Caminhos da União Europeia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2525-8036.2023.48152

Palavras-chave:

Confederalismo europeu, Federalismo europeu, Funcionalismo

Resumo

A integração europeia iniciada em 1951, pelo Tratado de Paris, evoluiu de uma Comunidade Econômica do Carvão e do Aço (CECA) para uma Comunidade Econômica Europeia (CEE), em 1957 até uma União Europeia (UE), em 1993. O Projeto de Paz e Poder europeu se confronta com três visões principais sobre o futuro e sua integração, nomeadamente: Europa dos Estados, Europa dos Cidadãos e Europa das Repartições. Essas perspectivas possuem, em alguma medida, destaque na formação e elaboração do cenário europeu. Deles emergem as três esferas europeias, a externa sendo a pautada na política de poder, onde seus líderes nacionais, em nome de sua população, perseguem cada um seu poder e seus interesses, com os Estados possuindo maior destaque no Concerto Europeu; a esfera interna reflete os anseios funcionalistas de seus burocratas que, sob o regime dos tratados europeus, são sustentados e inspirados pelo espírito comunitário; por último, a esfera intermediária, congrega a busca dos interesses de cada Estado-membro a partir da Comunidade que, conjuntamente, ditam o formato e caminho da Europa. Neste trabalho, inferimos que a integração europeia, seja qual for, e se for o caso, possivelmente deve compreender sua realidade política, ou seja, ter consciência das disputas por seus valores, suas tradições, sua cultura e se de fato são ou serão uma nova Europa. Deste modo, buscamos evidenciar que a luta pela efetivação dos direitos fundamentais e a realização do ideal de Estado de Direito devem ser o sustentáculo da construção europeia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Bruno Amaral Mendes, Universidade Federal de Uberlândia

Graduando em Relações Internacionais pela Universidade Federal de Uberlândia, desenvolve pesquisa de Iniciação Científica sob orientação do Prof. Dr. Hugo Rezende Henriques, com financiamento da FAPEMIG. Currículo Lattes:    http://lattes.cnpq.br/3199423567721227. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0685-7163. Contato: lucasbrunoam@gmail.com.

Referências

BOTELHO, Ana Cristina Melo de Pontes; MORETTI, Gianna Alessandra Sanchez. O princípio da primazia no direito da União Europeia. Revista Perspectivas do Desenvolvimento: um enfoque multidimensional, Brasília: v. 4, n. 5, p. 52–82, 2016.

BULL, Hedley. A Sociedade Anárquica: um estudo da ordem na política mundial. Trad. Sérgio Bath. Brasília & São Paulo: IPRI, UNB, Imprensa Oficial, 2002.

COMISSÃO EUROPEIA (Bélgica). O ABC do direito da União Europeia. In: BORCHARDT, Klaus. Tratados da UE atualmente em vigor. [S. l.: s. n.], 2017.

COZENDEY, Carlos Márcio. Instituições de Bretton Woods. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2013.

DAVID, René. Os grandes sistemas do direito contemporâneo. Trad. Hermínio A. Carvalho. 4ª ed. São Paulo: Martin Fontes, 2002.

DEMOCRATAS suecos buscam revisar a estratégia da UE e preparar o terreno para o ‘Swexit’. Sputinik News. 18 mai. 2023. Disponível em: https://sputniknewsbrasil.com.br/20230518/democratas-suecos-buscam-revisar-a-estrategia-da-ue-e-preparar-o-terreno-para-swexit-28884371.html. Acesso em: 31 mai. 2023.

DIZ, Jamille B. Mata; CARNEIRO, C. C. E. (Re) Visitando o primado das normas de direito europeu: a evolução histórica da primazia e seus primeiros desdobramentos jurisprudenciais. Revista Jurídica-UniCuritiba, v. 4, p. 255-284, 2017.

EUROSTAT. Demographic balance and crude rates at national level. Data Browser, 2023. Disponível em: https://ec.europa.eu/eurostat/databrowser/view/DEMO_GIND__custom_7127262/default/table. Acesso em: 05 set. 2023.

FRANKENBERG, Günther. Técnicas de Estado: perspectivas sobre o Estado de Direito e o estado de exceção. Trad. Gercelia Mendes. São Paulo: Editora UNESP, 2018.

FUKUYAMA, Francis. O fim da história e o último homem. Trad. Aulyde Soares Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

GUIZOT, François. Historia General de la civilización en Europa. Barcelona: Librería de J. Oliveres y Gavarró, 1839.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Enciclopédia das Ciências Filosóficas – em compêndio. Vol. III – A Filosofia do Espírito. Trad. Paulo Meneses. São Paulo: Edições Loyola, 1995.

HENRIQUES, Hugo Rezende. Fenomenologia do Poder: o Estado de direito e seu compromisso com o Poder como Liberdade. Tese (Doutorado) — Programa de Pós-Graduação em Direito, Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020, .

HENRIQUES, Hugo Rezende; CARVALHO, João Pedro Braga de. Conhece-te a ti mesmo: Hegel e o Destino do Estado de Direito. In: TASSINARI, Ricardo Pereira; BAVARESCO, Agemir; MAGALHÃES, Marcelo Marconato (Orgs.). Hegel e a contemporaneidade. Porto Alegre: Editora Fundação Fênix, 2020.

HENRIQUES, Hugo Rezende; MENDES, Lucas Bruno Amaral. A luta pela Democracia: o desenvolvimento dos modelos políticos francês e alemão e seus reflexos na União Europeia e no mundo. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 7, n. 1, p. 1–24, 2022.

