A família significando a doação de órgãos

Uma análise à luz do interacionismo simbólico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2024.38932

Palavras-chave:

Transplante, Obtenção de Tecidos e Órgãos, Relações Familiares, Tomada de Decisões, Acontecimentos que Mudam a Vida

Resumo

Objetivo: compreender o significado que a família atribui à experiência de ter consentido a doação de órgãos. Método: estudo qualitativo, baseado no referencial teórico do Interacionismo Simbólico e na metodologia da Teoria Fundamentada nos Dados. Realizado com 14 familiares que consentiram a doação de múltiplos órgãos. A coleta dos dados ocorreu entre julho e novembro de 2019, por meio de entrevistas intensivas gravadas e transcritas na íntegra, além de um diário de pesquisa. Para a formação dos grupos amostrais, foram seguidos os critérios propostos pela Teoria Fundamentada nos Dados. Esses grupos foram organizados pelo software MAXQDA e, para sua análise, foram utilizadas as duas primeiras etapas de codificação: aberta e focalizada. Resultados: resultou-se em um processo analítico explicativo da experiência da família que consentiu a doação de órgãos de um familiar mediante a perda e o luto, do qual emergiu o conceito que orienta um modelo de cuidado: "Minimizando o sofrimento exercendo a solidariedade", sustentado por três categorias: vivenciando o impacto do diagnóstico de morte encefálica; motivando-se à doação de órgãos; e Significando a doação de órgãos. Conclusão: compreendeu-se os significados que as famílias atribuíram à experiência de consentir a doação de órgãos, sendo o diagnóstico de morte encefálica e o tempo para a conclusão do protocolo associados aos sentimentos de angústia, aflição e esperança de que a morte não se concretizasse; ao corpo como um templo inviolável e à solidariedade como forma de amenizar o sofrimento e enfrentar o luto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Aparecida Martim Mezzavila, Universidade Estadual de Maringá - UEM. Maringá

Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, PR, Brasil.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Doação de Órgãos: transplantes, lista de espera e como ser doador. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2020[citado em 2020 jan. 15]. Disponível em: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/doacao-de-orgaos. 2. Ahmadian S, Rahimi A, Khaleghi E. Outcomes of organ donation in brain-dead patient’s families: ethical perspective. Nurs Ethics [Internet]. 2019[citado em 2019 nov. 15];26(1):256-69. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28592187/ 3. Fernandes MEN, Bittencourt ZZLC, Boin IFSF. Experiencing organ donation: feelings of relatives after consent. Rev Latino-Am Enferm [Internet]. 2015[citado em 2019 nov. 15];23(5):895-901. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-1169.0486.2629 4. Orøy A, Strømskag KE, Gjengedal E. Approaching families on the subjecto for organ donation: a phenomenological study of the experience of health care professionals. Intensive Crit Care Nurs [Internet]. 2013[citado em 2020 fev. 15];29(4):202–11. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.iccn.2013.02.003 5. Dincer PC, Birtan D, Arslantas MK, Altun GT, Ayanoglu HO. The Effect of Standardized Interviews on Organ Donation. Exp Clin Transplant [Internet]. 2018[citado em 2020 jun. 10];16(Supll 1):51-4. Disponível em: https://doi.org/10.6002/ect.TOND-TDTD2017.O21 6. Siminoff LA, Molisani AJ, Traino HM. A Comparison of the Request Process and Outcomes in Adult and Pediatric Organ Donation. Pediatrics [Internet]. 2015[citado em 2020 jun. 10];136(1). Disponível em: https://doi.org/10.1542/peds.2014-3652 7. Kentish-Barnes N, Cohen-Solal Z, Souppart V, Cheisson G, Joseph L, Martin-Lefèvre L, et al. Being Convinced and Taking Responsibility: A Qualitative Study of Family Members’ Experience of Organ Donation Decision and Bereavement After Brain Death. Crit Care Med [Internet]. 2019[citado em 2020 maio 15];47(4):526-34. Disponível em: https://doi.org/10.1097/CCM.0000000000003616

Kentish-Barnes N, Chevret S, Cheisson G, Joseph L, Martin-Lefèvre L, Larbi AGS, et al. Grief Symptoms in Relatives Who Experienced Organ Donation Requests in the ICU. Am J Respir Crit Care Med [Internet]. 2018 [citado em 2020 maio 15];198(6):751–8. Disponível em: https://doi.org/10.1164/rccm.201709-1899OC

Charon JM. Symbolic interacionism: na introduction, an interpretation, an integration. 3ª ed. New Jersey: Pearson Prentice Hall; 2004.

