalho e o saber docente: construindo a mandala do professor artista-reflexivo. Rio de Janeiro: Câmara Brasileira de Jovens Escritores.

Garcia, I. K., & Pozo, J. I. (2017). Concepções de professores de Física sobre ensino-aprendizagem e seu processo de formação: um estudo de caso. Investigação em Ensino de Ciências, 22(2), 96–119. http://dx.doi.org/10.22600/1518-8795.ienci2017v22n2p96.

Krasilchik, M. (2004). Prática de ensino de biologia. 4. ed. São Paulo: Edusp.

Leite, M. A. (2004). Formação docente: Ciências e Biologia estudo de caso. Bauru: EDUSC.

Libâneo, J. C. (2001). Organização e gestão da escola: Teoria e Prática. Goiânia: Alternativa.

Lüdke, M. (2009). Universidade, escola de educação básica e o problema do estágio na formação de professores. Revista Brasileira de Pesquisa Sobre Formação Docente, 1(1), 95–108.

Matos, D. A. S., & Jardilino, J. R. L. (2016). Os conceitos de concepção, percepção, representação e crença no campo educacional: similaridades, diferenças e implicações para a pesquisa. Revista Educação & Formação, 1(3), 20–31. http://dx.doi.org/10.25053/edufor.v1i3.1893

Moreira, D. A. (2004). O método fenomenológico na pesquisa. 1. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Oliveira, M. P. D. B. (2004). Construindo a trajetória docente: os percursos formativos de professores de ciências. (Dissertação de Mestrado em Educação). Centro de Educação e Ciências Humanas de São Carlos, São Carlos.

Pandolpho, M. H. S. (2006). O Ensino de Biologia em questão: Os vazios e as referências da graduação na prática docente sob o olhar de egressos. (Dissertação de Mestrado em Educação). Centro de Ciências Sociais Aplicada de Campinas, Campinas, São Paulo.

Pimenta, S. G. (2012). Saberes pedagógicos e atividade docente. ed. 8. São Paulo: Cortez.

Pitolli, A. M. S. (2014). A formação inicial de professores de Ciências e Biologia: uma análise a partir da visão de licenciandos de uma universidade pública. (Dissertação de Mestrado em Educação). Centro de Educação e Ciências Humanas de São Carlos, São Paulo.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lúcio, M. P. B. (2013). Metodologia de Pesquisa. ed. 5. São Paulo: McGraw Hill.

Sousa, E. T., Feitosa, R. A., Gomes, A. D. C., Ferreira, Y. B., & Sousa, R. S. (2016). Formação inicial de professores: um estudo do PIBID-BIOLOGIA em Crateús-CE. Revista da SBEnBio, 9(1), 3215–3223.

Sousa, R. F., Moura, F. M. T., & Sá-Carneiro, C. C. B. (2013). O Papel da didática das ciências na formação do professor. In R. I. C., Gullich (Org.), Didática das Ciências (pp. 51–63). Curitiba: Prisma.

Souza, P. A. R., & Fonseca, L. C. F. (2014). Licenciatura em Ciências Biológicas: memórias de uma formação inicial. Revista da SBEnBio, 7(1), 6222–6233.

Tardif, M. (2014). Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Rio de Janeiro: Vozes.

Publicado
2019-09-09
Como Citar
Duré, R., & Abílio, F. J. (2019). A Formação Inicial na Concepção Docente: Um Estudo Fenomenológico com Professores de Ciências Biológicas. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 19, 345-371. https://doi.org/10.28976/1984-2686rbpec2019u345371
Edição
Seção
Artigos