HOBSBAWM, Eric John. A Era das Revoluções. 1789-1848. Trad. Maria Tereza Lopes Teixeira e Macus Penchel. 37.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

HOBSBAWM, Eric John. A Era do Capital. 1848-1875. Trad. Luciano Costa Neto. 25ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

HORTA, José Luiz Borges. Hegel, Liberdade e Estado. In: HORTA, José Luiz Borges; SALGADO, Joaquim Carlos. Hegel e o Estado de Direito. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2010, p. 247-264.

HORTA, José Luiz Borges. História do Estado de Direito. São Paulo: Alameda, 2011.

HORTA. José Luiz Borges. A subversão do fim da História e a falácia do fim do Estado: notas para uma filosofia do tempo presente. In: CARVALHO, Marcelo; FIGUEIREDO, Vinicius (Orgs.). Filosofia alemã de Kant a Hegel. São Paulo: ANPOF, 2013.

JUDT, Tony. Pós-Guerra: uma história da Europa desde 1945. Trad. José Roberto O’Shea. Rio de Janeiro: Objetiva, 2008.

KENNEDY, Paul. Ascensão e queda das grandes potências. Trad. Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

KEYNES, John Maynard. As consequências econômicas da paz. Trad. Sérgio Bath. São Paulo: IPRI, Ed. UNB, Imprensa Oficial, 2002.

KISSINGER, Henry. Diplomacia. Trad. Saul S. Gefter; Ann Mary Fighiera Perpétuo. São Paulo: Saraiva Uni, 2012.

KLEIN, Naomi. A doutrina do Choque: a ascensão do capitalismo de desastre. Trad. Vania Cury. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

LE GOFF, Jacques. Uma breve história da Europa. 4ª ed: Vozes, Petrópolis, 2014.

MARSHALL, Tim. Prisioneiros da Geografia: 10 mapas que explicam tudo o que você precisa saber sobre política global. Trad. Maria Luiza de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

MEARSHEIMER, John. The tragedy of great power politics. University of Chicago. W. W. Norton & Company, New York, 2001.

MENDES, Lucas Bruno Amaral. Cultura, ideologia e pragmatismo: A conturbada relação Reino Unido-União Europeia. Apresentação oral. XXVII – Jornada Jurídica da Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2022.

MICHELET, Jules. História da Revolução Francesa: da queda da Bastilha à festa da federação. Trad. Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das letras, 1989,

MIDDELAAR, Luuk van. A nova política da Europa. Trad. Francis Petra Janssen. São Paulo: É realizações, 2020.

MIDDELAAR, Luuk van. Europa em transição: como um continente se transformou em união. Trad. Ramon Gerritz. São Paulo: É Realizações, 2017.

MORGENTHAU, Hans Joachim. A política entre as nações: a luta pelo poder e pela paz. Trad. Oswaldo Biato. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2003.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-universal-dos-direitos-humanos.

DISCURSO do Papa Francisco aos líderes da união europeia durante o 60º aniversário do Tratado de Roma. Rádio Vaticano, 24 mar. 2017. Disponível em: https://noticias.cancaonova.com/especiais/pontificado/francisco/discurso-papa-aos-lideres-da-uniao-europeia/. Acesso em: 30 mai. 2023.

RIBEIRO, Maria Manuela Tavares. Victor Hugo – O profeta dos Estados Unidos da Europa. Centro de Línguas e Culturas: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2004.

ROCHA, Acílio da Silva Etanqueiro. Filosofia da Europa: Questões sobre a Europa. Revista Diacrítica. Universidade do Minho, nº 17/2, p.7-72, 2003.

ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: Veredas. 22ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SAINT-SIMON, Claude-Henri de Rouvroy Conde de. De la réorganisation de la societé européenne. Paris: Imprimeur de S. A. R. Monseigneur Le Duc D'Angoulême, 1814.

SALGADO, Joaquim Carlos. A ideia de justiça em Hegel. São Paulo: Edições Loyola, 1996

SALGADO, Joaquim Carlos. O Estado Ético e o Estado poiético. Revista do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 27, n. 2, 1998.

SIMMS, Brendan. Europa: a luta pela supremacia: de 1453 aos nossos dias. Trad. Miguel Freitas da Costa. Lisboa: EDIÇÕES 70, 2015.

SOLSONA, Gonçal Mayos. Nuevos ‘fenómenos-inters’: interconstitucionalidad e interculturalidade. In: SOLSONA, Gonçal Mayos; CARBONELL, José Carlos Remotti; DÍAZ, Yanko Moyano [Eds.]. Interrelación filosófico-juridica multinivel: estudios desde la enterconstitucionalidad, la interculturalidad y la interdisciplinariedad para un mundo global. Barcelona: Linkgua, 2016.

TRATADO da União Europeia, 1992. Disponível em: https://www.europarl.europa.eu/about-parliament/pt/in-the-past/the-parliament-and-the-treaties/maastricht-treaty.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA. Comunicado de imprensa n. 56/13, 50 anos de efeito direto do direito da União em benefício dos cidadãos e das empresas. Luxemburgo, 7 de maio de 2013.

WATSON, Adam. A evolução da sociedade internacional: uma análise histórica comparativa. Trad. René Loncan. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2004.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Trad. Mário Moraes. São Paulo: Martin Claret, 2016.

Downloads

Publicado

26-12-2023

Como Citar

MENDES, L. B. A. Caminhos da União Europeia. Revista de Ciências do Estado, Belo Horizonte, v. 8, n. 2, p. 1–23, 2023. DOI: 10.35699/2525-8036.2023.48152. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revice/article/view/e48152. Acesso em: 28 maio. 2024.