Charmaz K. A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed; 2009.

Souza VRS, Marziale MHP, Silva GTR, Nascimento PL. Translation and validation into Brazilian Portuguese and assessment of the COREQ checklist. Acta Paul Enferm.

[Internet]. 2021[citado em 2021 nov. 21];34:eAPE02631. Disponível em: https://doi.org/10.37689/acta-ape/2021AO02631

Lacerda MR, Santos JLG. Teoria fundamentada nos Dados: bases teóricas e metodológicas. Porto Alegre: Moriá; 2019.

López JS, Soria-Oliver M, Aramayona B, García-Sánchez R, Martínez JM, Martín MJ. An Integrated Psychosocial Model of Relatives’ Decision About Deceased. Front Psychol [Internet]. 2018[citado em 2019 nov. 10];10(9):408. Disponível em: https://dx.doi.org/10.3389%2Ffpsyg.2018.00408

Bitencourt ALP, Quintana AM, Velho MTAC. A perda do filho: Luto e doação de órgãos. Estud Psicol [Internet]. 2011[citado em 2021 jan. 13];28(4). Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-166X2011000400004

Cajado MCV, Franco ALS. Organ and tissue donation for transplantation: subjective impasses before the family decision. Rev Baiana Saúde Pública [Internet]. 2017[citado em 2019 nov. 15];40(2). Disponível em: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2016.v40.n2.a2164

Fernández-Alonso V, Palacios-Ceña D, Silva-Martín C, García-Pozo A. Experiência de famílias de doadores falecidos durante o processo de doação de órgãos: um estudo qualitativo. Acta Paul Enferm [Internet]. 2022[citado em 2021 jan. 13];35:eAPE039004334. Disponível em: http://dx.doi.org/10.37689/acta-ape/2022AO004334

Sandri JVA, Kuse EA. The meaning of yes' for the family in the organ donation process. Nursing (Säo Paulo) [Internet]. 2019 [citado em 2020 jan. 12];22(254):3047-51. Disponível em: http://www.revistanursing.com.br/revistas/254/pg30.pdf

Carvalho NS, Sousa J, Veloso LC, Ataíde KMN. Nurses’ professional performance in the organ’s donation and procurement process in eligible donors. Rev Enferm UFPI [Internet]. 2018[citado em 2020 jan. 12];8(1):23-9. Disponível em: https://doi.org/10.26694/2238-7234.8123-29

Prado RT, Leite JL, Silva ÍR, Silva LJ. Communication in the management of the nursing care before the death and dying process. Texto & Contexto Enferm [Internet]. 2019[citado em 2020 jan. 12];28:e20170336. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1980-265x-tce-2017-0336

Marinho CLA, Conceição AICC, Silva RS. Causas de recusa familiar na doação de órgãos e tecidos. Rev Enferm Contemp [Internet]. 2018[citado em 2020 jan. 10];7(1):34-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v7i1.2008

Calikoglu E, Salcan S, Akcay H, Gumus A, Aydin O. Knowledge and Attitudes of Intensive Care Nurses on Organ Donation. EJMO [Internet]. 2018[citado em 2020 maio 15];2(4):238-42. Disponível em: https://doi.org/10.14744/ejmo.2018.0031

Bezerra MSM, Souza SPS, Barbosa MARS, Souza ÍP. Spirituality and religiosity as coping strategies for illness and death. Ciênc Cuid Saúde [Internet]. 2018[citado em 2020 maio 15];17(4). Disponível em: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v17i4.45155

Ministério da Saúde (BR). Lei nº 9175, de 18 de outubro de 2017. Estabelece as diretrizes para doações de órgãos, tecidos, células e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento. Diário oficial da União, 18 out. Brasília; 2017.

Rosa N, Garrafa TV. Bioética e Confidencialidade do Doador Cadáver em Transplantes Renais no Brasil. Rev Latinoam Bioet [Internet]. 2011[citado em 2019 nov. 20];11(2):98-105. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/rlb/v11n2/v11n2a10.pdf

Arquivos adicionais

Publicado

14-06-2024

Como Citar

1.
Mezzavila VAM, Cardoso LCB, Fernandes Cardoso da Silva Rodrigues T, Rêgo A da S, Salci MA, Knihs N da S, Radovanovic CAT. A família significando a doação de órgãos: Uma análise à luz do interacionismo simbólico. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 14º de junho de 2024 [citado 15º de junho de 2024];28(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/38932

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)